Prússia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Preußen
Prússia
1525 – 1947
Flag Brasão
Bandeira
(1892–1918)
Brasão de armas
(1866–1918)
Lema nacional
Suum cuique (Latim)
"A cada um, o seu próprio"
Localização de Prússia
Prússia (azul), em seu auge, o principal estado do Império Alemão.
Continente Europa
Capital Königsberg mais tarde Berlim
Língua oficial Alemão (oficial)
Religião Protestantismo
Católica
Governo Monarquia
Duque1
 • 1525–1568 Alberto I (primeiro)
 • 1688–1701 Frederico III (último)
Rei1
 • 1701–1713 Frederico I (primeiro)
 • 1888–1918 Guilherme II (último)
Primeiro-ministro1, 2
 • 1918–1920 Paul Hirsch (primeiro)
 • 1933–1945 Hermann Göring (último)
Período histórico Europa no início da era moderna para contemporânea
 • 10 de abril de 1525 Ducado da Prússia
 • 27 de agosto de 1618 União com Brandemburgo
 • 18 de janeiro de 1701 Reino da Prússia
 • 9 de novembro de 1918 Estado Livre da Prússia
 • 30 de janeiro de 1934 Abolição (de facto)
 • 25 de fevereiro de 1947 Abolição (de jure)
Área
 • 1907 348,702 km2
 • 1939 297,007 km2
População
 • 1816 est. 10,349,0003 
 • 1871 est. 24,689,000 
 • 1939 est. 41,915,040 
     Dens. pop. 0,1/km²
Moeda Reichsthaler
Atualmente parte de Alemanha, Polônia, Rússia, Lituânia, Dinamarca, Bélgica, República Checa e Suíça
1 Os chefes de Estado listados aqui são o primeiro e o último para segurar cada título ao longo do tempo. Para mais informações, consulte os artigos dos estados prussianos individuais (links na seção História).
2 A posição do Ministerpräsident foi introduzido em 1792, quando a Prússia era um Reino; os primeiros-ministros mostrados aqui são os chefes da república prussiana.
3 Estimativas populacionais:[1]

Prússia (Alemão: ) era um reino e um estado alemão histórico que deu origem ao Ducado da Prússia e a Marca de Brandemburgo e era centrado na região histórica da Prússia. Durante séculos, a Casa de Hohenzollern governou a Prússia, com sucesso expandindo de seu tamanho por meio de um exército extraordinariamente bem organizado e eficaz. A Prússia moldou a história da Alemanha, tendo como sua capital Berlim depois de 1451. Em 1871, os estados alemães se uniram na criação do Império Alemão sob a liderança da Prússia. Em novembro de 1918, as monarquias foram abolidas e a nobreza perdeu seu poder político. A Prússia foi efetivamente abolida em 1932, e oficialmente em 1947.[2]

O nome Prússia deriva dos prussianos. No século XIII, os cruzados alemães, os Cavaleiros Teutônicos, conquistaram os "prussianos". Em 1308 os Cavaleiros Teutônicos conquistaram a região anteriormente polonesa de Pomerélia com Gdańsk (Danzig). Seu estado monástico foi principalmente germanizado pela imigração da Alemanha central e ocidental e do sul, e foi polonizado por colonos de Mazóvia. A Segunda Paz de Toruń (1466) dividiu a Prússia para o oeste Prússia Real, uma província da Polônia, e a parte oriental, a partir de 1525 chamada de Ducado da Prússia, um feudo da Coroa da Polônia até 1657. A união de Brandemburgo e o Ducado da Prússia em 1618 que levou à proclamação do Reino da Prússia em 1701.

A Prússia entrou no ranking das grandes potências, logo depois de se tornar um reino,[3] [4] [5] [6] e exerceu maior influência nos séculos XVIII e XIX. Durante o século XVIII tinha uma grande voz a dizer em muitos assuntos internacionais sob o reinado de Frederico, o Grande. Durante o século XIX, o chanceler Otto von Bismarck uniu os principados alemães em uma "Alemanha Menor" que excluía o Império Austríaco.

No Congresso de Viena (1814-1815), que redesenhou o mapa da Europa após a derrota de Napoleão, a Prússia adquiriu uma grande parte do noroeste da Alemanha, incluindo Ruhr rica em carvão. O país então cresceu rapidamente na influência econômica e política, e tornou-se o núcleo da Confederação da Alemanha do Norte em 1867, e depois do Império Alemão em 1871. O Reino da Prússia era agora tão grande e tão dominante na nova Alemanha que os Junkers e outras elites prussianas eram cada vez mais identificadas como alemães e cada vez menos como prussianos.

O Reino foi dissolvido em 1918. Na República de Weimar o estado da Prússia perdeu quase toda a sua importância jurídica e política em 1932. As velhas elites prussianas desempenharam um papel passivo no regime nazista; Prússia foi legalmente abolida em 1940. Prússia Oriental perdeu toda a sua população alemã depois de 1945, quando a Polônia e a União Soviética anexaram seu território.

O termo "prussiano" tem sido frequentemente utilizado, especialmente fora da Alemanha, para enfatizar o profissionalismo, agressividade, militarismo e o conservadorismo da classe Junker de aristocratas que desembarcaram no Oriente, que dominaram primeiro a Prússia e depois o Império Alemão antes de 1918.

Símbolos[editar | editar código-fonte]

O principal brasão de armas da Prússia, bem como a bandeira da Prússia, que descreve a águia-preta sobre um fundo branco.

As cores nacionais em preto e branco já eram utilizadas pelos Cavaleiros Teutônicos e pela dinastia Hohenzollern. A Ordem Teutônica usava um casaco branco bordado com uma cruz preta com a inserção em ouro e a águia-preta imperial. A combinação das cores preto e branco com as cores branco e vermelho da Liga Hanseática das cidades livres Bremen, Hamburgo e Lübeck, bem como Brandemburgo, resultou na bandeira comercial preto-branco-vermelho da Confederação da Alemanha do Norte, que se tornou o bandeira do Império Alemão em 1871.

Suum cuique ("A cada um, o seu próprio"), o lema da Ordem da Águia Negra criado pelo Rei Frederico I, em 1701, foi muitas vezes associado com toda a Prússia. A Cruz de Ferro, uma condecoração militar criado pelo Rei Frederico Guilherme III em 1813, foi também comumente associado com o país. A região, originalmente povoada pelos antigos bálticos prussianos que foram cristianizados, tornou-se um local privilegiado para a imigração de alemães (mais tarde, principalmente protestantes) (ver Ostsiedlung), bem como polacos e lituanos ao longo das regiões fronteiriças.

Território[editar | editar código-fonte]

Antes de sua abolição, o território do Reino da Prússia incluía as províncias da Prússia Ocidental; Prússia Oriental; Brandemburgo; Saxônia; (incluindo grande parte do atual estado da Saxônia-Anhalt e partes do estado da Turíngia, da Alemanha); Pomerânia; Reno; Vestfália; Silésia (sem Checa Silésia); Lusácia; Schleswig-Holstein; Hanover; Hesse-Nassau; e uma pequena área isolada no sul chamada de Hohenzollern, a casa dos ancestrais da família real da Prússia. A terra que os Cavaleiros Teutônicos ocupada era plana e coberta com um solo rico. O terreno foi perfeitamente adequado para plantações em grande escala de trigo.[7] A ascensão da Prússia no início foi baseada no cultivo e venda de trigo. Prússia Teutônica tornou-se conhecida como o "celeiro da Europa Ocidental" (em alemão, Kornkammer, ou celeiro). As cidades portuárias de Stettin (Estetino) na Pomerânia, Danzig (Gdańsk), na Prússia, Riga em Livonia, Königsberg (Kaliningrado) e Memel (Klaipėda) cresceram devido a produção de trigo. A produção de trigo e do comércio trouxe a Prússia para estreita relação com a Liga Hanseática, durante o período de tempo a partir de 1356 (fundação oficial da Liga Hanseática) até que o declínio da Liga em aproximadamente 1500.

A expansão da Prússia com base na sua ligação com a Liga Hanseática desligou tanto a Polônia e a Lituânia a partir da costa do Mar Báltico e do comércio exterior.[8] Isso significava que a Polônia e a Lituânia seriam inimigos tradicionais da Prússia que ainda era chamada de Cavaleiros Teutônicos.[9]

Demografia[editar | editar código-fonte]

População[editar | editar código-fonte]

Em 1871, a população da Prússia era de 24.690.000 habitantes, representando 60% da população do Império Alemão.[10] Em 1910, a população tinha aumentado para 40.170.000 (62% da população do Império).[10] Em 1914, a Prússia tinha uma área de 354.490 km². Em maio de 1939 a Prússia tinha uma área de 297.007 km² e uma população de 41.915.040 habitantes. O Principado de Neuenburgo, agora é o cantão de Neuchâtel, na Suíça, foi uma parte do Reino da Prússia de 1707 a 1848.

Religião[editar | editar código-fonte]

Embora a Prússia era dominado por protestantes luteranos (juntamente com alguns calvinistas), continha milhões de católicos no oeste e na Polônia. Região sul da Prússia Oriental de Masúria foi composta principalmente por germanizados Mazures protestantes. Houve numerosas populações católicas na Renânia e partes da Vestfália. Além disso, Prússia Ocidental, Vármia, Silésia, e da província de Posen tinham populações de língua polonesa predominantemente católicos.

População não-alemã[editar | editar código-fonte]

Em 1649, o assentamento dos Kursenieki ao longo da costa báltica da Prússia Oriental se estendeu de Memel (Klaipėda) para Danzig (Gdańsk).

Em 1871, aproximadamente 2.4 milhões de poloneses viviam na Prússia, constituindo a maior minoria.[10] Outras minorias eram judeus, dinamarqueses, frísios, Cassubianos (72.500 em 1905), Mazures (248.000 em 1905), lituanos (101.500 em 1905), Valões, tchecos e Sorábios.[10]

A área da Grande Polônia, onde a nação polonesa tinha originado, tornou-se a província de Posen após as partições da Polônia. Poloneses nesta província polonesa era maioria (62% polaco, 38% alemão) que resistiram ao domínio alemão. Além disso, a parte sudeste da Silésia (Alta Silésia) tinha uma maioria polaca. Mas os católicos, poloneses étnicos e outros eslavos e judeus não tinham o mesmo estatuto com os protestantes.[11]

Como resultado do Tratado de Versalhes, em 1919, a Segunda República Polonesa foi concedido não apenas essas duas áreas, mas também as áreas de maioria alemã na província de Prússia Ocidental. Após a Segunda Guerra Mundial, a Prússia Oriental, Silésia, a maioria da Pomerânia e da parte oriental de Brandemburgo foram anexadas tanto pela União Soviética ou Polônia, e as populações de língua alemã foram expulsas.

História antiga[editar | editar código-fonte]

Wappen Mark Brandenburg.png
Wappen Preußen.png

História de Brandemburgo e da Prússia
Marca do Norte
pré-século XII
Prussianos
pré-século XIII
Marca de
Brandemburgo

1157–1618 (1806)
Ordem Teutônica
1224–1525
Ducado da Prússia
1525–1618
Prússia Real (polonesa)
1466–1772
Brandemburgo-Prússia
1618–1701
Reino na Prússia
1701–1772
Reino da Prússia
1772–1918
Estado Livre da Prússia
1918–1947
Região de Klaipėda
(Lituânia)
1920–1939 / 1945–presente
Brandemburgo
(Alemanha)
1947–1952 / 1990–presente
Territórios Recuperados
(Polônia)
1918/1945–presente
Oblast de Kaliningrado
(Rússia)
1945–presente
Situação após a conquista no final do século XIII. Áreas em roxo sob o controle do Estado Monástico dos Cavaleiros Teutônicos.
Após a Segunda Paz de Toruń (1466). Estado Ordem Teutônica: laranja.

Em 1211 André II da Hungria concedeu Burzenland na Transilvânia como um feudo dos Cavaleiros Teutônicos. Em 1225, André II expulsou os Cavaleiros Teutônicos da Transilvânia, e eles tiveram que se transferir para o Mar Báltico. Conrado I, o Duque polaco de Mazóvia, tentou em vão conquistar a Prússia pagã nas cruzadas em 1219 e 1222.[12] Em 1226, o duque Conrado I convidou os Cavaleiros Teutônicos, uma ordem militar alemã de cavaleiros cruzados, com sede no Reino de Jerusalém, no Acre, para conquistar as tribos prussianas bálticas em suas fronteiras.

Durante 60 anos de lutas contra os prussianos, a ordem criou um Estado Independente, que passou a controlar a Prússia. Depois dos Irmãos Livônios da Espada ingressarem na Ordem Teutônica em 1237, eles também controlada Livônia (atual Letônia e Estônia). Por volta de 1252, eles terminaram a conquista da tribo prussiano setentrional dos Escalvianos assim como os ocidentais Curônios bálticos, e ergueram o castelo de Memel, que se tornou a principal cidade portuária de Memel (Klaipėda). A fronteira final entre a Prússia e a adjacente Grão-Ducado da Lituânia foi determinada no Tratado de Melno em 1422.

A Liga Hanseática foi formada oficialmente no norte da Europa em 1356 como um grupo de cidades comerciais que passaram a ter um monopólio sobre todo o comércio deixando o interior da Europa e a Escandinávia com todo o controle do comércio no Mar Báltico para os países estrangeiros.[13] Os empresários do interior da Suécia, Dinamarca e Polônia vieram a se sentir oprimidos pela Liga Hanseática.

No decorrer do Ostsiedlung os colonos foram convidados, trazendo mudanças na composição étnica, bem como na língua, cultura e direito. Como a maioria desses colonos eram alemães, baixo-alemão se tornou a língua dominante.

Os cavaleiros estavam subordinados ao papa e ao imperador. Sua inicialmente estreita relação com a Coroa polonesa deteriorou depois que eles conquistaram em 1308 a Pomerélia e Danzig (Gdańsk) controlada pelos polonês. Eventualmente, a Polônia e a Lituânia, se aliaram através da União de Krewo de 1385, e derrotaram os Cavaleiros na Batalha de Grunwald (Tannenberg), em 1410.

A Guerra dos Treze Anos (1454-1466) começou quando a Confederação Prussiana, uma coalizão de cidades hanseáticas da Prússia Ocidental, se rebelou contra a Ordem e com ajuda solicitada ao rei polonês. Os Cavaleiros Teutônicos foram forçados a reconhecer a soberania e prestar homenagem ao Rei Casimiro IV da Polônia na Segunda Paz de Toruń (1466), perdendo a Prússia Ocidental (Prússia Real) para a Polônia. De acordo com a Segunda Paz de Toruń, foram estabelecidos dois estados prussianos.[14]

Prussian Homage, Jan Matejko. Depois de admitir a dependência da Prússia da coroa polonesa, Alberto da Prússia recebe a Prússia Ducal como um feudo do Rei Sigismundo I, o Velho da Polônia em 1525.

Em 1525, Grão-Mestre Alberto de Brandemburgo-Ansbach, um membro da Casa de Hohenzollern, se tornou luterano protestante e secularizou os restantes dos territórios prussianos da Ordem para o Ducado da Prússia.[15] Esta foi a área leste da foz do rio Vístula, mais tarde chamado às vezes de "Prússia adequada". Pela primeira vez, essas terras chegou as mãos da família Hohenzollern. (A dinastia Hohenzollern havia governado o Marca de Brandemburgo, a oeste, um estado alemão centrado em Berlim, desde o século XV). Além disso, com sua renúncia da Ordem, Alberto agora podia se casar e produzir herdeiros legítimos.

Brandemburgo-Prússia[editar | editar código-fonte]

Brandemburgo e Prússia foram unificados duas gerações mais tarde. Ana, neta de Alberto I e filha do duque Alberto Frederico (reinou entre 1568-1618), se casou com seu primo Eleitor João Segismundo de Brandemburgo. Após a morte de Alberto Frederico em 1618, que morreu sem herdeiros masculinos, João Segismundo foi concedido o direito de sucessão ao Ducado da Prússia, que ainda era um feudo polonês. A partir deste momento o Ducado da Prússia estava em união pessoal com o Marca de Brandemburgo. O estado resultante, conhecido como Brandemburgo-Prússia, consistiu em territórios geograficamente desconectados na Prússia, Brandemburgo, e as terras Renânia de Cleves e Mark.

Durante a Guerra dos Trinta Anos, as terras desconectadas de Hohenzollern foram repetidas vezes conquistadas por vários exércitos, especialmente os suecos que a ocupavam. O ineficaz e militarmente fraco marquês Jorge Guilherme (1619-1640) fugiu de Berlim para Königsberg, a capital histórica do Ducado da Prússia, em 1637. Seu sucessor, Frederico Guilherme I (1640-1688), reformou o exército para defender as terras.

Frederico Guilherme I fui a Varsóvia em 1641 para homenagear o Rei Vladislau IV Vasa da Polônia para o Ducado da Prússia, que ainda era um feudo da coroa polonesa. Na primeira fase da Segunda Guerra do Norte (1654-1660), ele tomou o ducado como um feudo do rei da Suécia, que mais tarde lhe concedeu plena soberania no Tratado de Labiau. Em 1657, esta concessão foi renovada pelo rei polonês nos tratados de Wehlau e Bromberg. Com a Prússia, a dinastia de Hohenzollern e Brandemburgo agora organizaram uma território livre de quaisquer obrigações feudais, que constituíram a base para a sua elevação mais tarde para reis.

Frederico Guilherme I tornou-se conhecido como o "Grande Eleitor" por suas realizações na organização do eleitorado, o que ele realizou através da criação de uma monarquia absoluta (ver absolutismo) em Brandemburgo-Prússia. Acima de tudo, ele enfatizou a importância de uma poderosa força militar para proteger os territórios desconectados do estado, enquanto o Édito de Potsdam abriu Brandemburgo-Prússia para a imigração de refugiados protestantes, e estabeleceu uma burocracia para realizar negócios de estado de forma eficiente.

Reino da Prússia[editar | editar código-fonte]

Em 18 de janeiro de 1701, o filho de Frederico Guilherme, Eleitor Frederico III, promoveu a Prússia de um ducado a um reino e coroou a si mesmo Rei Frederico I. Para evitar ofender a Polônia, onde uma parte da antiga Prússia estava, Leopoldo I, Imperador do Sacro Império Romano-Germânico, onde a maior parte das terras da Prússia estava, permitiu Frederico I apenas para si mesmo título de "Rei na Prússia", e não "Rei da Prússia".

Crescimento de Brandemburgo-Prússia, 1600-1795.

O estado de Brandemburgo-Prússia tornou-se conhecido como "Prússia", embora a maior parte do seu território, em Brandemburgo, Pomerânia, e oeste da Alemanha, estava fora da Prússia adequada. O Estado prussiano cresceu em esplendor durante o reinado de Frederico I, que patrocinou as artes às custas do Tesouro.[16]

Frederico I foi sucedido por seu filho, Frederico Guilherme I (1713-1740) o austero "Rei Soldado", que não se importava com as artes, mas foi econômico e prático. Ele é considerado o criador da burocracia prussiana propalada e o exército permanente profissionalizado, que ele desenvolveu em um dos mais poderosos da Europa, embora suas tropas apenas brevemente entraram em ação durante a Grande Guerra do Norte. Tendo em vista o tamanho do exército em relação à população total, Mirabeau disse mais tarde: Prússia, não é um estado com um exército, mas um exército com um Estado. Além disso, Frederico Guilherme I liquidou mais de 20.000 refugiados protestantes de Salzburgo pouco povoada da Prússia oriental, que acabou sendo estendida para a margem oeste do rio Memel, e outras regiões. No tratado de Estocolmo de 1720, adquiriu a metade da Pomerânia sueca.

Rei Frederico Guilherme I, "Rei Soldado".

O rei morreu em 1740 e foi sucedido por seu filho, Frederico II, cujas realizações levou a sua reputação como "Frederico, o Grande".[17] Como príncipe herdeiro, Frederico se concentrou, principalmente, na filosofia e nas artes.[18] Ele era um flautista talentoso. Em 1740, tropas prussianas atravessaram a fronteira indefesa da Silésia e ocuparam Schweidnitz. Silésia foi a província mais rica de Habsburgo Austríaca.[19] Ele marcou o início de três Guerras da Silésia (1740-1763).[20] A Primeira Guerra da Silésia (1740-1742) e a Segunda Guerra da Silésia (1744-1745) têm, historicamente, sido agrupada a Guerra de Sucessão Austríaca (1740-1748). Sacro Imperador Romano-Germânico Carlos VI morreu em 20 de outubro de 1740. Ele foi sucedido por sua filha, Maria Teresa.

Ao derrotar o exército austríaco na batalha de Mollwitz em 10 de abril de 1741, Frederico conseguiu conquistar a Baixa Silésia (a metade noroeste da Silésia).[21] No ano seguinte, 1742, ele conquistou a Alta Silésia (a metade sudeste). Além disso, na Terceira Guerra da Silésia (geralmente agrupado com a Guerra dos Sete Anos) Frederico obteve uma vitória sobre a Áustria na Batalha de Lobositz em 1 de outubro de 1756. Em 3 de novembro de 1760, Frederico ganhou outra batalha decisiva, Batalha de Torgau. Com esta vitória e a vitória geral na Guerra dos Sete Anos, Frederico, aliado com a Grã-Bretanha, Hanôver e Hesse-Kassel, foi capaz de segurar toda a Silésia contra uma coalizão da Saxônia, Áustria, França e Rússia.[22] Voltaire, um amigo próximo do rei, uma vez descreveu Frederico, o Grande, dizendo: "...Era um espartano de manhã, e à tarde Atenas". A partir dessas guerras em diante, a rivalidade entre Áustria e Prússia dominou a política alemã até 1866.

Silésia, cheia de solos ricos e cidades prósperas para fabricas, se tornou uma região vital para a Prússia, aumentando grandemente a área do país, população e riqueza.[23] O sucesso no campo de batalha contra a Áustria e outras potências provou que o status da Prússia como uma das grandes potências da Europa. As Guerras da Silésia começaram há mais de um século de rivalidades e conflitos entre a Prússia e a Áustria, os dois estados mais poderosos que operam dentro do Sacro Império Romano-Germânico (embora, ironicamente, ambos tinham extenso território fora do império).[24] Em 1744 o Condado de Frísia Oriental caiu perante a Prússia após a extinção da dinastia Cirksena.

Rei Frederico II, "o Grande".

Nos últimos 23 anos de seu reinado até 1786, Frederico II, que se entendeu como o "primeiro servo do Estado", promoveu o desenvolvimento das áreas da Prússia como o Oderbruch. Ao mesmo tempo, ele construiu o poder militar da Prússia e participou da primeira partição da Polônia com a Áustria e Rússia (1772), um ato que geograficamente ligou territórios de Brandemburgo com os da Prússia adequada. Durante este período, ele também abriu as fronteiras da Prússia aos imigrantes que fugiam da perseguição religiosa em outras partes da Europa, como os huguenotes. Prússia se tornou um refúgio seguro, da mesma forma que os Estados Unidos receberam imigrantes em busca da liberdade no século XIX.[25]

Frederico, o Grande, o primeiro "Rei da Prússia", praticou despotismo esclarecido. Ele introduziu um código civil geral, aboliu a tortura e estabeleceu o princípio de que a Coroa não iria interferir em assuntos de justiça. Ele também promoveu um ensino secundário superior, o precursor do sistema (escola de gramática), que prepara os alunos mais brilhantes para os estudos universitários.[26] O sistema de ensino prussiano foi imitado em vários países, incluindo os Estados Unidos.[25]

Guerras Napoleônicas[editar | editar código-fonte]

Durante o reinado do rei Frederico Guilherme II (1786-1797), a Prússia anexou território polonês através de outras partições da Polônia. Seu sucessor, Frederico Guilherme III (1797-1840), anunciou a união da igreja luterana da Prússia e as igrejas reformadas em uma.[27]

Prússia tomou parte importante nas guerras revolucionárias francesas, mas permaneceu em silêncio por mais de uma década, devido à Paz de Basileia, de 1795, só para ir mais uma vez para a guerra com a França em 1806 as negociações com aquele país sobre a alocação dos domínios de influência na Alemanha falhou. Prússia sofreu uma derrota devastadora contra as tropas de Napoleão Bonaparte na Batalha de Jena–Auerstedt, levando Frederico Guilherme III e sua família a fugir temporariamente para Memel. Nos termos dos Tratados de Tilsit em 1807, o estado perdeu cerca de um terço de sua área, incluindo as áreas adquiridas com a segunda e a terceira partição da Polônia, que agora caiu para o Ducado de Varsóvia. Além disso, o rei foi obrigado a pagar uma grande indenização, para seu exército a 42.000 homens, e para permitir que as tropas francesas sejam guarnecidas por toda a Prússia, efetivamente tornando um Reino satélite francês.[28]

Em resposta a esta derrota, reformadores como Stein e Hardenberg definiram sobre a modernização do Estado prussiano. Entre as suas reformas eram a libertação dos camponeses da servidão, e a emancipação dos judeus tornando os cidadãos com pleno direito. O sistema escolar foi reorganizado, e em 1818 o comércio livre foi introduzido. O processo de reforma do exército terminou em 1813 com a introdução do serviço militar obrigatório.[29]

Após a derrota de Napoleão na Rússia, Prússia encerrou sua aliança com a França e participou na Sexta Coalizão durante as "Guerras de Libertação" (Befreiungskriege) contra a ocupação francesa. Tropas prussianas sob o marechal Gebhard Leberecht von Blücher contribuíram decisivamente (com os britânicos) na Batalha de Waterloo de junho de 1815 com a vitória final sobre Napoleão. A recompensa da Prússia, em 1815, no Congresso de Viena foi a recuperação de seus territórios perdidos, bem como toda a Renânia, Vestfália, e alguns outros territórios. Essas terras ocidentais estavam a ser de importância vital, porque eles incluíram a área de Ruhr, o centro da recente industrialização da Alemanha, especialmente na indústria de armas. Estes ganhos territoriais significou também a duplicação da população da Prússia. Em troca, a Prússia se retirou das áreas da Polônia central para permitir a criação do Congresso da Polônia sob a soberania russa.[28]

A Prússia emergiu das guerras napoleônicas como a potência dominante na Alemanha, ofuscando há muito tempo a rival Áustria, que tinha abdicado a coroa imperial em 1806. Em 1815, a Prússia se tornou parte da Confederação Germânica.

A primeira metade do século XIX se viu uma luta prolongada na Alemanha entre os liberais, que queriam uma Alemanha unida e federal sob uma constituição democrática, e os conservadores, que queriam manter a Alemanha como uma manta de retalhos de estados independentes, monárquicos com a Prússia e a Áustria competindo por influência. Um pequeno movimento que marcou o desejo de unificação alemã neste período foi o movimento estudantil Burschenschaft, por estudantes que incentivaram o uso da bandeira preto-vermelho-ouro, as discussões sobre a nação alemã unificada, e um sistema político progressista e liberal. Por causa do tamanho da Prússia e da importância econômica, os estados menores começaram a se associarem sua área a uma zona de livre comércio em 1820. A Prússia se beneficiou com a criação em 1834 da união aduaneira alemã (Zollverein), que incluiu a maioria dos estados alemães mas excluiu a Áustria.[27]

Em 1848, os liberais viram uma oportunidade quando revoluções eclodiram em toda a Europa. Alarmado, o rei Frederico Guilherme IV concordou em convocar uma Assembléia Nacional e outorgar uma Constituição. Quando o Parlamento de Frankfurt ofereceu a Frederico Guilherme IV a coroa de uma Alemanha unificada, ele se recusou, alegando que ele não aceitaria uma coroa de um conjunto revolucionário sem a aprovação dos outros monarcas da Alemanha.[30]

O Parlamento de Frankfurt foi forçado a se dissolver em 1849, e Frederico Guilherme IV emitiu a primeira constituição da Prússia pela sua própria autoridade, em 1850. Este documento conservador previa uma casa de dois parlamentos. A casa mais baixa, ou Landtag foi eleita por todos os contribuintes, que foram divididos em três classes, cujos os votos foram ponderados de acordo com a quantidade de impostos pagos. Mulheres e aqueles que pagavam nenhum imposto não tinham direito ao voto. Isto permitiu um pouco mais de um terço dos eleitores para escolher 85% da legislatura, todos garantindo o domínio do mais bem de vida e dos homens da população. A casa superior, que mais tarde passou a se chamar Herrenhaus ("Casa dos Lordes"), foi nomeado pelo rei. Ele manteve a autoridade executiva plena e os ministros eram responsáveis ​​somente a ele. Como resultado, a aderência das classes proprietárias de terras, os Junkers, permaneceu intacta, especialmente nas províncias orientais.[31]

Guerras de unificação[editar | editar código-fonte]

Em 1862, o rei Guilherme I nomeou Otto von Bismarck como primeiro-ministro da Prússia. Bismarck estava decidido a derrotar ambos os liberais e os conservadores e aumentar a supremacia prussiana e a influência entre os estados alemães. Tem havido muito debate sobre se Bismarck realmente planejou criar uma Alemanha unida quando partiu nesta jornada, ou se ele simplesmente se aproveitou das circunstâncias que se encaixou. Certamente suas memórias pintam um quadro róseo de um idealista, mas estes foram escritos com o benefício da retrospectiva e certos eventos cruciais que não poderiam ser previstos. O que está claro é que Bismarck apoiou grandes setores da população com a promessa de levar a luta para uma maior unificação alemã. Ele eventualmente guiou a Prússia através de três guerras que em conjunto trouxeram Guilherme para a posição de Imperador Alemão.

Guerras Schleswig[editar | editar código-fonte]

O Reino da Dinamarca estava no momento em união pessoal com os ducados de Schleswig e Holstein, sendo que ambos tinham laços estreitos um com o outro, embora apenas Holstein fazia parte da Confederação Germânica. Quando o governo dinamarquês tentou integrar Schleswig, mas não Holstein, para o estado dinamarquês, a Prússia levou a Confederação Germânica contra a Dinamarca na Primeira Guerra do Schleswig (1848-1851). Porque a Rússia apoiou a Áustria, a Prússia também admitiu predominância na Confederação Germânica para a Áustria no Pontilhado de Olmütz em 1850.

Em 1863, a Dinamarca introduziu uma constituição compartilhada para a Dinamarca e Schleswig. Isso levou a um conflito com a Confederação Germânica, que autorizou a ocupação de Holstein pela Confederação, da qual forças dinamarquesas se retiraram. Em 1864, forças prussianas e austríacas cruzaram a fronteira entre Holstein e Schleswig iniciando a Segunda Guerra do Schleswig. As forças Austro-Prussianas derrotaram os dinamarqueses, que entregaram os dois territórios. Na Convenção de Gastein, de 1865 a Prússia assumiu a administração de Schleswig enquanto a Áustria assumiu a de Holstein.

Guerra Austro-Prussiana[editar | editar código-fonte]

Expansão da Prússia 1807–1871.

Bismarck percebeu que a dupla administração de Schleswig e Holstein era apenas uma solução temporária, e as tensões aumentaram entre a Prússia e a Áustria. A luta pela supremacia na Alemanha, em seguida, levou à Guerra Austro-Prussiana (1866), desencadeada pela disputa sobre Schleswig e Holstein.

No lado austríaco no sul estavam os estados alemães (incluindo a Baviera e Württemberg), alguns estados alemães centrais (incluindo Saxônia) e Hanôver, no norte. No lado da Prússia estava a Itália, e a maioria dos estados do norte da Alemanha, e alguns estados centrais menores. Eventualmente, as tropas prussianas estavam melhor armadas e conquistaram a vitória fundamental na batalha de Königgrätz sob Helmuth von Moltke, o Velho. O conflito centenário entre Berlim e Viena, pelo domínio da Alemanha tinha acabado. Como um show a parte nesta guerra, a Prússia derrotou Hanôver, na batalha de Langensalza (1866). Enquanto Hanôver esperava em vão a ajuda da Grã-Bretanha (como haviam sido previamente em união pessoal), a Grã-Bretanha ficou de fora de um confronto com uma superpotência continental e a Prússia satisfeita com o seu desejo de fundir os territórios, uma vez separados e assim ganhou forte poder econômico e estratégico, particularmente no acesso total aos recursos de Ruhr.

Bismarck desejou ter a Áustria como um aliado no futuro, e por isso ele não quis anexar qualquer território austríaco. Mas na Paz de Praga, em 1866, a Prússia anexou quatro dos aliados austríacos no norte e no centro da Alemanha, Hanôver, Hesse-Kassel, Nassau e Frankfurt. A Prússia também ganhou o controle total de Schleswig-Holstein. Como resultado desses ganhos territoriais, a Prússia se estendeu agora ininterruptamente através de dois terços do norte da Alemanha que continha dois terços da população da Alemanha. A Confederação Germânica foi dissolvida, e a Prússia impeliu os 21 estados norte do rio Meno para formar a Confederação da Alemanha do Norte.

A Prússia foi o Estado dominante na nova confederação, como um reino composto praticamente de quatro quintos do território do novo Estado e da população. Controle quase total da Prússia sobre a confederação foi garantido na Constituição redigida por Bismarck em 1867. O poder executivo foi realizado por um presidente, coadjuvado por um chanceler responsável apenas a ele. A presidência foi um cargo hereditário dos governantes Hohenzollern da Prússia. Houve também uma casa de dois parlamentos. A casa mais baixa, ou Reichstag, foi eleita por sufrágio universal masculino. A casa superior, ou Bundesrat (Conselho Federal), foi nomeado pelos governos estaduais. O Conselho Federal era, na prática, a casa mais forte. A Prússia teve 17 de 43 votos, e poderia facilmente controlar processos através de alianças com outros estados.

Como resultado das negociações de paz, os estados no sul do rio Meno permaneceram teoricamente independentes, mas não receberam a proteção (obrigatória) da Prússia. Além disso, foram assinados tratados de defesa mútua. No entanto, a existência desses tratados foi mantida em segredo até que Bismarck os publicou em 1867, quando a França tentou adquirir Luxemburgo.

Guerra Franco-Prussiana[editar | editar código-fonte]

Imperador Guilherme I

A polêmica com o Segundo Império Francês sobre a candidatura de um Hohenzollern ao trono espanhol foi intensificado tanto pela França e Bismarck. Com seu despacho de Ems, Bismarck aproveitou um incidente no qual o embaixador francês se aproximou Guilherme I. O governo de Napoleão III, à espera de outra guerra civil entre os estados alemães, declarou guerra contra a Prússia, continuando a inimizade Franco-Alemã. Honrando os seus tratados, no entanto, os estados alemães juntaram forças e rapidamente derrotaram a França na Guerra Franco-Prussiana em 1870. Após a vitória sob a liderança de Bismarck, Baden, Württemberg e a Baviera, que tinham ficado de fora da Confederação da Alemanha do Norte aceitaram a incorporação em um Império Alemão unificado.

O império era uma solução da "Alemanha Menor" (em alemão, "Kleindeutsche Lösung") para a questão de unir todos os povos de língua alemã em um estado, pelo facto de excluir a Áustria, que permaneceu conectada à Hungria e cujos territórios incluía populações não-alemães. Em 18 de janeiro de 1871 (o 170º aniversário da coroação do rei Frederico I), Guilherme foi proclamado "Imperador Alemão" (não "Imperador da Alemanha") no Salão dos Espelhos em Versalhes, perto de Paris, quando a capital francesa ainda estava sob cerco.

Império Alemão[editar | editar código-fonte]

Prússia no Império Alemão 1871–1918.

As duas décadas após a Unificação Alemã foi o pico das fortunas da Prússia, mas as sementes para o potencial conflito foram construídos no sistema político Prussiano-Alemão.

A Constituição do Império Alemão era uma versão ligeiramente modificada da Constituição da Confederação da Alemanha do Norte. Oficialmente, o Império Alemão foi um estado federal. Na prática, a relação da Prússia com o resto do império foi um pouco confuso. O reino de Hohenzollern incluiu três quintos do território alemão e dois terços da sua população. O Exército Imperial Alemão foi, na prática, um exército prussiano ampliado, embora os outros reinos ([[Reino da Baviera|Baviera, Saxônia e Württemberg) mantiveram seus próprios exércitos. A coroa imperial era um cargo hereditário da Casa de Hohenzollern, a casa real da Prússia. O primeiro-ministro da Prússia, com exceção de dois períodos curtos (janeiro a novembro de 1873 e 1892-1894), também era chanceler imperial. Mas o próprio império não tinha o direito de cobrar impostos diretamente de seus súditos; os únicos rendimentos totalmente sob o controle federal foram os direitos aduaneiros, impostos especiais de consumo comuns, e as receitas de prestação de serviços postais e telegráficos. Embora todos os homens acima de 25 anos de idade eram elegíveis para votar nas eleições imperiais, a Prússia manteve o seu sistema de votação de três classes restritivo. Isso de forma eficaz exigido o rei/imperador e o primeiro-ministro/chanceler a procurar maiorias das legislaturas eleitas por duas franquias diferentes. Em ambos o reino e o império, os círculos eleitorais originais nunca foram redesenhados para refletir as mudanças na população, o que significa que as zonas rurais foram grosseiramente sobre-representados na virada do século XX.

Imperador Frederico III

Como resultado, a Prússia e o Império Alemão foram uma espécie de paradoxo. Bismarck sabia que seu novo Reich Alemão agora era um colosso fora de qualquer proporção com o resto do continente. Com isso em mente, ele declarou a Alemanha uma potência satisfeita, usando seus talentos para preservar a paz, por exemplo, no Congresso de Berlim. Bismarck tinha quase nenhum sucesso em algumas de suas políticas internas, como o anti-católico Kulturkampf, mas ele também teve sucesso misto em uns como a germanização ou expulsão dos poloneses de nacionalidade estrangeira (russo ou Austro-Húngaro).

Frederico III foi imperador por apenas 99 dias em 1888 após a morte de seu pai, por câncer.

Imperador Guilherme II

Aos 29 anos, Guilherme se tornou imperador Guilherme II, após uma juventude difícil e conflitos com sua mãe britânica Vitória, Princesa Real. Ele acabou por ser um homem de pouca experiência, visões estreitas e reacionárias, o julgamento pobre e mau humor ocasional, que alienou antigos amigos e aliados.

Ferrovias[editar | editar código-fonte]

Prússia nacionalizou suas ferrovias na década de 1880, em um esforço tanto para baixar as taxas de serviço de frete e para equalizar as taxas entre os carregadores. Em vez de baixar as taxas, tanto quanto possível, o governo recorreu para as estradas de ferro como um esforço lucrativo, e os lucros ferroviários se tornaram uma importante fonte de receitas para o Estado. A nacionalização das ferrovias retardou o desenvolvimento econômico da Prússia, porque o Estado favoreceu as áreas agrícolas relativamente atrasadas em sua construção ferroviária. Além disso, os excedentes ferroviários foram necessários para o desenvolvimento de um sistema fiscal adequado.[32]

O Estado Livre da Prússia na República de Weimar[editar | editar código-fonte]

Estados Federados da República de Weimar. Prússia esta em azul claro. Após a Primeira Guerra Mundial, as províncias de Posen e Prússia Ocidental foram parte da Segunda República Polonesa; Posen-Prússia Ocidental e o distrito Prússia Ocidental foram formados a partir das partes restantes.

Por causa da revolução alemã de 1918, Guilherme II abdicou como imperador alemão e rei da Prússia. A Prússia foi proclamada "Estado Livre" (ou seja, uma república, em alemão: Freistaat) dentro da nova República de Weimar e em 1920 recebeu uma constituição democrática.

Quase todas as perdas territoriais da Alemanha, especificados no Tratado de Versalhes, foram as áreas que tinham sido partes da Prússia: Eupen e Malmedy para a Bélgica; Schleswig do Norte para a Dinamarca; Território de Memel para a Lituânia; Hlučínsko para a Checoslováquia. Muitas das áreas que a Prússia tinha anexado nas partições da Polônia, como as províncias de Posen e Prússia Ocidental, bem como a oriental Alta Silésia, foi para a Segunda República Polonesa. Danzig se tornou a Cidade Livre de Danzig sob a administração da Liga das Nações. Além disso, o Saargebiet foi criado principalmente a partir de territórios anteriormente prussianos. Prússia Oriental se tornou um exclave, apenas acessível por barco (o Marítimo da Prússia Oriental), ou por uma estrada de ferro através do corredor polonês.

O governo alemão considerou seriamente quebrar a Prússia em estados menores, mas, eventualmente, o sentimento tradicionalista prevaleceu e a Prússia se tornou, de longe, o maior estado da República de Weimar, compreendendo 60% do seu território. Com a abolição da franquia prussiano mais velho, se tornou um reduto da esquerda. Sua incorporação do "Vermelho Berlim" e do Espaço industrializado Ruhr ambos com maiorias operárias garantiu o domínio da esquerda.[33]

De 1919 a 1932, a Prússia era governada por uma coalizão do social-democrata, Centro Católico e democrata alemão; De 1921 a 1925, os governos de coalizão incluíram o Partido Popular Alemão. Ao contrário de outros estados do Reich Alemão, a regra da maioria dos partidos democráticos na Prússia nunca foi posto em perigo. No entanto, na Prússia Oriental e algumas áreas industriais, o Partido Nazista de Adolf Hitler ganharam mais e mais influência e apoio popular, especialmente a partir da classe mais baixa e média em 1930. Exceto para a Católica da Alta Silésia, o Partido Nazista em 1932, se tornou o maior partido na maior parte do Estado Livre da Prússia. No entanto, os partidos democráticos em coalizão permaneceram a maioria, enquanto os comunistas e os nazistas estavam na oposição.[34]

A Prússia Oriental, Otto Braun que foi primeiro-ministro da Prússia quase ininterruptamente entre 1920-1932, é considerado um social-democrata mais competente da história. Ele implementou várias reformas de definição de tendência, juntamente com seu ministro do Interior, Carl Severing, que também foram modelos para mais tarde na República Federal da Alemanha. Por exemplo, um primeiro-ministro da Prússia poderia ser forçado a sair do cargo só se houvesse uma "maioria positiva" para um potencial sucessor. Esse conceito, conhecido como o voto construtivo de desconfiança, foi transportado para a Lei Fundamental da República Federal da Alemanha. A maioria dos historiadores consideram o governo da Prússia durante este tempo, tanto mais bem sucedida do que a Alemanha como um todo.[35]

Em contraste com seu autoritarismo do pré-guerra, a Prússia era um pilar da democracia na República de Weimar. Este sistema foi destruído pelo Preußenschlag ("golpe prussiano") do chanceler do Reich Franz von Papen. Neste golpe de Estado, o governo do Reich depôs o governo da Prússia em 20 de julho de 1932, sob o pretexto de que este último tinha perdido o controle da ordem pública na Prússia (durante o Domingo Sangrento de Altona, Hamburgo, que ainda fazia parte da Prússia na época) e usando provas forjadas que os social-democratas e os comunistas estavam planejando um golpe em conjunto. O Ministro da Defesa, general Kurt von Schleicher, que era o principal motor por trás do golpe e fabricou evidências de que a polícia prussiana sob as ordens de Braun foram favorecendo os comunistas Rotfrontkämpferbund em confrontos de rua com o SA como parte de um suposto plano para fomentar uma revolução marxista, que ele usou para obter um decreto emergencial do presidente Paul von Hindenburg para impor o controle do Reich na Prússia.[36] Papen nomeou a si mesmo comissário do Reich para a Prússia e assumiu o controle do governo. O Preußenschlag facilitou, apenas meio ano depois, Hitler tomou o poder de forma decisiva na Alemanha, já que ele tinha todo o aparato do governo prussiano, incluindo a polícia, à sua disposição.[37]

O fim da Prússia[editar | editar código-fonte]

Após a nomeação de Hitler como o novo chanceler, os nazistas usaram a ausência de Franz von Papen como uma oportunidade de nomear o comissário federal e Hermann Göring para o Ministério Prussiano do Interior. Na eleição Reichstag de 5 de março de 1933 reforçou a posição do Partido Nazista, apesar de não alcançar uma maioria absoluta.[38]

O Palácio do Reichstag foi incendiado algumas semanas antes, o novo Reichstag foi aberta na Igreja Garrison em Potsdam em 21 de março de 1933, na presença do Presidente Paul von Hindenburg. Em uma reunião cheia de propaganda entre Hitler e o Partido Nazista, o "casamento da velha Prússia com jovens alemães" foi celebrado, para conquistar os monárquicos, conservadores prussianos e nacionalistas e induzi-los a votar a favor da Lei Concessão de 1933.

No Estado centralizado criado pelos nazistas na "Lei sobre a Reconstrução do Reich" ("Gesetz über den Neuaufbau des Reiches", 30 de janeiro de 1934) e a "Lei de Governadores do Reich" ("Reichsstatthaltergesetz", 30 de janeiro de 1935) os estados foram dissolvidos, de fato, se não de direito. Os governos estaduais e federais agora são controlados pelos governadores para o Reich, que foram nomeados pelo chanceler. Paralelamente a isso, a organização do partido nos distritos (Gaue) ganha cada vez mais importância, como o oficial no comando de um Gau (a cabeça do que foi chamado de Gauleiter) foi novamente nomeado pelo chanceler, que era ao mesmo tempo chefe do Partido Nazista.

Na Prússia, esta política centralista foi ainda mais longe. Desde 1934 quase todos os ministérios foram fundidos e apenas alguns departamentos foram capazes de manter a sua independência. Hitler se tornou formalmente o governador da Prússia. Suas funções foram exercidas, no entanto, por Hermann Göring como primeiro-ministro da Prússia.

Conforme previsto na "Grande Lei de Hamburgo" ("Groß-Hamburg-Gesetz"), algumas trocas de territórios ocorreu. A Prússia foi estendida em 1 de abril de 1937, por exemplo, pela incorporação da Cidade Livre e Hanseática de Lübeck.

As terras prussianas transferidas para a Polônia após o Tratado de Versalhes, foram re-anexadas durante a Segunda Guerra Mundial. No entanto, a maior parte deste território não foi reintegrado de volta para a Prússia, mas atribuído no Gaue separado de Danzig-Prússia Ocidental e Wartheland.

Mapa dos estados atuais da Alemanha que estão completamente ou na maior parte situados no interior das antigas fronteiras do Reino da Prússia e do Império Alemão.

Como parte de seus objetivos de guerra dos aliados ocidentais procuraram a abolição da Prússia. Stalin era inicialmente conteúdo para manter o nome, a Rússia ter uma visão histórica diferente de seu vizinho e, por vezes ex-aliado. Na Lei nº 46 de 25 de fevereiro de 1947, o Conselho de Controle Aliado proclamou formalmente a dissolução da Prússia.[39]

Na Zona de Ocupação Soviética, que se tornou a Alemanha Oriental, em 1949, os ex-territórios prussianos foram reorganizados nos estados de Brandemburgo e Saxônia-Anhalt, como partes restantes da Pomerânia indo para Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental. Esses estados foram abolidos em 1952, em beneficiário dos distritos, mas foram recriados após a queda do Bloco do Leste, em 1990.

Nas zonas ocidentais de ocupação, que se tornou a Alemanha Ocidental (oficialmente, a República Federal da Alemanha), em 1949, os ex-territórios prussianos foram divididos entre Renânia do Norte-Vestfália, Baixa Saxônia, Hesse, Renânia-Palatinado e Schleswig-Holstein. Württemberg-Baden e Württemberg-Hohenzollern mais tarde se fundiram com Baden para criar o estado de Baden-Württemberg. A região de Saar, que tinha sido administrada pelos franceses como um protetorado separado do resto da Alemanha Ocidental, foi admitido na República Federal da Alemanha como um estado separado em 1956 após um plebiscito.

Notas

  1. tacitus.nu
  2. Christopher Clark, Iron Kingdom: The Rise and Downfall of Prussia, 1600–1947 (2006) é a história padrão.
  3. Fueter, Eduard (1922). World history, 1815–1920. United States of America: Harcourt, Brace and Company. pp. 25–28, 36–44. ISBN 1-58477-077-5.
  4. Danilovic, Vesna. "When the Stakes Are High—Deterrence and Conflict among Major Powers", University of Michigan Press (2002), p 27, p225-p228
  5. [1] Aping the Great Powers: Frederick the Great and the Defence of Prussia's International Position 1763–86, Pp. 286-307.
  6. [2] The Rise of Prussia
  7. H. W. Koch, A History of Prussia (1978) p. 35.
  8. Robert S. Hoyt & Stanley Chodorow, Europe in Middle Ages (1976) p. 629.
  9. Norman Davies, God's Playground: A History of Poland Vol. l (1982) p. 81.
  10. a b c d Büsch, Otto; Ilja Mieck, Wolfgang Neugebauer. In: Otto Büsch. Handbuch der preussischen Geschichte (em ). Berlin: de Gruyter, 1992. 42 pp. vol. 2. ISBN 978-3-11-008322-4.
  11. Hajo Holborn, History of Modern Germany: 1648–1840 2:274
  12. Edward Henry Lewinski Corwin Lewinski-Corwin, Edward Henry. A History of Prussia. New York: The Polish Book Importing Company, 1917. 628 pp.
  13. Robert S. Hoyt and Stanley Chodorow (1976) Europe in the Middle Ages. Harcourt Brace Jovanovich. ISBN 0-15-524712-3 p. 629.
  14. Daniel Stone, A History of East Central Europe, (2001), p. 30
  15. H. W. Koch, A History of Prussia p. 33.
  16. Clark, Iron Kingdom ch 4
  17. H. W. Koch, A History of Prussia pp. 100–102.
  18. Robert B. Asprey, Frederick the Great: The Magnificent Enigma (1986) pp. 34–35.
  19. Koch, A History of Prussia, p. 105.
  20. Robert A. Kahn, A History of the Habsburg Empire 1526–1918 (1974) p. 96.
  21. Asprey, Frederick the Great: the Magnificent Enigma, pp. 195–208.
  22. Hermann Kinder & Werner Hilgermann, The Anchor Atlas of World History: Volume 1 (1974) pp. 282–283.
  23. James K. Pollock & Homer Thomas, Germany: In Power and Eclipse (1952) pp. 297–302.
  24. Marshall Dill, Jr., Germany: A Modern History (1970) p. 39.
  25. a b Clark, Iron Kingdom ch 7
  26. Hans-Christof Kraus. Kultur, Bildung und Wissenschaft im 19. Jahrhundert. Oldenbourg Wissenschaftsverlag, 2008, p. 90
  27. a b Clark, Iron Kingdom ch 12
  28. a b Clark, Iron Kingdom ch 11
  29. Clark, Iron Kingdom ch 10
  30. Clark, Iron Kingdom ch 13–14
  31. Clark, Iron Kingdom ch 14
  32. Rainer Fremdling, "Freight Rates and State Budget: The Role of the National Prussian Railways 1880–1913," Journal of European Economic History, Spring 1980, Vol. 9#1 pp 21–40
  33. Clark, Iron Kingdom, pp 620-24
  34. Clark, Iron Kingdom, pp 630-39
  35. Clark, Iron Kingdom, p 652
  36. Wheeler-Bennett, John The Nemesis of Power, London: Macmillan, 1967 page 253.
  37. Clark, Iron Kingdom, pp 647-48
  38. Clark, Iron Kingdom, pp 655-70
  39. Clark, Iron Kingdom, pp 670-82

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Avraham, Doron. "The Social and Religious Meaning of Nationalism: The Case of Prussian Conservatism 1815–1871," European History Quarterly, (Oct 2008), 38#4 pp 525–550
  • Barraclough, Geoffrey. The Origins of Modern Germany (2d ed., 1947), covers medieval period
  • Clark, Christopher. Iron Kingdom: The Rise and Downfall of Prussia, 1600–1947 (2009), standard scholarly history ISBN 978-0-7139-9466-7
  • Friedrich, Karin. The Other Prussia. Royal Prussia, Poland and Liberty, 1569–1772. [S.l.]: Cambridge University Press, 2000. ISBN 978-0-521-58335-0. online review
  • Haffner, Sebastian. The Rise and Fall of Prussia (1998) 192 pp
  • Holborn, Hajo. A History of Modern Germany (3 vol 1959–64); col 1: The Reformation; vol 2: 1648–1840 online and text search; vol 3. 1840–1945
  • Jeep, John M. Medieval Germany: An Encyclopedia (2001), 928pp, 650 articles by 200 scholars cover AD 500 to 1500 excerpt and text search
  • Koch, H. W. History of Prussia (1987), short scholarly history
  • Maehl, William Harvey. Germany in Western Civilization (1979), 833pp
  • Reinhardt, Kurt F. Germany: 2000 Years (2 vols., 1961), stress on cultural topics
  • Shennan, M. The Rise of Brandenburg Prussia (1997), on 1600–1740 excerpt and text search
  • Taylor, A. J. P. The Course of German History: A Survey of the Development of German History since 1815. (2001). 280pp; online edition
  • Wheeler, Nicholas C. "The Noble Enterprise of State Building Reconsidering the Rise and Fall of the Modem State in Prussia and Poland," Comparative Politics (Oct 2011) 44#1 pp 21–38

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Prússia