Ponte de Santa Clara

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou secção:
Ponte de Santa Clara
CoimbraBridge1.jpg
Ponte de Santa Clara
Nome oficial Ponte de Santa Clara
Cruza Rio Mondego
Localização Coimbra
Mantida por Estradas de Portugal EP
Design Engenheiro Edgar Cardoso
Tráfego Rodoviário
Início da construção 5 de abril de 1951
Data de abertura 30 de outubro de 1954
Coordenadas 40° 33' 33.6" N 8° 25' 30" O

A Ponte de Santa Clara, é uma ponte rodoviária sobre o rio Mondego, no centro da cidade de Coimbra em frente do Largo da Portagem, o centro da cidade. Foi iniciada a construção em 1951 e foi inaugurada em 30 de Outubro de 1954, pelo então Presidente do Conselho António de Oliveira Salazar. Teve um custo total de 15 000 contos (75 000 euros).

A sua construção permitiu a substituição da antiga ponte de ferro que começou a ser construída em 1873 sendo aberta ao público em 1875, e que, por sua vez substituíra a antiga ponte de pedra datada de 1513. Permitiu a continuação da ligação entre Santa Clara e o centro da cidade (Largo da Portagem) e a restante Baixa de Coimbra.

É uma ponte que tem por base um projeto dos engenheiros Edgar Cardoso e António Franco e Abreu, os mesmo das pontes de São João e da Arrábida, no Porto, entre muitas outras. O custo não sofreu qualquer derrapagem devido as obras a mais.

Foi em 30 de Outubro de 1954 que se inaugurava a nova ponte de Coimbra, a Ponte de Santa Clara. Aubstituiu a de ferro que existia a jusante da atual ponte e da que foi referida anteriormente. Apresentava quatro faixas de rodagem e iluminação. Aquando da inauguração, salientava-se a existência de candeeiros a gás, bem como um triângulo, em parte relvado, no acesso do Largo da Portagem.

A nova Ponte de Santa Clara, muito maior que as anteriores, respondia assim ao crescente aumento do tráfego rodoviário Norte-Sul, tráfego que, à época, atravessava a cidade, escoando-se pelas avenidas Emídio Navarro e Fernão de Magalhães.