Prémio Nobel Alternativo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Prémio Nobel Alternativo, em inglês Right Livelihood Award ("Prémio da Sustentabilidade") - RLA, foi criado em 1980 pelo filatelista Jakob von Uexkull, e celebra-se anualmente no Parlamento Sueco, normalmente em 9 de dezembro, para homenagear e apoiar pessoas que "trabalham na busca e aplicação de soluções para as mudanças mais urgentes e necessárias no mundo actual". Um júri internacional decide o prémio em âmbitos como Protecção ambiental, Direitos Humanos, Desenvolvimento sustentável, saúde, educação, paz, etc. O prémio reparte-se entre os ganhadores, que normalmente são quatro, e chega a um total de SEK 2.000.000, cerca de R$ 545.000 em 2007.

O "Prémio Nobel Alternativo", não tem qualquer ligação oficial com o Prémio Nobel. O nome serve para sugerir que ele seja um complemento crítico àquele prémio. O RLA não usa a divisão em categorias que o Nobel usa, pois as soluções para a maioria dos problemas tendem a ser holísticas e difíceis de categorizar. Os julgadores do RLA também criticam o Nobel por premiar mormente pessoas do hemisfério norte e raramente mulheres. Na sua página web, eles fazem comparanções com os Prémios Nobel, e também mostram diagramas. Veja-se: [1]

Alguns premiados foram: o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Helena Norberg-Hodge, Plenty International, Bill Mollison, Wes Jackson, George Trevelyan, Petra Kelly, Wangari Maathai, Robert Jungk, movemento Chipko, Survival International, Edward Goldsmith, Vandana Shiva, Astrid Lindgren, Juan Garcés, Leonardo Boff, Johan Galtung, Asghar Ali Engineer, Walden Bello, Frances Moore-Lappé, Memorial Society, Mordechai Vanunu, Manfred Max-Neef, Bianca Jagger, David Lange, Maude Barlow, Ken Saro-Wiwa, Roy Sesana e outros. lista completa.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]