Pombo-torcaz-dos-açores

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Como ler uma caixa taxonómicaColumba palumbus azorica
pombo-torcaz-dos-açores
Columba palumbus azorica

Columba palumbus azorica
Estado de conservação
Status iucn3.1 VU pt.svg
Vulnerável
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Columbiformes
Família: Columbidae
Género: Columba
Espécie: Columba palumbus Linnaeus, 1758
Subespécie
Columba palumbus azorica Hartert, 1905

Columba palumbus azorica Hartert, 1905, conhecido pelo nome comum de pombo-torcaz-dos-açores, é uma subespécie endémica no arquipélago dos Açores da espécie Columba palumbus, o pombo-torcaz europeu.[1] O taxon está protegido no âmbito da Convenção de Berna e da Directiva Aves. A espécie é frequente, em particular nas ilhas do Grupo Central, sendo importante na disseminação de sementes da laurissilva açoriana.[2] A subespécie foi descrita pelo ornitólogo alemão Ernst Hartert em 1905.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Ave visivelmente maior que o pombo-das-rochas, espécie de que se distingue, para além do tamanho, pela presença de uma extensa mancha branca no pescoço e de barras brancas transversais nas asas. Também a cauda difere, com uma cauda quadrada e mais comprida no pombo-torcaz.

A plumagem é essencialmente cinzenta nas partes superiores, com a garganta e o abdómen cinzentos. A plumagem do peito é rosa-arroxeado, com reflexos metálicos. Apresenta marcas brancas na plumagem do pescoço manchas iridescentes verdes e roxas no pescoço e peito. As penas do pescoço elevam-se ligeiramente para formar manchas brancas nas zonas laterais do pescoço, com maior extensão do que no pombo-comum europeu, mas semelhante à da subespécie Columba palumbus casiotis. A parte posterior do pescoço, a nuca, apresenta uma área de intensa iridescência esverdeada.

O bico é curto e fino, entre o laranja e o amarelo, com laivos avermelhados e coloração mais pálida na ponta. Os olhos são amarelo pálido. As patas são curtas e avermelhadas.

É uma subespécie residente, endémica, que ocorre em todo o arquipélago, embora sendo rara no Grupo Ocidental. A maior abundância verifica-se no Grupo Central, sobretudo nas ilhas do Pico e Terceira, onde forma bandos numerosos que se alimentar em pastagens e campos agrícolas. Nessas ilhas são frequentas as queixas de que as aves causam danos em culturas hortícolas e fruteiras.

A espécie apresenta grande semelhança morfológica com as subespécies de pombo-torcaz do norte de África, em especial com a subespécie Columba palumbus excelsa. Distingue-se da subespécie europeia (Columba palumbus palumbus) por apresentar plumagem mais escura e conspícua, com um brilho ligeiramente maior, especialmente na parte dorsal e sob as asas.

Ecologia[editar | editar código-fonte]

A subespécie está presente com relativa abundância em sete das nove ilhas do arquipélago dos Açores, havendo notícia da sua presença na ilha das Flores em tempos remotos e do seu aparecimento ocasional em tempos recentes. Está ausente da ilha do Corvo. Prefere habitats arborizados, sendo mais fequente nas margens de áreas florestadas e nas clareiras.

Há notícia de que partilhava o habitat com o pombo-da-serra, ou pombo-negro, um pombo de coloração escura das áreas montanhosas das ilhas actualmente extinto. Apesar da subespécie não ser tão dócil como seria o pombo-da-serra, ainda assim tem sofrido considerável redução de efectivos pelo efeito combinado da caça e da desflorestação e consequente perda de habitat. Tal como a subespécie próxima, a Columba palumbus maderensis da ilha da Madeira, é considerada como espécie vulnerável e por isso sujeita a medidas de protecção, as quais incluiram a sua remoção da lista das espécies cinegéticas dos Açores.

A maior número de membros reprodutores são encontrados em Março, período de início da época reprodutora. Como ocorrem com outras raças insulares de pombo-torcaz e com algumas espécies da Macaronésia e com as espécies de pombos das florestas das ilhas do Pacífico, o pombo-trocaz-dos-açores apresent baixa taxa de reprodução, muito inferior à do pombo-comum. O pombo torcaz dos Açores põe apenas ovo, de casca branca, por postura.

Em 2003, em sete das nove ilhas dos Açores foram realizados estudos visando determinar a densidade das populações de pombo-trocaz. Os resultaados permitem estimativas de densidade de variam de 14,52 aves/km2 na ilha Terceira e 5,14 aves/km2 nas outros seis ilhas.[3] Estas desnsidades eram muito mais baixas do que as da subespécie do pombo-trocaz comum na Europa continental.

A baixa densidade das populações de pombos-trocazes nos Açores pode resultado da limitada disponibilidade de habitat de reprodução e da fraca disponibilidade de alimento durante o inverno. A maior abundância nas ilhas Terceira e Pico, ilhas onde existem maiores áreas florestadas com vegetação natural do arquipélago, parece confirmar a perda de hbitat como a principal causa de declíneo das populações, o que também explicaria as grandes diferenças entre a abundância pombo-trocaz entras as diferentes ilhas do arquipélago, nomeadamente com densidades na ilha Terceira maiores do que em qualquer das outras ilhas.

A informação histórica permite afirmar que o efectivo populacional caíu drasticamente após a colonização humana dos Açores, tendo mesmo desaparecido por completo de algumas das ilhas, nomeadamente das Flores e Corvo. A principal causa do seu declínio populacional foi a perda de habitat resultante do desmatamento, mas a caça e a predação por espécies introduzidas, como os ratos, também foram importantes factores contributivos. Qualquer intrusão de seres humanos ou animais, como cães e gatos, pode causar grandes danos na população nidificante. O rato preto, uma espécie que sobe às árvores em busca de alimento e assalta ninhos de aves, causa grandes danos, com o abandono de ovos e a perda da estação de reprodução.

O pombo-trocaz desempenha nos Açores um papel ecológico importante, pois é a única ave selvagem existente no arquipélago capaz de comer as grandes drupas da espécie Laurus azorica, uma das espécie mais emblemáticas e estruturantes laurissilva açoriana, e dispersar as sementes.


Notas[editar | editar código-fonte]

  1. David Gibbs, Eustace Barnes & John Cox. Pigeons and Doves: a Guide to the Pigeons and Doves of the World. [S.l.]: Pica Press, 2000. p. 175. ISBN 1-873403-60-7.
  2. Dickens, Megan - Neves, Verónica C., "Post-breeding density and habitat preferences of the Azores Woodpigeon, Columba palumbus azorica: an inter-island comparison". Arquipélago: Ciências Biológicas e Marinhas, n.º 22A (2005): 61-69 (ISSN 0873-4704).
  3. Arquipélago

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.