Polozzi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Polozzi
Informações pessoais
Nome completo José Fernando Polozzi
Data de nasc. 1 de outubro de 1955 (58 anos)
Local de nasc. Louveira (SP),  Brasil
Apelido Polozzi
Informações profissionais
Posição Ex-zagueiro
Clubes de juventude
1972-1974 Brasil Ponte Preta
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1974-1978
1979-1982
1983
1984
1985
1986
1986-1988
1988
1988
1989-1990
1990
1991-1992
1992
Brasil Ponte Preta
Brasil Palmeiras
Brasil Botafogo-SP
Brasil Bangu
Brasil Palmeiras
Brasil Operário
Brasil Serrano
Brasil Bandeirante
Brasil Araçatuba
Brasil Linense
Brasil Serrano
Brasil Toledo
Brasil Tiradentes-DF

127 (8)
Seleção nacional
1978-1986 Brasil Brasil 4 (0)
Times que treinou
1995
2002
2010-2011
2011
2012
2013
Brasil Tupã
Brasil União Barbarense
Brasil Confiança
Brasil Ríver-PI
Brasil Comercial-PI
Brasil Francana

José Fernando Polozzi, mais conhecido como Polozzi (Louveira, 1 de outubro de 1955) é um ex-futebolista brasileiro.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Era um zagueiro técnico e de boa colocação, embora lento.[1] Por duas vezes, Polozzi foi levado para os juniores da Ponte Preta, e em ambas foi dispensado, assim como entre as duas oportunidades, nos juniores do Guarani.[2] O mesmo Juliato tentou, então, levá-lo para o São Paulo, mas a Ponte Preta, que ainda detinha o passe do jogador, não o liberou e deu-lhe uma nova chance, que ele agarrou quando os zagueiros titulares do time júnior se contundiram.[2] Foi vice-campeão da Taça São Paulo de Juvenis em 1974 e pouco depois já estava no elenco profissional.

Começou a destacar-se no Campeonato Paulista de 1977, quando a Ponte Preta foi vice-campeã.[3] Fazia dupla de zaga com Oscar, considerada na época uma das melhores do Brasil.[2] Esteve na Seleção Brasileira que foi à Copa do Mundo de 1978, na Argentina, mas não entrou em campo. Pela Seleção, disputou apenas quatro partidas não-oficiais, todas entre março e maio de 1978.[4]

Foi contratado pelo Palmeiras em 1979, sendo elemento-surpresa na jogada ensaiada dos escanteios do time.[5] Pegou, entretanto, uma fase de vacas magras do time[3] , e seu futebol entrou em decadência.[5] Voltou à Ponte Preta em 1983 e depois rodou por diversos clubes do interior, com uma breve volta ao Parque Antártica em 1985, até encerrar a carreira no Tiradentes, do Distrito Federal, em 1992. depois iniciou a carreira de técnico, em 1995 pelo Tupã[6] , depois comandou o Associação Desportiva Confiança, Ríver. e, Comercial do Piauí[7] .

Referências

  1. Placar número 1.063, setembro de 1991, "Quem É Quem no Futebol", Editora Abril, pág. 60
  2. a b c "A sorte de ser o outro", Maurício Cardoso, Placar número 370, 27/5/1977, Editora Abril, págs. 36-37
  3. a b Enciclopédia do Futebol Brasileiro Lance!, Areté Editorial, 2001, pág. 326
  4. "A história em seus pés", Placar número 1.094, maio de 1994, Editora Abril, pág. 98
  5. a b Celso Dario Unzelte e Mário Sérgio Venditti, Almanaque do Palmeiras Placar, Editora Abril, 2004, pág. 502
  6. Placar número 1.101, março de 1995, Editora Abril, pág. 25
  7. Confirmada a saida de Polozzi do time do Comercial
Ícone de esboço Este artigo sobre futebol brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.