Prerrogativa Real no Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rainha do Reino Unido da
Grã-Bretanha e Irlanda do Norte
Monarquia
Royal Coat of Arms of the United Kingdom (Both Realms).svg
Brasões Reais do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte
Elizabeth II.jpg
Titular:
Isabel II
Título: Sua Majestade
Herdeiro aparente: Carlos, Duque da Cornuália
Primeiro monarca: Ana (com a Irlanda, Jorge III)
Formação: 1 de maio de 1707 (inclusão da Irlanda, 1 de janeiro de 1801)

A Prerrogativa Real no Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte é um comum corpo de autoridade, privilégios, e imunidades, reconhecido no Reino Unido como uma prerrogativa exclusiva da Monarquia Soberano . Muitos dos poderes do executivo do governo britânico, investido em um monarca, foram concedidas sob o mandato da Prerrogativa Real.

Os poderes prerrogativos eram anteriormente exercidos pelo monarca agindo sozinho.Desde o século 19, o conselho do primeiro-ministro ou o gabinete do Reino Unido, que são responsáveis perante o Parlamento, possuem o poder para que a prerrogativa possa ser exercida. O monarca é constitucionalmente competente para exercer a Prerrogativa Real em contrário aos conselhos do primeiro-ministro ou do seu gabinete, mas o fará apenas em emergências ou onde precedente existente não se aplica adequadamente às circunstâncias em questão.

Hoje, a Prerrogativa Real está preocupada com várias áreas críticas para o governo do Reino Unido, incluindo a condução de assuntos externos, defesa e segurança nacional. A monarquia tem uma presença significativa entre essas e outras áreas constitucionais, mas o poder é muito limitado, pois a prerrogativa está hoje em dia nas mãos do primeiro-ministro e outros ministros ou outras autoridades do governo.

Definição[editar | editar código-fonte]

William Blackstone, que sustentou que a Prerrogativa real poderia ser exercida apenas pelo Monarca


A Prerrogativa Real tem sido chamado de "um conceito notoriamente difícil de definir de forma adequada", [1] mas o proeminente teórico constitucional A. V. Dicey escreveu que:

A prerrogativa parece ser historicamente vista como nada mais do que um resíduo de autoridade discricionária ou arbitrária, que em determinado momento é legalmente deixada nas mãos da coroa. A prerrogativa é o nome da parte restante da autoridade original da Coroa ... Cada ato que o governo executivo pode legalmente fazer sem a autoridade de uma lei do Parlamento é feito em virtude da prerrogativa. [2]

A visão de Dicey é á mais seguida, mas alguns advogados constitucionais preferem a definição dada por William Blackstone: [3]

Pela palavra prerrogativa costumamos entender que é a preeminência especial que o rei possui, acima de todas as outras pessoas, e fora do curso normal do direito comum, em direito de sua dignidade régia... ela só pode ser aplicada a direitos e capacidades que o rei goza sozinho ". [2]

As duas visões são divergentes. A opinião de Dicey é que qualquer ação de governo pelo monarca além das leis está sob a prerrogativa real. Blackstone, no entanto, sustenta que a prerrogativa apenas abrange as ações que nenhuma outra pessoa ou organismo no Reino Unido pode realizar, como a dissolução do Parlamento.[2]

História[editar | editar código-fonte]

Sir Edward Coke, que afirmou que a prerrogativa real não poderia permitir que o monarca sentasse como um juiz

A Prerrogativa Real originou-se nos poderes pessoais do monarca. A partir do século 13 na Inglaterra, assim como na França; o monarca era todo-poderoso, mas esse poder absoluto foi baseado pelo "o recrudescimento da turbulência feudal na nos séculos XIV e XV”. [4] A primeira tentativa de definir a Prerrogativa Real foi afirmada pelos juízes de Ricardo II em 1387. [5]

[6]

Durante o século 16, essa "turbulência" começou a recuar, e o monarca tornou-se verdadeiramente independente. Em Henrique VIII e seus sucessores, o rei era o chefe Inglês da Igreja Anglicana, e portanto, não respondia mais perante o clero. A ascensão do Parlamento nesse período, no entanto, foi problemática. Enquanto o monarca era "parceiro predominante na constituição Inglêss", os tribunais não chegaram a declará-lo todo-poderoso, reconhecendo o papel que o Parlamento exercia. [4] In Ferrer's Case,[7] Henrique reconheceu isto, observando que ele era muito mais poderoso com o consentimento do Parlamento do que sem ter-lo.

Em nenhum lugar isso é mais aparente do que em matéria de tributação e impostos. Sir Thomas Smith e outros escritores do período apontaram que o monarca não poderia cobrar impostos sem o consentimento do Parlamento. [8]

Ao mesmo tempo, Henrique e seus descendentes normalmente seguiram a vontade dos tribunais, apesar deles não estarem teoricamente vinculados por juízes. William Holdsworth infere que no pedido regular de conselhos a juristas da coroa e do judiciário a respeito do consentimento legal, Henrique reconheceu a necessidade de um governo estável para seguir a lei. Ele também afirma a visão de que a lei é supremo sobre todos "foi o ponto de vista de todos os juristas, publicistas e estadistas de renome no período Tudor". [9] Foi aceito que, enquanto o rei possuía um poder discriminatório ilimitado, ele foi limitado em áreas onde os tribunais impuseram condições à utilização da prerrogativa, ou onde ele própria tinha escolhido para fazê-lo. [10]

A primeira crise neste estabilidade surgiu em 1607, com o Case of Prohibitions. Jaime VI & I afirmou que como monarca, ele tinha um direito divino a sentar-se como um juiz e interpretar a lei comum como bem entendesse. Liderado por Sir Edward Coke, o Judiciário rejeitou esta idéia, afirmando que, enquanto o monarca não estava sujeito a qualquer pessoa, ele estava sujeito à lei. Até que ele tivesse ganhado o conhecimento suficiente da lei, ele não tinha o direito de interpretá-la; Coke apontou que tal conhecimento "exige o domínio de uma razão artificial ... que requer muito estudo e experiência, antes que um homem possa alcançar o conhecimento de si mesmo ". Da mesma forma, no Case of Proclamations em 1611, Coke afirmou que o monarca só poderia exercer as prerrogativas que ele já tinha, e não poderia criar novas. [11]

Com a Revolução Gloriosa, a monarquia da Casa de Stuart caiu, e Guilherme III tornou-se rei de Inglaterra. Ao mesmo tempo, a Declaração de Direitos de 1689 foi elaborada, o que cimentou a subserviência do monarca ao Parlamento. É especificamente limitadora da Prerrogativa Real, com a detenção de um artigo que afirma que o "poder de suspender as leis ou a execução das leis pela autoridade real sem o consentimento do Parlamento é ilegal", e artigo 4 confirma que a cobrança de dinheiro "para ou para o uso do Coroa sob pretexto de prerrogativa, sem a concessão de Parlamento é ilegal ". A declaração também confirmou que o Parlamento tinha o direito de limitar o uso de prerrogativas restantes, como evidenciado pela lei Triennial Act 1694, o que exigiu do monarca demitir ou chamar Parlamento em determinados momentos. [12]

Poderes Prerrogativos[editar | editar código-fonte]

Legislatura[editar | editar código-fonte]

Guilherme IV, o último monarca a dissolver o parlamento

Uma das prerrogativas do monarca é a dissolução do Parlamento, que é "talvez a mais importante prerrogativa residual exercida pessoalmente pelo soberano, e representa o maior potencial para controvérsia". [13] Esta prerrogativa é normalmente exercida a pedido do Parlamento e do primeiro-ministro, ou a critério dele ou dela ou na sequência de uma moção real de não-confiança.

A última vez que um monarca unilateralmente dissolveu o Parlamento foi em 1835, quando o Conde de Grey renunciou ao cargo de primeiro-ministro, embora tivesse um gabinete em pleno funcionamento capaz de trabalhar sem ele, mas Guilherme IV escolheu por demitir-lo. Teóricos constitucionais têm opiniões divergentes se isso seria possível hoje; Sir Ivor Jennings escreveu que uma dissolução envolve "a aquiescência dos ministros", e, como tal, o monarca não poderia dissolver o Parlamento sem o consentimento ministerial; mas "se os ministros se recusam a dar tal consentimento, ela/ele não pode fazer nada mais do que demiti-los ".

AV Dicey, no entanto, acredita que, em certas circunstâncias extremas o monarca pode dissolver o Parlamento sozinho, na condição de "uma ocasião em que surgiu um justo motivo para supor que o parecer da Câmara não é a opinião dos eleitores;... A dissolução é permitida, ou necessárias, sempre que a vontade do legislador é, ou pode razoavelmente presumir-se diferente da vontade da nação "[14] .

O monarca pode forçar a dissolução do Parlamento através de uma recusa de assentimento real, o que inevitavelmente leva a um governo de demissionários. Por convenção, o monarca sempre dá pareceres favoráveis ​​às contas, a última vez que o assentimento real não foi dado foi em 1704 durante o reinado de Ana. Isso não significa que o direito de recusar morreu; Jorge V acreditava que poderia vetar o Third Irish Home Rule Bill; Jennings escreve que " foi assumido pelo rei que ele tinha não apenas todo o poder legal, mas o direito constitucional de recusar o parecer favorável". [15]

A nomeação do primeiro-ministro é também, teoricamente, governada pela Prerrogativa Real. Tecnicamente, o monarca pode nomear quem ele quiser, mas na prática o nomeado é sempre a pessoa que comanda a maioria na Câmara dos Comuns. Normalmente, este é o líder do partido político que é devolvido ao Parlamento com uma maioria de assentos depois de uma eleição geral. Dificuldades podem resultar em algo chamado de Hung parliament (Quando nenhum partido consegue a maioria dos assentos). Nesta situação, convenção constitucional é que o titular anterior tem o direito de formar um governo de coalizão.[16] Se o primeiro-ministro decide se aposentar no meio de uma sessão parlamentar, como Anthony Eden fez em 1957, a rainha não tem poder de discrição. Geralmente, há um "primeiro-ministro-em-espera" que comanda o apoio da maioria dos Comuns. Ele ou ela irá quase que automaticamente ser nomeado. [17]

Sistema Judicial[editar | editar código-fonte]

O poder prerrogativo mais notável ​​que afeta o sistema judicial é a prerrogativa de misericórdia, que tem dois elementos: a concessão de indultos e à concessão de nolle prosequi. O perdão pode ser usado para eliminar as "dores, penas e castigos" que vêm de uma condenação penal, embora não retire convicções próprias. Este poder é normalmente exercido sob o conselho do Secretary of State for the Home Department; o monarca não tem envolvimento direto na sua utilização. Exercícios desse poder também podem assumir a forma de comutações, uma forma limitada de perdão, onde as sentenças são reduzidas, em determinadas condições. A concessão de um perdão não está sujeita a revisão judicial, como confirmado pelo Council of Civil Service Unions v Minister for the Civil Service, [18] , mas os tribunais optaram por criticar a sua aplicação ou a falta dela, como em R v Secretary of State for the Home Department, ex parte Bentley. [19] [20] A concessão de nolle prosequi é feita pelo Procurador-geral da Inglaterra e do País de Gales (ou o equivalente na Escócia ou da Irlanda do Norte) em nome da coroa, para suspender o processo legal contra um indivíduo. [21]

Negócios Estrangeiros[editar | editar código-fonte]

A Prerrogativa Real também é usada na esfera das Relações Exteriores. É o monarca que reconhece os estados estrangeiros (embora vários estatutos regulam a imunidades que gozam os representantes diplomáticos), emite declarações de guerra e paz, e formas de tratados internacionais. O monarca também tem o poder de anexar territórios, como foi feito em 1955 com a ilha de Rockall.

Uma vez que território foi anexado, o monarca tem total discrição sobre até que ponto o governo anterior poderá assumir a politica, o que foi confirmado em West Rand Central Gold Mining Company v The King. O monarca também tem o poder de as águas territoriais britânicas e ceder território. Sua liberdade para fazer isso, na realidade, é questionável, na medida em que implicaria privar os cidadãos britânicos de sua nacionalidade e direitos. Quando a ilha de Heligoland foi cedida à Alemanha em 1890, aprovação parlamentar foi procurada. [22] O monarca também pode regular colônias e territórios dependentes, exercendo a prerrogativa através de Order-in-Council. Os tribunais têm lutado muito com o uso do monarca desse poder; em R (Bancoult) v Secretary of State for Foreign and Commonwealth Affairs (No 2), [23] o Tribunal de Recurso decidiu que o uso de ordens-in-Council para frustrar decisões judiciais era uma forma ilegal de poder, embora este ato tenha sido mais tarde revogado. [24]

Passaportes também são regulados pela prerrogativa, embora existam normas legais. Sob a lei comum, os cidadãos têm o direito de sair e entrar livremente no Reino Unido. Em R v Foreign Secretary ex parte Everett, os tribunais consideraram que era o seu direito de rever situações em que um cidadão britânico tinha o passaporte concedido ou negado. O mandado de ne exeat regno também é usado para impedir que uma pessoa deixe o país. O direito de formar tratados é um poder prerrogativo disputado; na definição da Blackstone, um poder prerrogativo deve ser um exclusivo para o monarca. No entanto, devido a questões legais impostas por certas leis do Reino Unido e da União Européia, o monarca não pode exercer esse poder sozinho. [25]

Outros[editar | editar código-fonte]

Os passaportes e as ordens do Cardo-selvagem são emitidos pela Prerrogativa real

O monarca também tem poder de exercer sua prerrogativa sobre a concessão de honrarias, no regulamento das forças armadas e as nomeações eclesiásticas. Embora a concessão de mais prêmios sejam normalmente determinados pelo executivo, o monarca ainda é a pessoa que tecnicamente os dá. Exceções a esta regra são membros da Ordem da Jarreteira, o Ordem do Cardo-selvagem, o Royal Victorian Order e a Ordem do Mérito, que o monarca tem completo critério para conceder. [26]

Em relação às forças armadas, o monarca é o Comandante Chefe, e os membros são regulamentados pela Prerrogativa Real. A maioria dos estatutos não se aplicam às forças armadas, embora em algumas áreas, como a disciplina militar, sejam regidos por leis do Parlamento. Sob a Proceedings Crown Act 1947, o monarca é a única autoridade para as forças armadas e, como tal, sua organização, disposição e controle não pode ser questionada pelos tribunais. [27]

Este exercício do poder da prerrogativa dá autoridade a coroa para recrutar membros das Forças Armadas, nomear funcionários comissionados, e estabelecer acordos com governos estrangeiros para estacionar tropas em seu território. [28] A prerrogativa confere ao monarca nomear bispos e arcebispos na Igreja da Inglaterra, [29] e regular a impressão e licenciamento autorizado da Bíblia da Igreja da Inglaterra. [30]

R v Secretary of State for the Home Department, ex parte Northumbria Police Authority, reconheceu que a prerrogativa também inclui o poder de "tomar todas as medidas razoáveis ​​para preservar a paz da Rainha".

Uso[editar | editar código-fonte]

Hoje, o monarca exerce a prerrogativa quase que exclusivamente de acordo com o conselho de seu governo. Leyland observa que:

A atual Rainha... é mantida em contato com o exercício do poder governamental por meio de uma audiência semanal com o primeiro-ministro durante a qual ela está totalmente informada sobre os assuntos do governo... [Mas] deve ser enfatizado que o primeiro-ministro não tem qualquer obrigação de ter em conta as opiniões reais. [31]

Em termos simples, a prerrogativa é usada para governar o reino em nome da Coroa, embora o monarca tem o "direito de ser consultado, o direito de incentivar, e o direito de aconselhar", seu papel não envolve exercício do poder discricionário. [32]

Hoje, alguns poderes prerrogativos são exercidos diretamente por ministros sem a aprovação do Parlamento, incluindo os poderes de declarar guerra e de fazer a paz, a emissão de passaportes, e conceder honras. [33] Os poderes Prerrogativos são exercidos nominalmente pelo monarca, mas a conselho do primeiro-ministro (com quem o monarca se reúne em uma base semanal) e no conselho do gabinete. [34] Algumas funções-chave do governo britânico ainda são executados em virtude da prerrogativa real, mas em geral o uso da prerrogativa tem vindo a diminuir progressivamente as funções que são colocados em uma base legal. [35]

Reforma[editar | editar código-fonte]

Abolição da Prerrogativa Real não está nas linhas de decisões imediatas, e os movimentos recentes para abolir o papel da monarquia e sua Prerrogativa Real no governo têm sido infrutíferos. [36] O Ministério da Justiça realizou uma "revisão dos poderes executivos da Prerrogativa Real" em outubro de 2009.[37]

O ex-ala esquerdo do Partido Trabalhista Tony Benn fez campanha em vão para a abolição da Prerrogativa Real no Reino Unido na década de 1990, argumentando que todos os poderes governamentais em efeito são exercidos sobre o conselho do primeiro-ministro e o gabinete, e devem ser sujeitos a controle e aprovação parlamentar.

Mais tarde os governantes argumentaram que tal é a variedade de tópicos cobertos pela Prerrogativa Real que exigem a aprovação parlamentar em cada instância que iria sobrecarregar o tempo parlamentares e retardar a promulgação de legislações[38] .

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Select Committee on Public Administration (16 March 2004). Select Committee on Public Administration Fourth Report Parliament of the United Kingdom. Página visitada em 7 May 2010.
  2. a b c Carroll (2007) p. 246
  3. Loveland (2009) p. 92
  4. a b Holdsworth (1921) p. 554
  5. Keen, Maurice Hugh England in the later middle ages: a political history Methuen & Co (1973) p281
  6. Chrimes, S. B. Richard II's questions to the judges 1387 in Law Quarterly Review lxxii: 365–90 (1956)
  7. 1 Parl. Hist. 555
  8. Holdsworth (1921) p. 555
  9. Holdsworth (1921) p. 556
  10. Holdsworth (1921) p. 561
  11. Loveland (2009) p. 87
  12. Loveland (2009) p. 91
  13. Barnett (2009) p. 106
  14. Barnett (2009) p. 107
  15. Barnett (2009) p. 109
  16. Barnett (2009) p. 114
  17. Barnett (2009) p. 115
  18. [1985] AC 374
  19. [1994] Q.B. 349
  20. Barnett (2009) p. 116
  21. Barnett (2009) p. 117
  22. Loveland (2009) p. 120
  23. [2008] UKHL 61
  24. Loveland (2009) p. 121
  25. Loveland (2009) p. 122
  26. Loveland (2009) p. 118
  27. Loveland (2009) p. 119
  28. Ministry of Justice (2009) p.14
  29. Ministry of Justice (2009) p. 4
  30. Ministry of Justice (2009) p. 33
  31. Leyland (2007) p. 74
  32. Bagehot (2001) p. 111
  33. Predefinição:Cite report
  34. The Royal Household, Queen and Prime Minister
  35. Leyland (2007)p. 67
  36. Leyland (2007) p. 78
  37. Ministry of Justice (2009) p. 1
  38. David McKie. "How ministers exercise arbitrary power". Página visitada em 5 May 2010.


Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Barnett, Hilaire. Constitutional & Administrative Law. 7th ed. [S.l.]: Routledge-Cavendish, 2009. ISBN 9780415458290
  • Bagehot, Walter. The English Constitution.. [S.l.]: Cambridge University Press, 2001. ISBN 9780511052972
  • Carroll, Alex. Constitutional and Administrative Law. 4th ed. [S.l.]: Pearson Longman, 2007. ISBN 9781405812313
  • Holdsworth, W. S.. (1921). "The Prerogative in the Sixteenth Century". Columbia Law Review 21 (6). Columbia Law School. ISSN 0010-1958.
  • Leyland, Gordon; Anthony. In: Gordon. Textbook on Administrative Law. 6 ed. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 978-0199217762
  • Loveland, Ian. Constitutional Law, Administrative Law, and Human Rights: A Critical Introduction. 5th ed. [S.l.]: Oxford University Press, 2009. ISBN 9780199219742
  • Waite, P. B.. (1959). "The Struggle of Prerogative and Common Law in the Reign of James I". The Canadian Journal of Economics and Political Science 25 (2). Blackwell Publishing. ISSN 0315-4890.
  • Williams, D. G. T.. . "The Prerogative and Parliamentary Control". The Cambridge Law Journal 29 (2). Cambridge University Press. ISSN 0008-1973.