Pratânia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Pratânia
"Prata"
Entrada da cidade - vista da SP-255

Entrada da cidade - vista da SP-255
Bandeira de Pratânia
Brasão de Pratânia
Bandeira Brasão
Hino
Fundação José Gonçalves de Araújo, Aureliano Feliciano Vieira e Coronel Jorge Gomes Pinheiro Machado
Gentílico pratiano
Prefeito(a) Roque Joner (Partido da República)
(2013–2016)
Localização
Localização de Pratânia
Localização de Pratânia em São Paulo
Pratânia está localizado em: Brasil
Pratânia
Localização de Pratânia no Brasil
22° 48' 28" S 48° 39' 57" O22° 48' 28" S 48° 39' 57" O
Unidade federativa  São Paulo
Mesorregião Bauru IBGE/2008 [1]
Microrregião Botucatu IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes São Manoel, Botucatu, Avaré e Lençóis Paulista[2]
Distância até a capital Não disponível
Características geográficas
Área 179,817 km² [3]
População 4 599 hab. Censo IBGE/2010[4]
Densidade 25,58 hab./km²
Altitude 685 m
Clima Subtropical Cfb
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,745 alto PNUD/2000 [5]
PIB R$ 47 356,161 mil IBGE/2008[6]
PIB per capita R$ 10 396,52 IBGE/2008[6]
Página oficial

Pratânia é um município brasileiro do estado de São Paulo.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 22º48'30" Sul e a uma longitude 48º39'58" Oeste, estando a uma altitude de 685 metros. Sua população estimada em 2004 era de 4.274 habitantes. Possui uma área de 179,817 km².

História[editar | editar código-fonte]

A história de Pratânia começa no leito do Rio Jacu. No século XIX, numa época de seca, tropeiros encontraram, nas margens expostas do Rio Jacu, um composto de sulfeto de chumbo hoje conhecido como “Pedra de Galena”. Na época, essa pedra foi confundida por leigos como sendo Prata. Daí ser o Rio conhecido como Rio da Prata e as terras das imediações como Fazenda da Prata.

Na confluência do Rio Claro com o Rio Jacu foi se formando uma pequena povoação, chamada Vila da Prata. Esta ficava localizada nos limites do Município de Botucatu. A Vila da Prata estava assentada em terras da Fazenda da Prata, que pertencia a diversos donos, entre eles o Coronel Jorge Gomes Pinheiro Machado, José Gomes e Aureliano Vieira.

A vila foi crescendo, e seus moradores almejavam que o governo a transformasse em Distrito. Para que isso acontecesse era necessário que a Vila tivesse no mínimo “Cem Bocas de Fogo”, caso contrário não receberia o título de Distrito. No entanto, nas proximidades, havia outra Vila em desenvolvimento chamada São João da Cachoeira, localizada à beira do Rio Pardo no Município de Avaré, que também ambicionava o título de Distrito. Deu-se então uma competição entre as duas Vilas pelo título. Naquela época, nenhuma das Vilas possuía as 100 casas exigidas por lei. Então, com muito esforço, os moradores da Vila da Prata construíram as “Cem Bocas de Fogo”. Essas casas foram aceitas e em 29 de julho de 1899 foi criado o Distrito da Prata de Botucatu. A área do Distrito era de 12 alqueires e novecentos e dezenove milésimos de alqueires, o que se tornou legal somente em 15 de março de 1915, quando foi homologada a divisão da Fazenda Prata.

Os serviços de estruturação da Vila foram feitos pelo capitão João Batista e Capitão Fermiano Vieira, que construíram também as duas primeiras casas de alvenaria do Distrito da Prata. A casa construída pelo Capitão João Batista ainda existe, e está localizada na Rua Capitão Maneco, onde funcionou durante vários anos a Delegacia de Polícia. Logo após foi instalada a luz elétrica, na gestão do senhor Otacílio Nogueira, então prefeito de Botucatu.

Naquela época, as aulas eram ministradas em um barracão de madeira, onde de um lado ficavam as salas de aula e, do outro, um estábulo. Com o advento da nova situação política da Segunda República, que promoveu as primeiras eleições gerais no País, o vereador da Câmara Municipal de Botucatu, Sr.Genésio Baptiston, representando o Distrito da Prata, conseguiu do então governador de São Paulo Dr.Arnaldo Salles de Oliveira, a construção de um moderno prédio para o grupo Escolar, onde hoje está instalada a Biblioteca Municipal Dr. Francisco Marins e Câmara Municipal de Pratânia.

Pelo decreto n.º 9.775 de 30 de novembro de 1938, o Distrito da Prata de Botucatu, ou simplesmente “Prata” - como era conhecida, passou a pertencer para o município de São Manuel. Porém anos mais tarde o Governo Federal determinou a alteração do nome pois já existia um outro povoado mais antigo chamado “Prata” no Estado de Minas Gerais. Assim em 30 de novembro de 1944, o povoado da Prata passou a se chamar PRATÂNIA.

A autonomia política administrativa demorou a chegar e seu crescimento foi marcado por fatores diversos. Depois da presença de tropeiros e com a chegada da Estrada de Ferro Sorocabana, se desenvolveu no local grandes Lavouras de Café, Laranja e Cana-de-açúcar. Nos dias atuais a Cidade é nacionalmente conhecida pelos produtos em Couro, Água Mineral, Indústria de Polpa de Frutas, entre outros.

No fim da década de 1980 e início dos anos 90, um grupo local iniciou um movimento pela Emancipação da pequena cidade de Pratânia. O líder do movimento foi o catarinense Roque Joner, que, com a ajuda de outros políticos locais, conseguiu a sonhada emancipação político administrativa da cidade.

Comemora-se o aniversário de Pratânia, no dia 22 de março. A data foi escolhida pelas lideranças da época, pois foi o dia em que se realizou o plebiscito para a emancipação de Pratânia, onde o povo Pratiano foi às urnas para votar se era a favor ou contra a emancipação. Votaram 1109 pessoas sendo que 992 optaram pelo SIM à emancipação e 85 pelo NÃO, houve 14 Brancos e 18 Nulos.

O resultado do plebiscito confirmou oficialmente o desejo da população pela emancipação. Assim através de Lei 8.550 de 30 de dezembro de 1993, Pratânia deixou de ser Distrito de São Manuel passando a categoria de Município.

A expressão Pratiano, que serve para denominar aqueles nascidos na cidade, foi dada pelo escritor Francisco Marins, que é natural da cidade. O Autor escreveu uma série de livros infanto-juvenis sobre a fazenda Taquara-Póca, assim como de romances de caráter histórico, tendo por cenário o interior do Brasil durante a época de seu desbravamento. Vendeu mais de cinco milhões de livros, traduzidos em quinze idiomas, e é o único escritor brasileiro a participar da Coleção Europeia Delphin, que reúne os clássicos de literatura juvenil de todo o mundo. É membro titular da Academia Paulista de Letras tendo sido o seu presidente em duas gestões.

Francisco Marins também escreveu o Hino de Pratânia em parceria com o cantor José Salvador Perez, mais conhecido como Tinoco da dupla “Tonico & Tinoco”, também nascido em Pratânia.

A partir de 01/01/1997 assumiu o primeiro prefeito de Pratânia, Sr. Roque Joner, e desde então Pratânia se desenvolve a cada dia, em todos os setores, sendo conhecida nacionalmente pelo progresso e excelente administração.

Na cidade de Pratânia está localizada a Biblioteca Francisco Marins e o Clube Taquara-Pocá construído pelo escritor.

Pratânia também possui o Museu Tonico & Tinoco construído em homenagem a dupla “Coração do Brasil”. No local encontram-se vários pertences pessoais e objetos que contam a história da dupla. Porém o que mais chama a atenção é a autentica casa onde o cantor Tinoco nasceu e viveu durante vários anos com sua família. Esta casa estava abandonada numa fazenda e foi encontrada pelo próprio cantor numa visita à cidade. Em seguida foi desmontada e realocada ao lado do Museu.

O museu também conta com uma sala em homenagem ao cantor Zé da Estrada, da dupla “Pedro Bento e Zé da Estrada”, também natural de Pratânia.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo - 2010

População Total: 4.595

  • Urbana: 2765
  • Rural: 1.830
  • Homens: 2375
  • Mulheres: 2.220

Densidade demográfica (hab./km²): 21,97

Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 24,66

Expectativa de vida (anos): 67,10

Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 2,80

Taxa de Alfabetização: 87,24%

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,745

  • IDH-M Renda: 0,697
  • IDH-M Longevidade: 0,702
  • IDH-M Educação: 0,835

(Fonte: IPEADATA)

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Administração[editar | editar código-fonte]

Transporte[editar | editar código-fonte]

  • Rapido Campinas
  • TransMaion
  • Koiote

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Economia[editar | editar código-fonte]

O município é famoso pelas suas lojas e indústrias de artigos de couro. Roupas, calçados e artigos para montarias e cavaleiros, eles estão os chapéus, as selas, macacões para motociclistas. O museu é bem interessante.

Datas Históricas[editar | editar código-fonte]

  • 29 de julho de 1899 - foi criado o distrito.
  • 15 de março de 1915 - quando foi homologada a divisão da Fazenda Prata.
  • 30 de novembro de 1938 - través do decreto n.º 9.775 de o distrito de Prata passou a pertencer para o município de São Manuel, mudando o nome de Prata para PRATÂNIA.
  • 30 de novembro de 1944 - recebeu sua atual denominação.
  • 22 de março de 1992 - realização do plebiscito em que o povo disse SIM a emancipação de Pratânia, comemora-se nesta data o aniversário do município.
  • 30 de dezembro de 1993 - através de Lei 8.550 o distrito passa então a ser Município, sancionada pelo Governador Fleury.
  • Outubro de 1996 - realiza-se a primeira eleição a população de Pratânia vota pela primeira vez em seus próprios candidatos a Prefeito e Vereadores.
  • 01 de janeiro de 1997 – Pratânia empossa seu primeiro Prefeito, Sr. Roque Joner, iniciando seu primeiro ano de autonomia administrativa.

Galeria de fotos[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. [1].
  3. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  4. Censo Populacional 2010. Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  5. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  6. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]