Política de Uma China

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde agosto de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

A Política de uma China (ou Política de uma China única) é o princípio segundo o qual existiria apenas uma China e que a China Popular, o Tibete, Hong Kong, Macau, Xinjiang e a China Nacional (Taiwan) são, todos, parte daquela China. Todos os países que desejem manter relações diplomáticas com a República Popular da China (RPC) são obrigados a reconhecer este princípio. O reconhecimento de que existe apenas uma China (embora sua definição não a limite à RPC) também é um pré-requisito estabelecido pela RPC para negociar com o governo da República da China (Taiwan).

Esta política também é conhecida como política de "Uma China - Dois Governos", que deixa explícito o princípio de que haveria apenas uma China, mas atualmente governada por dois sistemas diferentes.

Ícone de esboço Este artigo sobre a China é um esboço relacionado ao Projeto Ásia. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.