Poema/processo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Museu de Arte Moderna da Bahia, local da 4ª Exposição Nacional de Poema Processo

O poema/processo é um movimento artístico desenvolvido no período de 1967 a 1972, decorrente do concretismo.

Lançado simultaneamente em Natal e no Rio de Janeiro por Moacy Cirne, Wlademir Dias-Pino, Álvaro de Sá, Neide Dias de Sá, Anselmo Santos, Dailor Varela, Anchieta Fernandes, Falves Silva, Nei Leandro de Castro, Sanderson Negreiros, Pedro Bertolino, Hugo Mund Jr. dentre outros. Em seguida, Joaquim Branco, Sebastião Carvalho, José Arimathéa, Ronaldo Werneck e, mais tarde, Jota Medeiros e Bianor Paulino se incorporaram ao movimento, com seus poemas semiótico-gráfico-visuais, além dos projetos semântico-verbais.

O primeiro texto-manifesto foi publicado em abril de 1968 na 4ª Exposição Nacional de Poema Processo no Museu de Arte Moderna da Bahia, lançando as idéias que norteariam a prática e teoria do grupo: criar um objeto artístico reprodutível que atendesse às necessidades de informação e comunicação das massas, pautado pela lógica do consumo imediato. O sentido da palavra "poema" é tão ampliado que pode denominar uma passeata ou outra performance coletiva, bem como um objeto gráfico desprovido de letras ou palavras.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre literatura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.