Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde julho de 2009).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

Em 1983, o Ministério da Saúde através da Divisão Nacional de Saúde Materno Infantil (DINSAMI) elaborou o Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher, com o objetivo de reduzir a morbi-mortalidade da mulher e da criança (PAISMC). Em 1984, o PAISMC foi implantado na FHDF, sendo que em 1991 houve a separação do Programa da Criança (PAISC) do PAISM (Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher). As áreas de atuação do PAISM são divididas em grupos baseados nas fases da vida da mulher, a saber:

• Assistência ao ciclo gravídico puerperal: pré-natal (baixo e alto risco), parto e puerpério; • Assistência ao abortamento • Assistência à concepção e anticoncepção-; • Prevenção do câncer de colo uterino e detecção do câncer de mama; (Portaria 3040 de 21 de junho de 1998 do Ministério da Saúde instituiu o Programa Nacional de Combate ao Câncer do Colo Uterino); • Assistência ao climatério; • Assistência às doenças ginecológicas prevalentes; • Prevenção e tratamento das DST/AIDS; • Assistência à mulher vítima de violência.

Atribuições

 Planejar, em conjunto com os Centros de Saúde e outras unidades de saúde regionais, as atividades do PAISM previstas para a população alvo de cada abrangência.  Supervisionar e avaliar as atividades do PAISM nestas unidades.  Programar e supervisionar a distribuição de medicamentos básicos e equipamentos de apoio das ações do PAISM.  Organizar e promover o inter-relacionamento dos profissionais executores das ações do PAISM.  Promover cursos de educação continuada teóricos e práticos, bem como treinamento em serviços para os profissionais.  Detectar o número de horas disponíveis e necessárias de profissionais para atingir a cobertura programada.  Apresentar à coordenação Central do PAISM relatório mensal do Programa em sua Regional.  Participar das reuniões do PAISM central para auxiliar na avaliação, normatização e estabelecimento de diretrizes do PAISM-DF. NAISM - Núcleo de Atenção Integral à Saúde da Mulher O Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher (PAISM) é o programa que define a prática de atenção à população feminina. Foi implantado na rede da SES em 1987 e tem como proposta atender a mulher na sua integralidade, em todas as fases de sua vida, de acordo com as características apresentadas em cada uma delas. Encontra-se integrado na rede de assistência à saúde com ações em nível primário, secundário e terciário. As áreas básicas de atenção do PAISM devem oferecer atendimento:  Às adolescentes, mulheres adultas e às que se encontram no climatério e velhice;  Às mulheres que necessitam de cuidados durante o pré-natal, parto e puerpério;  Às mulheres em situação de violência doméstica e sexual;  Nas ações de planejamento familiar e reprodução humana;  Na prevenção do câncer cérvico uterino e detecção precoce do câncer de mama;  Às mulheres com atenção aos problemas de saúde relacionados ao trabalho. A seguir citaremos exemplos de fatores de riscos gerais a serem avaliados junto à comunidade, lembrando que para cada faixa de idade a influência destes fatores é diferente:  Qualidade inadequada do saneamento - água, esgoto, destino de lixo;  Condições insalubres de moradia – quanto à organização do espaço x pessoas, ventilação, segurança, iluminação, etc.  Situação sócio-econômica precária – desemprego, subemprego, miséria, etc.  Precária higiene pessoal e ambiental;  Transtornos do relacionamento familiar – negligência, abandono, maus tratos, abuso físico, psicológico e sexual, etc.  Consumo inadequado do alimento (acesso, qualidade e quantidade) – obesidade, toxinfecção, desnutrição, etc.  Estilo de vida de risco para a saúde – alcoolismo, tabagismo, uso de outras drogas, sedentarismo, etc.  Antecedentes (histórico familiar) – hipertensão arterial, diabetes, doenças reumáticas, doença mental, câncer, etc.  Não acompanhamento periódico por serviços de saúde – vacinação, exames preventivos, etc. inclui ações educativas, preventivas, de diagnóstico, tratamento e recuperação, englobando a assistência à mulher em clínica ginecológica, no pré-natal, parto e puerpério, no climatério, em planejamento familiar, DST, [[câncer de colo de útero e de mama, além de outras necessidades identificadas a partir do perfil populacional das mulheres.

Em 1980, antes de ser instituído o programa da atenção integral a saude da mulher, a população feminina acima de 15 anos de idade somava 31,86% do total de brasileiros. hoje a parcela feminina totaliza 50,88% da população brasileira. a expectativa de vida também aumentou. passou de 65,7 anos em 1980 para 75,8 anos

Em 2003 teve início a construção da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher - Princípios e Diretrizes, quando a equipe técnica de saúde da mulher avaliou os avanços e retrocessos alcançados na gestão anterior.

Em maio de 2004 o Ministério da Saúde lançou a - Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher - Princípios e Diretrizes, construída a partir da proposição do SUS, respeitando as características da nova política de saúde.

Em julho de 2005 com a posse do então Secretário de Atenção à Saúde e hoje Ministro, Dr. José Gomes Temporão, foram operacionalizadas as ações previstas no Plano de Ação construído e legitimado por diversos setores da sociedade e pelas instâncias de controle social do Sistema Único de Saúde (SUS).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]