Populorum Progressio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Populorum Progressio
(latim: Desenvolvimento dos Povos)
Carta encíclica do papa Paulo VI
Paul 6 coa.svg
Christi Matri Cercle jaune 50%.svg Sacerdotalis Caelibatus
Data 26 de março de 1967
Assunto A necessidade de promover o desenvolvimento dos povos
Encíclica número 5 de 7 do pontífice
Texto em latim
em português

Populorum progressio ("Progresso dos povos") é uma famosa encíclica escrita pelo Papa Paulo VI e publicada em 26 de março 1967.

A encíclica é dedicada à cooperação entre os povos e ao problema dos países em desenvolvimento. O texto denuncia o agravamento do desequilíbrio entre países ricos, critica o neocolonialismo e afirma o direito de todos os povos ao bem-estar. A encíclica propõe a criação um grande Fundo mundial, sustentado por uma parte da verba das despesas militares, para vir em auxílio dos mais deserdados.

O texto critica tanto o 'liberalismo sem freio que conduziu ao "imperialismo internacional do dinheiro", como a coletivização integral e a planificação arbitrária, que priva os homens da liberdade e dos direitos fundamentais da pessoa humana.

Populorum progressio é uma das encíclicasa mais importantes da historia da Igreja Católica ainda que tenha suscitado críticas ferozes nos meios mais conservadores, particularmente quando admite o direito dos povos à insurreição revolucionária, nos casos de tirania evidente e prolongada que ofendesse gravemente os direitos fundamentais da pessoa humana e prejudicasse o bem comum do país

A terra foi dada a todos e não apenas aos ricos. Quer dizer que a propriedade privada não constitui para ninguém um direito incondicional e absoluto. Ninguém tem direito de reservar para seu uso exclusivo aquilo que é supérfluo, quando a outros falta o necessário. Numa palavra, "o direito de propriedade nunca deve exercer-se em detrimento do bem comum, segundo a doutrina tradicional dos Padres da Igreja e dos grandes teólogos". Surgindo algum conflito "entre os direitos privados e adquiridos e as exigências comunitárias primordiais", é ao poder público que pertence "resolvê-lo, com a participação ativa das pessoas e dos grupos sociais".
Paulo VI, Encíclica Populorum progressio, § 23