Projétil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Projétil balístico)
Ir para: navegação, pesquisa
Projeteis

Projétil balístico é qualquer sólido pesado que se move no espaço, abandonado a si mesmo depois de haver recebido impulso. A munição tem quatro partes essenciais: O invólucro, a espoleta, o propelente (normalmente pólvora) e o projétil. Quando a queima da pólvora produz gases, o projétil, geralmente de chumbo em forma de ogiva, é impulsionado a grande velocidade para fora da arma. É normalmente constituido de chumbo.

Invólucro[editar | editar código-fonte]

Estojos da munição

O invólucro é o componente de união mecânica do cartucho, apesar de não ser essencial ao disparo, já que algumas armas de fogo mais antigas dispensavam seu uso, trata-se de um componente indispensável às armas modernas. O invólucro possibilita que todos os componentes necessários ao disparo fiquem unidos em uma peça, facilitando o manejo da arma e diminui o tempo de intervalo em cada disparo.

Atualmente, a maioria dos invólucro são construídos em metais não-ferrosos, principalmente o latão (liga de cobre e zinco), mas também são encontrados invólucro construídos com diversos tipos de materiais como plásticos (munição de treinamento e de espingardas), papelão (espingardas) e outros.

A forma do invólucro é muito importante, pois as armas modernas são construídas de forma a aproveitar as suas características físicas.

Para fins didáticos, o invólucro será classificado nos seguintes tipos:

  • Quanto à forma do corpo:
    • Cilíndrico: o invólucro mantém seu diâmetro por toda sua extensão;
    • Cônico: o invólucro tem diâmetro menor na boca, é pouco comum;
    • Garrafa: o invólucro tem um estrangulamento (gargalo).

Cabe ressaltar que, na prática, não existe invólucro totalmente cilíndrico, sempre haverá uma pequena conicidade para facilitar o processo de extração.

Os invólucro tipo garrafa foram criados com o fim de conter grande quantidade de pólvora, sem ser excessivamente longo ou ter um diâmetro grande. Esta forma é comumente encontrada em cartuchos de fuzis, que geram grande quantidade de energia e, muitas vezes, têm projéteis de pequeno calibre.

  • Quanto aos tipos de base:
    • Com aro: com ressalto na base (aro ou gola);
    • Com semi-aro: com ressalto de pequenas proporções e uma ranhura(virola);
    • Sem aro: tem apenas a virola;
    • Rebatido: A base tem diâmetro menor que o corpo do invólucro.

A base do invólucro é importante para o processo de carregamento e extração, sua forma determina o ponto de apoio do cartucho na câmara ou tambor (headspace), além de possibilitar a ação do extrator sobre o invólucro.

  • Quanto ao tipo de iniciação:
    • Fogo Circular (anelar): A mistura detonante é colocada no interior do invólucro, dentro do aro, e detona quando este é amassado pelo percussor;
    • Fogo Central: A mistura detonante está disposta em uma espoleta, fixada no centro da base do invólucro, detonada quando a espoleta é esmagada pelo percurssor.

Cabe lembrar que alguns tipos de invólucro, nos diversos itens da classificação, não foram citados por serem pouco comuns.

Projétil sem estojo[editar | editar código-fonte]

São projéteis que não possuem estojo, sendo o corpo formado pelo propelente, espoleta e projétil juntos. As grandes vantagens são o peso e preço reduzidos e simplificação da arma, porém é mais difícil que a culatra seja selada, e é mais comum de se ocorrer cook–off, ou seja quando o projétil é disparado acidentalmente devido a camara ter se aquecido demais, o que é relativamente comum neste tipo de cartucho devido o propelente ter contato direto com as paredes da camara.

Propelente[editar | editar código-fonte]

Propelente ou carga de projeção é a fonte de energia química capaz de arremessar o projétil a frente, imprimindo-lhe grande velocidade. A energia é produzida pelos gases resultantes da queima do propelente, que possuem volume muito maior que o sólido original. O rápido aumento de volume de matéria no interior do estojo gera grande pressão para impulsionar o projétil.

A queima do propelente no interior do estojo, apesar de mais lenta que a velocidade dos explosivos, gera pressão suficiente para causar danos na arma, isso não ocorre porque o projétil se destaca e avança pelo cano, consumindo grande parte da energia produzida.

Atualmente, o propelente usado nos cartuchos de armas de defesa é a pólvora química ou pólvora sem fumo. Desenvolvida no final do século passado, substituiu com grande eficiência a pólvora negra, que hoje é usada apenas em velhas armas de caça e réplicas para tiro desportivo. A pólvora química produz pouco fumo e muito menos resíduos que a pólvora negra, além de ser capaz de gerar muito mais pressão, com pequenas quantidades.

  • Dois tipos de pólvoras sem fumo são utilizadas actualmente em armas de defesa:
    • Pólvora de base simples: fabricada a base de nitrocelulose, gera menos calor durante a queima, aumentando a durabilidade da arma;
    • Pólvora de base dupla: fabricada com nitrocelulose e nitroglicerina, tem maior conteúdo energético.

O uso de ambos tipos de pólvora é muito difundido e a munição de um mesmo calibre pode ser fabricada com um ou outro tipo.

Espoleta ou Cápsula[editar | editar código-fonte]

Espoletas

A espoleta é um recipiente que contém a mistura detonante e uma bigorna, utilizado em cartuchos de fogo central.

A mistura detonante, é um composto que queima com facilidade, bastando o atrito gerado pelo amassamento da espoleta contra a bigorna, provocada pelo percussor. A queima dessa mistura gera calor, que passa para o propelente, através de pequenos furos no estojo, chamados eventos.

  • Os tipos mais comuns de espoletas são:
    • Boxer: muito usada atualmente, tem a bigorna presa à espoleta e se utiliza de apenas um evento central, facilitando o desespoletamento do invólucro, na recarga;
    • Berdan: utilizada principalmente em armas de uso militar, a bigorna é um pequeno ressalto no centro da base do invólucro estando a sua volta dois ou mais eventos;
    • Bateria: utilizada em cartuchos de caça, tem a bateria incorporada na espoleta de forma a ser impossível cair, facilitando o processo de recarga do invólucro.

Outros tipos de espoletas foram fabricados no passado, mas hoje são raros de serem encontrados.

Tipos de pontas[editar | editar código-fonte]

  • Ogival: uso geral, muito comum;
  • Canto-vivo: uso exclusivo para tiro desportivo; tem carga reduzida e perfura o papel de forma mais nítida;
  • Semi canto-vivo: uso geral;
  • Ogival ponta plana: uso geral; muito usado no tiro prático (IPSC) por provocar menor número de "engasgos" com a pistola;
  • Cone truncado: mesmo uso acima.
  • Semi-ogival: também muito usado em tiro prático;
  • Ponta oca: capaz de aumentar de diâmetro ao atingir um alvo humano (expansivo), produzindo assim maior destruição de tecidos.

Tipos de projéteis[editar | editar código-fonte]

  • Expansiva (Dum Dum) - O projétil tem uma ponta oca e riscos na parte de fora. Quando ele encontra um objeto aquoso ou gelatinoso como um órgão animal, abre como se fosse uma flor, fazendo uma verdadeira cratera dentro do alvo. O dano é tão grande que seu uso é proibido em guerras.
  • Encamisada - O projétil tem um revestimento de cobre, náilon ou outro material que deslize pelo cano da arma melhor que o chumbo. Resultado: o tiro sai com mais velocidade, o que melhora a precisão e o alcance do disparo.
  • Traçante - Tem uma pequena quantidade de fósforo na base ou na ponta do projétil que se incendeia a quando da combustão da pólvora ou devido ao atrito com o ar deixando um rastro luminoso visível a olho nu na escuridão.
  • Explosiva - Após o disparo, a carga líquida contida no interior do projétil (normalmente mercúrio ou glicerina) sofre uma aceleração violenta, e se comprime para trás; quando a munição atinge o alvo, a substância se expande para frente. Nesta expansão, o líquido empurra a ponta da munição, que se projeta para frente. Com isso, a munição se fragmenta tal qual uma granada, podendo causar ferimentos gravíssimos em um raio de até 20 centímetros a partir do ponto de impacto.

Projéteis cinéticos[editar | editar código-fonte]

Um projétil que não contém uma carga explosiva ou qualquer outro tipo de carga é chamado de projétil cinético, arma de energia cinética, ogiva cinética ou arma de penetração cinética. Armas de energia cinética típicas, podem variar de projéteis rombudos, como simples pedras arremessadas até artefatos aerodinâmicos pontiagudos modernos com alto poder de penetração, como um penetrador por energia cinética. Esse tipo de projétil, para ser efetivo, precisa de algum recurso para atingir grandes velocidades antes do impacto com o alvo, indo desde queda livre à foguetes lançadores. De qualquer forma, essas armas funcionam adquirindo uma grande velocidade e então colidindo com o alvo, convertendo sua energia cinética em ondas de choque e calor.

Algumas dessas armas de energia cinética visando alvos no espaço, são chamadas de armas antissatélite ou mísseis antibalísticos. Como a velocidade necessária para atingir um objeto em órbita é extremamente alta, a energia cinética liberada num eventual impacto é suficiente para destruir o alvo; explosivos não são necessários. Por exemplo: a energia do TNT é de 4,6 MJ/kg, e a energia de um projétil cinético a uma velocidade de 10 km/s é de 50 MJ/kg, lembrando que um satélite, em geral orbita a Terra a 8 km/s. Um projétil cinético, também pode ser liberado a partir de um avião. Isso é conseguido, substituindo a carga explosiva padrão de uma bomba por concreto, para uma destruição mais precisa e com menos "danos colaterais".

Ver também[editar | editar código-fonte]

Literatura[editar | editar código-fonte]

  • NUMMELLA, S.; HUSSAIN, S. T. & THEWISSEN, J.G.M. Cranial Anatomy of Pakicetidae (Cetacea, Mammalia). Journal of Vertebrate Paleontology, v. 26, n. 3, Set. 2006.
  • THEWISSEN, J.G.M. et al. Hippopotamus and Whale Phylogeny. Nature 458, Mar. 2009.
  • THEWISSEN, J.G.M. et al. From Land to Water: the Origin of Whales , Dolphins, and Porpoises. Evo Edu Outreach, Abr. 2009.


Este artigo relativo a armas de fogo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.