Práticas corporais

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde julho de 2011)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde janeiro de 2012). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.

As práticas corporais são fenômenos que se mostram, prioritariamente, ao nível corporal e que constituem-se como manifestações culturais de caráter lúdico, tais como os jogos, as danças, as ginásticas, os esportes, as artes marciais e acrobacias, entre outras práticas sociais.

Estas manifestações são compostas por técnicas corporais, como já identificava e categorizava o antropólogo Marcel Mauss na passagem do século XIX para o século XX. É também um forma de linguagem como expressão corporal e os fenômenos acima apontados constituem o acervo daquilo que vem sendo chamado de cultura corporal.

Estas manifestações, entre outros fenômenos culturais que se expressam corporalmente, são constituintes da corporalidade humana e alguns deles, podem e vêm sendo tematizados como conteúdos da disciplina curricular educação física, assim como vêm se constituindo como objetos de pesquisa pelo campo acadêmico da educação física e das ciências do esporte.

Referências[editar | editar código-fonte]

BRACHT, Valter. A constituição das teorias pedagógicas da educação física. Cad. CEDES. v.19, n.48 p. 69-88, 1999

______ Educação Física & Ciência: cenas de um casamento (in) feliz. Ijuí: UNIJUÍ, 1999.

CARVALHO Y. M. de. Promoção da saúde, práticas corporais e atenção básica. Revista Brasileira de Saúde da Família (Brasília), 2006. v. VII, p. 33-45

CAMPOS, M.; de Souza, R.; Campos, M.. Organização de unidades de conhecimento em hiperdocumentos: o modelo conceitual como espaço comunicacional para a realização da autoria. Ciência da Informação, 2003. Acesso em 26 de setembro de 2008. Disponível em: http://revista.ibict.br/index.php/ciinf/article/view/111/92

DAHLBERG, Ingetrat. Teoria do conceito. Ciência da Informação v.7, n.2, p. 101-07, 1978.

MAUSS, M. Sociologia e antropologia. São Paulo:Cosac & Naify, 2003. 536 p.

SILVA, A. M. e DAMIANI, I. R. As práticas corporais na contemporaneidade: pressupostos de um campo de pesquisa e intervenção social. In: ____ (orgs). Práticas corporais: gênese de um movimento investigativo em Educação Física, Florianópolis: Naemblu Ciência e Arte,2005.

Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.