Piscinão de Ramos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Parque Ambiental da Praia de Ramos
Carlos Roberto de Oliveira
Local Rio de Janeiro Rio de Janeiro, RJ

Parque Ambiental da Praia de Ramos Carlos Roberto de Oliveira popularmente conhecido como Piscinão de Ramos ou Piscinão da Maré é uma área de lazer que consiste em uma praia de artificial de areias de tombo em torno duma piscina pública de água salgada, instalada no bairro da Maré, na zona norte do Rio de Janeiro.

Foi planejado, construído e inaugurado no governo Anthony Garotinho ao longo de 2000 e 2001 sendo inaugurado em dezembro deste último ano. Polêmico, o parque dividiu opiniões da população carioca, sob acusações de ser uma obra de intenções eleitoreiras e populistas, proibições de traficantes ao uso da cor vermelha, contaminação da água por excesso de urina, afogamentos pela falta de educação de seus frequentadores, em suma de baixa renda. Apesar disso, o parque tornou-se rapidamente um símbolo do subúrbio carioca e aos poucos um cartão-postal da cidade. Apesar da nomenclatura original de Piscinão de Ramos, todo o Parque localiza-se na Maré, não sendo assim uma área de lazer do Bairro dos Ramos.

História[editar | editar código-fonte]

Foi idealizado pelo governo estadual em parceria com a Petrobras. Inaugurado em dezembro de 2001, recebeu o nome de Piscinão de Ramos. Em abril de 2002, sua denominação foi alterada para Parque Ambiental da Praia de Ramos. A piscina foi montada utilizando-se água do mar, para que a população local , a maioria crianças, aproveitam-se do clima predominante da orla marítima sem a preocupação com a forte poluição que atinge as praias da baía de Guanabara bem como zerar o índices de afogamento. O piscinão já chegou a receber 60.000 pessoas em um único fim de semana. Em 2012, o nome oficial foi mudado para Parque Ambiental Carlos Roberto de Oliveira ‘Dicró’, em homenagem ao sambista israel da cunha de oliveira.

A piscina[editar | editar código-fonte]

A piscina possui 26.414 metros quadrados, revestidos com uma camada de polietileno e com capacidade para 30 milhões de litros de água.

Representação na mídia[editar | editar código-fonte]

  • A novela O Clone, que foi ao ar pela Rede Globo entre outubro de 2001 e junho de 2002, colocou em evidência em âmbito nacional o Piscinão de Ramos.
  • Luiza Zveiter, do programa Estúdio i, da Globo News, passou um dia no piscinão entrevistando os banhistas e comendo pratos típicos do local.