Pontos de Cultura

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Logotipo dos Pontos de Cultura

Pontos de Cultura são projetos financiados e apoiados institucionalmente pelo Ministério da Cultura do Brasil (MinC) e implementados por entidades governamentais ou não governamentais, que visam o a realização de ações de impacto sociocultural nas comunidades. O Ponto de Cultura é a ação prioritária e o elemento de articulação entre as demais atividades do Programa Cultura Viva do MinC[1] .

Em abril de 2010, havia 2,5 mil Pontos de Cultura instalados em 1.122 cidades brasileiras, atuando em redes sociais, estéticas e políticas. Um aspecto comum a todos é a diversidade cultural e a gestão compartilhada entre poder público e comunidade.

Características e funcionamento[editar | editar código-fonte]

Pontos de Cultura podem ser instalados em uma casa ou em um grande centro cultural. A partir desse ponto, desencadeia-se um processo orgânico, agregando novos agentes e parceiros e identificando novos pontos de apoio; a escola mais próxima, o salão da igreja, a sede da sociedade amigos do bairro, grupos de praticantes de capoeira ou mesmo a garagem de algum voluntário.

Quando, firmado o convênio com o MinC, cada Ponto de Cultura recebe a quantia de R$185 mil, em cinco parcelas semestrais, para investir conforme o projeto apresentado. Parte do incentivo recebido na primeira parcela (no valor mínimo de R$ 20 mil, para aquisição de equipamento multimídia (usando software livre oferecido pela coordenação), composto por microcomputador, mini-estúdio de gravação de CDs, câmera digital, ilha de edição e o que mais for importante para o Ponto de Cultura.[2]

Pontões de Cultura[editar | editar código-fonte]

Existem também os Pontões de Cultura, que são destinados à gestão e apoio aos Pontos de Cultura de uma região. Há também tipos específicos de Pontões de Cultura, tais como pontões de cultura digital, que, dentre outras atividades, disseminam o uso e desenvolvimento de software livre, para a produção cultural em mídia livre.[3] [4]

Internacionalização[editar | editar código-fonte]

A partir da assimilação da proposta do Cultura Viva (do qual a política de Pontos faz parte) pela sociedade civil e governos de diferentes países da América Latina, em especial através da Plataforma Puente, foi realizado em La Paz, na Bolívia, em 2013, o Congreso Latinoamericano de Cultura Viva y Comunitaria, que reuniu centenas[vago] de Pontos de Cultura de toda a região.[carece de fontes?]

Referências

  1. TURINO, C. Pontos de cultura: O Brasil de baixo para cima. Ed Anita Garibaldi, 2ª ed. São Paulo. 2010.
  2. Ministério da Cultura, Ponto de Cultura, 2010
  3. Pontão Nós Digitais
  4. Pontão da Eco