Pico do Itaguaré

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde maio de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Pico do Itaguaré
Pico do Itaguaré está localizado em: Brasil
Pico do Itaguaré
Coordenadas 22° 29' 18" S 45° 05' 04" O
Altitude 2.308 m
Localização divisa  São Paulo /  Minas Gerais
Cordilheira Serra da Mantiqueira
Rota mais fácil Cruzeiro(SP)

Pico do Itaguaré é uma montanha situada na divisa dos Estados de Minas Gerais e São Paulo, na Serra da Mantiqueira. Seu cume está a 2.308 metros acima do nível do mar.

Localização[editar | editar código-fonte]

A montanha encontra-se na divisa dos municípios de Passa Quatro, Minas Gerais, e Cruzeiro, São Paulo, mas a zona urbana mais próxima é a da pequena cidade mineira de Marmelópolis. A subida mais fácil pode ser feita através de uma trilha que parte da zona rural do município de Cruzeiro.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

O nome Itaguaré pode significar "pedra sagrada" ou mesmo "pedra rachada" em tupi. Suas encostas são íngremes e conforme a altitude aumenta, ficam cada vez mais escarpadas.

Acessos[editar | editar código-fonte]

Da cidade de Cruzeiro, avista-se o pico em todo seu contorno, tendo este a aparência de um "gigante deitado" ou de "nariz de gigante". É apelidado "Gigante Adormecido". Embora a zona urbana de Cruzeiro diste apenas cerca de 16 km em linha reta do pico, a região do Pico do Itaguaré é praticamente deserta e desconhecida. A montanha é inóspita, com ventos extremamente fortes e noites de inverno em que se registram temperaturas negativas. Alguns pontos de sua subida podem ser utilizados para a prática do voo livre, porém sem nenhuma estrutura adequada.

Também fica no Pico do Itaguaré a chamada "Toca das Andorinhas", uma pequena caverna que refugia milhares dessas aves, ali muito dóceis. Seu acesso é difícil, conhecido apenas pelos raros nativos da região ao redor do pico.

Uma "escalaminhada" de cerca de 3 dias que vem despontando recentemente é a travessia Marins-Itaguaré. Exige bom preparo físico. Há relatos de alguns montanhistas que realizaram o percurso em apenas um dia, mas isso é recomendado apenas para os muito experientes, devido às condições difíceis da trilha, cheias de montanhas, áreas alagadas, vegetação muito alta e escassez de água potável.

Também são muito comuns as histórias no local de luzes desconhecidas que entram nas escarpas da montanha. Segundo ufologistas, o Pico do Itaguaré situa-se em um corredor Bavic, como são chamadas as "aerovias" de possíveis "discos voadores". Outros, mais céticos, dizem que se trata de ocorrências frequentes de "relâmpagos de bola" ou "fogo de Santelmo".