Pindobaçu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Pindobaçu
Bandeira desconhecida
Brasão desconhecido
Bandeira desconhecida Brasão desconhecido
Hino
Aniversário 04 de março
Fundação 1953[1]
Gentílico pindobaçuense
Prefeito(a) Hélio Palmeira (PR)
(2009–2012)
Localização
Localização de Pindobaçu
Localização de Pindobaçu na Bahia
Pindobaçu está localizado em: Brasil
Pindobaçu
Localização de Pindobaçu no Brasil
10° 44' 34" S 40° 21' 46" O10° 44' 34" S 40° 21' 46" O
Unidade federativa  Bahia
Mesorregião Centro Norte Baiano IBGE/2008 [2]
Microrregião Senhor do Bonfim IBGE/2008 [2]
Municípios limítrofes Antônio Gonçalves, Campo Formoso, Filadélfia, Mirangaba, Ponto Novo e Saúde.
Distância até a capital 414 km
Características geográficas
Área 527,742 km² [3]
População 20 119 hab. IBGE/2010[4]
Densidade 38,12 hab./km²
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,577 baixo PNUD/2010 [5]
PIB R$ 54 522,443 mil IBGE/2008[6]
PIB per capita R$ 2 612,10 IBGE/2008[6]
Página oficial

Pindobaçu é um município brasileiro do estado da Bahia. Sua população estimada em 2004 era de 19.238 habitantes.

O município está situado no Centro Norte baiano, mais especificamente na microrregião de Senhor do Bomfim e faz fronteira com os municípios de Campo Formoso, Antônio Gonçalves, Mirangaba, Filadélfia, Saúde e Ponto Novo.

Originalmente os territórios que hoje integram os municípios de Pindobaçu e Filadélfia faziam parte do município de Campo Formoso. Surgiu de um pouso de tropeiros, local em que os viajantes das tropas de animais de carga paravam para descansar. O principal itinerário da viagem era o caminho que ligava a antiga Vila Nova da Rainha (atual Senhor do Bonfim) e a vila velha de Jacobina.

Tais viajantes, na época da colonização, tiveram papel importante no desenvolvimento social e econômico do sertão. A abundância de água apropriada para o consumo atraia os viajantes, que se arranchavam nas áreas localizadas além do Riacho da Água Fria. Este pequeno córrego nascido na cadeia montanhosa que circunda a cidade separava a área das rancharias do antigo território que integrava a Fazenda Lage, cujo desenvolvimento capitaneado por Francisco Rocha, que pode ser considerado como o primeiro pindobaçuense de fato, deu origem a uma povoação maior.

Posteriormente a área das rancharias se desenvolveu dando origem a um antigo Arraial denominado por uns de Arraial do Lamarão e por outros de Arraial do Lameirão. O nome alusivo à lama deve-se ao fato de que os terrenos eram muito úmidos e na época das chuvas a ruas ficavam encharcadas de lama. É preciso entender que os dois arraiais, o da Lage e o do Lamarão não se confundiam e sempre estiveram separados pelo Riacho da Água Fria.

O Arraial da Lage continuou se desenvolvendo sob os auspícios da Família Rocha e do outro lado do riacho o Arraial do Lamarão crescia atraindo uma diversidade de pessoas, com destaque para a figura de Vicente Alves, que teve um papel importante na história da cidade por ter instituído com o beneplácito da Igreja a devoção e os festejos do orago o Senhor Bom Jesus de Pindobaçu.

O antigo Arraial do Lamarão se desenvolveu e com a instituição da feira semanal passou a ser o centro comercial, subordinando dessa forma a povoação da Lage.

A povoação permaneceu com o nome de Lamarão até o ano de 1914, ano em que foi inaugurada a estação ferroviária de Pindobaçu e a mudança do nome do lugar tem uma explicação muito curiosa. Quando o prédio da estação ficou pronto o nome da localidade deveria ser colocado em seu frontispício, mas os engenheiros da Leste Brasileira acharam que o nome de Lamarão era muito feio para batizar aquele prédio novo e bonito. Decidiram então consultar os moradores acerca de uma possível mudança quanto ao nome da localidade. A consulta foi realizada na residência de Emílio Hilarião. Os moradores consentiram com a mudança, mas não sabiam qual seria o novo nome. Ocorreu que dentre os engenheiros da Leste Brasileira havia um que era estudioso do idioma Tupy-Guarany, o qual explanou aos presentes que devido a abundância de palmeiras de babaçu naquela região ele propunha que o lugar deveria passar a se chamar Pindobassu, o que no idioma Tupy que dizer "palmeira alta" ou "palmeira grande", já que a palavra pindoba em Tupy quer dizer palmeira e assu quer dizer grande. A aceitação foi geral. E como a origem do nome era Tupy o mesmo foi grafado com dois SS, tendo a ortografia posterior substituído os dois SS pelo Ç como é grafado atualmente.


Site com informações, noticias e eventos da cidade ZOIUDOS

Referências

  1. http://cod.ibge.gov.br/D0DK
  2. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  3. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  4. Censo Populacional 2010. Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  5. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Página visitada em 24 de agosto de 2013.
  6. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.
Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado da Bahia é um esboço relacionado ao WikiProjeto Nordeste do Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.