Prêmio Miguel de Cervantes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Prémio Miguel de Cervantes, para além de ser uma homenagem ao escritor mais famoso de Espanha, é um dos galardões literários mais importantes da língua espanhola. Este prémio, que foi instituído pelo Ministerio da Educação e Cultura de Espanha em 1976, nasce da importância que este autor tem na cultura e literatura espanholas. Premeia e reconhece anualmente os autores hispanófonos, garantindo-lhes desta forma o êxito e reconhecimento internacional. A este galardão está inerente o prestígio e propagação da língua espanhola. Este prémio é concedido anualmente, de forma a homenagear um dos autores de maior destaque da língua espanhola, numa cerimónia solene presidida pelo rei Juan Carlos, no dia 23 de Abril de cada ano, na Universidade de Alcalá . O vencedor recebe 125 000 euros.

Estátua de Miguel de Cervantes na Biblioteca Nacional de Madrid

História[editar | editar código-fonte]

A origem do prémio Cervantes remonta ao ano de 1971, quando o ministro da informação e do turismo, Alfredo Sanchez Bella propôs a sua criação. O ministro criou este prémio com o intuito de que se tornasse uma réplica hispânica do Nobel da literatura. No entanto, os moldes foram reformulados em 1975 com o objetivo de honrar uma obra literária completa, e só foi concedido pela primeira vez em 1976.O eleito, foi Jorge Guillén, poeta exilado desde 1938 por ter sido adversário do regime de Franco. Na história deste prémio, figuram autores de todos os géneros literários como: poetas, novelistas, ensaístas e dramaturgos.

Escolha dos Candidatos[editar | editar código-fonte]

Pode ser proposto a votação qualquer escritor(a) cuja obra literária esteja escrita totalmente (ou uma parte essencial) na língua castelhana. As Academias de Língua Espanhola, os autores premiados em edições anteriores e todas as instituições que estão vinculadas à literatura castelhana podem propor candidatos. Desde a eleição de 2008, a composição do jurado segue um novo modelo que prevê e existência de um maior número de membros designados por entidades de carácter eletivo.

A composição do júri inclui:[editar | editar código-fonte]

- Os dois últimos galardoados com o Prémio de Literatura em Língua Castelhana Miguel de Cervantes;

- Um membro da Real Academia Espanhola;

- Um membro de uma das Academias Ibero-americanas de língua espanhola;

- Quatro personalidades do mundo académico, universitário e literário, de prestígio reconhecido, propostos, respetivamente, pelo(s):

  • Conferência de Redatores das Universidades Espanholas
  • União de Universidades da América Latina
  • Ministro da Cultura

- Dois membros elegidos entre representantes de suplementos diários propostos, respetivamente, pela:

  • Federação de Associações de Jornalistas de Espanha

- Sociedade Interamericana de Imprensa: Um representante ou membro proposto pela Associação Internacional de Hispanistas, que seja de nacionalidade não espanhola nem ibero-americana.

De forma a poder ser formado um júri equilibrado, cada uma das entidades deverá propor dois membros representantes, homem e mulher, dentre os quais a Direção Geral de Política e Indústrias Culturais e do Livro designará para manter a dita igualdade.

Não podem fazer parte do júri aqueles que tenham participado, da mesma forma, em convocatórias anteriores, à exceção daqueles que façam parte do mesmo como galardoados em anos anteriores.

No ato de constituição do júri, os mesmos elegerão, entre eles, o Presidente.

Nas votações, que se efetuam mediante voto secreto, só são tidos em conta os votos emitidos por membros do júri que assistam pessoalmente às reuniões.


Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Desde o inicio da atribuição do prémio Cervantes, as mulheres estão em muito menor número que os homens. Na totalidade, são quatro as mulheres vencedoras do galardão máximo da literatura de língua espanhola.

Gráfico da distinção entre géneros
Relação Prémio-Países

A cerimónia da entrega do prémio[editar | editar código-fonte]

A cerimónia tem lugar na Sala do Paraninfo da Universidade de Alcalá de Henares, declarada pela Unesco como Património da Humanidade. Depois de se ouvir o hino nacional espanhol, o rei Juan Carlos, entrega a medalha e a escultura ao galardoado, que o confirma como premiado. De seguida, o distinguido com o prémio Cervantes, pronuncia um discurso de agradecimento, para além de referir a sua obra e a do próprio Cervantes.

Relevância do prémio[editar | editar código-fonte]

O prémio Miguel Cervantes é uma forma de o estado espanhol reconhecer os seus escritores, enriquecendo o legado literário hispânico. Por outro lado,divulga a língua materna, a fim de a consolidar como um importante instrumento de trabalho,de socialização e divulgação da cultura hispânica, destacando-se assim de outras línguas. É também um otimo mecanismo de publicitação das obras vencedoras, conseguindo assim aumentar o volume de vendas de livros em todo o mundo. Ao promover o estudo e aprendizagem da língua espanhola, esta torna-se mais valorizada, mais divulgada, expandindo-se por outros recantos do globo.Por outro lado,os autores vêem as suas obras serem difundidas internacionalmente e os seus nomes reconhecidos, não só nos países de língua espanhola mas também junto de outros países, mesmo não sendo hispanófonos. Além disso, cada autor espanhol está inserido num contexto económico, politico e sócio-cultural consequentemente, as suas obras refletem esses contextos, promovendo assim a cultura espanhola, bem como os seus valores, a sua história e o seu pensamento.

Lista dos vencedores[editar | editar código-fonte]

Lista de galardoados com o Prémio Cervantes
Ano Autor Nacionalidade Discurso de aceitação
1976 Jorge Guillén (1893–1984) Flag of Spain.svg Espanha [1]
1977 Alejo Carpentier (1904–1980)  Cuba [2]
1978 Dámaso Alonso (1898–1990) Flag of Spain.svg Espanha [3]
1979 Jorge Luis Borges (1899–1986)[1]  Argentina [4]
Gerardo Diego (1896–1987)[2] Flag of Spain.svg Espanha [5]
1980 Juan Carlos Onetti (1909–1994) Uruguai [6]
1981 Octavio Paz (1914–1998)  México [7]
1982 Luis Rosales (1910–1992) Flag of Spain.svg Espanha [8]
1983 Rafael Alberti (1902–1999) Flag of Spain.svg Espanha [9]
1984 Ernesto Sabato (1911–2011)  Argentina [10]
1985 Gonzalo Torrente Ballester (1910–1999) Flag of Spain.svg Espanha [11]
1986 Antonio Buero Vallejo (1916–2000). Prémio Nacional das Letras Espanholas em 1996. Flag of Spain.svg Espanha [12]
1987 Carlos Fuentes (1928–2012)  México [13]
1988 María Zambrano (1904–1991) Flag of Spain.svg Espanha [14]
1989 Augusto Roa Bastos (1917–2005) Paraguai [15]
1990 Adolfo Bioy Casares (1914–1999)  Argentina [16]
1991 Francisco Ayala (1906–2009). Prémio Nacional das Letras Espanholas em 1988. Flag of Spain.svg Espanha [17]
1992 Dulce María Loynaz (1902–1997)  Cuba [18]
1993 Miguel Delibes (1920–2010). Prémio Nacional das Letras Espanholas em 1991. Flag of Spain.svg Espanha [19]
1994 Mario Vargas Llosa (1936)  Peru [20]
1995 Camilo José Cela (1916–2002) Flag of Spain.svg Espanha [21]
1996 José García Nieto (1914–2001) Flag of Spain.svg Espanha [22]
1997 Guillermo Cabrera Infante (1929–2005)  Cuba [23]
1998 José Hierro (1922–2002). Prémio Nacional das Letras Espanholas em 1990. Flag of Spain.svg Espanha [24]
1999 Jorge Edwards (1931)  Chile [25]
2000 Francisco Umbral (1932–2007). Prémio Nacional das Letras Espanholas em 1997. Flag of Spain.svg Espanha [26]
2001 Álvaro Mutis (1923)  Colômbia [27]
2002 José Jiménez Lozano (1930). Prémio Nacional das Letras Espanholas em 1992. Flag of Spain.svg Espanha [28]
2003 Gonzalo Rojas (1917–2011)  Chile [29]
2004 Rafael Sánchez Ferlosio (1927). Prémio Nacional das Letras Espanholas em 2009. Flag of Spain.svg Espanha [30]
2005 Sergio Pitol (1933)  México [31]
2006 Antonio Gamoneda (1931) Flag of Spain.svg Espanha [32]
2007 Juan Gelman (1930)  Argentina [33]
2008 Juan Marsé (1933)[3] Flag of Spain.svg Espanha [34]
2009 José Emilio Pacheco (1939–2014)[4]  México [35]
2010 Ana María Matute (1925–2014). Prémio Nacional das Letras Espanholas em 2007.[5] Flag of Spain.svg Espanha [36]
2011 Nicanor Parra (1914)  Chile [37]
2012 José Manuel Caballero Bonald (1926). Prémio Nacional das Letras Espanholas em 2005. Flag of Spain.svg Espanha [38]
2013 Elena Poniatowska (1932).  México [39]

Referências

  1. Premio ex-aequo.
  2. Premio Cervantes Consultado el 1 de mayo de 2011
  3. Juan Marsé gana el Premio Cervantes El País (27–11–2008). Visitado em 27 de noviembre de 2008.
  4. El poeta mexicano José Emilio Pacheco gana el Premio Cervantes 2009 ABC (periódico) (30–11–2008). Visitado em 30 de noviembre de 2009.
  5. Ana María Matute, premio Cervantes