Pontifício Instituto para as Missões Estrangeiras

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Pontifício Instituto para as Missões Estrangeiras ou Pontifício Instituto das Missões (em latim, Pontificium Institutum pro Missionibus Exteris; abreviatura: P.I.M.E.) é uma sociedade de vida apostólica da Igreja Católica fundada pelo bispo Angelo Ramazzotti e outros prelados italianos da conferência episcopal da Lombardia no dia 1 de dezembro de 1850. Com sede em Roma desde 1951, esta organização essencialmente missionária junta leigos e padres seculares diocesanos comprometidos a trabalhar nas missões, sendo por isso um importante auxiliar da Congregação para a Evangelização dos Povos (antiga Propaganda Fide).[1]

Atualmente, o P.I.M.E, com cerca de 550 membros, está presente na Itália, Papua-Nova Guiné, Brasil, Estados Unidos da América (EUA), México, Camarões, Costa do Marfim, Guiné-Bissau, Bangladesh, Cambodja, Filipinas, Japão, Hong Kong (China), Índia, Tailândia, Birmânia, etc. Para além da sua tradicional e histórica base de recruta e formação em Itália, o P.I.M.E. possui também entidades missionárias locais, sujeitas às respetivas conferências episcopais nacionais, no Brasil, na Tailândia, na Índia, nas Filipinas e na Birmânia. Promovendo a sua internacionalização num mundo cada vez mais globalizado, o PIME tem dois seminários na Itália, quatro na Índia, um no Brasil, um nas Filipinas e um nos EUA, admitindo como membros sacerdotes e leigos das mais variadas nacionalidades e etnias.[1] [2]

Objetivos e carismas[editar | editar código-fonte]

  • Ad gentes: anunciar o Evangelho aos que não são cristãos.
  • Ad extra: os missionários saem dos seus países de origem, indo pregar o Evangelho até aos confins da terra e sempre confiando em Deus.
  • Ad vitam: ser missionários para toda a vida.

História[editar | editar código-fonte]

O Pontifício Instituto das Missões foi instalado na casa paterna de Angelo Romazzotti no dia 30 de Julho de 1850, em Saronno (Lombardia), sob a designação de "Seminário Lombardo para as Missões além-Fronteiras". Esta criação foi inspirada nas ideias missionárias do Papa Pio IX, que sempre quis ter em Itália um instituto de clero diocesano e de leigos semelhante à Sociedade para as Missões Estrangeiras de Paris. No dia 1 de Dezembro de 1850, os bispos italianos da conferência episcopal da Lombardia assinaram o Ato de Fundação desta instituição, que em 1851 foi transferido para Milão. Neste documento, os bispos comprometeram-se a "fornecer sua cota de milícia apostólica para esta finalidade" de enviar missionários para fomentar as "missões além-fronteiras".[1]

O Seminário Lombardo começou a sua atividade aceitando da Propaganda Fide as missões abandonadas ou recusadas por outras ordens religiosas. Na Itália, este seminário provincial contribuiu muito para a formação de um moderno movimento missionário italiano, através como por exemplo da difusão da Obra da Propagação da Fé e da Santa Infância; da fundação pelo padre Paulo Manna, P.I.M.E, da União Missionária do Clero (1916), que depois passou a chamar-se de Pontifícia União Missionária[3] ; da dinamização do clero italiano para a missionação; e da criação da primeira revista missionária italiana em 1872, o Le Missioni Cattoliche, que actualmente se designa por Mondo e Missione.[1]

Com o tempo, o Seminário Lombardo foi obrigado a criar novas estruturas para sustentar o seu crescimento, porque os bispos lombardos desinteressaram-se pela sua manutenção, enviando cada vez menos padres diocesanos e recusando até os que voltavam das missões. Estas novas estruturas incluíam a sua primeira "casa apostólica" criada em 1911 em Monza, uma casa de repouso em Lecco para aqueles que retornavam das missões e vários seminários e centros de animação missionária e vocacional instaladas em diversas localidades italianas. Obedecendo às regras do Código de Direito Canónico de 1917, o Seminário Lombardo tornou-se num Instituto Pontifício, que passou a poder incardinar os seus missionários, desligando-os assim das dioceses de origem.[1]

O nome propriamente dito do Pontifício Instituto das Missões (P.I.M.E.) surgiu somente em 1926, quando, por vontade do Papa Pio XI, o "Seminário Lombardo para as Missões além-Fronteiras" se uniu com o "Pontifício Seminário dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo para as Missões além-Fronteiras", que foi fundado em 1871 pelo bispo Pietro Avanzini em Roma. Ao longo da sua existência, estes dois seminários enviaram missionários para vários países e regiões do mundo, com particular destaque para as ilhas Rook e Woodlark na Oceania, a China, o México, a Austrália, o Sudão, o Egipto, os Estados Unidos da América, a Birmânia, o Bangladesh, Hong Kong e as Filipinas, contribuindo assim de modo fulcral na criação de 40 dioceses em todo o mundo, especialmente na Ásia. Estes missionários tinham a originalidade de não serem religiosos, mas sim padres diocesanos ou leigos, sendo esta característica inovadora para a época designada actualmente de Fidei Donum.[1]

Ao longo da sua existência, o Pontifício Instituto das Missões deu à Igreja Católica vários mártires, de entre os quais se destacam o padre italiano e beato Giovanni Battista Mazzucconi, mártir na ilha de Woodlark no dia 7 de Setembro de 1855; e o padre italiano e santo Alberico Crescitelli, mártir na China, mais concretamente em Yanzibian (Shaanxi), no dia 21 de Julho de 1900.[4] [5]

Instituições associadas[editar | editar código-fonte]

Associado ao P.I.M.E estão as seguintes instituições, que partilham todas o mesmo espírito missionário que impulsionou a sua criação:

  • A "Congregação das Missionárias da Imaculada" (MdI), fundada em 1936 por irmã Josefina Dones e Josefina Rodolfi e com forte contributo do padre Paulo Manna, P.I.M.E.. Actualmente, com cerca de 800 religiosas, está presente em vários países, desenvolvendo diferentes actividades ao lado dos missionários do P.I.M.E..[1] [6] [7]
  • As "Missionárias Leigas", que reúne missionárias leigas consagradas para toda a vida.[1]
  • A "Associação Leigos PIME" (ALP), que reúne leigos e voluntários, tanto homens como mulheres, que apenas se comprometem temporariamente, por um período mínimo de 3 anos, em projectos nas missões do P.I.M.E..[1] [8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i Piero Gheddo, O PIME: mais de 155 anos de missão, no site oficial do P.I.M.E.
  2. PIME in the world, no site oficial do P.I.M.E.
  3. União Missionária (21 de Julho de 2011)
  4. Martirologio (2001), no site oficial da Santa Sé (em italiano).
  5. Por causa de Jesus, dezoito missionários do PIME foram martirizados, no site oficial do P.I.M.E.
  6. 50 anos de presença das Missionárias da Imaculada no Brasil, na revista Mundo e Missão
  7. “Ide pelo mundo inteiro e proclamai o Evangelho a toda criatura”, na revista Mundo e Missão
  8. Associação Leigos PIME – ALP, no site oficial do P.I.M.E.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Catolicismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.