Popeia Sabina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Popeia Sabina
Imperatriz-consorte romana
Poppaea Sabina (cropped).JPG
Busto de Popeia Sabina no Palazzo Massimo alle Terme, Roma.
Governo
Reinado 6265
Consorte Rufrio Crispino
Otão
Nero
Antecessor Cláudia Otávia
Sucessor Estatília Messalina
Dinastia Júlio-claudiana
Títulos Popeia Sabina, a Jovem
Vida
Nome completo Poppaea Sabina
Nascimento 30
Pompeia
Morte 65 (35 anos)
Roma
Sepultamento Mausoléu de Augusto, Roma
Filhos Rufrio Crispino
Cláudia Augusta
Pai Tito Ólio
Mãe Popeia Sabina, a Velha

Popeia Sabina (em latim: Poppaea Sabina), também chamada de Popeia Sabina, a Jovem, foi uma imperatriz-consorte romana, segunda esposa do imperador Nero. Antes disso, ela já havia sido esposa do imperador Otão. Os historiadores clássicos descrevem-na como sendo uma bela mulher que se utilizou de intrigas para se tornar imperatriz.

Nascimento[editar | editar código-fonte]

Popeia nasceu em Pompeia em 30 d.C. e era filha de Tito Ólio e Popeia Sabina, a Velha[1] . A maior parte das evidências que sugerem a origem pompeiana de Popeia vem de escavações realizadas nas ruínas cidade destruída em 79 d.C. no século XX. Por exemplo, documentos legais encontrados durante as escavações na cidade vizinha de Herculano atestam que ela era a proprietária de uma olaria de tijolos ou de telhas na região de Pompeia. É muito provável que a família dela seja de fato originária da cidade e acredita-se geralmente que eles podem ter sido os proprietários da casa de Menandro (chamada assim por conta de uma pintura do camaleão e azul

autor teatral do século IV a.C. Menandro encontrada ali)[2] .

Família[editar | editar código-fonte]

Tito Ólio foi questor durante o reinado de Tibério. A amizade dele com o infame guarda palaciano Lúcio Élio Sejano o arruinou antes que ele conseguisse conquistar um cargo público. Ele era de Piceno e um personagem menor na corte imperial. Tito faleceu em 31.

Popeia Sabina, a Jovem, era uma mulher distinta, que Tácito elogia como sendo muito rica e "a mulher mais amável de seu tempo". Em 47, ela cometeu suicídio depois de ser uma das vítimas inocentes das artimanhas da imperatriz Valéria Messalina: ela foi acusada pela imperatriz de ter cometido o adultério com o antigo cônsul Décimo Valério Asiático.

O pai de Popeia Sabina, a Velha, era Caio Popeu Sabino, um cônsul no ano 9 de origens humildes e governador da Mésia entre 12 e 35[1] . Uma das leias outorgadas durante o seu consulado foi a Lex Papia Poppaea, que tinha como objetivo fortalecer e encorajar o casamento. Foi também nesta época que o futuro imperador Vespasiano nasceu. No reinado de Tibério, ele recebeu um triunfo por conseguir acabar com uma revolta na Trácia em 26. De 15 até a sua morte, Popeu serviu como procônsul (governador) da Grécia e em outras províncias. Competente administrador, Popeu desfrutava da amizade dos imperadores Augusto e Tibério. Ele morreu no final de dezembro de 35.

Depois da morte Tito Ólio, a mãe de Popeia casou-se novamente com Públio Cornélio Lêntulo Cípio (I), um comandante de divisão em 22, cônsul em 24 e, posteriormente, senador. Públio Cornélio Lêntulo Cípio (II) era provavelmente meio irmão de Popeia, a Jovem, e serviu como cônsul em 56 e também como senador depois disso.

Casamentos[editar | editar código-fonte]

Popeia casou pela primeira vez com Rúfio Crispino, um cidadão da ordem equestre. Eles se casaram em 44, quando Popeia tinha quatorze anos de idade. Ele foi o comandante da guarda pretoriana durante os primeiros dez anos de Cláudio, até 51, quando a nova esposa do imperador, Agripina, a Jovem, o demitiu. Ela considerava-o como leal à memória da falecida Messalina e o substituiu por Sexto Afrânio Burro. Posteriormente, sob Nero, ele terminou executado. Deste casamento, Popeia teve um filho, também chamado Rufrio Cipriano, e que, depois da morte da mãe, seria afogado por Nero numa pescaria.

Popeia casou-se em seguida com Otão, um grande amigo do novo imperador Nero, e que era sete anos mais jovem que ela. Nero se apaixonou por Popeia e os dois se tornaram amantes. De acordo com Tácito, Popeia se divorciou de Otão em 58 e se focou na tarefa de se tornar imperatriz de Roma, esposa de Nero. Otão recebeu ordens de ir para a Lusitânia e apareceria novamente dez anos depois como imperador por um breve período depois da morte de Nero, no chamado "ano dos quatro imperadores". Suetônio data estes eventos depois de 59[3] .

Imperatriz[editar | editar código-fonte]

Nero e Popeia Sabina numa tetradracma de 63/64 d.C.

Segundo Tácito, Popeia era ambiciosa e implacável, indicando que ela teria se casado com Otão apenas para se aproximar de Nero e, assim, tornar-se a amante preferida do imperador. Ele alega ainda que a imperatriz teria sido a razão pela qual Nero assassinou sua mãe em 59 para conseguir casar-se com ele[4] . Porém, acadêmicos modernos questionam a confiabilidade desta história, pois Nero só viria a se casar com Popeia em 62[5] . Além disso, Suetônio menciona que, como o marido de Popeia, Otão, não foi enviado para a Lusitânia depois da morte de Agripina, seria muito improvável que uma mulher casada pressionasse Nero para se casar[3] . Alguns estudiosos modernos, porém, teorizam que a decisão de Nero de matar Agripina foi provocada pelos planos dela de colocar Caio Rubélio Plauto (o primo de segundo grau pelo lado materno de Nero) no trono e não pelas intrigas de Popeia.

Ainda assim, Tácito alega que, com Agripina fora do caminho, Popeia pressionou Nero para que ele se divorciasse - e, posteriormente, executasse - sua primeira esposa e meia-irmã Cláudia Otávia para se casar com ela. Otávia foi inicialmente enviada para a Campânia (que, por coincidência, está na mesma região geográfica de Pompeia, terra natal de Popeia) e, depois, a aprisionou na ilha de Ventotene (um local geralmente utilizado para banir membros da família real caídos em desgraça) sob acusações de adultério. Uma vez mais, como no caso de Agripina, historiadores modernos questionam a real pressão exercida por Popeia como sendo o verdeiro motivo de Nero. Durante o casamento de oito anos com Cláudia Otávia, Nero não teve filhos e, em 62, na época que ele se divorciou de Otávia, Popeia estava grávida. Quando soube disso, Nero se divorciou de Otávia acusando-a de infertilidade e se casou com Popeia duas semanas depois.

O historiador Flávio Josefo, por outro lado, nos conta uma história completamente diferente. Ele diz que a imperatriz era profundamente religiosa (talvez uma prosélita judia em segredo) que urgia a Nero que mostrasse compaixão, principalmente para com os judeus. Porém, em 64, ela assegurou a posição de procurado da Judeia para o marido de uma amiga, Géssio Floro, que foi muito duro com os judeus[1] .

Popeia deu uma filha a Nero, Cláudia Augusta, em 21 de janeiro de 63, e que morreu com apenas quatro meses. No nascimento de Cláudia, Nero concedeu à mãe e filha o título de augusta[6] .

Morte[editar | editar código-fonte]

A causa e a data da morte de Popeia são incertas. De acordo com Suetônio, quando Popeia estava grávida do segundo filho, no verão de 63, ela discutiu furiosamente com o marido sobre o tempo que ele passava nas corridas. Num acesso de fúria, o imperador chutou Popeia na barriga, o que provocou a sua morte[7] . Tácito, por outro lado, data sua morte depois do quinquennial neronia e alega que o chute de Nero foi uma "explosão casual". Ele também menciona que alguns autores (perdidos) alegavam que Nero teria envenenado a esposa, mas demonstrou não acreditar nessas histórias[8] . Dião Cássio alega que Nero teria pulado sobre a sua barriga, mas admitiu que não sabia se fora intencionalmente ou não[9] .

Os historiadores modernos, contudo, levam em conta o grande viés negativo dos três autores contra Nero e a impossibilidade que qualquer um deles tinha de saber o que teria acontecido entre Nero e a esposa, reconhecendo assim que Popeia pode ter morrido simplesmente num aborto complicado ou no parto (no qual o segundo filho não sobreviveu)[10] .

Quando Popeia morreu, em 65, Nero ficou muito entristecido e enlutado. O corpo dela não foi cremado e, depois de estufado com ervas aromáticas, foi embalsamado e colocado no Mausoléu de Augusto. Nero elogiou a esposa durante a eulogia funeral e concedeu-lhes honras divinas. Acredita-se que Nero teria queimado o equivalente à produção de dez anos de incenso na Arábia na ocasião[11] .

Depois disso, em 67, Nero ordenou que um jovem libertus, Sporus, fosse castrado e depois se casasse com ele; de acordo com Dião Cássio, Sporus tinha uma impressionante semelhança com Sabina e Nero chegou a ponto de chamá-lo pelo nome de sua falecida esposa[12] .


Ver também[editar | editar código-fonte]

Popeia Sabina
Nascimento: 30 Morte: 65
Títulos reais
Precedido por:
Cláudia Otávia
Imperatriz-consorte romana
62–65
Sucedido por:
Estatília Messalina

Referências

  1. a b c Simon Hornblower, Antony Spawforth-E.A. (edd.), Oxford Classical Dictionary, Oxford University Press, 2003 | 1221.
  2. Beard, Mary. The Fires of Vesuvius: Pompeii Lost and Found (p. 46). Cambridge: The Belknap Press of Harvard University Press, 2008.
  3. a b Suetônio, Vida dos Doze Césares, "Vida de Otão" 3
  4. Tácito, Anais XIV.1
  5. Dawson, Alexis, "Whatever Happened to Lady Agrippina?", The Classical Journal, 1969, p. 254
  6. Veja também o ponto de vista positivo dedicado a ela por Girolamo Cardano em sua Neronis Encomium, editado em 1562 em Basileia. Disponível em inglês: Nero: an Exemplary Life Inkstone, 2012.
  7. Suetônio, Vida dos Doze Césares, "Vida de Nero" 35.3
  8. Tácito, Anais XVI.6
  9. Dião Cássio, {História Romana" LXIII.27
  10. Rudich, Vasily, Political Dissidence Under Nero, p. 134
  11. Donato and Seefried (1989), p. 55.
  12. Smith, William. Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology. [S.l.]: C. C. Little and J. Brown; [etc., etc. ], 1849. 1411, 2012 pp. vol. 3.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • HAZEL, John - Who's Who in the Roman World. Routledge, 2002. ISBN 0-415-29162-3
  • LIGHTMAN, Marjorie; LIGHTMAN, Benjamin - Biographical Dictionary of Greek and Roman Women. Checkmark Books, 2000. ISBN 0-8160-4436-8
  • (em francês) Minaud, Gérard, Les vies de 12 femmes d’empereur romain - Devoirs, Intrigues & Voluptés , Paris, L’Harmattan, 2012, ch. 4, La vie de Poppée, femme de Néron, p. 97-120.
  • Donato, Giuseppe and Monique Seefried (1989). The Fragrant Past: Perfumes of Cleopatra and Julius Caesar. Emory University Museum of Art and Archaeology, Atlanta.

Fontes primárias[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Popeia Sabina
  • Mahlon H. Smith. Poppea Sabina (em inglês) Virtual Religion. Visitado em 30/07/2013.