Pinhão-manso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaPinhão-manso
Jatropha curcas1 henning.jpg

Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Malpighiales
Família: Euphorbiaceae
Género: Jatropha
Espécie: J. curcas
Nome binomial
Jatropha curcas
L.[1]
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Pinhão-manso
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Pinhão-manso

Jatropha curcas é o nome científico de uma planta do gênero Jatropha, da família Euforbiácea. É denominada popularmente como mandubiguaçu, pinhão-de-purga[2] , pinhão-manso, purgueira e pinha-de-purga.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Mandubiguaçu" é formado pela junção dos termos tupis mãdu'bi (amendoim) e guaçu (grande)[3] , significando, portanto, "amendoim grande". É uma referência a suas sementes, semelhantes às do amendoim. "Pinhão-de-purga" também é uma referência a suas sementes, que contêm um óleo tóxico, com efeito purgativo[4] .

Descrição[editar | editar código-fonte]

Suas sementes são oblongas, elipsoides, apresentando uma coloração escura e contidas em frutos tipo cápsula tricoca. A semente é constituída, em média, de 75% de embrião e 25% de tegumento, apresentam pequena variação de tamanho e densidade, além de não apresentar problemas de dormência (SHEPENTINA et al., 1986).

No semiárido da Região Nordeste do Brasil[5] , depois de cinco anos de experimentos com pinhão-manso, o pesquisador da Embrapa Semiárido (em Petrolina, em Pernambuco), Marcos Drummond, informou que um dos principais gargalos do cultivo está na colheita. Os frutos amadurecem desuniformes, o que prejudica e aumenta o custo da mão de obra. "Enquanto não se resolver este problema, a cultura fica inviável economicamente. O trabalho de melhoramento genético é fundamental para obter uniformidade na maturação dos frutos. Também é necessário estabelecer modelos de sistemas produção", reforça Drummond. Nesta região, com precipitação de 500 mm, é inviável produzir economicamente sem irrigação. Nos experimentos, após repetição de quatro anos, tem-se observado uma produtividade de 4 mil/kg/sementes/ha, onde estão sendo fornecidos 20 litros de água por semana. Nas mesmas condições, mas sem irrigação, a produtividade não chega a 300/kg/sementes/ha. "Esses dados mostram que o pinhão-manso tem potencial. Só precisamos ajustar a cultura às condições ambientais", comprova Drummond. Comparada as outras espécies, o pinhão-manso apresenta menor demanda de água, porém necessita de um suprimento regular ao longo do ano. Também é uma modalidade que não compete com o fornecimento de comida.

Referências

  1. Jatropha curcas L.. Germplasm Resources Information Network. United States Department of Agriculture (2008-08-29). Página visitada em 2010-10-14.
  2. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 1 078.
  3. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 1 078.
  4. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 1 078.
  5. "Bagarai" (2011). "Pinhão-manso: cultura para uso como fonte de energia fomenta pesquisa - Bagarai" "Heineken". Página visitada em 16 abril de 2011.