Polpa dentária

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Setembro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Portal A Wikipédia possui o
Portal da Odontologia

A Polpa dentária é a estrutura interna do dente, ela é formada por tecido conjuntivo frouxo ricamente vascularizado e inervado. Junto com a dentina ela forma uma estrutura integrada denominada complexo dentino-pulpar, que tem origem embriológica na papila dentária

Principais Células Presentes[editar | editar código-fonte]

Camadas Topográficas da Polpa[editar | editar código-fonte]

Células Tronco na Polpa Dentária[editar | editar código-fonte]

Estudos recentes, comprovam a existência de células tronco embrionárias (Adultas) na região da Polpa Dentária do Elemento Dentário.É importante lembrarmos que as células da polpa dentária, são de origem mesodérmica (Células ectomesenquimais) e, portanto, só originarão tecidos de origem mesodérmica.

Ainda, células-tronco podem ser definidas como aquelas capazes de se auto-renovarem e de se diferenciarem em várias linhagens. Já foram isoladas de vários tecidos humanos, incluindo medula óssea, tecido neural e pele, entre outros. Em 2000, Gronthos et al.1 identificaram células-tronco pós-natais ou maduras em polpa de dentes humanos. Estas células mostraram-se capazes de originar um tecido semelhante ao complexo dentino-pulpar, composto de matriz mineralizada e túbulos delimitados por células semelhantes a odontoblastos.

Inúmeros estudos têm isolado células altamente proliferativas, derivadas da polpa dentária. Constatou-se que tais células são multipotentes e possuem a capacidade de autorrenovação e de diferenciação em diversos tipos celulares. Foi observada uma conversão fenotípica destas células, através da expressão de proteínas adiposas (PPAR 2, sigla do inglês peroxisome proliferator activated receptor 2, e a lipoproteína lipase), após o estímulo por um meio de cultura com alto potencial indutivo adipogênico. Ademais, as células-tronco da polpa dentária expressaram nestina e proteína glial fibrilar ácida (GFAP, sigla do inglês glial fibrilar acid protein), que são marcadores de precursores neurais e células gliais, respectivamente.

Existem evidências de que células-tronco de dentes decíduos são similares àquelas encontradas no cordão umbilical. Quando comparadas às células-tronco provenientes da medula óssea e da polpa de dentes permanentes, notou-se que as SHED (stem cells from

human exfoliated deciduous teeth) apresentam uma maior taxa de proliferação. Além disso, os dados desse estudo indicam que as SHED possuem habilidade de se diferenciarem em células odontoblásticas funcionais, adipócitos e células neurais, além de estimularem a osteogênese após transplantação in vivo.

Pesquisas demonstraram que células-tronco da polpa requerem um meio indutor apropriado e um arcabouço composto por hidroxiapatita/tricálciofosfato para induzir a formação de osso, cemento e dentina in vivo. Alguns autores demonstraram a formação de tecido ósseo fibroso autólogo a partir de células-tronco provenientes de polpas de indivíduos com idades acima de 30 anos, assim como a diferenciação dessas células em odontoblastos.

Fonte: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-54192007000400003