Pneu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Um pneumático (do latim pneumatĭcus, por sua vez do grego πνευματικός, derivado de πνεῦμα "sopro"), mais conhecido por pneu, é um artefato circular feito de borracha, para uso em automóveis, caminhões, aviões, motos, bicicletas, etc. Na maioria das aplicações, é inflado com gases. Em algumas aplicações específicas, por exemplo em máquinas agrícolas, pode ser parcialmente preenchido com água, para melhorar a tração e reduzir a patinagem.[1]

Geralmente é de cor negra devido ao fato de, durante a fabricação, ser adicionado negro de fumo à composição da borracha. Sem esse elemento, os pneus se desgastariam muito rapidamente.

História[editar | editar código-fonte]

Em 1888, o veterinário e inventor escocês, John Boyd Dunlop, desenvolveu o primeiro pneu com câmara de ar para um velocípede de seu filho de nove anos de idade, antes disso, as rodas eram de madeira, ferro, ou materiais compostos, o que prejudicava a condução e conforto, esse triciclo era utilizado para ir a escola pela ruas esburacadas de Belfast. Para resolver o problema de trepidação, Dunlop inflou alguns tubos de mangueira de latex, utilizados em medicina, através de uma bomba de ar de inflar bolas. Depois, envolveu os tubos com uma manta de lona para proteger e colocou em volta da roda do triciclo. Desde então, a maioria das rodas tinham no máximo rodas maciça de borracha ou madeira, porém, o pneu inflável foi notavelmente sua invenção. Desenvolveu-se a idéia de patente de um pneu com câmara em 7 de dezembro de 1889. Dois anos depois de concedida a patente, Dunlop foi informado que sua patente foi invalidada devido a uma invenção de um escocês chamado Robert William Thomson, que havia patenteado a idéia na França em 1847, e nos Estado Unidos em 1891.[2] Dunlop ganhou a batalha legal contra Robert William Thomson e revalidou sua patente. O desenvolvimento do pneu com câmara foi crucial para a expansão do transporte terrestre, com introdução de novas bicicletas e automóveis.

Durabilidade[editar | editar código-fonte]

Um pneu de motocicleta.

Os pneus, de modo geral, tem como durabilidade de 25 mil a 70 mil quilômetros, dependendo dos cuidados do usuário e do seu uso (off-road, esportivo, urbano, estradal, mineração,...). Alguns cuidados a serem tomados são o balanceamento e alinhamento a cada cinco mil quilômetros e o rodízio de pneus (em Portugal chamado "rotação ou cruzamento dos pneus"), o qual deve ser feito a cada 10 mil km, até o pneu atingir a "meia-vida" ou profundidade dos sulcos de aproximadamente 3,5 mm. Depois desta profundidade, deve-se deixar o pneu mais gasto no eixo dianteiro, pelas razões que serão explanadas mais adiante. A calibragem dos pneus deve ser feita periodicamente, e sempre antes de viagens, com a pressão recomendada pelo fabricante do veículo.

O pneu deve ser substituído quando seus sulcos atingirem a profundidade de 1,6 milímetros (de acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, por exemplo). Essa profundidade é apontada quando o desgaste atingir as ranhuras inferiores, indicadas pela sigla T.W.I. (Tread Wear Indicator). Caso haja bolhas ou deformações, o pneu deve ser prontamente substituído, independentemente da profundidade dos seus sulcos, pois o pneu está estruturalmente comprometido.

Quanto menor a profundidade dos sulcos, maior a probabilidade de aquaplanagem. A aquaplanagem é o efeito que ocorre quando as ranhuras não dão conta de drenar a água existente entre a borracha e o asfalto, fazendo com que o pneu se movimente sobre uma película de água, praticamente sem atrito com o asfalto. A maioria dos acidentes rodoviários envolvendo um único veículo, em dias de chuva, deve-se ao fenômeno da aquaplanagem. Para se ter uma noção de grandeza, um pneu novo a 90 km/H pode drenar até 5 litros de água por segundo, dependendo das condições de microdrenagem da superfície do asfalto.

Além da profundidade dos sulcos, a probabilidade de aquaplanagem varia conforme a velocidade e pressão de calibragem do pneu.

Formato[editar | editar código-fonte]

Existem pneus com desenho simétrico (bidirecionais e direcionais) e com desenho assimétrico das ranhuras. Nos pneus assimétricos, deve haver uma indicação na lateral do pneu instruindo sobre a correta posição de instalação. No pneu simétrico bidirecional, a primeira instalação pode ser feita em qualquer posição, pois as ranhuras sempre ficarão na mesma geometria, nos pneus simétricos direcionais, existe uma indicação nas laterais indicando o sentido de rotação.

É importante ressaltar que deve-se evitar mudar o sentido de rotação do pneu ao longo de sua vida útil. Porque a estrutura da carcaça (nylon e aço), que foi solicitada por muito tempo em um determinado vetor de força, passa a sofrer uma solicitação contrária, fazendo o material se desagregar mais facilmente, por fadiga. Devido a este cuidado, os pneus assimétricos que possuem a indicação de lateral externa não podem sofrer o rodízio cruzado (em x), devendo-se apenas circular os pneus entre o eixo dianteiro e o traseiro do mesmo lado. O mesmo vale para os pneus simétricos direcionais e bidirecionais.

Vida Útil[editar | editar código-fonte]

O desgaste dos pneus é condicionado pelo modelo do veículo e pelo cuidado com a manutenção dos mesmos. Notadamente, a maioria dos veículos de passeio apresenta um desgaste maior dos pneus dianteiros, devido à predominância da tração dianteira e do maior peso no eixo dianteiro. Culturalmente, na troca de apenas dois dos quatro pneus, é comum o usuário instalar os pneus novos na frente. No entanto, os fabricantes do setor recomendam que os pneus novos sejam sempre colocados no eixo traseiro[3] , via de regra. Tal recomendação visa a maior segurança do usuário, pelas razões que seguem:[carece de fontes?]

  1. O espaço de frenagem com pneu melhores na traseira é inferior ao espaço de frenagem com os pneus novos na dianteira.
  2. Se o veículo, na curva, perder aderência nos pneus dianteiros, instintivamente o condutor tira o pé do acelerador e corrige a trajetória, retomando a aderência e controle mais facilmente; A perda de aderência neste caso se dá na primeira metade da curva.
  3. Se o veículo, na curva, perder aderência nos pneus traseiros, o controle do veículo dependerá da sensibilidade e experiência do motorista, pois é muito mais difícil controlar o veículo nesta forma de desgoverno. Caso ocorra na curva, a aquaplanagem do eixo traseiro deve ser corrigida girando-se a direção no sentido contrário da curva (esta é a manobra oposta à instintiva - as auto-escolas brasileiras não têm condições de prestar este tipo de instruções aos condutores); A perda de aderência neste caso, se dará na segunda metade da curva, restando poucos recursos ao motorista.
  4. O temor de usar pneus usados na dianteira, devido ao medo de um estouro é infundado. A probabilidade de um estouro por defeito de fabricação ou desgaste do pneu é muito baixa. Se o pneu mais gasto estiver sem deformações ou bolhas, estruturalmente ele é similar ao pneu novo, ou seja, se algo conseguir explodir o pneu que está gasto (porém está estruturalmente intacto), certamente também explodirá o pneu novo. Pode-se concluir, portanto, que é mais seguro instalar os pneus novos nas rodas traseiras e, depois de atingida a meia-vida dos pneus (profundidade dos sulcos aproximada de 3,5 mm), deixar os mais gastos no eixo dianteiro. Ressalta-se, novamente, que se houver bolhas ou deformações, o pneu deve ser prontamente substituído, independentemente da profundidade dos seus sulcos e do eixo de instalação.

Além do mais, é mais fácil controlar um estouro de pneu na dianteira do que um estouro de pneu traseiro (pois o estouro traseiro não permite qualquer manobra e o motorista se torna passageiro.

Dimensão[editar | editar código-fonte]

Pneu colocado em jante de 16 polegadas de diâmetro.

Basicamente são quatro as dimensões dos pneus:

  • O diâmetro da jante/roda, geralmente é dado em polegadas;
  • A largura nominal do pneu, é medida na parte mais larga do pneu, na sua secção, contada de sua lateral ou flanco. Não corresponde à largura da banda de rodagem. Pode ser expressa em milímetros ou polegadas, dependendo do sistema de codificação;
  • A altura do flanco (lateral) do pneu, quando presente é expresso em percentagem da largura do pneu;
  • O diâmetro total do pneu, só esta marcado em pneus off-road de alguns fabricantes que utilizam um sistema de codificação específico para esse tipo de pneu. Nos demais pneus esta medida pode ser calculada a partir dos dados anteriores.

Geralmente nas medidas de pneus utiliza-se a nomenclatura: largura / altura - raio

Sistemas de codificação[editar | editar código-fonte]

Atualmente estão em uso três sistemas de codificação para as dimensões dos pneus.

Sistema polegadas-polegadas[editar | editar código-fonte]

Tradicionalmente usado nos pneus diagonais este sistema é também usado em alguns pneus radiais para caminhões e ônibus. Nestes pneus a marcação lateral é do tipo L.LL-DD onde:

  • L.LL - é a medida da largura do pneu, em polegadas;
  • DD - é a medida do diâmetro da roda, em polegadas.

OBS.: nos pneus radiais que utilizam este sistema de codificação existe um "R" antes do "DD" que indica o diâmetro da roda. A medida da altura do flanco não é explicitada neste sistema de codificação, mas será de 100 porcento da largura do pneu quando esta for um número inteiro ou múltiplo de um quarto de polegada. Como exemplos de marcação lateral deste sistema temos:

  • 9.00-20 - Pneu para uso em caminhões e ônibus. Este pneu possui largura de 9 polegadas (229 mm) e é montado em rodas de 20 polegadas. A altura do flanco também é de 229 milímetros (100% da largura).
  • 5.90-15 - Pneu original do Fusca/Carocha. Este pneu possui 150 mm de largura, e serve em rodas de 15 polegadas. A altura do flanco é diferente de 100 porcento da largura, visto que 5.90 não é número inteiro nem múltiplo de um quarto.
  • 11.00-22 - Pneu para uso em caminhões e ônibus. Este pneu possui largura aproximada de 279 milímetros, é montado em rodas de 22 polegadas. A altura do flanco também sera de 279 milímetros.
  • 11.00-R22 - Pneu com as mesmas dimensões e aplicação nos mesmos tipos de veículos do anterior. O "R" antes da dimensão da roda indica que é um pneu radial.

Sistema milímetros/percentagem-polegadas[editar | editar código-fonte]

Os pneus radiais para automóveis e os pneus para caminhões e ônibus do tipo "sem câmara", possuem normalmente uma marcação lateral do tipo xxx/yy Rdd. Esta marcação identifica as medidas do pneu:

  • xxx define a largura do pneu em milímetros.
  • yy define a relação entre a altura e a largura do pneu, em percentagem.

(yy= \frac {altura} {largura} X 100)

Como exemplos de marcação lateral deste sistema temos:

  • 205/55 R16 - Pneu para uso em automóveis. Este pneu possui 205 mm de largura, 55 % destes 205 mm de altura (113 mm) e serve em rodas de 16 polegadas.
  • 295/80 R22,5 - Pneu para uso em caminhões e ônibus. Este pneu possui largura de 295 mm, altura do flanco de aproximadamente 236 mm (80% de 295 mm) e é montado em rodas de 22,5 polegadas, sem câmara de ar.

Sistema para pneus off-road[editar | editar código-fonte]

Alguns fabricantes codificam os pneus para veículos para caminhonetes e jipes, de maneira diferenciada. A marcação é do tipo AAxBB RCC onde:

  • AA indica o diâmetro máximo do pneu, em polegadas.
  • BB indica a largura máxima do pneu, em polegadas.
  • A presença do R indica se tratar de pneu radial.
  • CC indica o diâmetro da jante/roda.

Exemplo de pneu codificado por este sistema:

  • 31x10.5 R15 - trata-se de um pneu com diâmetro externo nominal de 31 polegadas, 79 centímetros, largura de 10,5 polegadas (267 mm), radial, para ser montado em roda de 15 polegadas.

É importante saber que pneus de mesma medida nominal podem ter na prática tamanhos até 5% diferentes devido a diferenças de fabricantes e desenhos.

As larguras dos pneus raramente corresponde a verdadeira largura das bandas de rodagem, geralmente são medidas a partir de sua secção, contada a partir dos flancos (laterais).

Sistema TRX[editar | editar código-fonte]

Foi introduzida pela Michelin, e tinha construção diferente para os pneus, obrigando o uso de rodas especiais. Para evitar que consumidores tentassem colocar pneus normais em rodas TRX, as medidas eram definidas em milímetros, inclusive o diâmetro da roda. Outros fabricantes a aderir ao sistema foram Avon Rubber e Goodyear. Apesar de vantagens no comportamento dinâmico, o sistema TRX nunca foi um sucesso. Usado em carros como Ferrari, Saab, Jaguar, BMW 7, Citroën CX, Ford Mustang, entre outros, os donos geralmente optaram em trocar pneus e rodas por combinações convencionais, ao invés de arcar com os elevados custos de um jogo de pneus novos.[4]

Descrição e nomeclaturas[editar | editar código-fonte]

Por exemplo o pneu : 195/55 R 15 87W

  • 195 : largura em mm.
  • 55 : relação entre a altura e a largura do pneu: 0,55.
  • R : estrutura do tipo Radial.
  • 15 : diâmetro interno do pneu em polegadas.
  • 87 : o índice de carga do pneu, neste caso corresponde a 545 Kg.
  • W : código de velocidade do pneu, neste caso corresponde a velocidade máxima de 270 Km/h.

Tabela de índice de carga[editar | editar código-fonte]

Índice de carga do pneu apresenta a carga máxima suportada por pneu. [5]

Indice de carga Carga em Kg por pneu
70 335
71 345
72 355
73 365
74 375
75 387
76 400
77 412
78 425
79 437
80 450
81 462
82 475
83 487
84 500
85 515
86 530
87 545
88 560
89 580
90 600
91 615
92 630
93 650
94 670
95 690
96 710
97 730
98 750
99 775
100 800

Tabela de Código de Velocidade[editar | editar código-fonte]

Indica a velocidade máxima suportada pelo pneu, quando em sua carga máxima (apresentada no seu índice de carga) [6]

  • Q : 160 km/h
  • R : 170km/h
  • S : 180 km/h
  • T : 190 km/h
  • H : 210 km/h
  • VR : > 210 km/h
  • V : 240 km/h
  • ZR : > 240 km/h
  • W : 270 km/h
  • Y : 300 km/h

Código DOT[editar | editar código-fonte]

O Código DOT é uma sequência alfanumérica de caracteres moldados na lateral do pneu, que identifica o fabricante, tipo de pneu e data de fabricação. DOT é a sigla de Department of Transportation, sediado nos Estados Unidos.[7]

Pneu fabricado na 10ª semana de 2001

O código começa com as letras "DOT" seguidas pelo código do fabricante (dois números ou letras) e por uma sequência de dois ou mais números e letras que identificam o tipo de pneu. Os últimos quatro números fornecem a informação da data de fabricação (os dois primeiros são da semana e os dois últimos são do ano). Por exemplo, um pneu produzido na 17ª semana de 2008, teria os quatro últimos dígitos do DOT 1708.

Parlamento Europeu propõe novo sistema de rotulagem[editar | editar código-fonte]

A proposta apresentada pelo eurodeputado belga Ivo Belet prevê que o novo sistema de rotulagem dos pneus dos veículos ligeiros e pesados permita poupar em combustíveis o equivalente ao consumo de 1,3 milhões de automóveis. Os transportes rodoviários contribuem, em média, para 25% das emissões totais de dióxido de carbono na Europa. Os pneus podem ter um papel fundamental na redução destas emissões, uma vez que são responsáveis por 20 a 30% do consumo total de combustível por automóvel. As informações constantes dos rótulos sobre as características dos pneus permitirão optar por pneus mais seguros, silenciosos e eficientes em termos de consumo de combustível.[8] . A rotulagem dos pneus entrou em vigor no dia 1 de Novembro 2012. Agora, todos os pneus de carros e de camiões vendidos na União Europeia devem apresentar um rótulo que indica: a eficiência energética, o nivel de travagem em piso molhado e o ruido de rolamento do pneu. [9]

Alguns produtores de pneumáticos[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Pneu

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]