Proceedings of the National Academy of Sciences

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, geralmente referido como PNAS, é a publicação oficial da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos. PNAS é uma importante revista científica que teve sua primeira edição impressa em 1915 e continua a publicar relatórios de pesquisa, comentários, resenhas, artigos especiais, cartas ao editor e ações da Academia muito citados no meio acadêmico. A PNAS geralmente cobre as ciências biológicas, físicas e sociais. Apesar de a maioria dos artigos publicados serem da áreas de ciências biomédicas, a PNAS compra artigos e publica especiais de ciências físicas, sociais e de matemática. A PNAS (abreviada nos EUA Proc Natl Acad Sci USA para referências e catalogação[1] [2] ) tem a sua versão impressa circulando semanalmente e a edição on-line é atualizada diariamente em PNAS Early Edition CODEN: PNASC8.

História[editar | editar código-fonte]

A PNAS foi constituída pela Academia Nacional de Ciências (NAS, na sigla em inglês) dos EUA em in 1914, e teve sua primeira edição publicada em 1915. A NAS foi fundada em 1863 como uma instituição privada, mas com aval do Congresso americano, com a finalidade de "investigar, examinar, realizar experimentos e editar relatórios sobre qualquer assunto das ciências ou das artes." Em 1914, a Academia já estava bem estabelecida.

Anteriormente a fundação da publicação, a NAS publicou três volumes de transações organizacionais, consistindo na sua maior parte de atas de reuniões e relatórios anuais. De acordo com os princípios estabelecidos pelo astrônomo George Ellery Hale, o secretário estrangeiro da NAS em 1914, PNAS publica anúncios breves de membros da Academia e as mais importantes contribuições para a pesquisa de associados estrangeiros assim como trabalhos que membros considerem de especial relevância.[3]

Editores[editar | editar código-fonte]

O primeiro editor-chefe foi o matemático Edwin Bidwell Wilson.

Peer review[editar | editar código-fonte]

Todos os artigos de pesquisa publicados na PNAS são revisados por colegas.[3] O procedimento padrão é ter o artigo encaminhado diretamente à PNAS em vez de ser revista por um membro da Academia. Os membros podem ter até 4 de seus artigos revisados por ano - esse é um processo de revisão aberta porque o membro seleciona e e se comunica diretamente com os autores do artigo. Esses envios e revisões, como todos os feitos para a PNAS, são avaliados para publicação pelo comitê editorial da PNAS. Membros também podem indicar até 2 artigos de não-membros à PNAS cada ano. Esse é um processo de revisão anônimo em que as identidades daqueles que fazem as indicações não são reveladas aos autores. Os indicados são escolhidos pelo membro da NAS.[4] [5] [6]

Publicação de material sensível[editar | editar código-fonte]

Em 2003, a PNAS publicou um editorial afirmando as suas políticas quanto à publicação de material sensível nas ciências da vida.[7] A PNASafirmou que "continuaria a monitorar artigos enviados a fim de identificar material que possa ser considerado inapropriado e que poderia, se publicado, comprometer a segurança pública." Essa declaração estava alinhada aos esforços de diversos outros periódicos científicos.[8] [9] [10] Em 2005, a PNAS publicou um artigo chamado "Analyzing a bioterror attack on the food supply: The case of botulinum toxin in milk" [11] apesar de objeções levantadas pelo Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos da América.[12] O artigo foi publicado com um comentário do presidente da Academia na época, Bruce Alberts, intitulado "Modeling attacks on the food supply" [5].

Impacto[editar | editar código-fonte]

A PNAS é muito lida por pesquisadores ao redor do mundo, particularmente aqueles envolvidos nas ciências básicas. A PNAS Online recebe 11.6 milhões de cliques por mês.[13] A publicação é notável pela sua política de tornar seus artigos publicados disponíveis abertamente a todos 6 meses depois de publicados (acesso livre com atraso), ou imediatamente se os autores assim o desejarem (acesso livre híbrido). Acesso livre on-line imediato (sem o atraso de 6 meses) é fornecido para mais de 140 países em desenvolvimento e para algumas categorias de publicações. Resumos, índices e informação de suporte são gratuitos. Qualquer um pode se registrar para receber índices gratuitamente por e-mail.[14]

Porque a PNAS é auto-sustentada financeiramente e não recebe aportes de capital do governo ou da Academia Nacional de Ciências dos EUA, á cobrada uma taxa de publicação e taxas de assinatura para cobrir os custos editoriais e de publicação.

O fator de impacto da publicação em 2004 foi 10.452, para 2005 foi 10.231, e em 2006 foi 9.643 (medidas do Thomson ISI). A PNAS é a segunda revista científica mais citada, com 1.338.191 citações entre 1994–2004, atrás apenas do Journal of Biological Chemistry com 1,740,902 citações no período). O fator de impacto da publicação é 9,809 (2013).

Artigos clássicos[editar | editar código-fonte]

A PNAS tem sido a primeira a publicar muitas grandes descobertas científicas em várias disciplinas, por exemplo, nos seguintes artigos:

  • Hubble, Edwin (1929). "A relation between distance and radial velocity among extra-galactic nebulae". PNAS 15 (3): 168–173.
  • Nash, John F. (1950). "Equilibrium points in n-person games". PNAS 36 (1): 48–49.
  • Pauling, Linus; Corey, Robert; Branson, Herman (1951). "The structure of proteins: two hydrogen-bonded helical configurations of the polypeptide chain". PNAS 37 (4): 235–240.
  • Schwinger, Julian (1951). "On the Green’s functions of quantized fields. I and II". PNAS 37: 452–460.
  • Briggs, Robert; King, Thomas J. (1952). "Transplantation of living nuclei from blastula cells into enucleated frogs’ eggs". PNAS 38: 455–463.
  • Meselson, Matthew; Stahl, Franklin (1958). "The replication of DNA in Escherichia coli". PNAS 44: 671–682.
  • Danna, Kathleen; Nathans, Daniel. (1971). "Specific cleavage of Simian Virus 40 DNA by restriction endonuclease of Hemophilus influenzae". PNAS 68: 2913–2917.
  • Maxam, Allan; Gilbert, Walter (1977). "New method for sequencing DNA". PNAS 74: 560–564.
  • Sanger, Frederick; Nicklen, S.; Coulson, A. R. (1977). "DNA sequencing with chain-terminating inhibitors". PNAS 74: 5463–5467.
  • Towbin, H.; Staehelin, T.; Gordon, J.. (1979). "Electrophoretic transfer of proteins from polyacrylamide gels to nitrocellulose sheets: procedure and some applications". PNAS 76: 4350–4354.

Referências

  1. List of journals PubMed. Visitado em 2007-09-29.
  2. CAplus Core Journal Coverage List American Chemical Society. Visitado em 2007-09-29.
  3. a b [1]
  4. Information for authors from the PNAS website PNAS website.
  5. Alan Fersht. (May 3, 2005). "Editorial: How and why to publish in PNAS". PNAS 102 (18): 6241–6242. DOI:10.1073/pnas.0502713102. PMID 16576766.
  6. Eugene Garfield. (7 de setembro de 1987). "Classic Papers from the Proceedings of the National Academy of Sciences" (PDF). Essays of an Information Scientist 10: 247.
  7. [2]
  8. Harmon, Amy. "Journal Editors to Consider U.S. Security in Publishing", New York Times, February 16, 2003.
  9. Fauber, John (February 16, 2003), "Science articles to be censored in terror fight", Milwaukee Journal Sentinel, http://www.jsonline.com/story/index.aspx?id=118767 .
  10. Cozzarelli, Nicholas R.. (February 18, 2003). "PNAS policy on publication of sensitive material in the life sciences". PNAS 100 (4): 1463. DOI:10.1073/pnas.0630514100. PMID 12590130.
  11. [3]
  12. "Provocative report on bioterror online", The Atlanta Journal-Constitution, June 29, 2005.
  13. [4]
  14. PNAS electronic table of contents PNAS website for signup and setting management.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]