Playboy (estilo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Robert Downey Jr at comic -con 2012.jpeg

Um Playboy [lê-se: pleibói] é um estilo de vida ou estereótipo associado a indivíduos jovens, ricos, solteiros, com intensa vida social e relações com mulheres famosas.[1]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O termo inglês "playboy" é formado pela junção dos termos "play" (jogar, se divertir); e "boy" (moço, garoto). Portanto, "playboy" significa, literalmente, "menino de diversão".

História[editar | editar código-fonte]

O termo foi criado no início da década de 1950 quando os Estados Unidos passavam por grande onda de prosperidade. Homens filhos de famílias que haviam enriquecido começaram a dedicar seu tempo integral a festas, relacionamentos e a esbanjar dinheiro. Em 1953, uma reportagem do New York Times foi a primeira referência a eles, descrevendo como era a vida dos jovens ricos da cidade. A revista Playboy foi criada pensando em difundir esse estilo de vida.

Nos anos 1960, os playboys eram homens ou jovens que, através de herança herdada das gerações prósperas passadas, viviam a vida como uma grande festa e estavam sempre namorando as filhas de outros milionários. Utilizavam roupas finas apenas para a conquista de mulheres e não para a vivência do círculo social de elite. Ser playboy era gozar de uma vida de diversão. Eram ricos exclusivamente para o prazer material, e não conviviam com contatos milionários e nem seguiam as regras comportamentais da alta classe econômica. No final do século XX, com a massificação da cultura pop, um playboy passou a significar um jovem na faixa dos 13 aos 25 anos que dirige carro, pratica esporte, e é cobiçado pelas meninas de seu círculo social. Esse estereótipo foi reforçado em vários filmes e séries de tevê.

No Brasil, o termo adquiriu um sentido pejorativo, degradante, para designar homens bem-nascidos e exibidos, que não trabalham e esnobam outras pessoas. É usado como um estereótipo de insulto, muitas vezes também referenciado como "filhinho de papai "(pessoas que não trabalham e vivem às custas do pais.)

Referências

  1. Dicionário escolar da língua portuguesa/Academia Brasileira de Letras. 2ª edição. São Paulo. Companhia Editora Nacional. 2008. p. 995.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

The Playboy (6 de dezembro de 2004). Urban Dictionary. Página visitada em Novembro de 2008.