Progresso na inteligência artificial

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A inteligência artificial (IA) tem sido empregada em diversas áreas como o diagnóstico médico, comércio em bolsa, controle robótico, direito e modelos científicos. Entretanto, varias aplicações da IA não são vistas como parte da IA: "Várias inovações da IA acabaram por adquirir aplicações gerais, normalmente sem ser chamadas IA, pois uma vez que algo se torna útil e comum o bastante o rótulo de IA deixa de ser utilizado para descrevê-lo."[1] "Várias aplicações da IA são empregadas na infraestrutura de toda e qualquer indústria."[2] No final dos anos 1990 e início do século XXI, a IA passou a ser largamente utilizada como elemento de sistemas maiores,[2] [3] mas raramente estes êxitos são creditados à IA.

Para fins de comparação com o desempenho humano, a inteligência artificial pode ser avaliada ou restrita em problemas bem definidos. Tais testes têm sido denominados "testes de Feigenbaum". Além disso, problemas menores são mais fáceis de serem resolvidos e há um número de resultados positivos cada vez maior.

Avaliação de desempenho[editar | editar código-fonte]

Os resultados dos testes da IA podem se encaixar em algumas dessas classificações abrangentes:

  • ideal: não há como melhorar
  • super-humano forte: supera qualquer humano
  • super-humano: supera a maioria dos humanos
  • par-humano: se iguala aos humanos
  • sub-humano: é superado pela maioria dos humanos

Ideal[editar | editar código-fonte]

Ver também jogo resolvido.

Super-humano[editar | editar código-fonte]

Par-humano[editar | editar código-fonte]

Sub-humano[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. AI set to exceed human brain power CNN.com (26 de julho de 2006)
  2. a b Kurtzweil 2005, p. 264
  3. NRC 1999 em "Artificial Intelligence in the 90s"
  4. doi: 10.1126/science.1144079
    Esta citação será automaticamente completada em poucos minutos. Você pode furar a fila ou completar manualmente
  5. "God's Number is 20"
  6. Tesauro, Gerald. (março 1995). "Temporal difference learning and TD-Gammon". Communications of the ACM 38 (3): 58–68. DOI:10.1145/203330.203343.
  7. Proverb: The probabilistic cruciverbalist. By Greg A. Keim, Noam Shazeer, Michael L. Littman, Sushant Agarwal, Catherine M. Cheves, Joseph Fitzgerald, Jason Grosland, Fan Jiang, Shannon Pollard, e Karl Weinmeister. 1999. In Proceedings of the Sixteenth National Conference on Artificial Intelligence, 710-717. Menlo Park, Calif.: AAAI Press.
  8. http://www.physorg.com/news193908598.html
  9. Reversi#Computer_opponents
  10. doi:10.1016/S0004-3702(01)00166-7
    Esta citação será automaticamente completada em poucos minutos. Você pode furar a fila ou completar manualmente
  11. Watson vence os maiores campeões do Jeopardy!. http://www.nytimes.com/2011/02/17/science/17jeopardy-watson.html
  12. Jackson, Joab. "IBM Watson Vanquishes Human Jeopardy Foes", PC World. Página visitada em 17/12/2011.
  13. Markoff, John. "Google Cars Drive Themselves, in Traffic", The New York Times, 9 de outubro de 2010.
  14. doi:10.1016/j.artint.2010.12.005
    Esta citação será automaticamente completada em poucos minutos. Você pode furar a fila ou completar manualmente
  15. "Polaris drawing professionals to a stand-still", University of Alberta: Express News, 20 de julho de 2007.
  16. Ryan Smith. "U of A researchers win computer poker title", University of Alberta: Express News, 9 de agosto de 2006.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]