Praça Xavier Ferreira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto.
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde Julho de 2011).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Praça Xavier Ferreira
Visão do lago próximo a rua Andradas
Localização Rio Grande (RS)
Tipo Público
Inauguração século XIX
Administração Prefeitura Municipal de Rio Grande

A Praça Xavier Ferreira é uma praça localizada no centro da cidade gaúcha de Rio Grande. Recebeu esse nome em homenagem a Francisco Xavier Ferreira[1] , durante as comemorações do primeiro centenário de elevação da vila do Rio Grande à cidade, em 26 de junho de 1935 [2] .

Pontos turísticos[editar | editar código-fonte]

No centro da praça, está localizado o Chafariz das três graças, assim denominada pelas imagens das filhas de Vênus: Aglaia, Tália e Eufrosina. Confeccionado pela Fundição Antonie Durenne (França) em 1874 e instalado pela Companhia Hidráulica Rio-Grandense, servia também para a população abastecer de água potável.

Outro destaque da praça são os arbustos em forma de animais e objetos e as oliveiras. O Arco do Triunfo foi construído na vinda do Imperador D. Pedro II em 1865.

Esculturas e outras obras de arte[editar | editar código-fonte]

Esculpida em mármore e trazida da Itália, a Coluna comemorativa à Libertação dos Escravos foi o primeiro monumento erguido em praça pública na cidade, em 1889. É composto por uma mulher (3,40m de altura) - representando a liberdade - quebrando os grilhões que degradavam os negros brasileiros, colocada em cima de uma coluna com 19 metros de altura[3] .

Feita pelo escultor paulista Humberto Carpinelli[4] , o Monumento ao Brigadeiro José da Silva Paes, inaugurado em 1939, é dedicado ao fundador da cidade e ostenta uma coluna de pedra com oito metros de altura que protege a figura do brigadeiro em uniforme de gala e com a espada numa mão e a carta de fundação da cidade na outra[5] . Ao seu lado, um grupo de personagens representa os construtores da nova pátria: soldados, escravos, índios e obreiros.

Em 1948, Matteo Tonietti e Érico Gobbi esculpiram o Monumento à Mãe[6] e os meninos de calça-curta, boné e suspensório que enfeitam o lago da Xavier, inaugurado na década de 1930[7] .

A praça é sede também de outras obras de arte, como o busto a Alfredo Ferreira Rodrigues (perto da biblioteca e inaugurado em 12 set. 1965), a Carta-Testamento do presidente Getúlio Vargas (próxima do chafariz, de 1955). A Pira da Pátria, no início da rua Duque de Caxias, em frente à praça, também é obra de Érico Gobbi.

Eventos[editar | editar código-fonte]

A praça também é local de diversos eventos culturais, como o "Ondas de Natal", que ocorre anualmente em dezembro, quando é instalada uma árvore de natal num de seus lagos. Além disso,as árvores são envolvidas com luzes de natal que à noite provoca um belo espetáculo [8] .

Arredores[editar | editar código-fonte]

Em torno da Praça Xavier Ferreira, estão alguns dos prédios mais antigos e mais importantes da cidade, como o da Alfândega, o da Câmara do Comércio, o Mercado Público, a Biblioteca Rio-Grandense e a Prefeitura municipal.

Referências

  1. [1] Jornal Agora
  2. [2] Francisco Xavier Ferreira e o início da imprensa no extremo sul
  3. [3] Site da prefeitura
  4. [4] Site da Biblioteca Rio-Grandense
  5. [5] Estatuários, catolicismo e gauchismo, p. 333
  6. [6] Foto parcial do momumento
  7. [7] Cronologia básica da história da cidade de Rio Grande
  8. [8] Fotos no site da prefeitura
Ícone de esboço Este artigo sobre uma praça é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.