Prêmio pela paz Félix Houphouët-Boigny

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Sede da Fundação Felix Houphouet-Boigny para a Paz, em Yamoussoukro, Costa do Marfim.

O Prêmio pela paz Félix Houphouët-Boigny foi criado em 1990 pela UNESCO[1] para honrar...

"...pessoas vivas, instituições ou organismos públicos ou privadas em atividade, que tenham contribuído de maneira significativa para a promoção, busca, salvaguarda ou manutenção da paz em conformidade com a Carta das Nações Unidas e a Constituição da UNESCO."


O prêmio leva o nome de Félix Houphouët-Boigny, ex-presidente da Costa do Marfim, e compõe-se de um cheque no valor de 122 000 € ou 50,000 dollars (USD) - quantia que pode ser dividida em partes iguais, se houver mais de um ganhador - além de uma medalha de ouro e um diploma assinado pelo Diretor geral da UNESCO.

É atribuído anualmente por um júri composto de onze personalidades originárias dos cinco continentes e presidido por Henry Kissinger, ex-secretário de Estado norte-americano e ganhador do Prêmio Nobel da Paz em 1973. [2]

A cerimônia oficial de premiação acontece na sede da UNESCO, em Paris.

Laureados[editar | editar código-fonte]

O prêmio foi atribuído pela primeira vez em 1991, sendo concedido a Nelson Mandela, presidente do Congresso Nacional Africano, e a Frederik Willem de Klerk, presidente da África do Sul, que pôs fim ao regime do apartheid. Desde então, o prêmio foi atribuído anualmente, com exceção dos anos de 2001, 2004 e 2006.

Dois lusófonos receberam o prêmio: Xanana Gusmão, em 2002, e Luiz Inácio Lula da Silva, em 2008, presidentes de Timor-Leste e do Brasil, respectivamente.

Ano Premiado País Razão
1991 Nelson Mandela.jpg Nelson Mandela África do Sul "Pela sua contribuição à paz internacional, por encorajá-los a continuarem com o esforço e como tributo ao que fez para educar seu povo em direção ao entendimento e a superação dos preconceitos que muitos não teriam pensado há anos atrás"[3]
Frederik Willem de Klerk.jpg Frederik Willem de Klerk
1992 Academia de Direito Internacional de Haia  Países Baixos "Nós acreditamos que o mundo está em uma nova fase da relações internacionais. Muito diferente do que saímos há pouco (...) e nós estamos convencidos que o direito internacional deve ter um papel mais importante na resolução de disputas internacionais e na solução de problemas internacionais."[4]
1993 Yitzhak Rabin (1986) cropped.jpg Yitzhak Rabin  Israel ""Concluiu-se este ano que, naturalmente, o mais dramático e mais importante evento foi o acordo entre os palestinos e Israel, e a nossa comisão tem, portanto, conferido Prêmio pela Paz Félix Houphouët-Boigny para o Primeiro-Ministro Yitzhak Rabin e ao Ministro das Relações Exteriores Shimon Peres do lado israelita, e ao presidente Yasser Arafat para a Organização de Libertação da Palestina"."[5]
Shimon Peres at 2009 WEF.jpg Shimon Peres
Yasser-arafat-1999.jpg Yasser Arafat  Palestina
1994 KingofSpain.jpg Juan Carlos I of Spain  Espanha "(...) O Rei da Espanha, pelo seu papel na garantia da transição democrática, pela sua contínua contribuição pela proteção das minorias na transição democrática, e pelo papel internacional de conciliação que a Espanha tem atuado. A Carter, pela sua qualidade como presidente da Fundação Carter e pela sua contribuição pela busca da paz em diferentes partes do mundo e (...) continuando a contribuir antes mesmo do governo do seu país tê-lo chamado para o fazer."[6]
Jimmy Carter.jpg Jimmy Carter  Estados Unidos
1995 Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados Suíça "Nós concordamos unanimemente em dar um duplo prêmio ao Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados pelo trabalho que tem feito, e para a Comissária de Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, Senhora Ogata, pela qualidade que adicionou à missão que lhe foi confiada, pela excelência do trabalho e pela preocupação com os refugiados."[7]
Sadako Ogata2.jpg Sadako Ogata  Japão
1996 Alvaro arzu irigoyen.jpg Álvaro Enrique Arzú Irigoyen  Guatemala
Rolando Morán
1997 Ramos Pentagon.jpg Fidel V. Ramos Filipinas "Premiamos com o Prêmio pela Paz Félix Houphouët-Boigny conjuntamente o Presidente Fidel V. Ramos das Filipinas e o Senhor Nur Misuari, o Presidente da Frente de Libertação Nacional Moro pelo acordo que conclui com o fim do conflito em 2 de setembro de 1996 entre o Governo das Filipinas e a Frente de Libertação Nacional Moro."[8]
Nur Misuari.jpg Nur Misuari
1998 Sheikh Hasina.jpg Sheikh Hasina  Bangladesh "Na premiação de 1998 para Sheik Hasina, Primeiro Ministro da Repúblico Popular de Bangladesh, que assinou em 2 de dezembro de 1997 um acordo de paz que pôs fim a 25 anos de guerra civil, e ao Senador George J. Mitchell cujo trabalho permitiu as principais intervenções na crise irlandesa para a assinatura do Acordo de Belfast, o Júri quis chamar a atenção para os esforços desenvolvidos na busca da paz através do diálogo e da negociação."[9]
Spcl Envoy Geo J Mitchell.jpg George J. Mitchell  Estados Unidos
1999 Sant'Egidio.jpg Comunidade de Santo Egídio  Itália "Fazemos isso em reconhecimento aos esforços para a consecução de um entendimento ecumênico entre todas as religiões, seus esforços na conciliação na Argélia, Moçambique, Guiné-Bissau e Iugoslávia, pela contribuição ao entendimento humano e da eliminação das fontes de conflitos religiosos, políticos e étnicos."[10]
2000 Mary Robinson 1-2.jpg Mary Robinson  Irlanda "Nós decidimos premiar com o Prêmio pela Paz Félix Houphouët-Boigny à senhora Mary Robinson, Alta Comissariada das Nações Unidas para os Direitos Humanos, pela sua grande contribuição na defesa e promoção dos Direitos Humanos. A decisão, claro, foi unânime." [11]
2001
Não houve premiação
2002 President gusmao.jpg Kay Rala Xanana Gusmão Timor-Leste "Estamos honrados em conferir o Prêmio pela Paz Félix Houphouët-Boigny em sua edição de 2002 ao Presidente Xanana Gusmão pela sua contribuição na luta pela dignidade humana e por sua conduta que elevou o espírito humano não só em sua região, mas no mundo."[12]
2003 Roger Etchegaray  França "O Prêmio pela Paz Félix Houphouët-Boigny 2003 foi conferido ao Cardeal Roger Etchegaray e ao Dr. Mustafa Ceric, Grande Mufti da Bósnia, em reconhecimento de sua ação em favor do diálogo interreligioso, da tolerância e da paz. O júri acredita que o diálogo interreligioso é fundamental para o entendimento mútuo entre povos e nações. É portanto um dos grandes desafios de nossa era."[13]
Mustafa Ceric, Grand Mufti of Bosnia (top religious leader).jpg Mustafa Cerić  Bósnia e Herzegovina
2004
Não houve premiação
2005 Abdoulaye Wade.jpg Abdoulaye Wade Senegal "O júri considerou uma lista de candidatos incluindo eminentes personalidades de todas as regiões do mundo. Deu particular atenção às ações em favor da paz, do progresso, da democracia e da tolerância na África. Depois de amplas consultas e de um exame em profundidade da situação na África, o júri decidiu atribuir o Prêmio pela Paz Félix Houphouët-Boigny 2005 ao Presidente Abdoulaye Wade do Senegal, por suas contribuições para a democracia no Senegal, e por seu papel na mediação de disputas políticas na região." [14]
2006
Não houve premiação
2007 Martti Ahtisaari.jpg Martti Ahtisaari  Finlândia “De 1977 a 1990, o senhor conduziu o processo que resultou na independência da Namíbia. Sua imensa contribuição para a resolução do conflito fatricida entre o governo da Indonésia e o Movimento Free Aceh tem sido reconhecido por toda a comunidade internacional.[...] É por todos esses esforços pela causa da paz que o júri decidiu unanimemente conferir-lhe o Prêmio pela Paz Félix Houphouët-Boigny 2007”. [15]
2008 Lula - foto oficial05012007 edit.jpg Luiz Inácio Lula da Silva  Brasil “O júri decidiu atribuir o Prêmio pela Paz Félix Houphouët-Boigny ao Senhor Luiz Inacio Lula da Silva, Presidente da República Federativa do Brasil, por suas ações em busca da paz, do diálogo, da democracia, da justiça social e igualdade de direitos, bem como por sua valiosa contribuição para a erradicação da pobreza e para a proteção dos direitos das minorias.” [16]

Referências

  1. Résolution créant le prix Félix Houphouët-Boigny pour la recherche de la paix
  2. Présentation du prix Félix Houphouët-Boigny pour la recherche de la paix par l’Unesco
  3. Kissinger, Henry. Discurso de anúncio da premiação. Sítio oficial da UNESCO. Acesso em 31/05/2009.
  4. Kissinger, Henry (13-10-1992). Discurso de anúncio da premiação. Sítio oficial da UNESCO. Acesso em 31-05-2009.
  5. Kissinger, Henry (17-09-1993). Discurso de anúncio da premiação. Sítio oficial da UNESCO. Acesso em 31-05-2009.
  6. Kissinger, Henry (10-01-1995). Discurso de anúncio da premiação. Sítio oficial da UNESCO. Acesso em 31-05-2009.
  7. Kissinger, Henry (08-01-1996). Discurso de anúncio da premiação. Sítio oficial da UNESCO . Acesso em 31-05-2009.
  8. Kissinger, Henry (17-06-1998). Discurso de anúncio da premiação. Sítio oficial da UNESCO. Acesso em 31-05-2009.
  9. Kissinger, Henry (01-04-1999). Discurso de anúncio da premiação. Sítio oficial da UNESCO. Acesso em 31-05-2009.
  10. Kissinger, Henry (27-01-2000). Discurso de anúncio da premiação. Sítio oficial da UNESCO. Acesso em 31-05-2009.
  11. Kissinger, Henry (29-05-2001). Discurso de anúncio da premiação. Sítio oficial da UNESCO. Acesso em 31-05-2009.
  12. Kissinger, Henry (10-09-2002). Discurso de anúncio da premiação. Sítio oficial da UNESCO. Acesso em 31-05-2009.
  13. Kissinger, Henry A. (24-03-2004) Discurso de anúncio da premiação Sítio oficial da UNESCO. Acesso em 05-12-2009.
  14. Kissinger, Henry (13-09- 2005). Discurso de anúncio da premiação. Sítio oficial da UNESCO. Acesso em 05-12-2009.
  15. Soares, Mário, Vice-Presidente do júri (02-10-2008). Discurso de anúncio da premiação. Acesso em 05-12-2009.
  16. Soares, Mário, Vice-Presidente do júri (13-05-2009). Discurso de anúncio da premiação. Acesso em 05-12-2009.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]