Processo Raschig

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O processo Raschig (nomeado devido ao químico alemão Friedrich Raschig, 1863–1928) é um processo químico para produzir hidroxilamina (usada para produzir caprolactama para a fabricação de nylon). O processo converte carbonato de amônio a nitrito de amônio, e é convertido à dissulfonato de hidroxilamina e então a sulfato de hidroxilamina.

Outros processo também possuem este nome, muitas vezes citados confusamente na literatura.

Hidrazinas são produzida no processo Olin Raschig. Clorobenzeno e fenol são produzidos no processo Raschig-Hooker.

Processo Raschig-Hooker[editar | editar código-fonte]

Outro processo similarmente nomeado é o processo Raschig-Hooker, um processo industrial para produzir fenol.[1] Ele é feito pela hidrólise de clorobenzeno. Ele é realizado por uma reação em fase gasosa entre vapor de benzeno, cloreto de hidrogênio e oxigênio (do ar) a 230°C:

2 C6H6 + 2 HCl + O2 → 2 H2O + 2 C6H5Cl

O catalisador é cloeto de cobre (II). O clorobenzeno é principalmente usado para a fabricação de fenol, posteriormente, pela reação:

C6H5Cl + H2O → HCl + C6H5OH

Esta reação ocorre a 430°C com um catalisador de silício. Este processo também foi inventado por Friedrich Raschig.

Processo Olin Raschig[editar | editar código-fonte]

O processo Olin Raschig é um processo industrial usado para produzir hidrazina (e hidrazinas e monosubstituidas ou disubstituidas assimétricas [2] )e desenvolvido pela Olin Corporation. Solução de hipoclorito de sódio é misturada com amônia a 5 °C para formar cloramina e hidróxido de sódio, a qual é então rapidamente adicionada a amônia anidra sob pressão e aquecida a 130 °C para gerar hidrazina, água e cloreto de sódio (produto de rejeito). Amônia é usada em um excesso de 33 vezes.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Raschig process - science.jrank.org
  2. Gary R. Maxwell; Synthetic Nitrogen Products - A Practical Guide to the Products and Processes]; Chemistry and Materials Science; Springer US; 2005; pp 337-346; DOI 10.1007/b106641 (em inglês)

Ver também[editar | editar código-fonte]