Policristal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Fevereiro de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Trechos sem fontes poderão ser removidos.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing.
Uma foto de aço laminado (revestimento removido) mostrando estrutura policristalina.

Policristal, ou agregado policristalino, é um sólido é constituído de uma infinidade de cristais, denominados grãos ou cristalitos, com orientações e dimensões aleatórias, fortemente unidos entre si, que preenchem todo o volume do sólido.

A maioria dos metais utilizados pelo homem assume geralmente a forma de policristais microscópicos, com dimensões da ordem de grandeza de μm. Outros materiais podem ter policristais com dimensões da ordem de cm, portanto visíveis a olho nu.

Esta aleatoriedade de orientação e dimensões é possivelmente devida ao crescimento e condições de processamento. A textura das fibras é um exemplo de uma orientação advinda do processamento.

Quase todos os metais comuns e muitas cerâmicas são policristalinas. Os cristalitos são frequentemente referidos aos grãos, entretanto, grãos de poeira são um contexto diferente. Grão de poeira podem eles mesmos serem compostos de pequenos grãos policristalinos.[1]

Policristalina é a estrutura de um material sólido que, quando esfriado, formas em diferentes pontos grãos de cristalito em seu interior. As áreas onde estes grãos encontra-se são conhecidas como contornos de grão.

Materiais amorfos, como o vidro comum ou os vidros metálicos não apresentam, em seu resfriamento, esta formação de cristalitos, e exatamente por isso são ditos amorfos e pelo seu processo de formação, são chamados de líquidos super-resfriados.[2]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. polycrystalline graphite - old.iupac.org (em inglês)
  2. L.H.van Vlack, Propriedades de Materiais Cerâmicos. Edgard Blücher, São Paulo. 1973.