Prepúcio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Prepúcio
Flaccid penis cropped.jpg
Latim prepucium, præputium
Gray assunto #262 1247
Vascularização Artéria dorsal do pênis
Drenagem venosa Veias dorsais Superficial do pênis
Inervação Nervo dorsal do pênis
Drenagem linfática Linfonodos inguinais superficiais
Precursor Tubérculo genital, Dobras urogenitais
MeSH Foreskin

Nos mamíferos, o prepúcio é uma dobra de duas camadas da pele e mucosa que cobre a glande do pênis e protege o meato urinário, quando o pênis não está ereto. Também é descrito que o prepúcio que inclui também o capuz do clítoris na mulher, pelo qual o prepúcio é embrionariamente homólogo. O prepúcio é bastante elástico, e age como um lubrificante natural.

O prepúcio é tipicamente retrátil sobre a glande. A cobertura da glande em estado flácido e ereto varia dependendo do comprimento do prepúcio.[1] O prepúcio é anexado à glande no momento do nascimento e não é geralmente retrátil na infância.[2] A idade em que um menino pode retrair o prepúcio varia, mas uma pesquisa descobriu que 95% dos homens eram capazes de retrair completamente seu prepúcio na idade adulta.[3] A incapacidade de retrair o prepúcio na infância não deve ser considerado um problema a menos que existam outros sintomas.[4]

A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que as funções do prepúcio incluem "manter a glande úmida, protegendo o pênis em desenvolvimento no útero, ou aumentar o prazer sexual, devido à presença de receptores nervosos."

O prepúcio pode ficar sujo em uma série de condições patológicas.[5] A maioria das condições são raros e facilmente tratadas. Em alguns casos, particularmente com doenças crônicas, o tratamento pode incluir a circuncisão, um procedimento em que o prepúcio é parcialmente ou completamente removido.

Anatomia do prepúcio[editar | editar código-fonte]

Pénis com prepúcio.

O prepúcio é uma cobertura cilíndrica de pele que apresenta sobre o lado exterior um epitélio queratinado e na cavidade nasal do penis varia de acordo com a temperatura. glande, uma mucosa formada por um epitélio não queratinado e terminações nervosas. O prepúcio e a glande estão unidos entre si pelo lado anterior do pênis com uma dobra triangular, o frênulo, e sobre toda a circunferência posterior pelo sulco balanoprepucial, que lembra pela sua forma a coroa da glande. A circunferência anterior corresponde ao lado livre do prepúcio e chama-se orifício ou anel prepucial.

No interior da cavidade formada pela glande e prepúcio deposita-se uma substância de cor branca chamada esmegma, sempre que não haja higiene regular.

O comprimento do prepúcio varia de homem para homem. Prolonga-se por vezes além do meato urinário, formando uma espécie de vestíbulo. É o que acontece com a maioria dos rapazes ao nascerem. A partir da puberdade (e em alguns casos até ao final da adolescência, 18-21 anos), o interior membranoso do prepúcio vai-se separando gradualmente da glande até ser totalmente retrátil quando o pênis estiver erecto. No homem adulto, o prepúcio pode apresentar a mesma disposição, ou uma cobertura parcial ou mesmo nula da glande. Em média, a superfície é de 80cm².

O orifício prepucial é na maior parte dos homens suficientemente amplo para que possa livremente ser retraído até atrás da coroa da glande, sob o efeito de uma tração para trás ou do alongamento do pênis em ereção.

Célula de Langerhans[editar | editar código-fonte]

As célula de Langerhans são células dendríticas imaturas, que são encontrados em todas as áreas do epitélio peniana,[6] mas são mais superficiais na superfície interior do prepúcio.[6] Um estudo realizado por Szabo e Short (2000) objetivam células de Langerhans como receptores do HIV, e afirmam que essas células "devem ser consideradas como os locais mais prováveis ​​para a entrada do vírus na infecção pelo HIV primária nos homens."[7] As células de Langerhans são também conhecidos por expressar o c-langerina tipo lectina, que podem desempenhar um papel na transmissão do HIV para os nódulos linfáticos regionais.[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Coverage Index (em inglês) Newforeskin.biz. Visitado em 15 de novembro de 2013.
  2. Wright JE. (1994). "Further to "the further fate of the foreskin". Update on the natural history of the foreskin" (em inglês). Med J Aust 160 (3): 134–5. PMID 8295581. Visitado em 15 de novembro de 2013.
  3. Øster, Jakob. (Abril de 1968). "Further Fate of the Foreskin Incidence of Preputial Adhesions, Phimosis, and Smegma among Danish Schoolboys" (em português). Archives of Disease in Childhood 43 (228): 200–202. Randers, Dinamarca: Departamento de Pediatria, Central Hospital. DOI:10.1136/adc.43.228.200. PMID 5689532. Visitado em 15 de novembro de 2013.
  4. Phimosis (tight foreskin) (em inglês) NHS Choices. Visitado em 15 de novembro de 2013.
  5. Shah, Manu. The Male Genitalia: A Clinician's Guide to Skin Problems and Sexually Transmitted (em inglês). [S.l.]: Radcliffe Publishing, 2008. p. 37. ISBN 978-1-84619-040-7 Visitado em 15 de novembro de 2013.
  6. a b c McCoombe SG, Short RV. (2006). "Potential HIV-1 target cells in the human penis" (em inglês). AIDS 20 (11): 1491–5. DOI:10.1097/01.aids.0000237364.11123.98. PMID 16847403.
  7. How does male circumcision protect against HIV infection? (em inglês) pubmedcentral.gov. Visitado em 15 de novembro de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Prepúcio

Funções do prepúcio