Presunção

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Em direito, presunção são consequências deduzidas de um fato conhecido, não destinado a funcionar como prova, para chegar a um fato desconhecido.

Classificação[editar | editar código-fonte]

  • Legais (iuris): estabelecidas em lei, dispensando ônus da prova. Por sua vez, podem ser:
    • Absolutas (não admitem prova em contrário - presunção juris et de jure)
    • Relativas (admitem prova em contrário, que pode limitá-la - presunção juris tantum)
  • Simples (hominis): não estabelecidas em lei. Ocorre por exemplo em acidentes de trânsito, onde (no Brasil) não há lei determinando que o veículo traseiro é o culpado pela colisão, mas em que é feita esta presunção, impondo à outra parte a prova em contrário. As presunções hominis não são admitidas nos casos em que a prova testemunhal é excluída por lei.

Presumir que sabe algo que não se sabe oficialmente sua veracidade.

-- A presunção também é considerada um pecado contra a Esperança (Virtude Teologal). Catecismo da Igreja Católica.

Ver também[editar | editar código-fonte]