Pirâmide do Louvre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A Pirâmide rodeada por edifícios do Louvre.

A Pirâmide do Louvre é uma estrutura de forma piramidal, construída em vidro e metal, rodeada por três pirâmides menores, no pátio principal (Cour Napoleon) do Palácio do Louvre (Palais du Louvre) em Paris, França. A «Grande Pirâmide» serve de entrada principal do Museu do Louvre. Concluída em 1989,[1] tornou-se um ponto de referência para a cidade de Paris.

Design e construção[editar | editar código-fonte]

Cquote1.svg O sólido é para os mortos, mas o transparente é para os vivos. Cquote2.svg

Encomendado pelo então Presidente Francês François Mitterrand, em 1984, foi projectado pelo arquitecto I. M. Pei, que foi também responsável pela concepção do Museu Miho, no Japão, entre outros. A estrutura, que foi construído inteiramente com segmentos de vidro, atinge uma altura de 20,6 m, a sua base quadrada tem cerca de 35 m de lado. É constituída por 603 peças de losangos e 70 segmentos triangulares de vidro.[2]

A Pirâmide e o átrio subterrâneo, debaixo dela, foram criadas por causa de uma série de problemas com a entrada principal (original) do Louvre, que já não podia lidar com um número enorme de visitantes em uma base diariamente. Os visitantes que entram através da pirâmide podem descer ao átrio espaçoso, em seguida, voltar a subir para os principais edifícios do Louvre. Vários outros museus têm repetido este conceito, mais notavelmente, o Museu da Ciência e Industria, em Chicago. As obras de construção da base da pirâmide e o átrio subterrâneo, foi realizada pela Dumez.[3]

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

A construção da pirâmide provocou uma considerável controvérsia, porque muitas pessoas sentiram que o edifício futurista, parecia completamente fora de lugar em frente ao Museu do Louvre, com sua arquitectura clássica. Alguns detratores atribuíram-lhe como um complexo "faraônico" de Mitterrand. Outros, vieram para apreciar a justaposição de estilos e contrastantes de arquitectura, como uma fusão bem sucedida do velho e o novo, do clássico e o ultramoderno.

A Pirâmide principal é na verdade, apenas a maior das várias pirâmides de vidro que foram construídas perto do museu, incluindo, a pirâmide que aponta para baixo, La Pyramide Inversée que tem como função de uma clarabóia/janela, em um centro comercial subterrâneo, em frente ao museu.

Durante a fase de projecto, houve uma proposta que o projecto incluía uma torre sobre a pirâmide, para simplificar a lavagem da janela. Esta proposta foi eliminada por causa de oposições de I. M. Pei.[carece de fontes?]

Lenda urbana de 666 painéis[editar | editar código-fonte]

A grande Pirâmide de vidro vista do seu interior.

Tem sido alegado por alguns de que os painéis de vidro na Pirâmide do Louvre, tem exactamente o número 666, o Número da Besta, muitas vezes, associado a Satanás. Vários entusiastas históricos têm especulado com o propósito deste factóide. Por exemplo, o livro de Dominique Stezepfandt, François Mitterrand, Grand Architecte de l'Univers (François Miterrand, Grande Arquitecto do Universo), declara que "a pirâmide é dedicada a uma força descrita como a Besta no Livro do Apocalipse (…) Toda a estrutura é baseada no número 6."

A história dos 666 painéis originou na década de 1980, quando a brochura oficial havia publicado, durante a construção, de facto, citava este número (até duas vezes, apesar de algumas páginas anteriores, o número total de painéis foi dado como 673). O número 666, também foi citado em vários jornais. O museu do Louvre, no entanto afirma que a Pirâmide contém 673 painéis de vidro (603 losangos e 70 triângulos).[4] Um valor maior foi obtido por David A. Shugarts, que relata que a pirâmide contém 689 peças de vidro.[5] Shugarts obteve estes valores dos serviços de I.M. Pei. Várias foram as tentativas de realmente contar as vidraças da Pirâmide, no entanto, têm produzido resultados pouco discrepantes, mas há definitivamente mais do que 666. Um cálculo rápido com base em 18 unidades por borda com duas camadas removidas no centro, na entrada facilmente confirma o número 673. [carece de fontes?]

O mito ressurgiu em 2003, quando Dan Brown incorporou em seu best-seller O Código Da Vinci. Aqui, o protagonista reflecte que "esta pirâmide, a exigência expressa do presidente Mitterrand, tinha sido construído exactamente com 666 painéis de vidro, um pedido bizarro, que tinha sido sempre um tema quente entre os amantes da conspiração que alegaram que o 666, fosse o número de Satanás".[6] No entanto, nos relatórios de David A. Shugarts, segundo uma porta-voz dos serviços de I.M. Pei, o Presidente francês não especificou o número de painéis a serem utilizados na Pirâmide. Observando a forma como o boato dos 666 painéis circulou em alguns jornais franceses, em meados da década de 1980, ela comentou: "Se você só encontrou os artigos antigos e não fez qualquer verificação mais profunda da verdade, e eram extremamente crédulos, você pode acreditar na história de 666".[7]

La Pyramide Inversée[editar | editar código-fonte]

Referências na cultura popular[editar | editar código-fonte]

O Louvre e a sua Pirâmide, estrelou no filme de 2004, com o título Team America: World Police, mas apenas no modelo de formulário. O modelo foi destruída muito cedo durante a cena de acção corrente.

No filme The Da Vinci Code, em 2006, do livro best-seller de Dan Brown, a Pirâmide voltou a ser protagonista, desta vez, nas cenas do início e no fim do filme, cenas essas protagonizadas pelo personagem, o Professor Robert Langdon, interpretado pelo actor norte-americano, Tom Hanks.

Iluminação[editar | editar código-fonte]

Em dezembro de 2011, a pirâmide do Museu do Louvre foi iluminada com a tecnologia de luz LED, caracterizada por ser mais ecológica e muito mais eficiente em termos energéticos.

Este sistema permitite uma redução de 73% no consumo eléctrico e uma percentagem semelhante de redução nas emissões de CO2 para a atmosfera.

A substituição integral da iluminação do exterior do Louvre ficou terminada em 2013. Quando o projecto ficou concluído, o Louvre substituiu um total de 4500 lâmpadas de Xenon por 3200 pontos de iluminação LED, o que permitiu diminuir a potência necessária para iluminar o edifício e espaços circundantes de 392 mil watts para os 105 mil watts[8] .

Reformas na Pirâmide do Louvre[editar | editar código-fonte]

Em setembro de 2014, foi anunciado que a pirâmide vai ser reestruturada até o final de 2016 ou início de 2017. Originalmente foi criada para receber 4,5 milhões de pessoas por ano, mas, em 2014, recebe mais de nove milhões de visitantes. Os espaços da obra estão saturados e barulhentos. As filas para comprar os bilhetes são longas e demoradas

O museu investirá 53,5 milhões de euros num projeto do estúdio de arquitetura Search e foi aprovado pelo próprio Pei - que aos 97 anos não pode viajar a Paris.[9]

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Pirâmide do Louvre