Pojuca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou secção:
Município de Pojuca
Bandeira desconhecida
Brasão de Pojuca
Bandeira desconhecida Brasão
Hino
Fundação 29 de julho de 1912
Gentílico pojucano, pojuquense
Lema Cidade Modelo
Prefeito(a) Ana Cristina Nunes Moreira (PDT Partido Democrático Trabalhista)
(2013–2016)
Localização
Localização de Pojuca
Localização de Pojuca na Bahia
Pojuca está localizado em: Brasil
Pojuca
Localização de Pojuca no Brasil
12° 25' 51" S 38° 19' 40" O12° 25' 51" S 38° 19' 40" O
Unidade federativa  Bahia
Mesorregião Metropolitana de Salvador IBGE/2008[1]
Microrregião Catu IBGE/2008[1]
Região metropolitana Salvador
Municípios limítrofes Mata de São João, São Sebastião do Passé, Catu, Itanagra, Araças
Distância até a capital 67 km
Características geográficas
Área 290,117 km² [2]
População 36 551 hab. IBGE/2013[3]
Densidade 125,99 hab./km²
Altitude 61.368 m
Clima Tropical Atlântico
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,666 médio PNUD/2010[4]
PIB R$ 1 009 945 mil IBGE/2010[5]
PIB per capita R$ 30 545,16 IBGE/2010[5]
Página oficial

Pojuca é um município da Região Metropolitana de Salvador, no estado da Bahia, no Brasil.

História[editar | editar código-fonte]

O município foi criado pela Lei Estadual 979, de 29 de julho de 1913, com o território desmembrado de Sant'Ana do Catu. É constituído por dois distritos: Pojuca e Miranga.[6]

O rio Pojuca banha todo o município de oeste para leste, num percurso de 60 quilômetros aproximadamente, e a cidade encontra-se edificada à sua margem esquerda, originando-se daí o seu topônimo. "Pojuca" é um termo de origem tupi que significa "raiz podre", através da junção de apó (raiz) e îuka (podre).[7]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Fica situada a 67km (1h e 12 minutos - BR 324 e BR 110 e 1h e 33 minutos - BR 324) da capital baiana, na Região Metropolitana de Salvador. Suas principais rodovias de acesso são: BA-093, BA-504 e BA-507.

Sua temperatura média é de 24,7°C, bastante confortável, principalmente em dias de verão.

As atividades econômicas do município são bastante diversificadas: agricultura, pecuária, extração de petróleo e gás natural, indústrias, comércios e serviços.

  • População: 36 551 habitantes (IBGE).
  • Superfície: A área do município é de 290 km²
  • Localização: Está localizada na Região Metropolitana de Salvador, a 67 km da capital ligada por rodovias asfaltadas.
  • Acidentes geográficos: O município é pouco acidentado, apresentando pequenas elevações ao oeste. Os principais acidentes geográficos são os rios Pojuca, Catu e Quiricó.
  • Clima: É temperado com variações bruscas. Não há posto meteorológico no município. A temperatura média é de 24,7°C, bastante confortável, principalmente nos dias de verão.
  • Limites:
    • Ao norte: Catu e Araçás.
    • Ao sul: Mata de São João
    • A leste: Itanagra
    • A oeste: São Sebastião do Passé

Com o município de Catu - começa no rio Pojuca, na foz do rio Una, por este acima até a foz do riacho Muritiba, pelo qual sobe até sua nascente; daí em reta até a nascente do riacho Caboclo, de onde prossegue em reta até o lugar sapé, à margem do rio Catu, daí ainda em reta até o marco divisório entre as fazendas Angola e Camaçari, à margem do riacho Gameleira, pelo qual desce até sua foz no Quiricozinho, por este acima até a foz do riacho Fortuna.

Com o município de Araçás - começa na foz do riacho Fortuna, no rio Quiricozinho, daí em reta à foz do riacho Cancelão, no rio Quiricó Grande.

Com o município de Itanagra - começa na foz do riacho Cancelão, no rio Quiricó Grande, até a sua foz no rio Pojuca.

Com o município de Mata de São João - começa na foz do rio Quiricó Grande, no rio Pojuca, desce pelo rio Pojuca até a ponte da Estrada de Ferro sobre o mesmo rio.

Com o município de São Sebastião do Passé - começa no cruzamento da Estrada de Ferro sobre o rio Pojuca, na frente da cidade do mesmo nome, subindo o rio Pojuca até a foz do rio Una.

  • Densidade demográfica: 125,99 hab/km²
  • Altitude: 61 368 metros
  • Relevo: planície
  • Vegetação: matas perenes no centro como semidecíduas.
  • Clima: tropical úmido

O território do município é banhado por diversos rios de onde provém a fertilidade de suas terras. A zona central é regada de norte a sul pelos rios Catu e Quiricozinho. Os seus extremos de oeste, leste e sul, pelos rios Una, Quiricó Grande e Pojuca, estabelecendo linhas divisórias com os municípios vizinhos. Não há um só rio navegável. A época de maior intensidade das chuvas é a do inverno, embora se verifiquem chuvas também durante o verão. São raríssimas as secas e estiagens. O rio Pojuca, quando no período de inverno, enche, causando prejuízos à lavoura. O clima é temperado com variações bruscas. Sob o ponto de vista agrológico, predominam as terras arenosas e argilo-silicosas, existindo, entretanto cerca de 30% da sua área total de terras humíferas. Quanto à cor das terras mais características do município, é a amarela, notando-se certa quantidade avermelhada e escura. Dois terços, aproximadamente, da área total são acidentados e situados a oeste, embora não tenha montanhas ou picos que se possa mencionar.

Aspectos urbanos[editar | editar código-fonte]

A cidade está situada à margem do rio Pojuca. É servida pela ferrovia Companhia Atlântico Leste (ex-Companhia Férrea Federal Leste Brasileiro), cujas linhas a dividem no meio.

A principal artéria é a rua J.J Seabra onde estão localizadas as melhores casas comerciais e as duas agências bancárias. Na Praça Antônio Carlos Magalhães, a principal da cidade, estão localizados o prédio da Câmara Municipal, o Fórum Desembargador Walter Nogueira, a Biblioteca Municipal, a sede da Filarmônica São José, o clube social, uma escola, estabelecimentos comerciais e residenciais. Na praça Almirante Vasconcelos, estão situados o prédio da Prefeitura Municipal, o prédio da EMBASA, o Colégio Estadual Luiz Eduardo Magalhães, a Escola Conselheiro Saraiva e várias residências. O bairro Inocoop também merece destaque pelo número de residências e que também situa o batalhão da polícia militar e a delegacia de polícia.

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Além da sede, o município conta com o distrito de Miranga, as localidades de Central e Retiro e os povoados de Riachão, Cabíola, Riacho do Meio, Coqueiro, Sapé, Sapucaia, Patins, Brejões, Lagoa Verde, Corujão (Paraíso), Garoupa, Araponga, Jenipapo, Riacho das Pedras, Arauari, Pipiri, Pacas, Santiago e Pedrinhas.

Praças[editar | editar código-fonte]

Nome Localização
Praça 29 de julho Rua 29 de julho, Centro
Praça Juracy Magalhães Bairro Cruzeiro
Praça Guilherme Nonato Rua Alfredo Leite – Bairro Shangri-lá
Praça Lauro de Freitas Bairro Centro
Praça Rui Barbosa Bairro Centro
Praça da Bandeira Bairro Centro
Praça Edna Couto Bairro Inocoop
Praça Almir Guimarães Bairro Cruzeiro
Praça Celso de Santana Sérgio Bairro Central
Praça Antônio Carlos Magalhães Bairro Centro
Praça Almirante Vasconcelos Bairro Centro
Praça Mário Improta Bairro Inocoop
Praça Abdon Ibrahim Bairro Los Angeles
Praça José de Brito Dantas Bairro Pojuca II

|}

Aspectos sociais[editar | editar código-fonte]

A sede do município é servida de energia elétrica, abastecimento de água, agência da EBCT e telefonia. Possui clube social, estádio e várias áreas de lazer.

A assistência médica oficial é prestada pelo Hospital Maternidade Maria Luiza dias Laudano, Conjunto Assistencial Governador Antônio Balbino, Posto Médico do Estado, Posto Médico de Central, Posto Médico do Retiro e Unidade Móvel de Saúde, dotada de consultório médico e odontológico que atende principalmente à população da zona rural. A sede possui clínicas, consultórios médicos e odontológicos particulares.

O município é sede da Paróquia de Nosso Senhor Bom Jesus da Passagem (fundada em 12 de dezembro de 1904), com oito templos. Praticam-se também os cultos evangélicos, ecumênicos e espíritas.

Nele está situada a sede da 32ª Companhia Independente da Polícia Militar do Estado da Bahia com jurisdição nos municípios de Catu, Itanagra e Mata de São João.

Seu primeiro intendente municipal foi o Sr. Carlos Pinto, eleito com 206 votos, no pleito realizado no dia 7 de setembro de 1913. O Conselho Municipal também eleito naquela ocasião ficou composto dos seguintes membros: Manoel Joaquim da Silva, Pedro Cândido da Trindade, Dr. João Evangelista Paim, Raimundo Ferreira de Santana, Antônio José de Abreu, José Félix de Oliveira Ramos e João Nicodemo Poltti.

Economia[editar | editar código-fonte]

Recursos energéticos[editar | editar código-fonte]

O petróleo e o gás natural são as riquezas de maior evidência. Em 1956 foram produzidos 462.168 barris de petróleo e 1.132.782 barris, no primeiro semestre de 1957. Pojuca é um dos municípios que mais produz petróleo, na região do recôncavo baiano, e já foi o maior, recebendo o título de Rainha do Petróleo. Seu solo generoso é o celeiro de óleo na Bahia, tanto assim que a Petrobrás instalou no fim de 1962, no povoado de Santiago, a Unidade de Absorção de Planta de Gasolina Natural. Nesta unidade, o gás é submetido a um processo mecânico de limpeza, pelos depuradores (SCRUBBERS) e, em seguida, desidratado por contato, em determinadas condições de pressão de temperatura, com etileno glicol. Esse etileno é recuperado por liberação de água em forma de vapor, voltando ao processo para tratar novo volume de gás. Após ser desidratado, o gás passa através da torre de absorção em contra corrente a um fluxo de óleo de absorção ou óleo podre. Este óleo absorve as frações pesadas de gás e é retirado pela base da torre e conduzido para a torre reabsorvidora-desetanizadora onde, por aquecimento, são eliminados o metano e o etano que constituem o gás residual. Em seguida, o óleo rico vai para a torre retificadora para liberar as frações absorvidas do gás. Tendo perdido as frações absorvidas, o óleo volta à sua condição inicial e retorna à torre de absorção, após ser resfriado a 23°C, para novo ciclo.

Atividades econômicas[editar | editar código-fonte]

As atividades econômicas do município são agricultura, pecuária, comércio, extração de petróleo e gás natural, indústrias, principalmente de minérios, comércio e serviços. As atividades que mais geram ICMS (Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços), segundo dados da Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia são: extração e tratamento de minerais, indústria de minerais não metálicos, metalúrgica, indústria de espumas, colchões e estofados, mecânica, agricultura e criação de animais, serviços de transportes, serviços comerciais, comércio atacadista, comércio varejista.

Há também indústrias de cerâmica, alimentos, artefatos de cimento e farinha de mandioca.

Três grandes empreendimentos contribuíram para a emancipação econômica do município: o oleoduto que liga campos petrolíferos à Refinaria de Mataripe, a Estação Transformadora para fornecimento de luz e força da CHESF e a rodovia asfáltica que liga Pojuca à capital do Estado e outros centros.

Na pecuária, destacam-se os rebanhos de bovinos, equinos e suínos.

Parque industrial[editar | editar código-fonte]

Construído numa área de mais de 58 hectares de terras, está abrigando importantes empreendimentos, gerando emprego e renda para o município.

Pojuca está localizado de forma centralizada, portanto e considerada cidade entroncamento pela viabilidade com os municípios de Simões Filho, Camaçari, Dias Dávila, Catú, Alagoinhas, Itanagra, Araçás, Mata de São João, São Sebastião do Passe, Esplanada, Entre Rios e Rio Real.

O Parque Industrial de Pojuca conta com os acessos pelas rodovias BA-093 e BA-533 e reserva a potencialidade de estar a apenas 32 km do Polo Petroquímico de Camaçari e a 38 km do Porto de Aratu em Candeias reconhecido nacionalmente por sua tecnologia de automação.

O PIP fica na região de Santiago, a 2 km do centro de Pojuca e conta com excelentes serviços de infraestrutura:

  • Energia – A oferta de energia e bem variada com a subestação da CHESF com 230 KVA e serviços da Cia de Eletricidade da Bahia COELBA.
  • Rede Ferroviária – Passa a 01 km de distância do PIP.
  • Bombeiros – Sua estrutura é fornecida pelo corpo de bombeiros da Petrobrás.
  • Comunicação – Ampla rede de atendimento fornecido por companhias de telefonia fixa e móvel com serviços de internet e também canais de TV, emissoras de rádio e sistemas de fibra óptica.
  • Incentivos fiscais – Atrativos como os incentivos fiscais e tributários instituídos pelo Governo do Estado constantes no Decreto 4 316, de 19 de junho de 1995, os quais concedem benefícios fiscais a indústrias que se estabelecerem no estado bem como os incentivos oferecidos pelo município com serviços de infraestrutura nas áreas habilitadas a receberem obras de terraplanagem, drenagens, esgotamentos sanitários, distribuição de água por poços perfurados, pavimentação de ruas e muitos outros benefícios.

Vale destacar a ampla oferta de mão-de-obra especializada, facilitando a composição do quadro funcional da empresa.

O Parque Industrial de Pojuca é uma realidade com 03 grandes empresas:

  • Minuano – Beneficiadora de couros para produção de estofados.
  • Italsofá – Importante fábrica de estofados italiana chegou a Pojuca para acelerar sua produção de exportação, atendendo principalmente o mercado europeu. Sua filial em Pojuca conta com uma mega estrutura empregando cerca de mil funcionários que em grande maioria são moradores do município.
  • Chanceller/White Martins Lavanderia – Prestadora de serviços de lavanderia hospitalar já atende inúmeros hospitais. Sua técnica de lavagem por ozônio e bastante conhecida no Brasil em suas 06 unidades instaladas. Pojuca foi escolhida para instalação de mais uma unidade devido as excelentes condições que o município oferece as empresas no seu parque industrial e hoje emprega mais de 200 (a maioria mulheres).

Cultura[editar | editar código-fonte]

Festas tradicionais[editar | editar código-fonte]

  • A festa do padroeiro Bom Jesus da Passagem, que tem dois aspectos, religioso e profano, é realizada no último domingo do mês de janeiro. [Aspecto religioso: consiste no novenário, seguido de alvorada e procissão. Aspecto profano: com desfile de baianas até a Igreja matriz, encerrando com lavagem das escadarias da mesma].
  • Festa de São José da Várzea e do caboclo em Central, com barracas de comidas típicas e a procissão (ocorre no mês de maio).
  • Festa de Santo Antônio
  • Bumba-meu-boi (janeiro)
  • Quadrilhas de São João.
  • Semana da Cultura Evangélica

No Natal, à semelhança do que acontece em todo o Brasil, ocorre à meia-noite, a tradicional missa do galo. Normalmente, no primeiro domingo após a Páscoa, faz-se na cidade a mais popular de todas as festas, a denominada micareta, dela participando seus munícipes e moradores das cidades vizinhas, além de pessoas de Salvador.

Os tradicionais festejos de São João ainda guardam tradição, vivendo antigos hábitos, como o de fazer fogueira em frente às casas residenciais, a queima de fogos de artifícios e o ato de servir licor e canjica de milho verde.

A festa do padroeiro da cidade, Senhor Bom Jesus da Passagem, é realizada no mês de janeiro, sem data fixa; é precedida de novena, lavagem da Igreja, muita missa, rezas, procissão, comunhão e batizados.

A festa do São José, padroeiro do povoado do Riachão, realizada no 3° domingo de março também merece destaque.

A festa de aniversário de emancipação política do município, realizada anualmente, no dia 29 de julho, destaca-se pelo seu brilhantismo, inaugurações de obras realizadas pelo administrador municipal, desfile cívico, participação de entidades e do povo.

A capoeira também é uma manifestação presente no berço cultural pojucano.

Filarmônica São José[editar | editar código-fonte]

A Sociedade beneficente São José foi fundada em 7 de setembro de 1959, com o objetivo de ensinar música. As primeiras aulas ocorreram em 1961 e sua primeira apresentação em público ocorreu durante a festa do Senhor Bom Jesus da Passagem, em 1962. Seu primeiro presidente foi Arlindo Izidoro de Andrade.

Política[editar | editar código-fonte]

Ex-prefeitos[editar | editar código-fonte]

Carlos Pinto 1913 Eleito pelo Conselho Municipal
Raimundo Sant'Ana 1927 Eleito pelo Conselho Municipal
Pedro Cândido da Trindade 1928-1929 Eleito pelo Conselho Municipal
Raimundo Sant´ana 1930 Eleito pelo Conselho Municipal
Pacífico de Azevedo Lima 1930-1931 Nomeado p/ interventor federal
Elsior Coutinho 1931-1935 Nomeado p/ interventor federal
João da Costa Libório 1937-1938 Nomeado p/ interventor federal
João Alfredo Leite 1938-1939 Nomeado p/ interventor federal
Hunaldo de Lima Oliveira 1940-1941 Nomeado p/ interventor federal
Nilson Federal Coelho 1941-1943 Nomeado p/ interventor federal
Antônio Mota 1943-1945 Nomeado p/ interventor federal
José Martins Valverde 1945-1946 Eleito pelo povo
João Alfredo Leite 1946-1948 Eleito pelo povo
Antônio Mota 1948-1950 Eleito pelo povo
Antônio Paes Leal 1950-1954 Eleito pelo povo
Flaviano de Souza Bomfim 1954-1955 Eleito pelo povo
Percílio dos Santos 1955-1959 Eleito pelo povo
José Gonçalves Cruz Filho 1959-1963 Eleito pelo povo
Percílio dos Santos 1963-1967 Eleito pelo povo
José Gonçalves Cruz Filho 1967 Eleito pelo povo
José Vardes 1967 Interino
Antônio Baptista dos Santos 1967 Interino
Fernando Ferreira da Silva 1968 Interino
Walter de Almeida Mansur 1970-1973 Eleito pelo povo
José Vardes de Souza 1973-1975 Eleito pelo povo
Walter de Almeida Mansur 1976 Eleito pelo povo
Maria Luiza Dias Laudano 1977-1983 Eleita pelo povo
Luiz Alfredo Leite 1984-1988 Eleito pelo povo
Eudes José Argolo Guimarães 1989-1992 Eleito pelo povo
Luiz Alfredo Leite 1993-1996 Eleito pelo povo
Maria Luiza Dias Laudano 1997-2000 Eleita pelo povo
Maria Luiza Dias Laudano 2000-2004 Eleita pelo povo
Antônio Jorge de Aragão Nunes 2005-2006 Eleito pelo povo
Carlos Eduardo Bastos Leite 2006-2008 Decisão Judicial
Gerusa Dias Laudano 2009-2012 Eleito pelo povo
Ana Cristina Nunes Moreira 2013 Decisão Judicial
Antônio Jorge de Aragão Nunes 2013- Eleito pelo povo

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 de outubro. de 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 de dezembro. de 2010.
  3. IBGE - Censo Brasileiro 2013 (HTML) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Visitado em 01 de outubro de 2013.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Visitado em 07 de agosto de 2013.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios - 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 12 dez. 2012.
  6. Pojuca Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 9 de dezembro de 2010.
  7. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 570.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]