Problema de Shandong

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Manifestantes chineses contra o artigo 156 do Tratado de Versalhes.

O Problema de Shandong (chinês tradicional: 山東問題, chinês simplificado: 山东问题, pinyin: Shandong Wenti) foi o nome dado à disputa dos termos do artigo 156 º do Tratado de Versalhes de 1919 entre a China e o Japão pela posse de Península de Shandong, que havia sido até então uma colônia alemã.

Durante a Primeira Guerra Mundial a China apoiou os Aliados na condição de que as concessões da Alemanha na Península de Shandong fossem devolvidas à China. Apesar deste acordo, o artigo do tratado de paz transferiu as concessões em Shandong ao Japão, em vez de devolvê-las à autoridade soberana da China. O embaixador chinês em Paris, Wellington Koo, afirmou que os chineses que não podiam ceder Shandong, que havia sido a terra natal de Confúcio, principal filósofo chinês, tal como os cristãos não poderia desistir de Jerusalém, e exigiu a devolução da soberania sobre Shandong, em vão. A indignação da China com esta disposição levou a manifestações e o surgimento de um movimento cultural nacionalista conhecido como o Movimento de Quatro de Maio e influenciou Wellington Koo a não assinar o tratado.

A China declarou o fim de sua guerra contra a Alemanha em setembro de 1919 e assinaram um tratado em separado com o país em 1921. Os Estados Unidos mediaram o conflito entre a China e o Japão em 1921 durante a Conferência Naval de Washington, recordando a transferência de soberania para a China de Shandong, em 4 de fevereiro, em troca da concessão de direitos especiais aos japoneses residentes no território.

Ver também[editar | editar código-fonte]