Pinça molecular

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ação de uma pinça molecular de fulereno.

As pinças moleculares, às vezes denominada clips moleculares, são macrociclos acíclicos complexos moleculares com cavidades abertas capazes de atrair ligações.[1] O termo "pinça molecular" foi usado pela primeira vez por Howard J. Whitlock, mas foi desenvolvida e popularizada por Steven C. Zimmerman, em meados da década de 1980 ao início de 1990.[2] [3] [4] A cavidade aberta da pinça molecular pode ligar usando ligações não-covalentes que incluem ligações de hidrogênio, a coordenação do metal, forças hidrofóbicas, forças de Van der Waals, interações π-π, e/ou efeitos eletrostáticos. Esses complexos são um subconjunto de macrociclos receptores moleculares e sua estrutura é que os dois "braços" que se ligam a molécula efetuada entre eles estão apenas conectados por uma extremidade.

Relações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Frank-Gerrit Klärner and Björn Kahlert. (2003). "Molecular Tweezers and Clips as Synthetic Receptors. Molecular Recognition and Dynamics in Receptor-Substrate Complexes". Acc. Chem. Res. 36 (12): 919–932. DOI:10.1021/ar0200448.
  2. Zimmerman, S. C.; VanZyl, C. M. "Rigid molecular tweezers: synthesis, characterization, and complexation chemistry of a diacridine," J. Am. Chem. Soc. 1987, 109, 7894.
  3. Zimmerman, S. C.; Wu, W. "A rigid molecular tweezers with an active site carboxylic acid: exceptionally efficient receptor for adenine in an organic solvent," J. Am. Chem. Soc. 1989, 111, 8054.
  4. Zimmerman, S. C. "Rigid molecular tweezers as hosts for the complexation of neutral guests," Top. Curr. Chem. 1993, 165, 71.
Ícone de esboço Este artigo sobre Nanotecnologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.