Primeiro Estado Saudita

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Al-Dawla Al-Su'odiyah Al-Oula
الدولة السعودية الأولى

Primeiro Estado Saudita
Flag of the Ottoman Empire (1453-1517).svg
1744 – 1818 Flag of the Second Saudi State.svg

Bandeira de Arábia Saudita

Bandeira de Diriyah

Localização de Arábia Saudita
Continente Ásia
Região Oriente Médio
País Arábia Saudita
Capital Diriyah
24° 44' N 46° 34' E
Religião Islã Sunita
Governo Monarquia
Imam
 • 1744–1765 Mohammed Ibn Saud
 • 1765–1803 Abdul Aziz Ibn Mohammed Ibn Saud
 • 1803–1814 Saud Ibn Abdul Aziz Ibn Mohammed Ibn Saud
 • 1814–1818 Abdullah bin Saud
História
 • 1744 Acordo Diriyah
 • 1818 Guerra Otomano-Saudita
Atualmente parte de Arábia Saudita
 Emirados Árabes Unidos
 Catar
 Bahrein
Omã
Iémen/Iêmen

O Primeiro Estado Saudita foi estabelecido no ano de 1744, quando o Imã Muhammad ibn Abd al-Wahhab e o príncipe Muhammad ibn Saud formaram uma aliança para estabelecer uma soberania religiosa e política determinada a "limpar" a Península Arábica de práticas heréticas e desvios do Islã ortodoxo.[1] Este esforço conjunto em reviver a religião islâmica em sua forma mais pura era visto pelos Salafistas como a restauração da crença básica em Tawhid, enquanto que para outras seitas islâmicas e orientalistas, manter isto marcou o início do movimento revivalista Salafista. Práticas como orações a figuras santas, fazer peregrinações a tumbas e mesquitas especiais, venerar árvores, cavernas e pedras foram abolidas sob esta regra. Desde a criação do Primeiro Estado Saudita, nenhuma dessas práticas jamais foi observada novamente na Arábia Saudita. Em 1744, Muhammed bin Abd Al Wahhab e Muhammad bin Saud fizeram um juramento para alcançar seu objetivo. O casamento entre o filho de Saud, Abdul Aziz Ibn Mohammed Ibn Saud, e a filha do Imã, ajudou a selar o pacto entre as suas famílias que perdurou através dos séculos até hoje.

Casa de Saud: Estabelecimento da soberania[editar | editar código-fonte]

A Casa de Saud e seus aliados, rapidamente cresceram para se tornar a soberania dominante na Arábia, por conquistar primeiramente Nejd, e depois expandir a sua influência sobre a costa leste, que media do Kuwait até a fronteira norte de Omã. Além disso, as forças de Saud trouxeram as terras altas de 'Asir sob sua soberania, enquanto que Muhammed bin Abd Al Wahhab escreveu cartas para as pessoas e os estudiosos entrarem no campo da jihad, por meio de debates e trabalhos acadêmicos, para remover elementos do politeísmo que existiam em seus países como o Iraque, Egito, Índia, Iêmen e Síria. Após muitas campanhas militares, Saud morreu em 1765, deixando a liderança para seu filho, Abdul Aziz bin Muhammad. As forças de Saud foram extremamente longe para obter o comando da cidade santa xiita de Karbala, em 1801. Lá, eles destruíram túmulos de santos e monumentos, que o movimento ultraconservador Salafista, marca do Islã, considerava como sendo atos de politeísmo. Onze anos após a morte de Muhammed bin Abd Al Wahhab, o filho de Abdul Aziz bin Muhammad, Saud ibn Abdul Aziz ibn Muhammad ibn Saud, estabeleceu forças para trazer a região de Hejaz sob seu domínio. Taif foi a primeira cidade a ser capturada, e mais tarde as duas cidades sagradas de Meca e Medina. Isto foi visto como um grande desafio à autoridade do Império Otomano, que havia exercido o seu domínio sobre as cidades sagradas desde 1517.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências