Porta-aviões Graf Zeppelin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde outubro de 2011)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.


Porta-aviões Graf Zeppelin
Descrição do Porta-aviões Graf Zeppelin no livreto de identificação de navios A503 FM30-50 da Marinha dos Estados Unidos.
Carreira   Bandeira da marinha que serviu
Data de encomenda 16 de Novembro de 1935
Construção Flag of German Reich (1935–1945).svg Alemanha
Lançamento 8 de Dezembro de 1938
Período de serviço Nunca entrou em operação.
Fatalidade Afundado após ser usado como alvo.
Características gerais
Deslocamento 33.550 toneladas
Comprimento 262,5 m
Boca 31,5 m
Calado 7,6 m
Propulsão Turbinas de 147.000 kW, 4 hélices.
Velocidade 35 nós.
Autonomia 14.816 km (8.000 milhas náuticas) a 19 nós (35 km/h).
Armamento Principal:
* 16 canhões de 150mm
Antiaéreo:
* 12 de 105mm
* 22 de 37mm
* 28 de 20mm
Aeronaves
Tripulação 1.720 marinheiros e oficiais
+ 306 da equipe de vôo.

Graf Zeppelin - foi um porta-aviões alemão que operaria durante a Segunda Guerra Mundial. Foi o primeiro e não concluído sonho da Kriegsmarine de ter esse tipo de navio em combate. O navio recebeu esse nome em homenagem ao conde Ferdinand von Zeppelin, pai dos enormes dirigíveis alemães.

Em 1935, Hitler anunciou que a Alemanha iria construir porta-aviões para reforçar a Kriegsmarine. Essa decisão era para fazer frente a marinha britânica, que tinha vários porta-aviões em operação antes do início da guerra em setembro de 1939.

História[editar | editar código-fonte]

Em construção em Kiel (1938).
O porta-aviões Graf Zeppelin durante sua construção.

Ao contrário de outras marinhas do mundo, a Alemanha não possuía aviação naval própria. Todas as aeronaves em terra, e em navios estavam sob comando da Luftwaffe de Hermann Goering. Por isso a marinha e força aérea alemã, discordavam em vários assuntos ligados ao uso de aviões em combate na área naval. Sendo esse o principal motivo de nunca o porta-aviões Graf Zeppelin ter entrado em operação.

Ainda em 1935, uma missão naval alemã visitou o Japão, para obter informações técnicas sobre porta-aviões, acompanhando a reconstrução do porta-aviões Akagi. Em 1936, a construção de dois porta-aviões se deu início na Alemanha. O principal idealizador do projeto de integrar porta-aviões à marinha alemã era o Almirante Erich Raeder, empolgado, ele apresentou um ambicioso programa de construção naval, o chamado Plano Z, prevendo a construção de quatro Flugzeugträger (porta-aviões) até 1945, número reduzido em 1939 para dois.

No dia 8 de dezembro de 1938, o chamado simplesmente de "Flugzeugträger A", recebeu seu nome Graf Zeppelin, sendo batizado pela filha do conde Zeppelin, condessa Hella von Brandenstein-Zeppelin. O segundo porta-aviões, não concluído e desmantelado em 1940, ficou conhecido apenas como "Flugzeugträger B".

Período de guerra[editar | editar código-fonte]

Imagem aérea do Graf Zeppelin.
Fieseler Fi 167
avião desenvolvido especificamente para operar embarcado.

No início da guerra o Graf Zeppelin estava cerca de 85% completo, com a maior parte de suas máquinas instaladas. O ritmo de sua construção seguiria ao sabor das mudanças no pensamento naval alemão, temperado pela luta Raeder x Goering x Doenitz e pelos eventos da guerra. A escassez de materiais e mão-de-obra (somadas à "boa vontade" de Goering, senhor de boa parte da indústria alemã) levou à paralisação dos trabalhos no Graf em abril/maio de 1940. O esforço de construção naval se concentrou na frota de submarinos do Almirante Karl Doenitz e as armas do Graf Zeppelin, já instaladas foram removidas e colocadas na Noruega para defesa costeira. A ala submarinista da marinha alemã decretou que um único porta-aviões operando em águas hostis dentro do alcance da aviação inimiga baseada em terra seria impraticável.

Devido aos sucessos da marinha aliada, Raeder insistiu em que o porta-aviões era necessário para proteger os incursores alemães de superfície em seus ataques contra os comboios aliados. Entre maio e dezembro de 1942 os trabalhos no navio recomeçaram, mas por essa época se constatou que os Messerschmitts e Stukas designados para o navio já estavam completamente obsoletos.

Em 1943, Hitler estava desencantado com a Kriegsmarine. Raeder pediu e obteve seu afastamento definitivo e Doenitz, o submarinista, assumiu o comando da Marinha alemã. Era o fim do sonho do porta-aviões alemão.

Então, o Graf Zeppelin, foi rebocado para Stettin, onde ficou de 1943 até o fim da guerra, sem nunca ter entrado em operação.

O fim do Graf Zeppelin[editar | editar código-fonte]

Rebocado para Stettin em abril de 1943, onde permaneceu até o fim da guerra, o Graf Zeppelin foi afundado por sua própria tripulação em 25 de abril de 1945. Recuperado pelos soviéticos, foi rebocado para Swinemünde e renomeado PA.101 (Base flutuante 101) em 3 de fevereiro de 1947.

Havia um forte interesse então dos russos em desenvolverem uma aviação naval própria e o Graf Zeppelin foi muito estudado, havendo inclusive uma proposta de terminar sua construção.

Mas decidiu-se usa-lo como alvo, tanto para cumprir os acordos com os Aliados (um navio alemão incompleto ou danificado deveria ser afundado em águas profundas de acordo com a Comissão Tripartite Aliada) como para demonstrar aos soviéticos a resistência desse tipo de navio.

Em 16 de agosto de 1947 o Graf Zeppelin enfrentou seu primeiro e último "combate". 24 bombas foram montadas a bordo, incluindo duas de 1000 kg, duas de 500 kg, três de 250 kg e cinco de 100 kg, além de quatro granadas de artilharia de 180mm. A explosão dessas cargas, com o intuito de simular danos de combate, destruiu o convés de vôo, hangares e a chaminé, deixando porém a ilha intacta: o navio ainda teria condições de operar. Mais seis bombas foram lançadas por bombardeiros de mergulho e dois torpedos de 533mm foram disparados pelo torpedeiro OE-503 e pelo destróier Slavniy. O último torpedo liquidou o navio: em 23 minutos após o impacto, o Graf Zeppelin afundava.

O lugar do naufrágio[editar | editar código-fonte]

Analistas da Marinha polonesa em julho de 2006, identificaram um navio achado no fundo do mar Báltico como o Graf Zeppelin, o único porta-aviões da Alemanha de Adolf Hitler, que naufragou em 1947.[1] Segundo a Marinha polonesa, não resta a menor dúvida de que o casco encontrado ao norte do porto de Wladyslawowo pertenceu ao porta-aviões alemão.

As pesquisas para analisar a descoberta foram realizadas pelo navio polonês ORP Arctowski depois que o porta-aviões foi detectado pelos trabalhadores de uma empresa que procura jazidas de gás no mar Báltico.

O Graf Zeppelin, uma embarcação gigante de quase 260 metros de comprimento, jaz a uma profundidade de 90 metros, mas não constitui um perigo para a navegação, porque seu ponto mais elevado está a 60 metros abaixo do nível da água.

O navio não chegou a ser concluído e nunca foi usado como porta-aviões, mas seus bombardeiros fizeram diversos ataques contra as cidades polonesas de Gdynia e Hel. Ao término da Segunda Guerra Mundial, o porta-aviões foi entregue ao Exército soviético, que o usou para transportar objetos depredados. Há várias versões sobre seu naufrágio. Enquanto alguns afirmam que o navio foi afundado pelo Exército soviético, outros asseguram que naufragou após bater em uma mina.

Imagens[editar | editar código-fonte]



Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Porta-aviões Graf Zeppelin