Pombal (Portugal)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pombal
Brasão de Pombal Bandeira de Pombal
Brasão Bandeira
Pombal1.jpg
Localização de Pombal
Gentílico Pombalense
Área 626,00 km2
População 55 217 hab. (2011)
Densidade populacional 88,21 hab./km2
N.º de freguesias 13
Presidente da
Câmara Municipal
Luís Mateus (PSD)
Fundação do município
(ou foral)
1174
Região (NUTS II) Centro
Sub-região (NUTS III) Pinhal Litoral
Distrito Leiria
Antiga província Beira Litoral
Orago São Martinho
Feriado municipal 11 de Novembro
Código postal 3100 e 3105 Pombal
Sítio oficial http://www.cm-pombal.pt/
Municípios de Portugal Flag of Portugal.svg

Pombal é uma cidade portuguesa pertencente ao Distrito de Leiria, região Centro e sub-região do Pinhal Litoral, com cerca de 11 000 habitantes.[1] Foi oficialmente elevada a cidade em 16 de Agosto de 1991.

É sede de um município com 626,00 km² de área[2] e 55 217 habitantes (2011),[3] [4] subdividido em 13 freguesias.[5] O município é limitado a Norte pelos municípios da Figueira da Foz e de Soure, a Este por Ansião e Alvaiázere, a Sudeste por Ourém, a Sudoeste por Leiria e a Oeste possui uma faixa de litoral no Oceano Atlântico.

Demografia[editar | editar código-fonte]

População do concelho de Pombal (1801 – 2011)
1801 1849 1900 1930 1960 1981 1991 2001 2011
6 144 16 828 34 840 45 358 59 931 53 727 51 357 56 299 55 217

Freguesias[editar | editar código-fonte]

Freguesias do concelho de Pombal.

O concelho de Pombal está dividido em 13 freguesias:

História[editar | editar código-fonte]

Pombal foi fundada por Dom Gualdim Pais, Grão-Mestre da Ordem dos Templários, que mandou construir o seu Castelo. Deu-lhe Foral no ano de 1174.

Em 29 de Janeiro de 1186 o papa Urbano III faz seguir a bula Intelleximus ex autentico ao mestre e cavaleiros da Ordem do Templo para lhes confirmar as igrejas de Pombal, Ega e Redinha, construidas nas terras que lhes doara D. Afonso Henriques e toma-as debaixo da protecção da Santa Sé[6] .

Em 1509 Dom Manuel I, ordenou a reconstrução do castelo. O alcaide-mor da vila, o Conde de Castelo-Melhor, instalou-se no seu interior.

Foi elevada a cidade em 1991, pela Lei 71/91, de 16 de Agosto.[7]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Em 13 de Julho de 1976 foi fundado o Teatro Amador de Pombal que, desde então, tem desempenhado uma importante função cultural no concelho. Conta já com mais de 30 produções. A produção mais recente ("A Demanda"]) foi encenada por Rui M. Silva e percorreu o País com alguns espectáculos. Este grupo tem as portas abertas gratuitamente para novos elementos e reúne-se apenas aos fins-de-semana, uma vez que todos os seus elementos trabalham e/ou estudam.

Em Pombal existem duas rádios: a 97Fm, fundada como Rádio Clube de Pombal, e a Cardal Fm, em 87.6 Mhz. A Rádio Clube de Pombal começou como uma aventura de dois jovens que no dia 25 de abril de 1986 lançaram para o ar a primeira emissão. Nesse mesmo ano, em 23 de outubro, a rádio ganhou corpo jurídico. A Rádio Cardal teve durante alguns anos o estatuto de rádio "pirata”, tendo sido legalizada em março de 1989 com a obtenção do alvará de licenciamento.

Em Pombal, a imprensa jornalística resume-se atualmente ao Pombal Jornal (criado em 2013), depois de se ter assistido ao desaparecimento de alguns periódicos que marcaram o panorama jornalístico da comunidade durante décadas. É o caso do Correio de Pombal (1990-2012), de O Eco, fundado em 1932 e também já extinto, e do Voz do Arunca.

A Associação Filarmónica Artística Pombalense é uma das mais antigas coletividades do concelho, fundada no dia 16 de outubro de 1867. É uma academia de artes e de música, que promove o ensino de diferentes instrumentos e disciplinas de dança. Nela funciona também o Conservatório Filarmónico de Pombal, homologado pelo Ministério da Educação, que oferece ensino articulado da música.

Museus

Museu Municipal Marquês de Pombal

O Museu que se localiza na antiga cadeia, tem um acervo que documenta a vida e obra de Sebastião José de Carvalho e Mello, Conde de Oeiras e Marquês de Pombal, e a sua época. Apresenta uma coleção documental, com um núcleo bibliográfico e diversos documentos legislativos e manuscritos; uma importante coleção de quadros, gravuras e pintura a óleo do século XVIII; e uma relevante coleção de mobiliário da época. O Museu possui, ainda, outras coleções: medalhística, cerâmica, vidro, metais, elementos pétreos, fotografias e bustos do Marquês de Pombal.

Museu de Arte Popular Portuguesa O Museu de Arte Popular Portuguesa situa-se no piso térreo do Centro Cultural de Pombal, na zona histórica da cidade, e contém em exposição um espólio de cerca de 2000 peças de artesanato de todas as regiões do país. Este espaço museológico é o resultado de um trabalho de procura e selecção permanentes de Nelson Lobo Rocha, técnico aposentado da Fundação Calouste Gulbenkian, ao longo de mais de vinte e cinco anos de convívio com os próprios artesãos. A colecção doada à Câmara Municipal de Pombal supera pela sua diversidade, qualidade e quantidade, tudo o que seria possível esperar. Um tão grande número de peças e a sua enorme diversidade de figuras e motivos, é de inegável riqueza, facilitando a dispersão do olhar e do sentir. Os artesãos, aqui tão ricamente representados, mostram um retrato em corpo inteiro das tradições populares portuguesas duma forma genuína que veste esta sala nobre de cor, de beleza, de alegria e encanto.

Festas do Bodo[editar | editar código-fonte]

Anualmente, a cidade organiza as Festas do Bodo, cuja origem remonta ao período medieval. Realizam-se, segunda a lenda, como agradecimento à Nossa Senhora do Cardal por ter afastado as pragas das colheitas. Celebram-se durante cinco dias de modo a coincidir com o último domingo do mês de julho, envolvendo diferentes atividades, de cariz religioso, económico e de lazer, e contando com a presença da população, bem como de muitos emigrantes do concelho, em período de férias.

A lenda liga as festas do bodo a uma praga que atingiu os pombalenses e a uma mítica D. Maria Fogaça, pessoa muito devota que deu origem à secular festa. Conta-nos então a tradição que, uma praga de gafanhotos e lagartas afligiu os pombalenses, invadindo ousadamente as suas habitações, contaminando os alimentos, e até caindo em nuvem dentro dos vasos onde as mulheres levavam a água, obrigando ao uso de um pano para a coar. Esta vexação era tão insuportável que obrigou o povo a ir à Igreja de S. Pedro, então Matriz da Vila, e aí principiarem uma procissão de preces, que acabou na Capela de Nª Srª de Jerusalém. Realizou-se missa cantada, prometendo-se uma festa, se esta os livrasse de tão grande calamidade. A Senhora de Jerusalém rápido atendeu os rogos e súplicas do povo aflito, porque na manhã seguinte já o terrível inimigo tinha evacuado os campos e as searas. Reconhecido o milagre, celebrou-se nova missa solene em acção de graças pelos benefícios recebidos, ajustando-se desde logo as festas para o ano vindouro. No ano seguinte, D. Maria Fogaça decide tomar por sua conta o total dispêndio da festa religiosa, tal foi o empenho que houve canas, escaramuças, touros, fogos e danças. Nessa festa, foram oferecidos ao pároco da vila, dois grandes bolos, que saindo de extraordinária grandeza, ao serem deitados no forno, um ficou mal colocado. Um criado da casa, invocando o nome da Srª de Jerusalém, atreveu-se a entrar rapidamente no forno, consertou-o e saiu ileso. Tal facto correu logo todo o povo, como um novo milagre, e deu origem à festa do bodo. A partir de então, a festa passou a fazer-se com temerária devoção ao bolo, ao qual a população deu o nome “fogaça”.

As festas que tinham inicialmente lugar nos finais de Junho, passaram a realizar-se no último fim de semana de Julho, visto estar mais de acordo com o calendário das colheitas. Contudo, nas quatro semanas anteriores, continuaram-se a promover cerimónias em honra da Senhora. Para tal, no último dia das festas, a Câmara nomeava quatro mordomos, cada um de casais diferentes, que se encarregavam de fazer a festa, um deles vinha na primeira sexta-feira, procurar a bandeira de Nossa Senhora do Cardal que levava para o seu casal. [8]

Património[editar | editar código-fonte]

Desporto[editar | editar código-fonte]

Em Pombal existem várias entidades que promovem o desporto e a atividade física. O Sporting Clube de Pombal que se dedica essencialmente á prática do futebol, nos diferentes escalões etários O Núcleo do Desporto Amador de Pombal (NDAP) oferece vários desportos a diferentes faixas etárias, entre eles andebol, basquetebol, natação, karaté e futsal. A Acropombal dedica-se ao ensino da ginástica acrobática e o Clube de Ténis de Pombal, fundado em 1988, impulsiona este desporto junto de diferentes faixas etárias, através da Escola de Ténis. A Associação Desportiva Pedro Roma trata-se de uma escola de futebol.

Existem diversas colectividades de dimensão menor que promovem e impulsionam o desporto, tanto a nivel regional como nacional, nomeadamente Associação Cultural e Desportiva de Caseirinhos, União 21 Associação Juvenil, Associação de Futebol Feminino de Pombal - Brigada Azul, Casa do Benfica de Pombal, Nucleo Sportinguista de Pombal e muitos mais.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Pombal (Portugal)

Referências

  1. INE. Anuário Estatístico da Região Centro 2012. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística, 2013. p. 32. ISBN 978-989-25-0217-5. ISSN 0872-5055. Visitado em 05/05/2014.
  2. Instituto Geográfico Português (2013). Áreas das freguesias, municípios e distritos/ilhas da CAOP 2013 (XLS-ZIP) Carta Administrativa Oficial de Portugal (CAOP), versão 2013 Direção-Geral do Território. Visitado em 28/11/2013.
  3. INE. Censos 2011 Resultados Definitivos – Região Centro. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística, 2012. p. 100. ISBN 978-989-25-0184-0. ISSN 0872-6493. Visitado em 27/07/2013.
  4. INE (2012). Quadros de apuramento por freguesia (XLSX-ZIP) Censos 2011 (resultados definitivos) Instituto Nacional de Estatística. Visitado em 27/07/2013. "Tabelas anexas à publicação oficial; informação no separador "Q101_CENTRO""
  5. Lei n.º 11-A/2013, de 28 de janeiro: Reorganização administrativa do território das freguesias. Anexo I. Diário da República, 1.ª Série, n.º 19, Suplemento, de 28/01/2013.
  6. Quadro Elementar Das Relações Politicas E Diplomaticas De Portugal Com As Diversas Potencias Do Mundo Desde O Princípio Da Monarchia Portuguesa Até Nossos Dias, Visconde de Santarém, Tomo Oitavo, pág. 24, Casa JP Aillaud, Pariz, 1853
  7. http://www.dre.pt/cgi/dr1s.exe?t=dr&cap=1-1200&doc=19912956%20&v02=&v01=2&v03=1900-01-01&v04=3000-12-21&v05=&v06=&v07=&v08=&v09=&v10=&v11=Lei&v12=71/91&v13=&v14=&v15=&sort=0&submit=Pesquisar
  8. Nelson Pedrosa. [http://www.festasdobodo.com/obodo.php FESTAS DO BODO UMA TRADIÇÃO A CUMPRIR.]. Visitado em 11 de Agosto de 2014.


Concelhos do distrito de Leiria LocalDistritoLeiria.svg
ACB1.png AVZ.png ANS.png BTL.png BBR.png CLD.png CPR.png FVN.png LRA.png MGR1.png NZR.png OBD.png PGR.png PNI1.png PBL1.png PMS.png
Alcobaça Alvaiázere Ansião Batalha Bombarral Caldas da Rainha Castanheira de Pera Figueiró dos Vinhos Leiria Marinha Grande Nazaré Óbidos Pedrógão Grande Peniche Pombal Porto de Mós