Pintura do Antigo Egito

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pintura parietal no túmulo de Nefertari.

A pintura do Egito Antigo significou um ressurgimento da pintura, muitos anos após às pinturas rupestres. No Egito Antigo, os artistas estavam mais interessados na arquitetura e na escultura, por isso muitas das pinturas que ainda permanecem são decorações de tumbas.

Características[editar | editar código-fonte]

É uma pintura essencialmente simbólica, que segue rígidos padrões de representação, como a lei da frontalidade. As áreas espaciais são bem definidas e o tamanho e posição das figuras no espaço são estipulados segundo regras hierárquica. Os traços são estilizados e rígidos, as formas são bidimensionais (ausência de volumetria), e a cor é aplicada em manchas uniformes.

O aparente "primitivismo" da arte das pinturas egípcias é devido à função essencialmente simbólica de suas representações. Todas as figuras eram mostradas do ângulo que podiam ser melhor identificadas. O aspecto tendia para o eminentemente esquemático, iconográfico.

Pintura cerimonial de túmulos[editar | editar código-fonte]

Pintura do Livro dos Mortos, em papiro.

No Antigo Egito a pintura aplica-se a espaços arquitectónicos, especialmente àqueles relacionados com o culto dos mortos, como túmulos de faraós. Contudo, egípcios ricos tinham murais em casa, elaborados em estilos de rica textura. Outras pinturas podem ser encontradas em papiros e juntamente com hieróglifos.

Mesmo assim, a pintura cerimonial de tumbas é certamente a mais lembrada até hoje. Os antigos egípcios criaram pinturas para fazer da vida pós-morte um lugar agradável. Os temas incluíam a jornada para o outro mundo ou divindades protetoras que apresentavam o morto para os deuses do pós-morte. Algumas pinturas mostram as atividades que o morto gostava de fazer quando era vivo e que, certamente, gostaria de continuar fazendo por toda a eternidade.

Regras. Havia diversas regras sobre como pintar no Antigo Egito. Seguia-se a chamada Lei da frontalidade, onde um humano não deveria ser pintado com a cabeça, membros inferiores e superiores virados para frente, mas olhos e o tronco poderiam.

Peso da alma. Deveria ser seguida uma hierarquia, ou seja, quanto mais importante uma pessoa fosse, maior ela deveria ser pintada. Faraó (ou deus representado), rainha (príncipe), sacerdotes, servos e o povo. O povo ou os servos deveriam ser pintados como se estivessem reverenciando ou adorando o faraó.Eles acreditavam que assim iriam melhorar sua imagem.

"Pond in a Garden" (fresco from the Tomb of Nebamun).jpg Maler der Grabkammer der Bildhauer Nebamun und Ipuki 004.jpg Abydos Tempelrelief Sethos I. 24.JPG
Garden with Pool (Museu Britânico), Goldsmiths at Work (Vale dos Reis); Sethos I before Horus (Templo de Seti I)

Ver também[editar | editar código-fonte]

na Wikipedia em inglês
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Pintura do Antigo Egito
Ícone de esboço Este artigo sobre pintura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.