Prata do Piauí

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Prata do Piauí
Bandeira desconhecida
Brasão desconhecido
Bandeira desconhecida Brasão desconhecido
Hino
Aniversário 1 de janeiro
Fundação 1 de janeiro de 1962
Gentílico pratense
Prefeito(a) Antonio Parambú (PTB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Prata do Piauí
Localização de Prata do Piauí no Piauí
Prata do Piauí está localizado em: Brasil
Prata do Piauí
Localização de Prata do Piauí no Brasil
05° 40' 01" S 42° 12' 25" O05° 40' 01" S 42° 12' 25" O
Unidade federativa  Piauí
Mesorregião Centro-Norte Piauiense IBGE/2008 [1]
Microrregião Valença do Piauí IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Alto Longá, São Miguel do Tapuio, São Félix do Piauí, São Miguel da Baixa Grande, Santa Cruz dos Milagres e Beneditinos.
Distância até a capital 143 km
Características geográficas
Área 196,323 km² [2]
População 3 085 hab. IBGE/2010[3]
Densidade 15,71 hab./km²
Altitude 115 m
Clima tropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,611 médio PNUD/2000 [4]
PIB R$ 9 067,362 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 2 790,82 IBGE/2008[5]
Página oficial

Prata do Piauí é um município brasileiro do estado do Piauí. A cidade estende-se as margens do rio Poti, e é atravessada pela Rodovia PI-224.

História[editar | editar código-fonte]

Por não haver nenhum livro biográfico que conte oficialmente a história de Prata do Piauí, muitas são as especulações em torno da história anteriormente a sua emancipação. Por isso as informações com data anterior ao ano de 1962, são baseadas em informações dos moradores mais antigos de Prata do Piauí. Já partir de 1962, temos o IBGE, o Diário Oficial dos Municípios do Piauí e os Livros de Atas da Câmara Municipal, onde estão relatadas as informações que serão postadas aqui.

De acordo com alguns dos moradores mais antigos do município, os primeiros colonizadores de Prata do Piauí apareceram na região, em 1889. Dona Isabel Francisca de Lima, que veio de Valença foi a primeira pessoa a chegar às terras que pertencem ao município de Prata. Em seguida foi à vez de José Rufino. Ele veio do Ceará. O Sr. Rufino Mendes fincou terreno onde hoje é o perímetro urbano de Prata. Com o passar dos anos ele doou parte destas terras para o município.Depois disso muitos outros vindos principalmente também do Ceará e de Valença do Piauí. O intuito principal deles era vender ou comprar animais e alimentos, nas cidades circunvizinhas. Passando pelas terras de Prata, resolviam se instalar nelas. Eles eram chamados de tropeiros. Paravam principalmente nas proximidades do encontro dos rios: Sambito e Poty. A justificativa da parada seria a existência de água em abundância. Alguns ilustres colonizadores de Prata são bastante lembrados até hoje, entre eles: Olegário Gonçalves da Silva Chicoteiro e Agostinho Martins Pessoa.

Uma mulher chamada de Dorotéia Mendes Frazão e um homem chamado de Pedro Mendes gostaram das terras que ficavam em torno de onde hoje é o Balneário Prata Velha. Lá eles construíram a Fazenda Prata Velha. Com o passar dos anos, a Senhora Dorotéia teria doado parte das suas terras para Igreja Católica, em especial para Nossa Senhora da Conceição. Ainda de acordo com alguns dos moradores mais antigos da região, o nome da cidade de Prata do Piauí, é originalizado do nome da Fazenda Prata Velha.

Em 1912 foi organizada a primeira feira semanal, que aconteceu embaixo de um cajueiro. Em torno da arvore foram sendo construídas casas e mais casas, transformando-se assim em uma espécie de povoado. Em 1923 foi construída a primeira capela de Prata. Em 1954, quando São Felix do Piauí passou a ser cidade, o Povoado de Prata que anteriormente pertencia à cidade de Valença, passou a pertencer ao novo município.

Em 1926 a Coluna Prestes ou Revoltosos, como também eram conhecidos em Prata do Piauí e região, passou por aqui. De acordo com alguns dos moradores mais antigos da cidade, os Revoltosos, tiveram em três comunidades que ficam próximo ao perímetro urbano de Prata. Segundo os moradores, os Revoltosos pregavam terror por onde passavam. Eles roubavam, furtavam e até matavam quem fosse contrário as suas reivindicações. Primeiro os Revoltosos tiveram na Comunidade Gado Magro; terras pertenciam ao Senhor Manoel Cristovão, que é bisavô do atual presidente da Câmara Municipal de Prata Piauí, Chico Chagas. Durante o tempo que estiveram por lá, destruíram algumas plantações e na saída levaram animais e alimentos. Do Gado Magro eles seguiram rumo a Comunidade Alivio, onde obrigaram um Senhor chamado Amâncio a ensinar a eles o caminho para Comunidade São Domingo, onde morava um senhor muito rico para época, chamado João Sarvino, ele também era bisavó do vereador Chico Chagas. Em vida Amâncio sempre contava que só não morreu porque carregava Dona Maria Rocha, que tinha apenas um ano de idade. Dona Maria é avó do vereador Chico Chagas e filha do Seu João Sarvino. Em São Domingo eles não conseguiram o que queriam, retornaram para o Alivio e depois seguiram viagem para outras partes do estado e do país. Eles ficaram na região, por aproximadamente três meses.

Mas para quem não se lembra do assunto, alguns livros de história relatam que o movimento contou com lideranças das mais diversas correntes políticas, mas a maior parte do movimento era composta por capitães e tenentes da classe média, de onde se originou o ideal do "Soldado Cidadão". Deslocou-se pelo interior do país pregando reformas políticas e sociais e combatendo o governo do então presidente Artur Bernardes e, posteriormente, de Washington Luís.

Em sua marcha pelo Brasil, os integrantes da Coluna Prestes denunciavam a miséria da população e a exploração das camadas mais pobres pelos líderes políticos. Sob o comando principal de Miguel Costa e de Luís Carlos Prestes(chefe de estado-maior), a Coluna Prestes enfrentou as tropas regulares do Exército ao lado de forças policiais de vários estados, além de tropas de jagunços, estimulados por promessas oficiais de anistia.

Partindo do município de Santo Ângelo, que hoje abriga o Memorial da Coluna Prestes, o movimento percorreu vinte e cinco mil quilômetros pelo interior do Brasil durante dois anos e meio. Apesar dos esforços, a Coluna Prestes não conseguiu a adesão da população. A longa marcha foi concluída em fevereiro de 1927, na Bolívia, perto de nossa fronteira, sem cumprir seu objetivo, disseminar a revolução no Brasil.

Em 1961, o pratense e vereador por São Felix, Antonio Bezerra da Silva, com o apoio de Antonio Maria da Silva, Lázaro Alves Pereira e João Campelo da Silva iniciaram a campanha que resultou na criação e instalação do município de Prata.

Um pouco antes da emancipação o Povoado de Prata era uma potência econômica na região, isso por ser um entroncamento, por ser um elo entre os municípios vizinhos e por está no caminho de acesso entre as principais cidades do interior do Piauí da época, como Campo Maior, Malvão e Valença do Piauí. Por causa disso, a prefeitura de Valença do Piauí, cidade a qual, o Povoado Prata pertencia bem antes da sua emancipação, construiu um grande mercado municipal para época, que mais tarde veio ser demolido pela prefeitura da cidade de Prata. Enquanto Povoado e depois de transformada cidade, em Prata se comercializava de tudo. O primeiro grande comércio foi o do Sr. João Campelo, também conhecido como João Galinha. O prédio foi construído em 1949. Desde 1997, parte deste prédio pertence à Câmara Municipal de Prata do Piauí. Em 2013; a câmara comprou a outra parte e um terreno que fica ao lado, que também pertencia a família do Sr. João Campelo.

A prefeitura municipal já funcionou em três endereços. O primeiro endereço da prefeitura foi na Avenida Getulio Vargas, S/N, centro, mais precisamente onde hoje mora o Sr. Josivan, filho do ex. vereador José Luíz de Dona Luizinha. Na época o prédio pertencia ao Sr. Nestor, que era cunhado do Sr. João Campelo. O segundo prédio também ficava na Av: Getúlio Vargas, S/N, centro, onde hoje é a residência do Sr. Tito e um terreno baldio, que fica ao lado da residência do comerciante. Na época o espaço pertencia ao Sr. João Campelo. O atual prédio da prefeitura é próprio e fica na Rua Rui Barbosa, 210, centro.

Já de acordo com o Diário Oficial dos Municípios do Piauí, no dia primeiro de janeiro de 1962, o então povoado de Prata, que pertencia à cidade de São Félix do Piauí e anteriormente ao município de Valença do Piauí, passou a ser cidade. Isso aconteceu depois da aprovação, sanção e publicação da Lei Estadual, nº 2253, do dia primeiro de janeiro de 1962 e publicada no Diário Oficial do Estado, no dia 27 de fevereiro do mesmo ano. Já a inauguração oficial aconteceu também no mesmo ano, mais precisamente no dia 10 de dezembro. Cópia da publicação da Lei que instituiu o município de Prata está disponível no prédio da Câmara Municipal e neste site. (A publicação foi doada para Câmara, em 2013 pelo professor Longa, que um grande pesquisador).

Durante a inauguração muitas autoridades estiveram presentes, entre eles: o Dr. Jeremias Abreu Pereira da Silva, que representava o governador; o deputado estadual Djalma Martins Veloso; o prefeito eleito de Prata, Antonio Maria da Silva; o prefeito eleito de Beneditinos Pedro Mendes Pessoa; o presidente da comarca local, Raimundo Araujo Prado; o vice-prefeito eleito Gilberto de Azevedo Campelo; Otávio Mendes Frazão, que foi nomeado o prefeito de Prata; os vereadores eleitos: Ermelino Martins de Oliveira, João Lopes Feitosa, Francisco de Assis de Azevedo Campelo, Francisco Melão Sobrinho e Cineas Marreiros dos Santos e os ex. prefeitos: Doroteu Barbosa Lima e Luiz Rodrigues do Nascimento. Para saber quem eram os demais presentes, basta consultar a primeira Ata de Sessões da Câmara, que está disponível na secretaria do legislativo municipal.

Como o prefeito eleito não poderia tomar posse no mesmo dia da eleição, foi nomeado o Sr. Otávio Mendes Frazão que ficou como prefeito do dia 15 de dezembro de 1962, quando foi instalada oficialmente a cidade de Prata do Piauí, até o dia 02 de fevereiro 1963. No dia seguinte o Sr. Antonio Maria da Silva assumiu ficando quatro (04) anos como prefeito; depois voltou novamente o Sr. Otávio Mendes Frazão, agora eleito. Otávio ficou no poder também por quatro (04) anos; depois voltou o Sr. Antonio Maria (04 anos); em seguida o Sr. Doroteu Barbosa Lima é eleito (04 anos); depois volta novamente o Sr. Antonio Maria (04 anos); depois foi a vez do Sr. Luiz Rodrigues do Nascimento, que ficou no poder por seis (06) anos; em seguida volta novamente o Sr. Antonio Maria (04 anos), depois é a vez de voltar o Sr. Doroteu Barbosa (04 anos), em seguida o Sr. Sebastião Hubaldo de Andrade e Silva assumiu por (04) anos, depois foi à vez de Sr. Charles Barbosa Lima ser eleito e quatro (04) anos depois sendo reeleito e ficando aproximadamente mais dois (02) anos no poder, até ser cassado. Assumiu por ser o segundo colocado nas eleições anteriores, o Sr. Antonio Maria (ele ficou aproximadamente 02 anos no poder). Depois o vencedor foi Ludmar Pereira da Silva, ficando 03 anos aproximadamente como prefeito e em seguida sendo cassado pela justiça eleitoral; desta vez assumiu o então presidente da câmara municipal, Fransuélio Melão da Silva, que foi eleito a prefeito em seguida e ficou no poder por aproximadamente um (01) ano, quando terminou o período daquela gestão. Fransuélio tentou a reeleição e foi derrotado em 2012 por Antonio Gomes de Sousa (Antonio Parambú), o qual é prefeito até agora (2013). Parambú teve 1522 votos, contra os 910 de Fransuélio. Ao todo em 51 anos de existência, Prata foi governada por nove (09) prefeitos.

Segundo o Censo Demográfico 2010 do IBGE, em 2013; Prata tinha 3085 habitantes. Segundo o TRE-PI. Em junho deste mesmo ano, Prata tinha com 3435 pessoas aptas a votar; 11,24% a mais do que o número de habitantes. Quem nasce em Prata é pratense. A extensão territorial de Prata do Piauí é de 196.326 KM2. A vegetação predominante é a Caatinga. Prata faz limites com os seguintes municípios: Beneditinos, São Félix do Piauí, São Miguel da Baixa Grande, São Miguel do Tapuio, Santa Cruz dos Milagres e Alto Longá. Prata do Piauí Localiza-se a uma latitude 05º40'02" sul e a uma longitude 42º12'24" oeste, ao Centro-Norte do estado, estando a uma altitude de 115 metros em média. A cidade é rica em água natural, ela é banhada pelo Rio Poti, Sambito e Berlenga e ainda por vários riachos e cachoeiras.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 05º40'02" sul e a uma longitude 42º12'24" oeste, ao Centro-Norte do estado, estando a uma altitude de 115 metros em média. A cidade é banhada pelo Rio Poti e por vários riachos e cachoeiras ao seu redor.

O Rio Poti é uma grande fonte de pescados para a população, e além disso, é uma das principais fontes de lazer dos Pratenses, com suas pequenas praias fluviais formadas por bancos de areia no período veraneiro. O rio também é a principal fonte de abastecimento de água do município.

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima é tropical subúmido. Há duas estações bem definidas: inverno ou estação das chuvas (novembro a março) e verão ou estação da seca (abril a outubro). Os meses em que o "frio" predomina novembro a abril (época que começa a chover), e o "calor", de abril a outubro. A temperatura média no município oscila entre 23° e 40º, com picos de mais de 43° graus em dias mais quentes. Com sensações térmicas que chegam a 29º no inverno e 47º no verão.

Relevo[editar | editar código-fonte]

Seu relevo é formado basicamente de planícies, chapadas e em sua vegetação predominam cerrados.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

O município de Prata é banhado pelo rio Poti, além dos riachos da Taboca, do Rodiador, Canal (fazenda Malhada Alta) e Sambito. O rio Poti é um dos rios mais importantes do estado do Piauí, e como conseqüência, do município de Prata do Piauí.

Demografia[editar | editar código-fonte]

A população da cidade de Prata é de 3.326 habitantes. Tal população encontra-se espalhada numa área de 1.850,400 km².

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Desde o ano de 2009, Prata vem sendo palco de uma significativa reestruturação urbana, fenômeno que decorre, sobretudo, do crescimento populacional e da dinamização da economia municipal, que até então girava apenas com o rendimento de aposentadorias e benefícios oriundos de programas sociais dos governos. Observa-se que a economia de Prata vem se erguendo como nunca visto em sua história, devido a grandes investimentos de ambos os governos, estadual e federal em parceria com a prefeitura municipal, que através de um grande empenho garantiu a vinda de verbas que viabilizassem grandes obras no municipio.

Prata conta hoje com escolas municipais e estaduais de ensimo fundamental e médio servidas de laboratórios de informática e prédios com uma boa estrutura, e com uma creche para crianças em idade pré-escolar. Em 2009, através do atual prefeito (2009-2012), prata passou a contar também com seu primeiro centro de ensino superior, a FAMEP (Faculdade do Meio Parnaíba), que proporciona aos pratenses o acesso ao ensino superior de baixissimo custo sem sair da cidade, e também o seu primeiro Telecentro, dá aos municipes pratenses a oportunidade de acessar à Internet gratuitamente, além de ter sito implantado no municipio o serviço de Internet Banda Larga que fez surgir os Cybers Cafés e Lan Houses que até então os pratenses desconheciam e não tinham acesso.

E para quem pensa em fazer turismo por lá, pode fazer sua própria programação, seja, tomar banho ou pescar no rio Poty, se esbaldar nos riachos ao redor, fazer alpinisto nos morros e serras, subir nos cajueiros, piquijeiros e uma infinidade árvores frutiferas de época e pegar seus frutos fresquinhos. E para todo conforto, a cidade conta ainda com a pousada ARTELI, apta a acomodar grandes ou pequenos grupos.

Também está disponível na cidade o sinal da rede de telefonia móvel, que funciona inicialmente com a operadora TIM, e a transmissão do sinal aberto da TV Cidade Verde, TV Meio Norte e TV Clube, uma das poucas disponíveis na cidade, onde a maioria da população utiliza-se de TV por assinatura e antenas parabólicas convencionais para ter acesso a Televisão. Também conta com uma rádio comunitária, a Poty FM 107,1 MHz, única na cidade (que no momento infelizmente se encontra fechada por determinação da ANATEL).

Transporte[editar | editar código-fonte]

Basicamente a malha viária da cidade é composta por calçamentos de cimento com pedras, formando uma espécie de calçamento, porém com a construção da ponte sobre o rio Poti ligando a cidade ao municipio de Beneditinos, a cidade ganhou sua primeira rua com uma pequena camada de malha asfáltica, e também a pavimentação do trecho da Rodovia PI-222 que liga a cidade ao municipio de São Miguel da Baixa Grande, facilitando assim o acesso e a melhora na economia e prestação de serviços, assim como, a chegada de mercadorias ao municipio. Já o outro trecho da rodovia que liga ao municipio de Beneditinos, encurtando a distância entre Prata e a Capital Teresina ainda não conta com asfalto, estando constantemente em péssimo estado de conservação.

A cidade conta com 3 (três) ônibus de empresas distintas e um micro-ônibus alternativo, que fazem o transporte de cargas e passageiros para a capital do estado, Teresina, não contando ainda com nenhum terminal rodoviário. O transporte de pessoas na cidade é feita por alguns poucos mototaxistas.

Saúde[editar | editar código-fonte]

O municipio de prata é servido com apenas um hospital (Unidade Mista de Saúde), um posto de saúde (onde funciona a ESF)e uma ambulância para levar a população para Teresina em casos de emergência.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Na cultura, os reizados (Festa em homenagen aos Três Reis Magos) são tradição na cidade de Prata e na zona rural do município, e também os festejos de Julho de Dezembro também fazem parte da cultura pratense, onde são realizados shows e festas na cidade. A vaquejada também fazia parte das festividades pratense, porém por falta de incentivo do poder público deixou de acontecer há alguns anos na cidade. Não podendo esquecer de destacar a Festa da Garota Prata realizada na cidade à 10 anos

Politica municipal[editar | editar código-fonte]

Na história do municipio de prata, foram realizadas até hoje 11 posses de prefeitos, sendo sete prefeitos diferentes. Já no poder legislativo municipal, são nove vereadores que compõem a câmara municipal.

Lista de prefeitos[editar | editar código-fonte]

Relação dos eleitos Eleito Partido
Antônio Maria da Silva 1970 ARENA
Doroteu Barbosa Lima 1972 ARENA
Antônio Maria da Silva 1976 ARENA
Luiz Rodrigues do Nascimento 1982 PDS
Antônio Maria da Silva 1988 PDS
Doroteu Barbosa Lima 1992 PFL
Sebastião Hubaldo de Andrade Silva 1996 PPB
Charles Barbosa Lima 2000 PFL
Charles Barbosa Lima 2004 PDT
Antônio Maria da Silva 2007 PP
Ludmar Pereira da Silva 2008 PRB
Fransuélio Melão da Silva 2011 PMDB
Antonio Gomes de Sousa 2013 PTB

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o portal:

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Visitado em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 11 dez. 2010.
Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado do Piauí é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.