Praça da Liberdade (Belo Horizonte)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O Palácio da Liberdade, localizado na Praça da Liberdade.

O complexo paisagistico e arquitetônico da Praça da Liberdade é uma síntese dos estilos que marcam a história de Belo Horizonte, e fica na região da Savassi, no encontro de quatro grandes avenidas:

A construção da praça foi iniciada na época da fundação da nova capital mineira (1895-1897). Situada no ponto mais alto da área inicial da cidade (circunscrita à Avenida do Contorno) a praça foi feita para abrigar a sede do poder mineiro, os prédios do Palácio do Governo e das primeiras Secretarias de Estado obedecem a tendência da época - estilo eclético com elementos neoclássicos 1 . Ao longo dos anos, o complexo foi recebendo construções de diferentes estilos arquitetônicos.

Chafarizes da praça.

Na década de 1940, o estilo art decó com revestimento em pó de pedra do Palácio Cristo Rei. Nas décadas de 1950 e 1960 prédios modernos foram incorporados ao conjunto, como o Edifício Niemeyer e a Biblioteca Pública, ambos projetados por Oscar Niemeyer. Nos anos 1980, em estilo pós-moderno, foi inaugurado o prédio conhecido como "Rainha da Sucata", onde hoje funciona o Memorial da Mineração.

A praça conta ainda com coreto e fonte luminosa. O traçado e os jardins, inspirados no Palácio de Versalhes, são um convite aos passeios e caminhadas.

Esta praça, juntamente com a Praça Raul Soares e a Praça Sete de Setembro, está entre as mais importantes da cidade.

O conjunto arquitetônico e paisagístico da Praça da Liberdade foi tombado em 2 de junho de 1977 pelo IEPHA. A medida contempla, portanto, os edifícios do centro cívico – Palácio da Liberdade e antigas secretarias de Estado –, e estende-se aos jardins, lagos, alamedas, fontes e monumentos da praça, bem como as fachadas de diversas edificações do seu entorno.2

Paisagismo e Função Urbana[editar | editar código-fonte]

A construção paisagística da Praça da Liberdade foi arquitetada em conjunto com as funções e valores sócio-políticos das estruturas de seu entorno.3 Quem enxerga a praça a partir da Avenida João Pinheiro consegue perceber com facilidade como as linhas paisagísticas da praça convergem, em linha reta, para o Palácio do Governador, praticamente conduzindo a vista do observador para essa última construção. Passa-se com isso uma idéia de que a praça seria algo como um jardim do governo.

Contudo, um olhar mais detalhado sobre as formas da Praça da Liberdade indica que existem diversos sub-centros gravitacionais. Ou seja, há diversos ambientes intermediários, como as fontes e o coreto, para os quais convergem os jardins, espaços abertos e direcionam-se os bancos. Esses ambientes proporcionam agradáveis locais de lazer, bem como possibilitam a realização de eventos artísticos. Contornando toda a praça, também temos uma área de circulação, utilizada para corridas, caminhadas ou, simplesmente, para passeios.

Todavia, a cidade possui um processo dinâmico, o que leva a novas relações entre as formas e os espaços. Com a construção de inúmeros arranha-céus em toda Belo Horizonte, hoje já não é tão perceptível a posição proeminente de relevo da Praça da Liberdade. Aliás, o crescimento da cidade tomou pontos bem mais altos, como, por exemplo, os bairros Serra e Mangabeiras, que escalam a Serra do Curral.

Com a construção da Cidade Administrativa, em 2010, no norte de Belo Horizonte, a Praça da Liberdade a descresce seu valor simbólico como a área central de governo. No lugar das instituições públicas, a Praça da Liberdade ganha em seu entorno instituições relacionadas à cultura, como mais museus e até um planetário. Nesse aspecto, com as novas propostas para o ambiente em torno da Praça da Liberdade, deixaríamos de ser uma sociedade que reserva seus melhores espaços e atenções para a política, e tornaríamos mais e mais uma sociedade voltada ao espetáculo e ao entretenimento.

Circuito Cultural Praça da Liberdade[editar | editar código-fonte]

Instalado em prédios públicos do entorno da Praça da Liberdade, o Circuito Cultural Praça da Liberdade, um dos maiores complexos do gênero do país, será formado por dez espaços culturais que integram arte, cultura popular, conhecimento e entretenimento.

Compõem o Circuito Cultural Praça da Liberdade, o Centro Cultural Banco do Brasil de Belo Horizonte, o Espaço do Conhecimento, em parceria com a TIM e UFMG; o Museu das Minas e do Metal, em parceria com a EBX; o Memorial de Minas Gerais, com patrocínio da Vale e o Centro de Arte Popular, da Cemig. Ainda integram o complexo cultural, outros quatro espaços públicos que passaram por recente processo de revitalização: o Palácio da Liberdade, a Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa, o Arquivo Público Mineiro e o Museu Mineiro.

A expectativa é que estes espaços estejam todos funcionando até 2011.4

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências