Pró-fármaco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Os pró-fármacos são fármacos que são administrados em forma inativa, sendo ativados somente após biotransformação (metabolismo normal). Estes podem melhorar a absorção ou a ação. Podem ter ativação intracelular ou extracelular.[1]

Normalmente uma droga é administrada na forma ativa e inativada pela biotransformação.

Exemplos[editar | editar código-fonte]

História[editar | editar código-fonte]

Albert, no ano de 1958, foi quem primeiro chamou os compostos que necessitavam de biotransformação para estabelecer seu efeito de pró-fármacos. Harper, em 1959, incluiu o termo latenciação para o processo de obtenção destes espécimes de fármacos. Somente a partir dos anos 70 a latenciação tornou-se mais elucidada, devido a farmacocinética ganhar maior compreensão pelos pesquisadores. Muitos outros termos já foram usados, mas pró-farmaco foi o mais bem aceito e estabelecido.[2]

Notas e referências