Política da República da Macedônia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A República da Macedônia têm em seu território uma minoria albanesa, que se queixa de discriminação e exige que a região onde vivem seja autônoma. Em 1991 houve um plebiscito em todo o país, e dois anos mais tarde o país passou a ter uma representação na ONU.

Em 1998 os sérvios iniciaram uma limpeza étnica na província sérvia de Kosovo, ou seja, começaram a exterminar os Kosovares de origem albanesa que compõem 90% da população daquela região. O objetivo declarado era aumentar a proporção de sérvios e acabar com o movimento separatista . Com isso, milhares de refúgiados kosovares migraram para a Macedónia, em acampamentos precários.

Em 2001, tropas rebeldes albanesas avançaram sobre o solo da Macedónia, a qual contra-atacou violentamente, diminuindo a popularidade do governo.

A OTAN chegou a propor apoio ao governo macedónio em julho de 2001, mas três meses depois o governo propôs uma trégua aos rebeldes, o que promoveu um cessar-fogo e a retirada das tropas das cidades.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre política, partidos políticos ou um político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.