Pindaí

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Pindaí
Bandeira desconhecida
Brasão de Pindaí
Bandeira desconhecida Brasão
Hino
Aniversário 07 de abril
Fundação 13 de fevereiro de 1962
Gentílico pindaiense
Prefeito(a) Rosane Madalena Prado (PSDB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Pindaí
Localização de Pindaí na Bahia
Pindaí está localizado em: Brasil
Pindaí
Localização de Pindaí no Brasil
14° 29' 34" S 42° 41' 13" O14° 29' 34" S 42° 41' 13" O
Unidade federativa  Bahia
Mesorregião Centro-Sul Baiano IBGE/2008 [1]
Microrregião Guanambi IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Caculé, Caetité, Candiba, Guanambi, Licínio de Almeida, Sebastião Laranjeiras, Urandi
Distância até a capital Não disponível
Características geográficas
Área 715,482 km² [2]
População 15 629 hab. IBGE/2010[3]
Densidade 21,84 hab./km²
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,603 médio PNUD/2010 [4]
PIB R$ 42 073,896 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 2 669,83 IBGE/2008[5]
Página oficial

Pindaí é um município brasileiro do estado da Bahia.

História[editar | editar código-fonte]

"A existência da velha denominação “tapera” dada a um sítio a noroeste de Guirapá, nos permite supor que ali se estabeleceram os primeiros povoadores daquela parte do Alto Rio das Rãs, antes da formação do antigo arraial que, mais tarde, foi a Vila Bela de Umburanas, que atualmente pertence ao município de Pindaí." (TEIXEIRA, 1991, p. 45)

E foi então, por relatos em livros como o de Teixeirinha e depoimentos de pessoas remanescentes entrevistadas, na antiga Fazenda Tapera a qual ainda existe, a aproximadamente 06 quilômetros do distrito de Guirapá, foi que surgiram as primeiras moradias que, anos depois, veio a se espalhar e formar a antiga Vila Bela de Umburanas, atual Guirapá, cujas povoações descambou-se morros abaixo até a formação antiga Vila de Gameleira, atual Pindaí.

Tais aglomerados de casas surgiam devido ao crescimento de pequenas fazendas em que os donos cediam terrenos próximos as suas residências para a construção de casa para seus serviçais. Nessas vilas e fazendas com varias casas, que iam de boas até as de enchimento com taipa revestida de barro, a passagem de tropeiros e bruaqueiros se tornava comum os quais viajavam dias e noites sob sol e chuva para vender suas mercadorias que iam de utensílios domésticos, alimentos não perecíveis até ferramentas e peças de vestuário. Os tropeiros geralmente se encontravam em grandes grupos nas antigas vilas da região para vender seus produtos e ficavam até sete dias no local das vendas.

Na Vila de Gameleira, nome dado pelos moradores devido ao grande presença da árvore de mesmo nome, a antiga feira livre, hoje relembrada como “feira velha do antigo barracão” que acontecia no centro da atual Praça Luiz Eduardo, antiga Praça do Esporte, era ponto forte de comércio dos moradores, tropeiros e viajantes vindos de toda a região o que contribui fortemente para desenvolvimento comercial da vila.

Com um acesso mais fácil para vender e comprar mercadorias e na obtenção de arrumar algum trabalho ou abrir um possível comércio as pessoas se deslocavam de lugares mais longínquos da região para se instalarem próximo as vilas e arraiais. E assim crescia vilas, povoados e fazendas que pertenciam ao antigo município de Duas Barras, atual Urandi. Sendo assim, com as Leis Administrativas, datadas de 31 de dezembro de 1936 e 31 de dezembro de 1937 e o Decreto de Lei Estadual número 10.724 de 30 de março de 1938 integram ao município de Duas Barras, em apreço, quatro distritos sendo o da sede que ficava com o nome de Urandi, o de Piedade, São João da Gameleira e Umburanas. Já no qüinqüênio de 1939 a 1943 no Decreto Estadual número 11.089 de 30 de novembro de 1938 o Distrito de São João da Gameleira aparece como simplesmente Gameleira. No qüinqüênio de 1944 a 1948 com o Decreto Estadual de número 12.978 de 1 de junho de 1944 os distritos sofrem a mudança nos topônimos distritais sendo que de Piedade passa a se chamar Tauape, de Gameleira para Pindaí e de Umburanas para Guirapá. Tal mudança permaneceu para os qüinqüênios posteriores de 1949-1953 e 1954-1958.

O nome de Pindaí é de origem indígena - do Tupi-Guarani - Rio da Pesca ou Rio do Anzol (Pind = Rio + Ai =anzol, pesca). Este nome foi dado pela professora Eponina Zita, natural de Caetité que na época trabalhava em Urandi, mudança esta que baseava-se na Lei Estadual 12.978 de 1 de junho de 1944 que determinava a mudança dos nomes de cidades e distritos que tivessem nomes idênticos. Após levantar algumas características locais da região e sabendo no números de nascentes de água doce na serra bem como a principal que era o Rio de Contendas surgiu então o nome de Pindaí que foi apresentado e aceito. Este nome permaneceu até o ano de 1965 quando foi apresentado, devido a grande produção de algodão que existia no município na época, o nome de Ouro Branco. Porem este nome não se oficializou devido coincidir com um distrito de Jacobina, no estado da Bahia, voltando então ao seu nome anterior.

Pindaí desmembrou-se de Urandi pela Lei Estadual 1.617 de 13 de fevereiro de 1962 publicada no Diário Oficial do estado da Bahia no dia 20 de fevereiro de 1962. Assim ficou com o Distrito de Guirapá pertencente ao seu território. No mesmo ano foram feitas as eleições para prefeito e vereadores elegendo-se para o executivo o Sr. Jerônimo Borges de Carvalho tomando posse no dia 7 de abril de 1963. Desde a emancipação o município teve como gestores municipais os Srs. Jerônimo Borges de Carvalho (1963–1966, 1971–1972) já falecido, Juarez Tudes Novato (1967–1970, 1977–1982), Francisco Teixeira Cotrim (1973–1976, 1983–1988) já falecido, João Evangelista Veiga Pereira (1989–1992, 1997–2000), Valdemar da Silva Prado (1993-1996, 2005-2008) Antonio Rodrigues Gomes(2001-2004), Lourivaldo da Cruz Teixeira ( Loro) ( 2008-2012),Rosane Madalena Ladeia Pereira Prado (2013-2016), primeira mulher a assumir o posto de chefe do Executivo Municipal a qual se candidatou a três dias para as eleições em substituição ao marido Valdemar da Silva Prado que renunciou a sua candidatura haja vista ter sido enquadrado na Lei da Ficha Limpa .

O município de Pindaí está localizada na região da Serra Geral, sudoeste do estado da Bahia. Município de pequeno porte com o total de 15.616 habitantes sendo que desse total 3.631 são da zona urbana e 11.863 da zona rural sendo assim um município com uma zona rural extensa particularizando sua grande cultura agrícola.A distancia de Pindai a capital do Estado é de 726 km.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Sua população estimada em 2010é de 15.616 habitantes.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Página visitada em 25 de agosto de 2013.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.
Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado da Bahia é um esboço relacionado ao WikiProjeto Nordeste do Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.