Privatização

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Pode encontrar ajuda no WikiProjeto Economia.

Se existir um WikiProjeto mais adequado, por favor corrija esta predefinição. Este artigo está para revisão desde fevereiro de 2013.

Parte da série sobre

Capitalismo

Portal:Filosofia Portal Filosofia
Portal:Política Portal Política
Portal:Economia Portal Economia
 v  e 

Privatização ou desestatização é o processo de venda de uma empresa ou instituição do setor público - que integra o patrimônio do Estado - para o setor privado, geralmente por meio de leilões públicos. No Brasil, o processo de desestatização consistiu principalmente em tornar o Estado um sócio minoritário, pois grande parte das empresas já eram de capital aberto e negociadas em bolsa de valores e o Estado Brasileiro, através do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, manteve concessões a iniciativa privada.

Índice

Aspectos gerais[editar | editar código-fonte]

Privatização é um processo da concessão ou venda de empresas estatais produtoras de bens e/ou de serviços. Estes podem ou não enquadrar-se como sendo estratégicos e/ou essenciais (por exemplo: fornecimento de água tratada e coleta de esgotos, de energia elétrica, de telefonia fixa, de gás canalizado, e outros). Há também sob a administração do Estado, instituições tais quais o setor de previdência social.

Para se compreender corretamente as privatizações, é necessário retrocedermos alguns séculos às doutrinas econômicas de Adam Smith, uma vez que as privatizações são uma releitura moderna daquela doutrina, como nos aponta Kwamina (1988).[1] Embora a "privatização" possa ter-se constituído num novo burburinho, Pack (1987:532)[2] nos afirma que é importante reconhecer que ela não é um fenômeno novo.

Enquanto para os economistas ortodoxos a privatização representa um conceito hegemônico, outras disciplinas vêem esse fenômeno sob diversos ângulos. Assim, Feigenbaum e Henig (1994)[3] [4] encaram a privatização como um fenômeno fundamentalmente político - e não econômico, administrativo ou fiscal.[4]

Na opinião de economistas liberais, como o "Prémio de Ciências Económicas" Milton Friedman, seus objetivos principais são obter maior eficiência, reduzir despesas e gerar recursos. Para Friedman, os governos deveriam vender suas empresas estatais.

Os que se opõem às privatizações indiscriminadas de serviços públicos essenciais como o de fornecimento de água e coleta de esgotos, e de geração, transmissão e de distribuição de energia elétrica, telefonia fixa, e gás canalizado e outros, argumentam que toda empresa privada tem como principal foco o lucro, e este, muitas vezes, vai de encontro à necessidade de prover à pessoas de baixo poder aquisitivo estes serviços fundamentais.

O Banco Mundial, no capítulo 6 de seu relatório Economic Growth in the 1990s: Learning from a Decade of Reform de 2005, declara que muitos observadores questionam agora se a privatização e a desregulamentação não teriam ido longe demais. A insatisfação atual não está limitada a países como a Confederação Russa, onde uns poucos indivíduos privilegiados e bem relacionados politicamente assenhorearam-se do controle de várias empresas a preços vis. Segundo o Banco Mundial, numa pesquisa conduzida em 2002 em 17 países da América Latina, dois terços dos entrevistados consideraram que "a privatização de empresas públicas não foi benéfica" (43% a mais do que na mesma pesquisa em 1998)".[5]

Formas da privatização[editar | editar código-fonte]

Existem cinco métodos principais de privatização:

  1. Emissão de ações de privatização (SIP) - venda de ações no mercado de ações.
  2. Venda de ativos de privatização - a venda de toda a organização (ou parte dele) para um investidor estratégico, geralmente por leilão ou usando o modelo Treuhand.
  3. Vale-privatização - a distribuição de ações de propriedade de todos os cidadãos, geralmente de graça ou a um preço muito baixo.
  4. Privatização por baixo - startup de novas empresas privadas em países outrora socialistas.
  5. Privatização por concessão - Quando se vende uma cota de exploração de algum recurso do país. Geralmente se trata de licenças de radiofusão ou de exploração mineral.

Escolha do método de venda é influenciado pelo mercado de capitais , política e fatores específicos das empresas. PIS são mais propensos a ser usado quando os mercados de capitais são menos desenvolvidos ou em desenvolvimento e há menor desigualdade de renda . As emissões podem ampliar e aprofundar os mercados de capitais domésticos, aumentando a liquidez e (potencialmente) o crescimento econômico , mas se os mercados de capitais não estão suficientemente desenvolvidas, pode ser difícil encontrar compradores suficientes, e os custos de transação (por exemplo, depreciamento obrigatório) pode ser maior. Por esta razão, muitos governos eleitos para anúncios em mercados mais desenvolvidos e líquidos, por exemplo Euronext , e os de Londres , Nova Iorque e Hong Kong bolsas de valores. Como resultado do maior risco político e moeda dissuadir os investidores estrangeiros, a venda de ativos ocorrem mais comumente em países em desenvolvimento . Vale privatização ocorreu principalmente nas economias em transição da Europa Central e de Leste, como a Rússia , a Polônia , a República Checa e a Eslováquia . Além disso, a privatização abaixo é / foi um tipo importante de crescimento econômico nas economias em transição. Um benefício substancial de partes ou ativo-venda privatizações é que os licitantes competem para oferecer o preço mais alto, criando renda para o Estado, além de receitas fiscais. Privatizações comprovante, por outro lado, pode ser uma verdadeira transferência de ativos para a população em geral, a criação de um verdadeiro sentimento de participação e inclusão. Se a transferência de vales é permitido, um mercado em vales poderiam ser criados, com empresas que oferecem dinheiro para pagar por eles.[6]

História[editar | editar código-fonte]

A história da privatização provavelmente inicia na Grécia Antiga, quando os governos contratavam quase tudo do setor privado.[7] Na República Romana indivíduos e empresas privadas realizavam a maioria dos serviços, incluindo a cobrança de impostos sobre a agricultura, fornecimentos ao Exército e construção de vias públicas. No entanto, o Império Romano também criou empresas estatais. Alguns estudiosos sugerem que o custo da burocracia foi uma das razões para a queda do Império Romano.[7]

Talvez um dos primeiros movimentos ideológicos para a privatização veio durante China na idade de ouro da dinastia Han. O Taoísmo entrou em destaque pela primeira vez em nível estadual, e defendeu o o laissez-faire princípio do Wu wei (无为), que literalmente significa "não fazer nada".[8] Os governantes foram aconselhados pelo clero taoístas, que um estadista forte deveria ser praticamente invisível. Durante o Renascimento, a maior parte da Europa estava ainda em grande parte seguindo o modelo econômico feudal. Por outro lado, a dinastia Ming na China começou mais uma vez a prática de privatização, especialmente no que diz respeito às suas indústrias. Esta foi uma inversão das políticas anteriores da Dinastia Song, que preferiu um controle estatal mais rigoroso.[9]

Uma das primeiras privatizações do século XX na Europa aconteceu sob o governo bolchevique na Rússia, quando em dezembro de 1922 durante a abertura do 10o Pan-Russian Congress of Soviets em Moscou foi lido o relatório preparado por Lênin citando que um novo programa econômico seria implantado (NEP), no qual seriam privatizados o comércio interno, as pequenas indústrias e o setor agrícola, permanecendo sob o controle estatal o comércio com o exterior, a indústria pesada e os bancos.[10] [11] [12] No congresso foi anunciado que 25 concessões tinham sido aprovadas, incluindo concessões para exploração de petróleo e que outras 250 estavam em fase de estudo.[13] Lênin citou que:

É de vital importância concluir estes acordos porque a nossa crise econômica e tão grande que sozinhos não conseguiremos reabilitar a nossa economia.[14]

O 10o Congresso foi acompanhado por liberações econômicas e a introdução de uma economia mista no qual foi privatizado o comercio interno, as pequenas indústrias e parte do setor agrícola.[15] [16]

Posteriormente a "doutrina da privatização" foi praticada e promovida pelas administrações Ford, Carter e Reagan nos Estados Unidos e pela administração Thatcher no Reino Unido[1] [4] [17] e utilizada pela administração de Benito Mussolini na Itália para balancear o orçamento público[13] [18] e pela administração Adolf Hitler na Alemanha, ao ser implementada dentro de um aumento do controle do Estado através de regularizações e influencia política.[19]

Privatização no Brasil[editar | editar código-fonte]

Manifesto contra a privatização da CLIN em Niterói

Balanço geral[editar | editar código-fonte]

As privatizações surgiram durante o Regime Militar,[20] [21] chegando ao auge durante a era FHC.[22] No período de 1991 a maio de 2000, ocorreu no Brasil a privatização de 65 empresas e participações acionárias estatais federais nos seguintes setores: elétrico, petroquímico, de mineração, siderúrgico[23] , portuário, financeiro, de informática e de malhas ferroviárias. Muitos Estados e Municípios foram compelidos pelo Governo Federal, mediante condicionamentos financeiros, a privatizar seus ativos; assim foram privatizados no Rio de Janeiro a Banerj[24] na Paraíba a Paraiban e em São Paulo a Fepasa, a Telebrás e o Banespa, este último sob protestos do então governador Mário Covas.[25]

Até maio de 2000, o conjunto de privatizações, incluídas as empresas constantes do PND, o setor de telecomunicações e empresas estatais dos Estados, gerou receita total de 91,1 bilhões de dólares, inclusive débitos transferidos. No Brasil se privatizou desde aeroportos,[26] estradas[27] , previdência do funcionarismo público,[28] ensino superior[29] , até reservas de petróleo.[30] .

Privatizações na Alemanha[editar | editar código-fonte]

O governo alemão já tinha iniciado o processo de concessão pública desde a 1983, mas só nos anos 90 que se intensificou a privatização de setores como industria, elétrico, aeroportuário, habitacional, de crédito e saneamento básico, com o fim do comunismo na Alemanha Oriental.Também vendeu ações da Volkswagen, da VEBA (setor elétrico e indústria química) e da Deutsche Lufthansa (aviação)[31]

Privatizações no Reino Unido[editar | editar código-fonte]

O Reino Unido de Margaret Thatcher foi, logo após o Chile de Pinochet, uma das primeiras nações a adotar uma política de privatizações. Houve um grande sucesso na privatização dos setores de gás, eletricidade e telecomunicações. Algumas de suas experiências resultaram em fracasso, como - na área previdenciária - a que eliminou os benefícios previdenciários públicos governamentais e os substituiu por contas de poupança, geridas pela iniciativa privada. Isso porque os custos e riscos de manter contas de investimentos privados superam os lucros que eles podem ter. Na média as tarifas bancárias e taxas de administração podem reduzir o valor das pensões em 30% na aposentadoria. As instituições de poupança, que vendem esses planos privados, reconhecem esse fato.[32]

A privatização das ferrovias britânicas, levada a efeito entre 1994 e 1997 por John Major, primeiro ministro que sucedeu Margaret Thatcher, do mesmo Partido Conservador, resultou num caos[33] no serviço de transportes ferroviários britânico, e gerou custos substancialmente maiores em subsídios governamentais do que eram incorridos antes da privatização.[33] A privatização da distribuição de água gerou aumentos de tarifas de 100 a 200%, e vociferantes protestos da população britânica.[33]

O programa de privatizações de serviços públicos do Reino Unido fornece-nos amplas informações acerca das privatizações e de suas consequências. "Os resultados obtidos foram muito variados, indo desde um grande sucesso na privatização dos setores de gás, eletricidade e telecomunicações até um verdadeiro caos criado pelas privatizações das ferrovias (britânicas), e uma insatisfação pública generalizada em relação à privatização da distribuição de água."[33]

O setor de distribuição de água é o exemplo mais próximo que existe da definição ideal de "monopólio natural" dos livros texto de economia. A infraestrutura necessária é especializada e cara. Sua duplicação por potenciais competidores teria custos proibitivos, o que impede que se possa contar com a competição normal para manter razoáveis os preços, e a qualidade do serviço prestado. No Reino Unido, "o principal resultado (da privatização da distribuição de água) foi um forte e vociferante descontentamento do público com as empresas privadas. As tarifas de água subiram de 100 a 200 por cento (simultaneamente o valor médio das ações das 25 empresas privatizadas de distribuição de água subiu 1000% em bolsa, ou seja, dez vezes)".[33]

No Reino Unido, a comparação do desempenho das empresas privadas com o sistema anterior foi distorcida pela ocorrência de duas severas secas. As empresas privadas investiram na redução de vazamentos do sistema e na expansão da capacidade de distribuição; uma melhora importante foi a redução de perdas por vazamentos.[33]

Privatizações na América Central e Caribe[editar | editar código-fonte]

A totalidade dos países da região da década de 70 em diante, com exceção da Costa Rica, tem praticado concessões públicas a empresas privadas.[34]

Privatizações em Cuba[editar | editar código-fonte]

O governo cubano em 2010 privatizou clínicas de estética e barbearias.[35] Em 2014, privatizou a empresa pública de táxis.[36] Atualmente o setor privado emprega 436 mil pessoas na Ilha.[37]

Privatização na Índia[editar | editar código-fonte]

O governo da Índia na década de 90 privatizou a estatal de petróleo e gás ONGC,[38] o setor de energia elétrica[39] , do setor aeroportuário[40] [41] , o setor de turismo,[42] de transportes e o de telecomunicações.[43]

Neoliberalismo no Chile[editar | editar código-fonte]

O Chile, quando da vitória de Pinochet, em 1973, adotou um plano de ação chamado de O Ladrilho[44] — que fora preparado pelo candito da direita, com o auxílio de um grupo de jovens economistas, chamados pela imprensa internacional da época, os Chicago Boys, provenientes da Universidade de Chicago. Este documento continha os fundamentos do que, depois, viria a ser chamado de neoliberalismo, um movimento político-ideológico que adotou as privatizações de empresas estatais como uma de suas principais bandeiras.[45] No Chile, a súbita privatização dos recursos hídricos resultou num alto grau de monopolização do suprimento de água pelas geradoras de energia elétrica, em detrimento do setor agrícola e do abastecimento das cidades que "precisam pagar preços exorbitantes pela ampliação no fornecimento de água".[33]

Privatizações no continente africano[editar | editar código-fonte]

Na primeira metade da década de 1980 mais de 227 empresas foram privatizadas em toda a África. Três quartos dos quais foram localizados em apenas seis países, cinco dos quais estavam na África Ocidental (Costa do Marfim, Gâmbia, Guiné, Níger e Togo). Ao final de 1980, 12 dos 18 países francófonos tinham programas de empresas públicas no lugar. Entre 1988 e 1993, o governo nigeriano eliminados de 55 empresas estatais de pequena escala (EPP). Em Gana, 159 empresas estatais foram vendidos ou liquidados entre 1991 e 1995. No total, estima-se que 847 privatizações foram realizadas na África Ocidental entre 1980 e 1995.[46] O governo de Camarões concedeu licença para exploração de petróleo para a empresa francesa ELF.[47] O Egito empreendeu privatização generalizada no governo do presidente Hosni Mubarak de empresas de tecelagem e a empresa foi vendida para Shebin,[48] e serviços básicos, como saneamento básico.[49] Depois de sua derrota na revolução de 2011, a associação das empresas recém-privatizadas com o capitalismo de compadrio do antigo regime, juntamente com o novo visual no longo purulentas trabalhistas e de estado policial questões levaram a pedidos de re-nacionalização.[50]

Privatizações na Tailândia[editar | editar código-fonte]

Durante a gestão Thaksin Shinawatra através de acordos com a ASEAN e a APEC, vendeu a estatal petrolífera PPT, medida criticada pela população.[51] Posteriormente na gestão da Yingluck Shinawatra, ocorreu manifestações que colocaram a re-estatização da empresa em pauta.[52] [53] [54]

Privatizações na Argentina[editar | editar código-fonte]

A YPF que foi a primeira estatal petrolífera do mundo foi privatizada por Menen em 1992. Posteriormente na gestão de Cristina Kirchner em 2012 por consequência de uma crise cambial, foi re-estatizada.[55]

Privatizações no México[editar | editar código-fonte]

Foi iniciado nos anos 90 um processo de desestatização da energia elétrica da extração, comercialização e refinamento do petróleo, o que gerou uma degradação das condições de trabalho e uma maior interferência da empresa na política latino-americana.[56] Sendo o primeiro país a estatizar a produção de petróleo ao lado da Argentina, o governo terceirizou a extração e o refino, ficando apenas com a comercialização dos derivados. [57]

Privatizações no Oriente Médio e África Saariana[editar | editar código-fonte]

Apesar do islã condenar a privatização,[58] [59] uma série de governos de países de maioria islâmica tem praticado essa atividade. Os governos argelino e iemenita tem praticado concessões desde 2005 no setor de saneamento básico nas principais cidades do país[60] [61] [62] enquanto países do golfo tem privatizado suas indústrias e setor aeroportuário.[63] [64] Em 2000, o governo sírio tem privatizado fazendas estatais e hidrelétricas ao largo do Rio Eufrates.[65] O governo tunisino desde 1989 tem privatizado empresas de turismo, setores têxteis, materiais de construção, agro-negócio, telecomunicações, indústria e transportes, levando a encerrar o século 20 com 44,5 milhões de dólares de receita pelos leilões.[66] [67] [68] [69] [70]

Privatizações no Iraque[editar | editar código-fonte]

Emenda 39 estabeleceu o quadro para a privatização total no Iraque, com exceção de "extração primária" do petróleo, e permitiu que 100% de propriedade estrangeira de bens iraquianos. A lei do petróleo do Iraque é uma proposta de peça de legislação submetida ao Conselho de Representantes iraquiano em maio 2007.[71]

O governo iraquiano ainda não chegou a um acordo sobre a lei. Em junho de 2008, o Ministério do Petróleo iraquiano anunciou planos para ir em frente com pequeno ou dois anos os contratos sem licitação para a Exxon Mobil , Shell , Total de e BP - uma vez que os parceiros da Companhia Petrolífera Iraquiana - junto com a Chevron e as empresas menores para fazer a manutenção do Iraque maiores campos.[72] Estes planos foram cancelados em setembro porque as negociações tinham parado por tanto tempo que a obra não pôde ser concluída dentro do prazo, de acordo com o ministro do Petróleo iraquiano , Hussain al-Shahristani . Vários senadores dos Estados Unidos também havia criticado o acordo, argumentando que estava dificultando os esforços para aprovar a lei de hidrocarbonetos.[73]

O governo de transição da Bremer apresentou valores próximos ao governo de George W. Bush , como o empresário indústria lobista Dan Amstutz , que estava encarregado de política agrícola no Iraque.

Privatizações na Turquia[editar | editar código-fonte]

O governo turco, desde o início da era Erdoğan tem ganho 10 bilhões com a arrecadação de dinheiro em rodadas de leilões de empresas estatais.[74] O governo Erdogan também tem privatizado estradas e telefonia fixa.[75] [76]

Neoliberalismo no Irã[editar | editar código-fonte]

Apesar da constituinte do Irã restringir a privatização, 80% dos bens estatais já foram privatizados.[77] O processo começou em 1989 com o primeiro-ministro Hashemi Rafsanjani.[78]

Governo Mohammad Khatami[editar | editar código-fonte]

Durante seu governo, se reabriu a bolsa de valores de Teerã em 2004.[79]

Governo Ahmadinejad[editar | editar código-fonte]

O primeiro-ministro massificou a privatização das indústrias do governo, justificando que elas não estavam competitivas e passou a emprestar dinheiro para empresas interessadas cobrirem os valores das licitações.[80] [81] Posteriormente, foi anunciado em 2010 um plano que tem como objetivo levantar 12,5 bilhões de dólares por meio da privatização de mais de 500 empresas estatais[82] , inclusive no mercado de seguros.[83]

Privatização no Japão[editar | editar código-fonte]

Uma grande privatização em curso, da Japan Post , envolve o serviço postal japonês e o maior banco do mundo. Essa privatização, liderada por Junichiro Koizumi , iniciou-se em 2007, após gerações de debate. O processo de privatização é esperado para durar até 2017. Japan Post foi o maior empregador do país e um terço de todos os funcionários do governo japonês trabalhou para Japan Post. Japan Post foi muitas vezes dito ser o maior detentor de poupança pessoal no mundo. Japan Post foi pensado para ser ineficiente e uma fonte de corrupção. Em setembro de 2003, o primeiro-ministro Junichiro Koizumi gabinete 's propôs dividir Japan Post em quatro empresas distintas: um banco, uma companhia de seguros, uma empresa de serviço postal, e uma quarta empresa para lidar com os correios como lojas de varejo de outros três. Após a Câmara Alta rejeitou a privatização, Koizumi programado eleições nacionais para 11 de setembro de 2005. Ele declarou que a eleição seja um referendo sobre a privatização postal. Koizumi posteriormente ganhou esta eleição, ganhando a necessária maioria absoluta e um mandato para a reforma, e em outubro de 2005, a lei foi aprovada a privatização do Japan Post, em 2007.[84]

Privatizações no Vietnã[editar | editar código-fonte]

De acordo com o último relatório do Ministério das Finanças do Vietnam sobre a reestruturação de empresas estatais, até o final do ano de 2013, 6.376 empresas estatais tinham sido reestruturadas.[85]

Cinqüenta e sete por cento delas foram privatizadas, dezesseis por cento foram transformados em sociedades anônimas uni nominais, seis por cento foram vendidos, enquanto 405 empresas foram dissolvidas e as outras foram reestruturadas de diferentes maneiras, incluindo fusões.[85]

O Ministério das Finanças disse que a maioria das empresas tornou-se mais saudável devido à reestruturação. Entre 3576 empresas que foram reestruturadas, 85 por cento têm maior volume de negócios, quase 90 por cento viram seus lucros aumentarem, e 86 por cento têm contribuído com maiores valores para o orçamento do Estado.[85]

Privatizações nos Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

O governo Obama começou a fazer concessões de exploração do mercado de ensino, criando as chamadas escolas Chater.[86] O governo americano também começou a terceirizar a espionagem pela internet, pelo menos desde a era Bush.[87] O governo também tem privatizado prisões[88] e o serviço postal.[89] Durante o governo Clinton, se privatizou os bancos Fannie Mae e Freddie Mac, além do sistema de transporte[90] e parquímetros de estacionamento.[91]

Privatizações na Europa Mediterrânea[editar | editar código-fonte]

Privatizações na Península Ibérica[editar | editar código-fonte]

Manifestações intensas em reação ao neoliberalismo implantado pela União Europeia e a corrupção ocorreram na Espanha. [92] Em Portugal, durante os anos 80, sob a direção do governo de Aníbal Cavaco Silva, se privatizou o Banco de Portugal durante a Revolução de Abril após se ter uma revisão da constituição portuguesa em 1982.[93] No século XXI, as privatizações chegaram ao auge com medidas da União Europeia[94] a favor de leilões de estatais de saneamento de água,[95] do transporte aéreo[96] e do serviço de correios[97] . Em 1997 se privatizou a EDP.[98] Ainda em 2014, se privatizou completamente a RN e a EGF.[99] [100]

Privatizações na antiga Iugoslávia e Albânia[editar | editar código-fonte]

Em 2002, o governo da Sérvia privatizou a sua estatal de produtos farmacêuticos.[101] O governo bósnio em 1999 distribuiu ações de empresas estatais entre seus cidadãos para pagar as indenizações de guerra.[102] Na Albânia no mesmo ano se privatizou a empresa de telecomunicações AMC).[103] Em 2012, o governo do Kosovo vendeu a empresa de telecomunicações PTK.[104] Em 2014, o governo sérvio privatizou o setor elétrico.[105]

Privatizações na Itália e região dos Alpes[editar | editar código-fonte]

Em 1993, a ENI foi privatizada durante os governos de Carlo Azeglio Ciampi e Giuliano Amato.[106] [107] Ainda na década de 90, se privatizou a ENEL e a IRI.[108] Nos anos 2010, se privatizou durante o governo Silvio Berluscone o grupo estatal Fintecna, que controla os estaleiros Fincantieri, a seguradora Sace e a empresa de prestação de serviços às empresas italianas no exterior Simset.[109] Durante o governo de Matteo Renzi, prosseguiram-se com as privatizações como no caso da antiga estatal Post Italiane.[110] O governo da Áustria também aderiu a esta política pública e tem vendido 2 montanhas na fronteira com a Itália.[111]

Privatizações na Grécia[editar | editar código-fonte]

Seguindo exigência do auxílio do Banco Central Europeu, o governo grego desde 2012 tem executado uma série de rodadas de privatizações.[112] O governo grego também tem vendido ilhas para empresas de turismo de luxo. [113]

Privatizações na França[editar | editar código-fonte]

Sob o governo de Jacques Chirac, se decidiu que o status de propriedade estatal da empresa foi prejudicial para o seu crescimento, e Renault foi privatizada em 1996. [114] Esta nova liberdade permitiu que a empresa se ​​aventurar mais uma vez para a Europa Oriental e América do Sul, incluindo uma nova fábrica no Brasil e melhorias para a infra-estrutura em Argentina e Turquia . Em 2004, o governo francês privatizou a France Telecom, atualmente Orange Telecom.[115]

Privatizações na Rússia, ex-repúblicas soviéticas e Leste Europeu[editar | editar código-fonte]

Rússia[editar | editar código-fonte]

O primeiro projeto de transição para uma economia de mercado, através da privatização em massa de propriedade do Estado, foi proposta no âmbito dos 500 dias , desenvolvido em 1990 por um grupo de economistas liderada por Stanislav Shatalina . Em particular, a 1 de Setembro de 1990, os "500 dias" e 20 projetos de leis foram elaboradas, aprovado pelo Conselho Supremo da Rússia e submetido ao Soviete Supremo da URSS . No nível federal, no entanto, o programa foi rejeitado. 24 de dezembro de 1990, após a lei da Federação Russa N 443-1 «Na propriedade no RSFSR" na Rússia foi legalizada a propriedade privada. Há (artigo 25), foi consagrado na lei o conceito de privatização como a transferência de propriedade estatal ou municipal para a propriedade privada.[116]

03 de julho de 1991 aprovou uma lei federal "Sobre a privatização de empresas estatais e municipais na Federação da Rússia", segundo a qual a privatização da propriedade estatal organizada pelo Comitê Estadual da Federação da Rússia sobre a Gestão do Patrimônio do Estado ( GKI Rússia ).[117] Em novembro de 1991, o presidente da Comissão de Propriedade do Estado foi nomeado Anatoly Chubais.[118]

A Privatização tem sido contraditória. O formato da privatização foi em grande parte o resultado de um compromisso entre o Governo e o Conselho Superior, tendo em conta a adotada em diferentes momentos do estatuto e os interesses dos vários grupos de interesse. Embora Gaidar e Chubais não eram originalmente partidários do vale-privatização, oferecendo a abandoná-lo em favor da privatização gradual por dinheiro [119] . No entanto, a Lei da Rússia "Na privatização de empresas estaduais e municipais" 03 de junho de 1991, desde usando privatização privatização contas registradas. A desvantagem desta solução foi a sua vulnerabilidade à corrupção: tendo em conta o direito de preferência para adquirir os trabalhadores das empresas de suas ações, diretores, usando a pressão sobre os trabalhadores teria ampla oportunidade de assumir o controle das empresas. Como um compromisso entre a posição do Conselho Supremo e cheques do governo foram anônimos (que se aproxima de esquema de privatização do mercado), o direito coletivo de emprego e os direitos do consumidor.[120]

No entanto, os ideólogos da privatização têm observado repetidamente [121] [122] [123] que a emissão rápida de vales foi, precisamente, para que limite a capacidade de "diretores vermelhas" em lobby e privatização ainda mais rentável para eles esquemas. Em novembro de 2004, Anatoly Chubais, em entrevista ao Financial Times , disse: "Os líderes comunistas tinham enorme poder - político, administrativo, financeiro ... tivemos de se livrar deles, mas nós não temos tempo para isso. C não foi por meses, e os dias"[124] . A Quantidade de dinheiro que foi para que o governo era cerca de 1,85% da receita do orçamento federal. [125] O chefe do ministério da privatização afirmou que "subestimou os preços de privatização, mas não havia escolha, pois as eleições estavam chegando em 1996 e se não adiantasse os leilões, os comunistas iriam ganhar e seria a última eleição livre da Rússia".[126] [127] [128] Atualmente 80% dos russos lamentam a privatização.[129] O prêmio nobel Joseph Stiglitz, afirmou que que existiu um papel que os americanos exerceram na corrupção da Rússia veladamente por conta da privatização.[130]

Embora variante a 25% do capital foi transferido para o pessoal de graça, limitado a 20 por pessoa, o salário mínimo levou ao fato de que, na prática, essa proporção caiu para 10% ou menos. Além disso, os funcionários da empresa (e da força de trabalho e gestão de montado) normalmente têm medo de perder o controle sobre a empresa, e procurou manter o controle acionário em suas mãos. Em conexão com isso, 70-80% das empresas escolheram a opção 2, deixando-os 51% das ações, enquanto a popularidade de opções 1 e 3 foram significativamente menores (21% e 1%, respectivamente).[131] Em abril de 1992, o primeiro leilão das empresas de comércio, doméstico da Rússia foi efetuado em Nizhny Novgorod. e Gaidar e Chubais saíram vencedores da licitação. Em 1 de novembro de 1994, 70% da economia foi privatizada.[132]

Desde novembro de 1991, uma fase de privatização acelerada. Foi com base no Decreto No.341 do presidente da Federação Russa de 1991/12/29, aprovou o "Resumo do programa de privatização de empresas estaduais e municipais, em 1992".[133] [134] [135] [136] Em junho de 1992, o Soviete Supremo da Federação Russa foi aprovado pelo Programa Estadual de Desestatização para 1992, que definiu as formas possíveis para a privatização das empresas, dependendo do seu tamanho.[137]

A maioria das pessoas vale-se, portanto, a maioria das ações ferida sendo adquirida pela gestão das empresas, não via privatização, e estas empresas ganharam com isto. Embora a legislação privatização inicial da Rússia atraiu amplo apoio popular dado sua promessa de distribuir a riqueza nacional entre os funcionários públicos e comuns gerais das empresas privatizadas, eventualmente, o público se sentiu enganado.[138]

A privatização do setor de petróleo foi regulamentada pelo Decreto Presidencial № 1403 aprovado em 17 de novembro de 1992. Empresas verticalmente integradas foram criadas juntando algumas empresas e refinarias produtoras de petróleo em sociedades por ações aberta. A partir de 1994 muitos ex-companhias petrolíferas estatais foram privatizadas. Essa privatização foi parcial porque o governo federal tem obtido posições acionárias em diversas empresas e também reteve o controle total sobre o transporte de petróleo para os mercados mundiais lucrativos.[139]

Em dezembro de 2010 o presidente russo, Dmitry Medvedev ordenou governos regionais para decidir sobre a privatização de ativos não essenciais até julho de 2011. Arkady Dvorkovich , em seguida, um assessor econômico do Kremlin, disse privatizações regionais poderiam ascender a vários milhares de milhões de rublos em 2011, e as autoridades regionais deve priorizar a venda de empresas de serviços públicos, instituições financeiras, de produção e ativos de transporte e os meios de comunicação.[140]

Em maio de 2012, depois de se tornar primeiro-ministro, Medvedev disse que a Rússia deve cumprir o seu programa de privatizações, independentemente da volatilidade do mercado.[141]

Depois de uma sessão do Fórum Econômico Mundial, em outubro de 2012, Medvedev disse: "É vital para o nosso país para continuar o curso para a privatização". Ele ressaltou que tinha assegurado participantes na sessão do Fórum Econômico Mundial, que "não quer ver uma economia totalmente controlada pelo Estado".[142] Em outubro 2010, o governo russo aprovou um plano para privatizar a uma ampla gama de propriedade do estado de energia para agricultura e bancário para o transporte.[143]

Ucrânia[editar | editar código-fonte]

Durante os anos 90, o governo da Ucrânia vendeu sua participação no setor energético[144] e em 2012 vendeu sua estatal de mineração.[145]

Países Bálticos[editar | editar código-fonte]

Estônia[editar | editar código-fonte]

O processo de privatização da Estônia foi iniciado com a promulgação da Lei de Pequena Escala Privatização de 13 dezembro de 1990, que lançou as bases para uma reforma mais geral dos direitos de propriedade. O enquadramento legal para a privatização de grandes empresas foi, em vez traçada em 1992, com a promulgação da Lei de Privatização. As maiores empresas privatizadas foram a Porto Tallinn, Estônia Telecom e empresas que cuidavam de aeroportos, ferrovias e o setor energético. Se privatizou a Eesti Telekom (Estonian Telecom) no início de 1999 junto da privatização da parte de transporte de passageiros de Eesti Raudtee (Estónia Railways), que havia sido desmembrada para uma empresa separada. Em julho de 2000, o Banco da Estónia (o banco central) vendeu sua 50,4 por cento de participação no Banco Optiva a empresa finlandesa Sampo Finance Ltd. Em 2001, a principal companhia ferroviária da Estónia foi vendida para um consórcio internacional. No entanto, a venda das plantas Narva de energia para uma empresa dos EUA entrou em colapso, e as renovações das plantas será financiada através de empréstimos internacionais a longo prazo e um empréstimo do BIRD por Estonian Energy, uma empresa pública. [146] O PIB teve uma queda inicial em 1991 e 1992 de respectivamente 14% e 15%.[147]

O objectivo prioritário foi considerada atrair capital de investidores estrangeiros. Os métodos prevalentes no processo foram de venda direta com a licitação (leilão em que participaram concorrentes selecionados) ea venda de participações minoritárias em empresas especialmente importante. O método de privatização em massa por meio de vales foi julgado apenas começando no final de 1994 e tinha uma natureza residual. Os critérios de distribuição de vouchers tomou conta do trabalho de antiguidade dos cidadãos e dos direitos de propriedade sobre os ativos expropriados pelo antigo regime, concedendo aqueles a quem não foi possível para devolver os bens expropriados o direito de preferência.

Pois o que se refere aos atores institucionais responsáveis ​​por desinvestimentos, a privatização em pequena escala foi realizada por uma divisão especial do Ministério da Economia (o Departamento de Propriedade do Estado), enquanto as operações de maior escala foi confiada à Agência de Privatização da Estônia (EPA ), criado em 1993 por meio da fusão do referido Departamento do Patrimônio do Estado com a privatização das empresas da Estônia criada em 1992. A alienação das empresas do setor de energia, dada a sua importância estratégica, em vez foi tratado diretamente pelo Ministério da Economia.

Iniciada sob o governo de direita liberal de coalizão, o processo de privatização foi uma escolha substancialmente bipartidário, e continuou no período 1995-1999 com o governo de centro-esquerda liderada pela União Party-Rural Coalition (KMU). Em 1995, em todo caso, quase 90 por cento das empresas estatais já haviam sido privatizadas. Em geral, de 1993 a 2000, além da privatização de pequena escala, mais de 500 empresas estatais de tamanho médio passou para mãos privadas, com o resultado de hoje, o processo pode ser considerado em grande parte completa (a EPA foi liquidada em No final de 2001).

Uma das maiores operações do processo Estoniano foi a venda do principal operador de telecomunicações, Eesti Telekom , em 1999 (49 por cento das ações vendidas para EUA $ 222 milhões através de uma oferta pública nacional e internacional).

No domínio dos transportes, além da venda de Estonian Air , a companhia aérea nacional em 1996 (66 por cento das ações vendidas, das quais 49 por cento para a Dinamarca Maersk Air, para um investimento total estimado em cerca de EUA US $ 4 milhões), 70 por cento dos a Estonian Shipping Company (RAS Eesti Merelaevandus) foi vendido por cerca de EUA $ 50 milhões a um / consórcio norueguês americana formada por Tschudi & Eitzen Ltd, Báltico Cresco Investment Group, Stanton Capital Corporation, Epeks Ltd e gestão em 1997. Os 30 por cento de participação remanescente foi vendido dois anos depois para o mesmo consórcio para EUA $ 21 milhões. Além disso, 66 por cento dos estonianos Ferrovias (2001) foi para bálticos Rail Services para EUA $ 57,4 milhões.

Na área de serviços públicos, a maior operação foi a venda de 50 por cento dos Tallina Vesi , uma empresa que fornece serviços de água aos clientes em Tallinn, por cerca de EUA $ 83 milhões para o grupo International Water. Outras operações consideráveis ​​incluído Tartu Keskkatlamaja , a concessionária de energia municipalizada da cidade de Tartu, vendido para EUA $ 12,62 milhões para AS Kotka Energy Holding; a venda total de AS Läänemaa Elektrivõrk , para EUA e US $ 5 milhões para a Finlândia IVO Energia SA; as vendas de 49 por cento dos AS Narva Elektrivõrk , para EUA US $ 4 milhões a um consórcio Estonian-americano. No setor de energia, a venda de 100 por cento do Esoil.[148]

Lituânia[editar | editar código-fonte]

A primeira rodada de privatização na Lituânia foi lançado em setembro de 1991. Propriedade do Estado foi vendida através de vales de investimento que foram distribuídos a todos os cidadãos lituanos (privatização em massa). Durante a primeira fase de privatização, 5.714 empresas estatais foram vendidas por 3,4 mil milhões de litas. Quase todas as pequenas empresas e cerca de 60 por cento das empresas industriais inicialmente foram privatizadas através do regime voucher. A primeira fase de privatização, na Lituânia também compreendeu a venda de apartamentos para os inquilinos, os cidadãos da Lituânia. Os vales de privatização foram aceitas como pagamento de 80 por cento do preço. Uma parte significativa do processo de privatização em massa foi concluído no sector agrícola. Cerca de 1.160 empresas estatais, anteriormente conhecido como "kolchozes", foram privatizadas no âmbito da Lei sobre a privatização das empresas agrícolas. A segunda fase de privatização iniciado em julho de 1995, quando o Parlamento aprovou a Lei sobre a privatização da estatal e de propriedade municipal. A segunda fase foi diferente da primeira, em que e propriedade municipal foi vendido por dinheiro para pessoas singulares e coletivas em condições de mercado e em que os investidores locais e estrangeiros tinham direitos iguais na privatização da estatal e de propriedade municipal estatal. A venda de terras começou em 2001.

O Fundo de Propriedade do Estado, criado em 1998, é responsável pela realização de privatização da propriedade estatal. A Comissão de Privatização, que é responsável perante o Parlamento da Lituânia, é acusado de supervisionar a privatização da propriedade estatal e municipal, bem como aprovar os programas de privatização e transações. Os municípios podem privatizar bens municipais por conta própria, para o qual o conselho municipal deve estabelecer uma comissão de privatização para desempenhar as funções. Municípios, no entanto, também pode delegar essas funções para o Fundo Estatal de Propriedade. O processo de privatização é regido pela Lei de Privatização da estatal e de propriedade municipal e uma série de regulamentos relacionados com a privatização . É apoiado pelo FMI crédito stand-by e do Banco Mundial Segundo Empréstimo para Ajuste Estrutural .

Até o final da primeira fase, 88 por cento do total dos ativos colocados à venda haviam sido privatizadas. Em 1998, uma participação de 60 por cento no Lietuvos Telekomas foi vendida para um consórcio de sueca Telia e a finlandesa Sonera por US $ 550 milhões, o maior negócio da privatização até o momento. A partir do final de 2001, um total de 2.605 empresas estatais e outras entidades tinham sido vendidos para um total de 4,15 bilhões LTL ($ 1,2 bilhão). Entre os acordos de privatização mais significativos em 2000 e 2001 foram a venda de 81 por cento das ações da petrolífera explorar e produtora Geonafta, a venda de mais 25 por cento da empresa Telecom Lituânia por uma oferta pública na Lituânia e internacional, e a venda para a empresa Estoniana Hansabank (por sua vez detida pela Swedish Swedbank) da Caixa Econômica lituano. Em 2002, os investidores alemães compraram um terço das ações da Lietuvos Dujos, o utilitário gás Lituânia, e a Lituânia Banco Agrícola foi vendido para o alemão Norddeutsche Landesbank, completando, assim, a privatização do sector bancário.[149] Se privatizou a Akemenes Cementas de construção civil e a Kaunas State Confectionary de alimentos.

A terceira etapa da privatização coincidiu com a vitória de uma nova maioria de centro-direita liderada pela União da Pátria - Conservadores da Lituânia (TS-LK), foi caracterizado pela centralização acentuada dos procedimentos e tem em curso com a promulgação da nova Lei de Privatizações no final de 1997. A nova lei também criou o Fundo Estatal de Propriedade, competente para todas as fases operacionais do processo de desinvestimento. De 1998 a 2000, 1.432 pequenas, médias e grandes empresas foram vendidas por um valor superior a EUA $ 1,30 milhões (em 2000 cerca de 70 por cento do PIB, foi produzido pelo setor privado).

A operação de privatização da Lituânia maior sucesso foi a venda direta em 1998, do monopólio público no domínio das telecomunicações, o Lietuvos Telekomas sociedade por ações, dos quais 60 por cento foram para EUA $ 510,2 milhões a um consórcio formado pela empresa sueca Telia e a finlandesa Sonera. A segunda parcela (35,32 por cento) foi vendida em 2000 por meio de um IPO que trouxe os cofres do Estado um outro EUA $ 179,7 milhões. Outra grande operação foi a venda de 33 por cento da companhia petrolífera 1999 Mazheikiu Nafta para o investidor estratégico americano Williams Internacional no valor de EUA $ 150 milhões. Também no setor de energia foi a venda em 2000 de 81 por cento do estoque de Geonafta ao consórcio internacional Naftos Gavyba (Polónia, Suíça e Lituânia), no valor de EUA US $ 13 milhões. No campo dos serviços públicos, relatamos a venda, por meio de duas operações diferentes em 2002 e 2004, de 70 por cento do Lietuvos Dujos (gás) para quase EUA $ 75 milhões a um consórcio alemão formado por Ruhrgas e E.ON.

No período de dois anos 2000-2001 alienações foram principalmente no setor bancário. Entre as maiores operações foram a venda de 100 por cento do Banco de Desenvolvimento do grupo financeiro finlandesa Sampo-Leonia (para os EUA $ 10,075 milhões) e, em 2001, a venda do Lietuvos Taupomasis Bankas (90 por cento para os EUA $ 37,47 milhões para o banco Estonian AB Hansabank). 2002 viu a venda de 76,01 por cento do Banco Agrícola da Lituânia para um total de EUA $ 17,91 milhões.

Na área de transporte marítimo, três operações significativas devem ser relatados: a privatização de serviços Vesttrans (50 por cento para os EUA $ 130 milhões); a venda de 90 por cento do Klaipeda Stevedoring Co para EUA $ 50 milhões a um consórcio local liderado por Viachema.; ea venda de LISCO (76 por cento para os EUA $ 47,60 milhões) em 2001. A breve mas aguda crise política e institucional vivido pelo país neste período de dois anos levou ao adiamento de numerosos privatizações anunciadas. No verão de 2001, a chegada ao governo dos pós-comunistas do Partido Social Democrata Lituânia (LSDP) não alterou o impulso básico da política econômica, em parte devido à importância dada à conclusão do processo de adesão à União Europeia. Com relação aos desinvestimentos, o objetivo estabelecido pelo "Política Geral de Privatização da estatal de propriedade" de 2002 foi a de completar a privatização da propriedade estatal, garantindo abertura e transparência do processo.

No entanto, apesar do fato de que o novo executivo efetivamente continuou o programa de transferência de pequenas e médias atividades e imóveis, as vendas importantes foram transferidos de volta. O Fundo Lituânia de Propriedade do Estado informou para o período de janeiro a maio de 2004, a venda de 263 propriedades com receitas totais de EUA $ 101 milhões, 109 empresas estatais para os EUA $ 70 milhões, e outras sociedades e empresas detidas por comunidades locais para EUA $ 31 milhões.[150]

Letônia[editar | editar código-fonte]

A privatização da propriedade estatal e municipal da Letônia começou em meados de 1991 com a adoção dos principais princípios da transformação da propriedade estatal. Privatização em massa começou com a introdução de certificados de privatização, em novembro de 1992. O número de certificados que cada requerente tinha direito a era dependente do tempo de residência na Letónia, cidadania e pedidos de restituição contra a propriedade. Com a exceção de pequena escala privatização, quando um 70 por cento estimado de todas as pequenas empresas foram transformados em entidades privadas até o final de 1993, o processo de privatização durante 1991-1993 prosseguiu a um ritmo lento. A situação mudou após a criação da Agência de Desestatização em 1994, que tornou-se o único responsável por implementar a privatização.

A estatal sem fins lucrativos letão Agência de Desestatização (LPA), criado em 22 de abril de 1994, é o principal executor das privatizações de empresas estatais e de propriedade estatal na Letónia. É governado pelo Conselho de Administração nomeado pelo Conselho de Ministros. LPA deve ser liquidada após o processo de privatização esteja concluída. As Comissões Municipais de propriedade de Privatização (regidos pela Lei de Comissões Estaduais e Municipais de propriedade de Privatização) são responsáveis ​​pela privatização da propriedade municipal.

Esquema de privatização da Letónia teve um início lento - http://www.imf.org/external/pubs/ft/fandd/2001/06/zile.htm - mas b y no final de 2000, 97 por cento de todos as empresas e as empresas estatais tinham sido propostas para a privatização, e mais de 1500 acordos de privatização tinha sido assinado. O processo de privatização foi recentemente ganhou impulso e da privatização das empresas está em fase de conclusão, mas algumas grandes empresas, como Ventspils Nafta, ainda estão em mãos do Estado. T ele alienação da Letônia Shipping Company (LASCO) está bem encaminhado. Tentativas anteriores para vender LASCO caiu por causa de divergências sobre preços e a intenção do Governo de manter a golden share. T ele privatização do Latvijas Gaze já foi concluído.[151]

Eslováquia[editar | editar código-fonte]

Localizado no centro geográfico da Europa, Eslováquia ocupa cerca de 40 por cento da área da antiga Federação da Checoslováquia. Ao contrário de Boêmia e Morávia (hoje pertencente à República Tcheca), que foram industrializados no início do século XX, o desenvolvimento industrial da Eslováquia era lento e limitado: em 1918, apenas 17,1 por cento da população activa estava empregada na indústria, enquanto que 60,4 por cento trabalhavam na agricultura e silvicultura.

O fim da Segunda Guerra Mundial levou à fundação da República Popular da Checoslováquia em 1948. Agricultura foi coletivizada na Eslováquia agrária a partir de 1949, ea escolha foi feita para desenvolver a indústria pesada. Apesar da mecanização da agricultura, a produção agrícola diminuiu significativamente devido ao abandono do mundo rural, a eliminação dos kulaks e da oposição dos agricultores, com o resultado de que a produção ainda ficou atrás dos níveis pré-guerra em 1959. As profundas diferenças com Checa República em a organização da produção foram, portanto, elevado: mesmo que muitas indústrias de guerra foram posteriormente concentrada na Eslováquia (65 por cento da produção nacional), a região permaneceu predominantemente agrícola (com 15 por cento da população empregada no sector primário). Como resultado, os eslovacos plantas industriais foram fortemente dependente da energia e matérias-primas de outros países do COMECON.

Após a queda do comunismo, a escolha do governo central liderado por Vaklav Klaus em favor de Thatcher ao estilo "terapia de choque" penalizado a economia mais fraca Eslovaca, alimentando crescentes demandas para a soberania política plena. Além de líderes políticos eslovacos, a maioria dos observadores ocidentais também estavam convencidos de que um programa mais gradual de reformas teria sido mais adequado ao contexto econômico e social do país. Em 1 de Janeiro de 1993, o chamado "divórcio de veludo" (assim chamado para a natureza pacífica e consensual da separação) deu à luz a uma Eslováquia independente.

Em total contraste com Praga, o primeiro governo do pós-comunista Vladimir Meciar escolheu políticas caracterizadas por planejamento centralizado e mantendo indústrias sob controle estatal. Em 1994, a contribuição do setor privado para o Produto Interno Bruto foi de apenas pouco mais de 58 por cento.[152]

Privatizações na China[editar | editar código-fonte]

Em 1992, para tentar superar a decadência de cidades na costa, o governo chinês privatizou elas. Em 1997, o governo chinês autorizou a privatização de quaisquer cidades chinesas se a administração local assim ensejar. Depois foram privatizadas empresas de crédito, transportes, energia e de meios de telecomunicação[153] .

Entre os anos de 1995 a 2001, o número de empresas pertencentes ou controladas pelo Estado diminui de 1.2 milhões para 468 mil, e o número de empregos no setor estatal diminuiu de 36 milhões, de 59% para 32% do total de empregos urbanos.[153]

Efetividade e repercussão[editar | editar código-fonte]

Em alguns países essas vendas são polêmicas, pois setores da sociedade, apoiados por alguns economistas novo-keynesianos, como o "Prémio de Ciências Económicas" Joseph E. Stiglitz[154] acreditam que essas privatizações podem se transformar numa simples "apropriação"[155] [156] das riquezas do Estado por alguns grupos privados privilegiados - que objetivam apenas obter lucro para si, nem sempre com isso aumentando o "bem-estar" da população ou a riqueza do país. O jornalista Elio Gaspari cunhou o neologismo privataria para designar pejorativamente as privatizações brasileiras.[157] O debate entre os defensores das privatizações e seus opositores transcende em muito os limites da teoria econômica pura, enveredando freqüentemente por discursos político-ideológicos ou partidários. O teorema de Sappington-Stiglitz "demonstra que um governo 'ideal' poderia atingir um maior nível de eficiência administrando diretamente uma empresa estatal do que privatizando-a."[158] [159]

Um dos argumentos contra a privatização é de que algumas empresas já são eficientes e geram lucros. Para exemplificar cita-se o fato de a Petrobras,[160] a partir de 1 de dezembro de 2006, ter passado a compor o Índice de Sustentabilidade Empresarial da Bovespa, um seleto grupo que elenca as 34 mais bem administradas empresas brasileiras. É também notório o pioneirismo e liderança mundial da Petrobras na pesquisa e exploração de petróleo em águas profundas. Apesar disso, seus resultados ficaram muito aquém de suas concorrentes internacionais, tendo uma queda de 17% do lucro no ano de 2007 em relação a 2006, o que, segundo a empresa, foi devido ao ajuste no plano de pensão dos funcionários e ao ajuste cambial. Ainda, a empresa caiu 3 posições no ranking mundial de rentabilidade e eficiência montado pela Petroleum International Weeklycom. Das dez principais empresas de petróleo do mundo, apenas quatro não registraram crescimento do lucro em 2007, apesar dos preços recordes do petróleo: a Petrobras, a mexicana Pemex, a venezuelana PDVSA e a russa Gazprom, sendo todas elas estatais.[161] Já o Banco do Brasil apresentou lucro de 6,04 bilhões de reais em 2006.[162] Em 2007, o lucro do Banco do Brasil caiu 16,3%, sendo de 5,1 bilhões. Em comparação o Bradesco aumentou seu lucro em 58,5%, o Santander em 48%, o Itaú aumentou em 96,66% e o Unibanco em 97%. Em contraste, a Caixa Econômica Federal cresceu 5,2%.[163]

A respeito disso, os defensores do livre mercado argumentam que tanto a Petrobras como o Banco do Brasil são empresas de economia mista e não empresas publicas, pertencendo ao Governo apenas o seu controle acionário e, embora a Petrobras[160] e o Banco do Brasil[164] já fossem empresas eficientes e bem-sucedidas a nível mundial, nem todas as estatais brasileiras atingiram, ainda, esse nível de qualidade na sua gestão corporativa.

Em 2006, as empresas estatais federais do Brasil não privatizadas[164] contribuíram, positivamente, com 2,38 bilhões de reais para a redução do déficit do governo central.[165] A Petrobras cresceu 33% em 2006, chegando ao valor de mercado de R$ 230 bilhões.[166] Em 2009 a Petrobras foi a segunda empresa mais lucrativa das Américas, atrás apenas da Exxon Mobil.[167] Feito repetido em 2010, com uma alta de 17%.[168]

Alguns setores apontam que esse número teria sido quase o dobro se o controle acionário da Vale ainda fosse detido pelo Tesouro Nacional do Brasil. No entanto os lucros da Companhia Vale do Rio Doce eram três vezes menores antes de sua privatização.[169] Contribuiu para isso a alta de 123,5% no preço internacional do minério de ferro, ocorrida entre 2004 e 2006..[169] Atualmente, a Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil, detém 58,1% da Valepar S.A., controladora da Companhia Vale do Rio Doce. Esta por sua vez detém 52,70% das ações com direito a voto. O Estado Brasileiro, através do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, detém 6,71% das ações com direito a voto. Assim, é correto dizer que seu controle está não nas mãos do governo, mas ainda em mãos de trabalhadores brasileiros.

Setores que dão importância aos valores sociais argumentam que não se pode esquecer que a eficiência é só uma das facetas dessa questão. E o que importaria, em última análise, é saber qual seria o "real benefício" que a população de um país efetivamente obtém de uma determinada atividade econômica. Quanto a isto Friedman argumenta que:

(...)"Existem só quatro maneiras de uma pessoa gastar seu dinheiro. (…) Finalmente eu posso gastar o dinheiro dos outros com alguma outra pessoa. E se eu gasto o dinheiro de alguém com outro alguém, eu não me importo com o resultado. E isso é o Governo. E isso é cerca de 40% do PIB" (Milton Friedman).[170]

Cita-se, como exemplo o Chile, que vendeu metade de suas minas de cobre. As minas administradas pelo governo do Chile têm-se revelado tão eficientes quanto as que foram vendidas, confirmando assim, na prática, as conclusões matemáticas comprovadas pelo teorema Sappington-Stiglitz.[158]

Segundo Stiglitz, como uma parte dos lucros obtidos pelas minas vendidas às multinacionais é enviada ao exterior - sob forma de dividendos - enquanto os lucros das minas estatais são re-investidos no Chile, a população daquele país se beneficia muito mais das riquezas extraídas pelas minas ainda em poder do governo.[171]

David Martimort e Stéphane Straub, acadêmicos da Institut Universitaire de France e Universidade Edinburgh, respectivamente, construíram um modelo estatístico para analisar como a propriedade publica e privada afetam políticos corruptos a fechar contratos paralelos com firmas. A conclusão final foi de que dependendo dos custos comparativos dos fundos públicos versus os custos crescentes dos serviços públicos, privatização implica mais investimento, mais eficiência, porém mais corrupção ainda.[172]

Para os que esposaram as teses defendidas no Consenso de Washington,[173] as privatizações foram consideradas um "marco na superação da 'ineficiência administrativa' em setores-chave como o telefônico, a mineração e os transportes". Para seus defensores, "as privatizações possibilitam um alívio para as contas públicas, ao mesmo tempo em que resultam na submissão das companhias às regras de mercado, consideradas pelos neoliberais superiores às da administração pública".

Opinião pública[editar | editar código-fonte]

Enquanto a avaliação de privatização na América Latina pelos economistas é geralmente favorável,[174] as pesquisas de opinião e protestos públicos em diversos países sugerem que a grande maioria dos cidadãos está insatisfeita ou tem visões negativas da privatização na região.[175]

No início da década de 1990, a privatização era vista como um elixir que rejuvenesceria infraestruturas letárgicas e ineficientes e revitalizaria economias estagnadas. Na década passada, entretanto, a privatização foi vista de forma cética e hostil na América Latina. Pesquisas de opinião pública, revelaram uma crescente insatisfação com o modelo de privatizações. No ano de 2002, 90% dos argentinos, 80% dos chilenos, 78% dos bolivianos, 72% dos mexicanos, 70% dos nicaraguenses, 68% dos peruanos e 62% dos brasileiros pesquisados desaprovaram as privatizações.[176]

A questão dos "monopólios naturais"[editar | editar código-fonte]

Ver também: Monopólio#Monop.C3.B3lio_Natural

Uma das questões mais difíceis de serem equacionadas quando se adota um programa de privatização é a existência das atividades econômicas que se constituem em "monopólios naturais", também chamados de "monopólios de rede" (Network effects).

Os principais "monopólios naturais" são: fornecimento de água tratada e saneamento básico (esgotos), de energia elétrica, de gás encanado, de telefonia fixa, transporte urbano sobre trilhos (metrô) e algumas ferrovias, entre outros.

Estes setores têm em comum certas características: são fundamentais para a vida econômica e social de uma sociedade, apresentam significativas "externalidades" (isso é, qualquer transação feita entre dois indivíduos afeta um terceiro, ou a própria coletividade - beneficiando-os ou prejudicando-os), exigem grandes investimentos, de longo prazo de maturação, que são específicos para cada atividade - isso é, não são "recuperáveis".

Argumentos contra e a favor da privatização[editar | editar código-fonte]

Contra[editar | editar código-fonte]

  1. A motivação por lucro move a maioria do dinheiro para o topo.
  2. Privatizações atendem pessoas com dinheiro, o setor público atende todo mundo.
  3. Privatizações tornam necessidades básicas humanas em produtos.
  4. Sistema público fomenta uma classe média forte.
  5. O setor privado tem incentivos para falhar ou absolutamente incentivo nenhum.
  6. Com sistemas públicos, não temos que ouvir devaneios de "iniciativas individuais"
  7. As privatizações nem sempre resultam em liberdade de mercado, podendo fortalecer uma aristocracia ligada ao Estado.[177] [178]
  8. As privatizações pioram os serviços e ao invés de reduzir o custo para o Estado, aumenta as despesas.[179] [180]

A favor[editar | editar código-fonte]

  1. As estatizações criam conflitos.
  2. O estado viola as liberdades individuais.
  3. Reduz a cobrança de impostos para sustentar bens públicos.
  4. Aumenta a segurança das ruas.
  5. Os bens públicos passam a ter melhorias conforme necessidade de seus donos.[181]

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b PANFORD, Martin Kwamina.
  2. PACK, Janet Rothenberg Pack. Privatization of Public Sector Services in Theory and Practice. Journal of Policy Analysis and Management 6.4, setembro de 1987.
  3. Harvey B. Feigenbaum; Jeffrey Henig, Chris Hamnett (13). Shrinking the State: The Political Underpinnings of Privatization. (HTML) (em Língua inglesa). Politicos.com.uk. Politicos.com.uk. Página visitada em 30 de março de 2014.
  4. a b c CHAMBERLIN, J.R. e JACKSON,J.E. Privatization as Institutional Choice. Journal of Policy Analysis and Management. 6(4, 1987):586-604.
  5. Gobind Nankani (13). Economic Growth in the 1990s: Learning from a Decade of Reform (HTML) (em Língua inglesa). Banco Mundial. Banco Mundial. Página visitada em 30 de março de 2014. "capítulo 6"
  6. Hans-Hermann Hoppe (6). O fundamento lógico para a privatização total (HTML) (em português). Instituto Ludwig Von Mises. Instituto Ludwig Von Mises. Página visitada em 30 de março de 2014.
  7. a b International Handbook on Privatization by David Parker, David S. Saal; Edward Elgar Publishing Ltd; (2005); ISBN:978-1845422813
  8. Li & Zheng 2001, p. 241
  9. Bouye, Thomas M., Manslaughter, Markets, and Moral Economy; Cambridge University Press; (2006); ISBN: 978-0521027816
  10. New Economic Policy (NEP) (HTML) (em Língua inglesa). Encyclopedia Britannica. Encyclopedia Britannica (13). Página visitada em 30 de março de 2014.
  11. Lewis Siegelbaum (13). 1921:The New Economic Policy (HTML) (em Língua inglesa). Soviet Story. Soviet Story. Página visitada em 30 de março de 2014.
  12. History: The NEP (HTML) (em Língua inglesa). BBC. BBC (13). Página visitada em 30 de março de 2014.
  13. a b GERMÀ BEL (13). [http://cadmus.eui.eu/bitstream/handle/1814/12319/RSCAS_2009_46.pdf?sequence=2 FROM PUBLIC TO PRIVATE: PRIVATIZATION IN 1920'S FASCIST ITALY] (PDF) (em Língua inglesa). ROBERT SCHUMAN CENTRE FOR ADVANCED STUDIES. European University Institute. Página visitada em 30 de março de 2014.
  14. Lenin (13). Tenth Congress of the R.C.P.(B.) (HTML) (em Língua inglesa). ROBERT SCHUMAN CENTRE FOR ADVANCED STUDIES. European University Institute. Página visitada em 30 de março de 2014.
  15. Archie Brown. "The Rise & Fall of Communism" (em inglês). London: Vintage Books Ltd, 2009. Capítulo: 4. , p. 58-59. ISBN 978-1-845950675 The Tenth Congress was accompanied by economic liberalization…The Party introduced a form of mixed economy, with an overwhelming private agriculture, plus legalized private trade and small-scale private manufacturing.
  16. Alec Nove. "An Economic History of the U.S.S.R.". Harmondsworth: Pelican, 1972. p. 85-86. ISBN 978-0140214031
  17. (Chamberlin e Jackson, 1987:586
  18. Germà Bel (13). THE FIRST PRIVATIZATION: SELLING SOEs AND PRIVATIZING PUBLIC MONOPOLIES IN FASCIST ITALY (1922-1925) (PDF) (em Língua inglesa). Universitat de Barcelona (GiM-IREA) & Barcelona Graduate School of Economics. CAMBRIDGE ECONOMIC JOURNAL. Página visitada em 30 de março de 2014.
  19. Germà Bel (13). Against the mainstream: Nazi privatization in 1930s Germany (PDF) (em Língua inglesa). Universidade de Barcelona. IREA. Página visitada em 30 de março de 2014.
  20. Privatização - Introdução (HTML) (em português). BNDS. BNDS (13). Página visitada em 30 de março de 2014.
  21. Peter Evans, Dependent Development: The Alliance of Multinational State and Local Capital in Brazil (Princeton NJ : Princeton University Press) 1979, p. 12
  22. Cardoso's Brazil 1979, p. cap. V
  23. Carlos Henrique Magalhães Costa; Fábio Ricci, Marilsa de Sá Rodrigues Tadeucci e José Luís Gomes (13). PRIVATIZAÇÃO DA COMPANHIA SIDERÚRGICA NACIONAL E SUAS CONSEQUÊNCIAS PARA O MERCADO DE TRABALHO E A ECONOMIA DO MUNICÍPIO DE VOLTA REDONDA. (PDF) (em Língua inglesa). The 4th International Congress on University-Industry Cooperation. The 4th International Congress on University-Industry Cooperation. Página visitada em 30 de março de 2014.
  24. Governo do Rio quer rever privatizaçao do Banerj (HTML) (em português). Diário da Grande ABC. Diário da Grande ABC (5). Página visitada em 30 de março de 2014.
  25. RICARDO GALHARDO (14). Privatização em São Paulo arrecadou R$ 77,5 bilhões desde governo Covas (HTML) (em português). O Globo. O Globo. Página visitada em 30 de março de 2014.
  26. Economia - Aeroporto do Galeão, no Rio, é privatizado por R$ 19 bi e Confins, em Minas, por R$ 1,82 bi (HTML) (em português). JBFM. JBFM (22). Página visitada em 30 de março de 2014.
  27. Fernanda Calgaro (27). BR-040 é leiloada com 61% de desconto, o maior do ano (HTML) (em português). UOL. UOL. Página visitada em 30 de março de 2014.
  28. Evilásio Salvador (27). A Privatização da Previdência do Servidor Público: a FUNPRESP e a financeirização das aposentadorias e pensões (PDF) (em português). Cadernos ASLEGIS pp. 19. Cadernos ASLEGIS. Página visitada em 30 de março de 2014.
  29. Florestan Fernandes: 1989, p. 85
  30. Eduardo Rodrigues; Sabrina Valle (23). Governo antecipa primeiro leilão do pré-sal para outubro (HTML) (em português). Agência Estado. Estado de São Paulo. Página visitada em 30 de março de 2014.
  31. Privatization milestones (HTML) (em Língua inglesa). Privatization Barometer. Privatization Barometer (4). Página visitada em 30 de março de 2014.
  32. Norma Cohen (13). A Bloody Mess: How has Britain's privatization scheme worked out? Well, today, they're looking enviably upon Social Security. (HTML) (em Língua inglesa). The American Prospect. Third World Traveler. Página visitada em 30 de março de 2014. "Norma Cohen é a repórter corporativa senior do Financial Post e atualmente é a responsável pela pauta de pensões."
  33. a b c d e f g ERIC MORRIS (28). HOW PRIVATIZATION BECAME A TRAIN WRECK (PDF) (em Língua inglesa). Universidade da Califórnia pp. 8. Universidade da Califórnia. Página visitada em 30 de março de 2014.
  34. Ellen Brown (1). Want to Have a Happy Planet? Just Ask Costa Ricans About Their Banks (PDF) (em Língua inglesa). Alternet. COMER. Página visitada em 30 de março de 2014.
  35. Cuba permite a privatização de barbeiros e esteticistas (HTML) (em português). TVI 24 (13). Página visitada em 30 de março de 2014.
  36. Leandra Felipe (8). Governo cubano anuncia privatização dos serviços de táxis (HTML) (em português). TVI 24. Página visitada em 30 de março de 2014.
  37. Nilo Bowie (16). Cuba’s economic reforms: Socialism with neoliberal characteristics? (HTML) (em Língua inglesa). Russia Today. Russia Today. Página visitada em 16 de abril de 2014.
  38. Cashing in (HTML) (em Língua inglesa). The Economist. The Economist (4). Página visitada em 30 de março de 2014.
  39. Ajay Vaishnav; Rohit Joshi e Ravi Tripathi (2). Privatization in Power: Less gain, more pain! (HTML) (em Língua inglesa). 'Zee News'. Zee News. Página visitada em 30 de março de 2014.
  40. Devesh Kapur; Ravi Ramamurti (2). CENTER FOR RESEARCH ON ECONOMIC DEVELOPMENT AND POLICY REFORM (PDF) (em Língua inglesa). Universidade de Stanford pp. 42. Universidade de Stanford. Página visitada em 30 de março de 2014.
  41. Rekha Jain; G. Raghuram e Rachna Gangwar (2). Airport Privatization in India: Lessons from the Bidding Process in Delhi and Mumbai (PDF) (em Língua inglesa). Instituto Indiano de Administração pp. 54. Instituto Indiano de Administração. Página visitada em 30 de março de 2014.
  42. Ganapati Bhat (2). [http://www.csstc.org/reports/egm/P4/Presentation_India.htm Privatization of State Owned Enterprises in India: A Case Study of India Tourism Development Corporation Limited (ITDC)] (HTML) (em Língua inglesa). Research & Information System for the Non-Aligne and Other Developing Countries. Research & Information System for the Non-Aligne and Other Developing Countries. Página visitada em 30 de março de 2014.
  43. T. Sinha (2). India: Privatization and Liberalization in a Trillion Dollar Economy (PDF) (em Língua inglesa). ICPR pp. 5. ICPR. Página visitada em 30 de março de 2014.
  44. Sergio De Castro (28). El Ladrillo: Bases de la Política Económica del Gobierno Militar Chileno (PDF) (em Língua castelhana). CEP Chile. CEP Chile. Página visitada em 30 de março de 2014.
  45. Gilberto Villarroel (10). La herencia de los "Chicago boys" (HTML) (em Língua castelhana). BBC. BBC. Página visitada em 30 de março de 2014.
  46. Selbin Kabote (13). The Privatisation of state owned enterprises in Africa: Challenges and opportunities (HTML) (em Língua inglesa). IQ4. YMCA. Página visitada em 30 de março de 2014.
  47. RAPPORT D'INFORMATION (HTML) (em Língua francesa). Assembleia Constituinte da República de Camarões. Assembleia Constituinte da República de Camarões (13). Página visitada em 30 de março de 2014.
  48. John S. Holtzman; Adel Mostafa, Ezz El Din Abdel Kader, Nabil El Santricy e Sherif Fayyad (1). MONITORING, VERIFICATION AND EVALUATION UNIT AGRICULTURAL POLICY REFORM PROGRAM (PDF) (em Língua inglesa). Governo do Egito. ABT Associates Inc.. Página visitada em 30 de março de 2014.
  49. Karen Piper (10). Water Privatization Overlooked as Factor in Egypt's Revolt (HTML) (em Língua inglesa). Revista Commons. Revista Commons. Página visitada em 30 de março de 2014.
  50. Deborah Amos (20). In Egypt, Revolution Moves Into The Factories (HTML) (em Língua inglesa). NPR. NPR. Página visitada em 30 de março de 2014.
  51. WAYNE ARNOLD (23). INTERNATIONAL BUSINESS; Thai Oil Stock Offering Is Much in Demand (HTML) (em Língua inglesa). The New York Times. Página visitada em 30 de março de 2014.
  52. UMESH PANDEY (29). Thaksin Pushes Ahead With Privatization Of State Firms Despite Slump in Markets (HTML) (em Língua inglesa). Wall Street Journal. Página visitada em 30 de março de 2014.
  53. UMESH PANDEY (30). PTT to Debut Amid in Market, Expects to Raise $668.4 Million (HTML) (em Língua inglesa). Wall Street Journal. Página visitada em 30 de março de 2014.
  54. Tony Cartalucci (29). Thailand: Protesters Want Oil Back for Thai People (HTML) (em Língua inglesa). NSNBC. Página visitada em 31 de março de 2014.
  55. Antonio Luiz M. C. Costa (24). As voltas que o mundo dá (HTML) (em português). Carta Capital. Página visitada em 30 de março de 2014.
  56. James Petras (8). Mexico: The Political Cost of Privatization of Oil and Electricity (em Língua inglesa). Lahaine. Página visitada em 30 de março de 2014.
  57. México apresenta projeto de abertura do setor de energia (em pt). Estado de São Paulo. Revista Veja (12). Página visitada em 30 de abril de 2014.
  58. Muhammad Sharif Chaudhry (20). Fundamentals of Islamic Economic System: Privatization (HTML) (em Língua inglesa). Muslin Tents. Página visitada em 30 de março de 2014.
  59. Felix Pomeranz (20). [www.iefpedia.com/english/wp-content/uploads/2009/09/Privatization-and-the-Ethics-of-Islam.doc Privatization and the Ethics of Islam] (DOC) (em Língua inglesa). Center for International Business Education and Research. Iefpedia. Página visitada em 30 de março de 2014.
  60. Mhamed Biygautane; Mohammed Lahouel (20). The Political Economy of Privatization in the Maghreb Region: How Domestic and External Factors Have Shaped the Privatization Process and Outcomes (PDF) (em Língua inglesa). Escola de Governança de Dubai pp. 18. Escola de Governança de Dubai. Página visitada em 13 de abril de 2014.
  61. Loo-See Beh; Abdullah Alameer (20). Privatization in the Middle East: An Insight Into Yemen’s Initiatives (PDF) (em Língua inglesa). Faculty of Economics and Administration, University of Malaya pp. 13. Faculty of Economics and Administration, University of Malaya. Página visitada em 13 de abril de 2014.
  62. MARIA-TZINA LERIA; Caroline D’Angelo (20). Water for All in Algeria: Interview with Jean Marc Jahn (HTML) (em Língua inglesa). Student Report. Student Report. Página visitada em 13 de abril de 2014.
  63. JEDDAH: KHALIL HANWARE (31). Saudia privatization in final stages (HTML) (em Língua inglesa). Arab News. Arab News. Página visitada em 13 de abril de 2014.
  64. Abdeljalil Ghanem; Said Elfakhani (20). Privatization of Gulf Industrial Institutions: The Secret of Sussess (HTML) (em Língua inglesa). Middle East Policy Council. Middle East Policy Council. Página visitada em 13 de abril de 2014.
  65. Myrian Ababsa (20). Privatisation in Syria (PDF) (em Língua inglesa). EUI Working Papers pp. 23. EUI Working Papers. Página visitada em 13 de abril de 2014.
  66. TUNISIA -- Enters a New Phase (HTML) (em Língua inglesa). Pangea Partners. Pangea Partners (20). Página visitada em 13 de abril de 2014.
  67. Privatization in Tunisia (HTML) (em Língua inglesa). FDI. FDI (20). Página visitada em 13 de abril de 2014.
  68. Tunisia's Privatization Program Generates TD940Mn in Revenues (HTML) (em Língua inglesa). Al Bawaba. Al Bawaba (26). Página visitada em 13 de abril de 2014.
  69. Privatization in Egypt and Tunisia: liberal outcomes and/or liberal policies? (HTML) (em Língua inglesa). Eldis pp. 23. Eldis (20). Página visitada em 13 de abril de 2014.
  70. PRIVATISATION OF TUNISIE TELECOM HERALDS A NEW ERA OF GROWTH (HTML) (em Língua inglesa). Al Bawaba. Balancing Act (20). Página visitada em 13 de abril de 2014.
  71. Pepe Escobar on Iraq - The U.S. "Surge" in Iraq and the oil law.. Sao Paulo, Brazil: The Real News. Acessado em 2007-06-29. Evento ocorre em 2:25 - 3:14.
  72. Kramer, Andrew E.. "Deals With Iraq Are Set to Bring Oil Giants Back", The New York Times, 2008-06-19.
  73. Kramer, Andrew E.. "Iraq Cancels Six No-Bid Oil Contracts", The New York Times, 2008-09-10.
  74. Recep Tayyip Erdoğan (2010). Privatization in Turkey (HTM) (em Língua inglesa). OIB. Página visitada em 30 de março de 2014.
  75. JAVIER FERNÁNDEZ MAGARIÑO (30). Turquía inicia la privatización de 2.000 kilómetros de autopistas (HTML) (em Língua castelhana). Cinco Dias. Página visitada em 30 de março de 2014.
  76. Recep Tayyip Erdoğan (12). Turquía anuncia programa de privatización 2004 (HTM) (em Língua castelhana). People Daily. Página visitada em 30 de março de 2014.
  77. M Hanif (16). بحث داغ محافل اقتصادی ايران درباره فرمان آيت الله خامنه ای) (HTML) (em Língua persa). BBC. BBC. Página visitada em 30 de março de 2014.
  78. SHIRZAD AZAD (16). THE POLITICS OF PRIVATIZATION IN IRAN (HTML) (em Língua inglesa). GLORIA Center. GLORIA Center. Página visitada em 30 de março de 2014.
  79. BORZOU DARAGAHI (20). Rewards Have Risks on the Tehran Stock Exchange. New York Times. Página visitada em 30 de março de 2014.
  80. Negar Roshanzamir (3). Iran to privatise but cling to big oil companies (HTML) (em Língua inglesa). Financial Times. Financial Times. Página visitada em 30 de março de 2014.
  81. Iran to launch investment banks (HTML) (em Língua inglesa). Press TV. Pay Vand (13). Página visitada em 30 de março de 2014.
  82. Iran to privatize over 500 state-owned firms (HTML) (em Língua inglesa). Press TV. Press TV (13). Página visitada em 30 de março de 2014.
  83. Mohammad KARIMI; Ali CHESHOMI e Behzad Hassannezhad KASHANI (20). THE PRIVATIZATION EFFECTS ON IRAN INSURANCE INDUSTRY (PDF) (em Língua inglesa). INTERNATIONAL JOURNAL OF ECONOMICS AND FINANCE STUDIES pp. 8. SoSReS SoBiAD. Página visitada em 30 de março de 2014.
  84. Anthony Faiola (15). Japan Approves Postal Privatization (HTML) (em Língua inglesa). The Washington Post. Washington Post. Página visitada em 30 de março de 2014.
  85. a b c Giorgio Sacerdoti (em en). Thanh Nien News (2 dejaneiro 2014). Página visitada em 10 de janeiro de 2014.
  86. Richard Mora; Mary Christianakis (4). Charter Schools, Market Capitalism, and Obama's Neo-liberal Agenda (PDF) pp. 19. Journal of Inquiry & Action in Education. Página visitada em 30 de março de 2014.
  87. Gordon Duff (24). American Intel Meltdown (HTML). Neo East Outlook. Página visitada em 30 de março de 2014.
  88. Chris Kirkham (22). Private Prison Empire Rises Despite Startling Record Of Juvenile Abuse (HTML). The Huffington Post. Página visitada em 30 de março de 2014.
  89. Floor Resolutions (HTML) (em en). Nalc Bulletin (2). Página visitada em 30 de março de 2014.
  90. Matt Stoller (8). Public pays price for privatization (HTML) (em Língua inglesa). Politico.com. Politico.com. Página visitada em 8 de abril de 2014.
  91. William Alden (15). Harrisburg's 'Bad Deal': City Forced To Pursue Parking System Lease Despite Fears (HTML) (em Língua inglesa). Huffington Post. Huffington Post. Página visitada em 8 de abril de 2014.
  92. PAUL DAY (23). Tens of thousands in Spain protest economic policy, corruption (HTML) (em en). Reuters. Página visitada em 30 de março de 2014.
  93. [http://resistir.info/livros/nacionalizacao_banca.pdf A NACIONALIZAÇÃO DA BANCA EM PORTUGAL] (em português). resistir.info. Página visitada em 16 de fevereiro de 2014.
  94. Portugal 'needs £70bn bailout' (em português). The Independent. Página visitada em 16 de março de 2014.
  95. PRIVATIZAÇÃO DA ANA «MOSTRA QUE PORTUGAL TEM A CONFIANÇA DOS INVESTIDORES INTERNACIONAIS» (em português). Governo de Portugal. Página visitada em 16 de fevereiro de 2014.
  96. Águas de Pequim analisa privatização da portuguesa EGF (em português). Económico. Página visitada em 16 de fevereiro de 2014.
  97. Estado encaixa 579 milhões com privatização de 70% dos CTT (em português). Negócios Online. Página visitada em 16 de fevereiro de 2014.
  98. Celso Filipe (22). Chineses da Three Gorges ganham privatização da EDP (act2) (HTML) (em pt). Jornal de Negócios. Jornal de Negócios. Página visitada em 30 de março de 2014.
  99. LUSA (16). Tribunal rejeita providência cautelar de Loures contra privatização da Valorsul (HTML) (em pt). Público. Público. Página visitada em 17 de abril de 2014.
  100. RAQUEL ALMEIDA CORREIA (17). Governo aprova segunda fase da privatização da REN (HTML) (em pt). Público. Público. Página visitada em 17 de abril de 2014.
  101. Fredrik Dahl (13). Yugoslavia Pins Its Hopes on Privatization (HTML) (em Língua inglesa). The Moscow Times. The Moscow Times. Página visitada em 30 de maio de 2014.
  102. LE PLAN DE PRIVATISATION-INDEMNISATION EN BOSNIE (HTML) (em Língua francesa). BOC. Reseáu Voltaire (19). Página visitada em 30 de maio de 2014.
  103. PRIVATISATION DE LA TÉLÉPHONIE MOBILE EN ALBANIE (HTML) (em Língua francesa). Albanian Telegraphic Agency. Reseáu Voltaire (9). Página visitada em 30 de maio de 2014.
  104. Veton Kasapolli (18). Kosovo's PTK privatization: with a little help from old friends (HTML) (em Língua inglesa). Osservatorio Balcani e Caucaso. Osservatorio Balcani e Caucaso. Página visitada em 30 de maio de 2014.
  105. Serbia gets new gov't, prime minister Aleksandar Vucic (HTML) (em Língua inglesa). Tanjun. Tanjung (27). Página visitada em 30 de maio de 2014.
  106. The History of Privatization (HTML) (em inglês). ENI (22). Página visitada em 30 de março de 2014.
  107. ITALY'S STATE OWNED ENI STRUGGLES TOWARD PRIVATIZATION (HTML) (em inglês). OGJ (22). Página visitada em 30 de março de 2014.
  108. LE PRIVATIZZAZIONI IN ITALIA IL CASO ENEL (PDF) (em italiano). OGJ (22). Página visitada em 30 de março de 2014.
  109. Itália anuncia pacote de privatizações para reduzir dívida pública (HTML) (em português). EBC (16). Página visitada em 30 de março de 2014.
  110. SÉRIE DE PRIVATIZAÇÕES NA ITALIA COMEÇA PELA POST ITALIANE (HTML) (em português). Diário do Poder (23). Página visitada em 30 de março de 2014.
  111. Megan Carpentier (6). Austria puts two mountains up for sale (HTML) (em Língua inglesa). Raw Story. Raw Story. Página visitada em 30 de março de 2014.
  112. Sylvia Pogiolli (7). Privatization Of Greek Assets Runs Behind Schedule (HTML) (em en). NPR. Página visitada em 30 de março de 2014.
  113. Elena Moya (24). Greece starts putting island land up for sale to save economy (HTML) (em en). The Guardian. The Guardian. Página visitada em 30 de março de 2014.
  114. Pederson, Jay P.; Derdak, Thomas. In: Jay P.. International Directory of Company Histories. [S.l.]: St. James Press, 1999. 401–403 p. vol. 26. ISBN 1-558-62385-X
  115. French government starts privatization of telecoms giant (HTML) (em Língua inglesa). Agence France-Presse. Taipei Times (2). Página visitada em 30 de março de 2014.
  116. ЗАКОН РСФСР ОТ 24.12.90 N 443-1 О СОБСТВЕННОСТИ В РСФСР (HTML) (em ru). OIB (2010). Página visitada em 30 de março de 2014.
  117. Закон РФ от 03.07.1991 N 1531-1 О приватизации государственных и муниципальных предприятий в Российской Федерации (HTM) (em Língua russa). Best Pravo (3). Página visitada em 30 de março de 2014.
  118. Чубайс, Анатолий (HTML). Lenta.ru (3). Página visitada em 30 de março de 2014.
  119. В. Мау (1). Анти-Стиглиц (Российские экономические реформы в представлении их западных критиков) (HTML). IEP. Página visitada em 30 de março de 2014.
  120. В. Мау (1). Анти-Стиглиц (Российские экономические реформы в представлении их западных критиков) (HTML) (em ru). IEP. Página visitada em 30 de março de 2014.
  121. В. Мау (1). Анти-Стиглиц (Российские экономические реформы в представлении их западных критиков) (HTML). IEP. Página visitada em 30 de março de 2014.
  122. E. Gaidar, Дни поражений и Победы
  123. Arkady Ostrovsky (13). Father to the Oligarchy (HTML) (em Língua inglesa). Financial Times. Página visitada em 30 de março de 2014. "Primeiro parágrafo"
  124. E. Gaidar, Dias de Derrota e Vitória
  125. Залоговые аукционы 1995 года (HTML) (em ru). Kommersant (21). Página visitada em 30 de março de 2014.
  126. Auditoria da Câmara (22). 2.2.3. Необоснованное занижение цены продаваемых государственных активов, притворность конкурсов, низкая результативность продаж (HTML) (em ru). R-Reforms. Página visitada em 30 de março de 2014.
  127. E. Gaidar, Dias de Derrota e Vitória
  128. Arkady Ostrovsky (13). Father to the Oligarchy (HTML) (em Língua inglesa). Financial Times. Página visitada em 30 de março de 2014. "Primeiro parágrafo"
  129. ROSTISLAV KAPELYUSHNIKOV (27). Собственность без легитимности? (HTML) (em ru). Polit.ru. Página visitada em 30 de março de 2014.
  130. Michael Gutkin (22). Джозеф Стиглиц о российских протестах и глобальном «кризисе госуправления» (HTML) (em ru). Golos Ameriki. Página visitada em 30 de março de 2014.
  131. Papel 29 Não trabalhar a 'lei da Privatização? , POR Elena Medova & Larissa Tischenko, Centro de Investigação Financeira, Judge Business School, da Universidade de Cambridge, 2006
  132. Vladimir R. Berman; Filippov, Peter S. (22). Берман В.Р., Филиппов П.С. История приватизации в России (HTML) (em ru). Ru-90.ru. Página visitada em 30 de março de 2014.
  133. Vladimir R. Berman; Filippov, Peter S. (22). Берман В.Р., Филиппов П.С. История приватизации в России (HTML) (em ru). Ru-90.ru. Página visitada em 30 de março de 2014.
  134. УКАЗ ПРЕЗИДЕНТА РФ ОТ 29.12.91 Г. N 341 "ОБ УСКОРЕНИИ ПРИВАТИЗАЦИИ ГОСУДАРСТВЕННЫХ И МУНИЦИПАЛЬНЫХ ПРЕДПРИЯТИЙ" (HTM) (em ru). Best Pravo (24). Página visitada em 30 de março de 2014.
  135. Decreto No.66 de 1992/01/29 "aberta a aceleração da privatização Estado e privatização das empresas municipais definida mecanismo prático".
  136. УКАЗ ПРЕЗИДЕНТА РОССИЙСКОЙ ФЕДЕРАЦИИ ОБ УСКОРЕНИИ ПРИВАТИЗАЦИИ ГОСУДАРСТВЕННЫХ И МУНИЦИПАЛЬНЫХ ПРЕДПРИЯТИЙ (HTM) (em Língua russa). Base.consultant.ru (14). Página visitada em 30 de março de 2014.
  137. Государственная программа приватизации государственных и муниципальных предприятий в Российской Федерации на 1992 год (HTM) (em ru). Soviete Supremo da Federação Russa. Best Pravo (11). Página visitada em 30 de março de 2014.
  138. Hilary Appel, "Voucher Privatisation in Russia: Structural Consequences and Mass Response in the Second Period of Reform". Europe-Asia Studies, Vol. 49, No. 8 (Dec., 1997), pp. 1433–1449.
  139. Privatization with Government Control: Evidence from the Russian Oil Sector, Daniel Berkowitz and Yadviga Semikolenova
  140. Medvedev orders regions to adopt privatization plans by July (HTML) (em ru). Ria Novosti (7). Página visitada em 30 de março de 2014.
  141. Privatization in Russia: 2010 (HTML) (em en). Health Care (7). Página visitada em 30 de março de 2014.
  142. Medvedev confirms course towards privatization of state property (HTML) (em en). Itar Tass (14). Página visitada em 30 de março de 2014.
  143. Russian government approves 5-year privatization plan (HTML) (em ru). Ria Novosti (21). Página visitada em 30 de março de 2014.
  144. Olzhas Auyezov; Patrick Graham (26). Ukraine set to privatize hundreds of state firms: paper (HTML) (em Língua inglesa). Reuters. Reuters. Página visitada em 30 de março de 2014.
  145. Ukraine designates 45 coal mines for sale in privatization push (HTML) (em Língua inglesa). UPI. UPI (11). Página visitada em 30 de março de 2014.
  146. Privatization in Estonia (HTML) (em Língua inglesa). FDI. FDI (13). Página visitada em 30 de março de 2014.
  147. Darman Lopez; Erin Hubbard e John Koetzle (13). Privatization in Estonia (HTML) (em Língua inglesa). ECONC10. ECONC10. Página visitada em 30 de março de 2014.
  148. Estonia (HTML) (em Língua inglesa). Privatization Barometer. Privatization Barometer (6). Página visitada em 30 de março de 2014.
  149. Privatization in Lithuania (HTML) (em Língua inglesa). FDI. FDI (13). Página visitada em 30 de março de 2014.
  150. Lithuania (HTML) (em Língua inglesa). Privatization Barometer. Privatization Barometer (6). Página visitada em 30 de março de 2014.
  151. Privatization in Lithuania (HTML) (em Língua inglesa). FDI. FDI (6). Página visitada em 30 de março de 2014.
  152. Slovakia (HTML) (em Língua inglesa). Privatization Barometer. Privatization Barometer (12). Página visitada em 30 de março de 2014.
  153. a b Capitalism confined (HTML) (em Língua inglesa). The Economist. The Economist (12). Página visitada em 30 de maio de 2014.
  154. STIGLITZ, Joseph E.Making Globalization Work. New York, London: W. W. Norton, 2006. p.142.
  155. Jonas Valente (17). Parlamentares apóiam revisão do processo de privatização (HTML) (em en). Carta Maior. Página visitada em 30 de março de 2014.
  156. MONCKEBERG>, María Olivia. El Saqueo: de los grupos económicos al Estado chileno. Ediciones B Chile, Santiago do Chile, 2001, 269 pp.
  157. Elio Gaspari (9). Grande retrato do rei da privataria (HTML) (em en). Folha de São Paulo. Página visitada em 30 de março de 2014.
  158. a b STIGLITZ, Joseph E.; David E. M. (9). Privatization, information and incentives (PDF) (em en). National Bureau of Economic Research (NBER) pp. 179. Columbia University. Página visitada em 30 de março de 2014.
  159. Peter J. Boettke (9). WHERE DID ECONOMICS GO WRONG? MODERN ECONOMICS AS A FLIGHT FROM REALITY (PDF) (em en). New York University pp. 35. Critical Review. Página visitada em 30 de março de 2014.
  160. a b Valor de mercado da Petrobras supera R$ 220 bilhões (HTML) (em pt). Estado de São Paulo. Estado de São Paulo (4). Página visitada em 30 de março de 2014.
  161. Samantha Lima (20). Mais longe das melhores (HTML) (em pt). Exame (Brasil). Exame (Brasil). Página visitada em 30 de março de 2014.
  162. Banco do Brasil registra lucro líquido de R$ 6,04 bilhões em 2006 (HTML) (em pt). Valor Econômico. Uol Notícias (27). Página visitada em 30 de março de 2014.
  163. Lucro do BB cai 16,3% em 2007, para R$ 5,058 bilhões (HTML) (em pt). Reuters e Agência Estado. G1 (26). Página visitada em 30 de março de 2014.
  164. a b BB volta a ser o maior banco em ativos do País (HTML) (em pt). Estado de São Paulo, Folha de São Paulo, Valor Econômico e Jornal do Brasil. Administradores (1). Página visitada em 30 de março de 2014.
  165. FERNANDES, Adriana e FREIRE, Gustavo. Estatais salvam superavit primário. São Paulo: O Estado de S. Paulo, Economia, p.B1, 23 de Dezembro de 2006.
  166. Do G1, com informações da Reuters e Agência Estado (13 de fevereiro de 2007). [http://g1.globo.com/Noticias/Economia_Negocios/0,,MUL5503-9356,00-PETROBRAS+TEM+LUCRO+RECORDE+EM.html Petrobras tem lucro recorde em 2006 (Ganhos chegaram a de R$ 25,9 bilhões. Valor de mercado da empresa cresceu 33% no ano e chegou a R$ 230 bilhões.)]. G1. Página visitada em 9 de setembro de 2012.
  167. Caio Quero (22 de março de 2010). Petrobras tem o 2º maior lucro entre empresas da América Latina e EUA. BBC Brasil. Página visitada em 9 de setembro de 2012.
  168. Do UOL Economia, em São Paulo (14 de abril de 2011). Petrobras tem o 2º maior lucro entre empresas de EUA e AL; Vale é 6ª. UOL Notícias. Página visitada em 9 de setembro de 2012.
  169. a b Geraldo Hoffmann (26). Vale do Rio Doce, uma empresa com pulmão de ferro (HTML) (em pt). DW.de. Página visitada em 31 de março de 2014.
  170. David Asman (16). 'Your World' Interview With Economist Milton Friedman (HTML) (em espanhol). FOX. Página visitada em 31 de março de 2014.
  171. STIGLITZ, Joseph E.Making Globalization Work. New York, London: W. W. Norton, 2006. p. 320, item 14.
  172. David Martimort; Stéphane Straub (7). PRIVATIZATION and CORRUPTION (PDF) (em en). Universidade de Edinburgh. Página visitada em 30 de março de 2014. "The Tenth Congress was accompanied by economic liberalization…The Party introduced a form of mixed economy, with an overwhelming private agriculture, plus legalized private trade and small-scale private manufacturing."
  173. Joseph Stiglitz (7). More Instruments and Broader Goals: Moving Toward the Post-Washington Consensus (HTML) (em en). Global Policy. Página visitada em 30 de março de 2014.
  174. "The Distributive Impact of Privatization in Latin America: Evidence from Four Countries" by David McKenzie, Dilip Mookherjee, Gonzalo Castañeda and Jaime Saavedra. Brookings Institution Press, 2008, p. 162.
  175. "Why is Sector Reform So Unpopular in Latin America?" by Mary Shirley. The Ronald Coase Institute Working Papers, 2004, pg. 1.
  176. P Keefe (2005). The Research Observer (PDF) (em Língua inglesa) pp. 81-108. Banco Mundial. Página visitada em 31 de março de 2014.
  177. Murray N. Rothbard (12). Como não desestatizar (HTML) (em português). Instituto Ludwig Von Mises. Página visitada em 30 de março de 2014.
  178. Paul Buchheit (13). Seis razões pelas quais privatizações geralmente terminam em desastres (HTML) (em português). Resistir.info. Página visitada em 30 de março de 2014.
  179. Equipe da OCDE (13). [http://www.oecd.org/unitedstates/Briefing-Note-USA-2013.pdf OECD Health Data 2013 How Does the United States Compare] (PDF) (em Língua inglesa). OCDE pp. 2. OCDE. Página visitada em 30 de março de 2014.
  180. Equipe da OCDE (13). [http://www.oecd.org/els/health-systems/49105858.pdf Health at a Glance 2011 OECD INDICATORS] (PDF) (em Língua inglesa). OCDE pp. 204. OCDE. Página visitada em 30 de março de 2014.
  181. O fundamento lógico para a privatização total (HTML) (em português). Instituto Ludwig Von Mises Brasil (13). Página visitada em 30 de março de 2014.
Portal
A Wikipédia possui o
Portal da economia.
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Neoliberalismo