Pirítoo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Na mitologia clássica, Pirítoo foi um rei dos Lápitas, antigo povo da Tessália. Figura na Ilíada1 como filho de Zeus e Dia, embora seja mais conhecido como filho desta com Íxion.

A história de Pirítoo está intimamente associado com a do grande herói ateniense Teseu, com quem desenvolveu uma forte relação de cumplicidade, após havê-lo desafiado. Prestes a se enfrentar na região de Maratona, Teseu e Pirítoo, seduzidos pela beleza um do outro, acabaram por apertar as mãos, jurando amizade eterna 2 3

Um dos episódios onde Teseu ajudou Pirítoo foi na Centauromaquia, ou luta contra os centauros. Estes, que eram filhos de Íxion com uma nuvem criada à semelhança de Hera4 , haviam sido convidados para as bodas de Pirítoo com Hipodâmia5 (ou Deidamia6 ), mas, tomados pela luxúria e a violência, após terem se embriagado, tentaram raptar e violar a noiva e outras mulheres6 5 . Com a ajuda de Teseu, os centauros foram derrotados e expulsos da Tessália, indo se refugiar no Épiro. 7

Pouco tempo depois de seu casamento com Pirítoo, Hipodâmia morreu. Inconsolado, Pirítoo prometeu viver em celibato, a não ser que conseguisse como esposa uma filha do próprio Zeus. Fez então um pacto com Teseu, também recentemente viúvo, e planejaram inicialmente raptar Helena de Esparta, ainda uma criança (dez 8 ou doze anos de idade9 ). Havendo conseguido seu intento, decidiram na sorte que ela caberia a Teseu, que, no entanto, deveria ajudar a buscar outra esposa para o amigo10 . Como os irmãos de Helena, os gêmeos Castor e Pólux, estavam tentando resgatá-la, Teseu levou-a para a região de Atenas, deixando-a sob os cuidados de sua mãe, Etra11 .

Neste ponto, há duas versões para a lenda.

Em uma versão, os amigos resolveram descer aos Infernos para raptar Perséfone, filha de Zeus com Deméter9 . Hades, o senhor dos Infernos, astuciosamente os convidou para sentar e comer, e prendeu-os aos assentos infernais12 . Mais tarde, quando Héracles foi libertá-los, somente lhe foi permitido levar Teseu12 . Pirítoo ficou preso no Hades até a eternidade, vigiado por Cérbero. Outra lenda afirma que Pirítoo acabou devorado pelo monstruoso cão de três cabeças.

Em outra versão, de Plutarco, Perséfone era o nome da esposa de Aidoneus, rei dos molossos, no Épiro. Ele capturou Teseu e Pirítoo, e matou Pirítoo com seu cão, chamado Cérbero13 .

Ver também[editar | editar código-fonte]

Àrvore genealógica baseada em Diodoro Sículo14 15 16 17 :

 
Antion
 
 
 
Perimela (filha de Amythaon)
 
 
Eioneu
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Néfele (nuvem)
 
Íxion
 
 
 
 
 
Dia
 
 
 
 
 
 
Butes
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Centauros
 
 
 
 
Pirítoo
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Hipodâmia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Polypoetes

Referências

  1. Homero, Ilíada, canto XIV, Rio de Janeiro:Ed. Ediouro
  2. Vidas Paralelas, Vida de Teseu, XXX.1 e 2, por Plutarco
  3. Grimal, Pierre, Dicionário da Mitologia Grega e Romana, Rio de Janeiro: Ed. Bertrand Brasil
  4. Pseudo-Apolodoro, Biblioteca, Epítome, 1.20
  5. a b Pseudo-Apolodoro, Biblioteca, Epítome, 1.21
  6. a b Vidas Paralelas, Vida de Teseu, XXX.3, por Plutarco
  7. Spalding, Tassilo Orpheu, Dicionário da Mitologia Greco-Latina, Belo Horizonte: Ed. Itatiaia
  8. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, 4.63.2
  9. a b Pseudo-Apolodoro, Biblioteca, Epítome, 1.23
  10. Vidas Paralelas, Vida de Teseu, XXXI.2, por Plutarco
  11. Vidas Paralelas, Vida de Teseu, XXXI.3, por Plutarco
  12. a b Pseudo-Apolodoro, Biblioteca, Epítome, 1.24
  13. Vidas Paralelas, Vida de Teseu, XXXI.4
  14. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, 4.63.1
  15. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, 4.69.3
  16. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, 4.69.5
  17. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, 4.70.3