Pretty Hate Machine

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pretty Hate Machine
Álbum de estúdio de Nine Inch Nails
Lançamento 20 de Outubro de 1989
Gravação Right Track, Cleveland;
Blackwing & Roundhouse, Londres;
Unique, Nova York;
Synchro Sound, Boston
Gênero(s) Industrial
Duração 48 min 42 s
Gravadora(s) TVT Records
Rykodisc
Produção Trent Reznor, Flood, Adrian Sherwood, Keith LeBlanc, John Fryer
Cronologia de Nine Inch Nails
Último
Último
Broken
(1992)
Próximo
Próximo

Pretty Hate Machine (ou Halo 2) é o álbum de estreia e o segundo lançamento oficial da banda Nine Inch Nails, lançado em 1989.

Trabalhando noites no Right Track Studio como faz-tudo e zelador, Trent Reznor usava o estúdio em tempo ocioso para gravar e desenvolver suas próprias músicas. Tocando ele mesmo a maior parte dos teclados, máquinas de bateria, guitarras e samplers, ele gravou uma demo.

Juntando-se ao empresário John A. Malm, Jr. eles enviaram a demo para várias gravadoras, recebendo propostas sérias de muitas delas. Por fim, Reznor assinou contrato com a TVT Records que, até aquela época, eram conhecidos basicamente por lançarem álbuns de jingles da televisão.

Pretty Hate Machine foi então gravado em vários estúdios pelo mundo, com Reznor colaborando com alguns de seus mais idolatrados produtores - Flood, Keith LeBlanc, Adrian Sherwood e John Fryer.

O álbum, cujo título original Industrial Nation não foi aceito pela gravadora, foi lançado em 20 de Outubro de 1989 e se tornou um sucesso de crítica e público. Recebeu divulgação nas rádios pelos singles "Down in It", "Head Like a Hole" e "Sin". O álbum também ganhou popularidade através das pessoas que indicavam o álbum e acabaram por desenvolver uma grande reputação no underground. Reznor rapidamente contratou uma banda para sair em turnê com The Jesus and Mary Chain, incluindo o guitarrista e futuro líder da banda Filter, Richard Patrick. Os shows ao vivo do NIN eram conhecidos por conter versões mais altas e agressivas das canções do álbum, e também pela destruição de instrumentos no fim do show. Reznor preferia usar os saltos de suas botas para arrancar as teclas dos teclados.

Desde que o álum foi lançado, uma gravação conhecida como Purest Feeling apareceu. Este bootleg contem as demos originais para a maioria das faixas de PHM, assim como algumas que não foram usadas ("Purest Feeling" e "Maybe Just Once").

Foi feito um cover do álbum inteiro por um quarteto de cordas em 2005 como The String Quartet Tribute to Nine Inch Nails' Pretty Hate Machine, com arranjos por Eric Gorfain.

Pretty Hate Machine saiu de catálogo pela TVT Records, mas foi re-lançado pela Rykodisc Records em 22 de Novembro de 2005 com pequenas mudanças no pacote. Reznor expressou interesse em criar uma versão "deluxe" com remasterização em surround sound e novos/raros remixes, similar ao re-lançamento de The Downward Spiral. Rykodisc gostou da idéia, mas não o suficiente para pagar Reznor para fazer.

Lançamentos[editar | editar código-fonte]

  • TVT Records TVT 2610-1 - 12" Vinyl
  • TVT Records TVT 2610-2 - CD

Faixas[editar | editar código-fonte]

  1. "Head Like a Hole" – 4:59
  2. "Terrible Lie" – 4:38
  3. "Down in It" – 3:46
  4. "Sanctified" – 5:48
  5. "Something I Can Never Have" – 5:54
  6. "Kinda I Want To" – 4:33
  7. "Sin" – 4:06
  8. "That's What I Get" – 4:30
  9. "The Only Time" – 4:47
  10. "Ringfinger" – 5:40

Créditos[editar | editar código-fonte]

  • Trent Reznor – arranjos, programador, produtor, engenheiro de som, edição digital, mixagem
  • Doug d'Angelis – engenheiro de som
  • Tony Dawsey – masterização
  • Flood – programador, produtor, engenheiro de som
  • John Fryer – produtor, engenheiro de som, mixagem
  • Kennan Keating – engenheiro de som
  • Keith LeBlanc – produtor, engenheiro de som, remixagem, mixagem
  • Richard Patrick – guitarra
  • Ken Quartarone – engenheiro de som
  • Adrian Sherwood – produtor, engenheiro de som, mixagem
  • Jeffrey Silverthorne – fotografia
  • Gary Talpas – design de capa
  • Chris Vrenna – programador, edição digital

Posições nas Paradas[editar | editar código-fonte]

Álbum[editar | editar código-fonte]

Ano Título Parada Posição
1990 Pretty Hate Machine Billboard 200 75[1]

Singles[editar | editar código-fonte]

Ano Título Parada Posição
1989 "Down in It" Hot Dance Music/Club Play 16[2]
1989 "Down in It" Hot Dance Music/Maxi-Singles Sales 20
1989 "Down in It" Modern Rock Tracks 16
1990 "Head Like a Hole" Hot Dance Music/Club Play 17[2]
1990 "Head Like a Hole" Hot Dance Music/Maxi-Singles Sales 34
1990 "Head Like a Hole" Modern Rock Tracks 28
1990 "Sin" Hot Dance Music/Club Play 10[2]
1990 "Sin" Hot Dance Music/Maxi-Singles Sales 13

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • Algumas das letras no livreto não são encontradas nas canções. Acredita-se que Trent Reznor imprimou as letras completas para que pudesse manter o sentido das músicas.
  • As bandas listadas nas notas (Prince, Jane's Addiction e Public Enemy, entre outras) foram todas usadas como samples no álbum; partes de "Alphabet St." do Prince e "Had a Dad" do Jane's Addiction são escutadas em "Ringfinger", enquanto outros samples foram ou editados ou distorcidos para serem irreconhecíveis (como a introdução de "Kinda I Want To").

Referências