Potência elétrica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Triângulo de potência

Em sistemas elétricos, a potência instantânea desenvolvida por um dispositivo de dois terminais é o produto da diferença de potencial entre os terminais e a corrente que passa através do dispositivo.

Isto é,

P=I \cdot U

onde I é o valor instantâneo da corrente e U é o valor instantâneo da tensão. Se I está em ampères e U em volts, P estará em watts. É bastante comum encontrar em dispositivos a potência em unidades directas, VA.

Potência elétrica pode ser definida também como o trabalho realizado pela corrente elétrica em um determinado intervalo de tempo.

Num sistema de corrente contínua em que I e U se mantenham invariantes durante um dado período, a potência transmitida é também constante e igual ao produto I \cdot U.

Nos sistemas em que I ou U são variáveis temporais, é possível determinar a potência média desenvolvida durante um intervalo de tempo a partir da integração temporal da potência instantânea:

P_{\mathrm{med}}=\frac{1}{T}\cdot\int_{0}^{T} I(t) \cdot U(t)\cdot\, \mathrm{d}t

onde I(t) é o valor da corrente no instante t e U(t) o valor da tensão no mesmo instante.

Potência Ativa[editar | editar código-fonte]

No caso da corrente alternada (CA) sinusoidal, a média de potência elétrica desenvolvida por um dispositivo de dois terminais pode ser determinada pela resolução da integral anterior, de onde resulta o produto dos valores quadrados médios (ou RMS, em inglês) ou eficazes da diferença de potencial entre os terminais e da corrente que passa através do dispositivo com o cosseno do seu ângulo de desfasamento.

Isto é,

P=U_\mathrm{e} \cdot I_\mathrm{e} \cdot \cos\phi

onde I_e é o valor eficaz da intensidade de corrente alternada senoidal, U_e é o valor eficaz da tensão senoidal e \phi é o ângulo de fase ou defasagem entre a tensão e a corrente. O termo \cos \phi é denominado Fator de potência.

Se I_e está em ampères e U_e em volts, P estará em watts. Este valor também se chama potência ativa.

A energia transferida num determinado intervalo de tempo corresponde à integral temporal da potência ativa. É esta a integração realizada pelos contadores de energia utilizados na faturação de consumos energéticos de instalações.

Resumindo: A potência ativa é a energia gasta em determinado intervalo de tempo.

Potência Aparente[editar | editar código-fonte]

Se não se inclui o termo \cos \phi que haveria que contemplar, devido ao fato de que a corrente e a tensão estejam defasados entre si, obtemos o valor do que se denomina potência aparente ou teórica S que se expressa em volt ampères (VA):

S = V_\mathrm{e} \cdot I_\mathrm{e}^*

No qual I_\mathrm{e}^* entende-se como o conjugado do número complexo I_\mathrm{e}.

É com base no valor desta potência (ou das correntes respectivas) que se faz o dimensionamento das cablagens e sistemas de proteção das instalações elétricas. Na contratação de fornecimento de energia eléctrica é normalmente especificada a taxa de potência que depende da potência aparente máxima a ser disponibilizada pelo fornecedor.Mas essa não é a potência trifásica e sim a monofásica.Para calcular a potência trifásica basta na mesma fórmula multiplicar também o resultado por raiz de três.

Potência Reativa[editar | editar código-fonte]

Existe também em CA outra potência, que é a chamada potência reativa, cuja unidade é VAr e é igual a:

Q=I_\mathrm{e} \cdot U_\mathrm{e} \cdot \sin \phi

Numa instalação elétrica que apenas possua potência reativa, a potência ativa média tem um valor nulo, pelo que não é produzido nenhum trabalho útil. Diz-se portanto que a potência reativa é uma potência devatada (não produz watts ativos).

Na indústria elétrica recomenda-se que todas as instalações tenham um fator de potência (\cos \phi \,) máximo, com o qual \sin \phi \, será mínimo e portanto a potência reativa ou não útil será também mínima.

A integração temporal da potência reativa resulta numa energia reativa, que representa a energia que circula de forma oscilante nas instalações mas não é consumida por nenhum receptor. Em casos de consumidores especiais de energia eléctrica (grandes consumidores), esta energia pode ser contabilizada em VAr-hora, e faturada adicionalmente à energia ativa consumida.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o portal:
Ícone de esboço Este artigo sobre Eletricidade é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.