Porteiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Local de trabalho de um porteiro.

Porteiro, também encarregado de portaria, é a designação da profissão onde o trabalhador deve ficar na entrada de um estabelecimento para proteger a entrada indevida de estranhos. Este local é designado como portaria.

Em tempos da monarquia de Portugal e Brasil chegaram a existir despachos públicos dos reis para louvar esta função quando ao serviço da Casa Real[1] .

Este profissional vigia dependências, áreas públicas e privadas, com a finalidade de prevenir, controlar e combater delitos como roubos, porte ilícito de armas e munições, e outras irregularidades. Estes trabalhadores zelam pela segurança das pessoas, do patrimônio e pelo cumprimento das leis e regulamentos; recepcionam e controlam a movimentação de pessoas em áreas de acesso livre e restrito; fiscalizam pessoas, cargas e patrimônio; escoltam pessoas e mercadorias. Controlam objetos e cargas, vigiam parques e reservas florestais, combatendo inclusive focos de incêndio. Comunicam-se via rádio ou telefone e prestam informações ao público e aos órgãos competentes.

Na França é muito usado o termo concierge para designar uma pessoa responsável por uma casa, o que corresponderia antes ao zelador. A designação também é usada para uma pessoa, encarregada de orientar os hóspedes de um hotel e também prestar informações sobre os mais variados aspectos da cidade que está sendo visitada pelos hóspedes. A função do concierge é justamente orientar os hóspedes para lhes proporcionar uma estada agradável e bem sucedida na cidade visitada.

Em Portugal, porteiro é uma profissão regulamentada.[2]

Em 2008 existiram no Brasil cerca de 414 mil pessoas exercendo a função de porteiro. O dia 9 de junho foi declarado o Dia do Porteiro.[3] O porteiro pertence à classe 5174 (porteiros e vigias) na Classificação Brasileira de Ocupações.[4]

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]